A Última Libertação - 1ª Fase

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Seg 18 Nov 2013 - 21:47

Capítulo XXIII


— MÃE!!!

A pequena Elfa corre até o general, os olhos enchendo de lágrimas conforme o desespero dá lugar ao choro, e ela abraça Mustang.

Caçadora se prepara para se manifestar na discussão quando o Explorador chega. Após ver e ouvir tudo, ela fala, olhando para Dornelles:

— Pena que eu estava certa. Agora precisamos tirar essas pessoas daqui. Mustang, leve seus homens! Os outros ajudam a fazer a evacuação! Isso te inclui, Druida! Vendar, nós dois vamos acabar com esse impostor agora!

Com isso a Caçadora salta para cima do impostor, golpeando com o Acusador:
Ataque +43, dano: 1d6+36+7d6+11d8. Decisivo 18-20, em caso de decisivo o dano total é 2d6+72+7d6+11d8+1d10. Arma de Aço-Rubi, ignora qualquer RD.


Observação: Contra ele tenho CA 64, RD 10, Resistência a Energia 30 contra qualquer energia. E se o lugar virar uma Área de Tormenta eu ganho Sentido Sísmico de 15 metros. Afinidade com a Tormenta e os poderes da armadura garantem que meu desempenho não diminua.



(OFF: Eu não disse que ele não é uma autoridade no assunto, disse que ele não é o único. O Mustang tem ainda mais na perícia, a Magda só está 3 pontos atrás dele, e o Dornelles 3 pontos atrás dela. Esses quatro podem ser considerados autoridades. )




Vendar vendo o outro greedson sorri.

— Não sei se o mundo suportaria dois Greedsons. Então. Vamos.

Ele saca sua espada e parte para cima do falso Greeedson.

— Não sei por que mas sinto um prazer acima do normal fazendo isso. E acho que é melhor você mostrar sua verdadeira cara impostor.


( Off: Ataque total em "greedson". Espada táurica anti monstros +36/+36 (4d8+2d6+52+ 1 de const / 19-20))





----------------------------POR FAVOR, IGNORAR ISSO.-------------------------------------
(mensagem apagada, talvez tenha inconsistências nos posts seguintes...)







Ao ver o desenrolar da situação Vendar teve que mudar de estratégia.

—Caçadora. Ajude a Elisabeth e não deixe o falso Greedson fugir. Eu seguro o cavaleiro.

Ele então se põe a frente do monstro que matou Jack Donovan. O portador de simbionte treme um pouco. Ele vê que o inimigo à sua frente pode matá-lo. Ele então junta toda a sua coragem e avança.

- Eu sou mais próximo dos lefeus do que você imagina e dominei algumas de suas disciplinas. Prepare-se para enfrentar meu poder total!

O desafiador começa a avançar e subitamente o próprio tempo e espaço ao seu redor começa a distorcer-se e ser dominado. Subitamente ele se move com uma velocidade sobrenatural e começa a atacar o cavaleiro.



( Off: Mudando minha ação. Vendar ativa distorção temporal ficando com +2 no acerto, CA e testes de reflexos e ficando com um ataque extra. Ele vai dar ataque total no cavaleiro: Espada táurica de aço rubi anti monstros +38/+38/+38 (4d8+2d6+52+ 1 de const / 19-20))





—Cuidem todos do Cavaleiro! Mustang, Dornelles, eu agradeço se tiver alguma ajuda mágica, de preferência mais velocidade de corrida!

Sem esperar mais, a Caçadora parte com tudo para a "máquina" lefeu, numa investida:


Ataque +45, dano: 1d6+36+7d6+11d8. Decisivo 18-20, em caso de decisivo o dano total é 2d6+72+7d6+11d8+1d10. Arma de Aço-Rubi, ignora qualquer RD.

Observação: Contra ele tenho CA 64 (62 pela investida), RD 10, Resistência a Energia 30 contra qualquer energia. E se o lugar virar uma Área de Tormenta eu ganho Sentido Sísmico de 15 metros. Afinidade com a Tormenta e os poderes da armadura garantem que meu desempenho não diminua.

--> Se o resultado da jogada de ataque for menor que 51, uso meu Ponto de Ação extra do Desafiador da Tormenta para ganhar +1d12 no teste.

--> Se a coisa ainda estiver "viva" depois do primeiro ataque, uso Surto Heroico para mais um ataque.

--> Se esse segundo ataque for menor que 51, uso um Ponto de Ação (se tiver usado no anterior o do Desafiador, vai o normal agora) para +1d12 no teste.

--> Se o segundo ataque também não matar a coisa, e eu ainda tiver Pontos de Ação, gasto um (prioridade para o de Desafiador) para fazer um terceiro ataque.

--> Se o terceiro ataque for menor que 51, e ainda tiver Pontos de Ação, gasto um para +1d12 no teste (prioridade para o de Desafiador).

--> Sim, todos os ataques são iguais.




Hellena ataca o Cavaleiro, preparando bem seus socos, que caem em uma tempestade de golpes sobre ele. Se for possível, ela vai flanqueá-lo com Vendar ou qualquer outro, para aplicar Ataques Furtivos (ela pode fazer isso mesmo contra oponentes imunes).

Rajada com Ataque Poderoso, +33/+33/+33/+33, o dano de todos os ataques é 2d6+32 (+6d6 se conseguir flanquear).

Depois disso a menina se afasta de novo, dando espaço aos outros combatentes (Ataque em Movimento).

Nisso tudo a CA dela fica em 47 por conta do Mobilidade.




—Merda, eu sabia que isso podia acontecer! Mexer com um lefeu de casta alta logo de cara não era uma boa ideia, eu devia ter previsto isso.-pragueja Dornelles, ao ver o que se passou-Suba no Volg, ele alcança esse monstro em um instante. Se quiser subir nas costas do monstro, a hora é agora. Vou resgatar Thomas/Elizabeth, antes que el@ seja esmagad@ por essa coisa.

Dando o exemplo, Dornelles sobe nas costas do Lobo das Estepes, grande como um cavalo, e estende a mão pra Caçadora, pra que ela suba junto. Dando um comando de velocidade total ao seu companheiro(presumindo que a caçadora suba junto), Volg sai em disparada, correndo a uma velocidade inacreditável, pra um animal do seu tamanho.

Chegando perto do trem, Dornelles desfere um golpe com sua maça, ainda montado em Volg, enquanto se aproxima de Elizabeth. Volg, aproveitando a ação, desfere um sopro gelado no monstro, já que sabia que não teria como morder e imobilizar algo tão grande, sua estratégia preferida.

Off: montar no Volg, que usa Forma Selvagem Velocidade, ficando com 27m de deslocamento por rodada, e sair desembestado atrás do trem.

Ataque normal com a maça +21, dano 1d8+ 4d6+6, e um sopro de frio do Volg, 4d6, reflexos CD 16 reduz à metade. Alcançando a Elizabeth, vejo o que mais eu faço.




—Concentre-se em tirar Elizabeth de lá, você não tem habilidade para enfrentar essa criatura! Basta me levar até lá se quiser, mas não tente confronto direto com ele! - grita a Caçadora.




Cavaleiro escreveu: Testa Vontade: Rola (1d20)+24: 6,+24 Total:30 (CD 31, FALHA)

Sangue jorrava do corpo morto de Jack. Mas no instante seguinte, um fluxo prateado passa pelos pés do Cavaleiro e começa a subir e cobrir completamente o corpo dele. Ao terminar de cobrir, o Cavaleiro é teletransportado num feixe de luz.

Enquanto isso, Elizabeth, que ainda sentia a dor de ser carregada pela Locomotiva da Tormenta, pisca os olhos e percebe-se no colo de Jack. Ela ruboriza ao olhar fundo nos olhos do Jack e ver algo que ela achava que não existir.

—Nossa, que perigo! Se isso acertasse, talvez pudesse causar um dano. Você está bem, Milady Elizabeth? Essa forma ficou bem melhor do que aquele negão de quase 3 metros de altura que era como Thomas. Se puderem acabar com isso, temos que partir. Creio que queira ir conosco, Tintaglia. Deixe de ser uma criança mimada e vamos partir. As Uivantes estão perdidas. Pelo menos ajude a tirar todos daqui.

Tintaglia, enfurecida, ordena a retirada da população de antes sua Capital. Ela salta e, enquanto voa, muda para a sua esplendorosa forma dracônica.




Os Libertadores, defendiam um flanco onde viam vários tipos diferentes de Lefeu, trazidos da antiga Nivenciuén por Igasehra. A Nuvem Vermelha da Loucura avançava cada vez mais.

Um pouco depois, algo é retirado do Explorador. Um constructo de aproximadamente 7 metros de altura foi colocado próximo ao local onde Jack mantinha Elizabeth nos braços.






[OFF: O Combate vai começar agora, com iniciativas finalmente sendo roladas. Necro, Suas ações serão do Impostor e do Greed'son, mas descreva quais ações eles farão e quais as rolagens, não diga SUCESSO. Caso faça, considerarei automaticamente como uma FALHA.]






Off Vendar vai manter a mesma ação.



Ao ver o desenrolar da situação Vendar teve que mudar de estratégia.

— Caçadora. Não deixe o falso Greedson fugir. Vamos atacá-lo juntos. O resto de vocês por favor evacuem a população.

Ele então se põe a frente do monstro. O portador de simbionte mexe suas quelíceras e sente o impeto de mostrar quem era o mais poderoso e avança.

— Eu sou mais próximo dos lefeus do que você imagina e dominei algumas de suas disciplinas. Prepare-se para enfrentar meu poder total!

O desafiador começa a avançar e subitamente o próprio tempo e espaço ao seu redor começa a distorcer-se e ser dominado. Subitamente ele se move com uma velocidade sobrenatural e começa a atacar o cavaleiro.



Off: Vendar ativa distorção temporal ficando com +2 no acerto, CA e testes de reflexos e ficando com um ataque extra. Ele vai dar ataque total no cavaleiro: Espada táurica de aço rubi anti monstros +38/+38/+38 (4d8+2d6+52+ 1 de const / 19-20)



*Mustang abraça Hellena e diz:*

—Calma eu estou bem Hellena, depois falamos sobre isso..

*Mustang começa usando proteção contra a tormenta no grupo*

—desculpe o atraso, tropa ajudem a evacuar os cidadões, riza va com eles...

*Riza bate continencia e vai com a tropa inteira mas antes beija mustang e diz:*

—Cuidado Roy, volte inteiro para mim...




—Concentre-se em pará-lo, eu retalharei ele pessoalmente!

(OFF: Também mantenho minha última ação com a Caçadora. )



Hellena corre à toda até onde Jack e Elizabeth estão, e tira a mulher do colo dele.

— Eu vou levar meu pai pra segurança, agora vá ajudar as pessoas a sair.

Dito isto, a menina toca para a nau voadora.

— Não se preocupe, papai, nós vamos à forra com eles depois!



Acima, a Tormenta se pronunciava, impossível salvar todos ali, muitos se perderiam, o mais importante era saber do Cálice dos Deuses, como informara Mustang, ainda na nau de Jack.

*Greed'son caminha ante a ameaça e apanha a cabeça de Esuna, de seu corpo destruído.*

"Era um excelente plano, embora eu mesmo tivesse feito melhor. O doppelganger havia aguentado mais tempo do que esperaria, e pode causar confusão entre os membros, o grupo dividido em si." _ refletiu.

Mas, o que realmente trazia Greed'son era a afronta de ter seus planos roubados.

"Pelo menos o Cavaleiro teve o seu teste, infelizmente terei de fazer outro agora." _ pensou ante o triunfo e também o desperdício de seu trabalho.

*Greed'son leva de volta o que sobrou de Esuna, ponderando se daria tempo de mandar um lacaio resgatar os restos do inimigo para sua mais nova criação.*

"A batalha já esta decidida, sem o Cavaleiro o impostor não tem chances contra o poder reunido aqui. Mas nos perdemos se não pudermos levar o cálice conosco." _ pensou consigo.

(Off: Lembrei de pegar a coitada da Esuna. Só falta o Thalus.)



* Elizabeth esta sentia a dor de seus ossos e ainda sim procurava força para lutar contra o que estava acontecendo e de repente se nos braços de Donova e ao ver seus olhos ela diz:*

-—Donovan... Você é...

*Elizabeth fica realmente sem palavras quando vê aquilo nos olhos do Jack e diz depois de um curto tempo e diz:*

—Sim eu estou bem... Obrigado Donovan...

*Elizabeth se sente ser carregada por Elizabeth e diz:*

—Me solte Hellena, eu tenho que Lutar... Uma serva de Keen nunca deve fugir eu tenho que lutar...
vá ajudar as pessoas a fugir eu tenho que proteger O roy e garantir a saída das pessoas daqui...  Ande Hellena me ponha no chão...

*Elizabeth usa uma cura para restabelecer suas forças e voltara atacar a Locomotiva*


— Está bem, pai, mas não é uma fuga. Essa luta não é o problema, o problema é essa tempestade. A Caçadora, o Vendar e o Dornelles estão confiantes de vencer, mas nós temos que sair daqui logo.

*cochichando* - Além disso, eu queria era te tirar dos braços daquele metido a besta que fingiu ser a mamãe!



Aeron logo entra em foco diante do que está acontecendo, partindo para ajudar a combater os inimigos enquanto os sobreviventes são retirados do local.

(OFF: Não tá muito claro quem o povo tá enfrentando, ainda mais que o Necro apagou o post dele que explicava tudo...)



A ARMADURA EXPLODE... Não uma explosão de chamas e fogo, mas uma erupção de um mar de juntas e ligamentos de matéria vermelha. Numa forma de pesadelo, o corpo e armadura viram-se do avesso e uma locomotiva de insanidade e matéria rubra surge correndo sobre sangue escarlate contra todos em seu caminho.

(OFF: Ignore, simplesmente não aconteceu, a luta começa agora, faça seus melhores ataques, e a cidadela está começando a ser sitiada por hordas lefeus.)



Ao ver a situação piorando, com lefeus surgindo de todos os cantos e a dragoa indo embora abandonando toda a cidade à própria sorte, Dornelles abandona o ataque à locomotiva lefeu. A prioridade seria sempre salvar os inocentes.

—Siga em frente, Caçadora, vou cuidar das pessoas deixadas pra trás.

Pulando das costas de Volg e aterrissando com uma cambalhota, ele roga à Mãe da Palavra que empreste a ele seus poderes por um instante, pra evitar que alguns milhares de portadores do conhecimento das montanhas perecesse de forma brutal.

Entoando o idioma celestial antigo, ele começa a recitar: -Mestra do Conhecimento, em uma hora de necessidade o seu servo roga por auxílio. Intercede por todos os presentes, que enfrentam a morte certa. Roga por uma chance de fuga, pra que vivam hoje e possam continuar a aprender com a vida. Pede pra que os inocentes sejam salvos e levados a um local seguro, pra que os que os defendem possam destruir os inimigos que os ameaçam.

Ouvindo seu pedido, Tanna-Toh concede o Milagre pretendido: das árvores começam a sair fios de luz que envolvem os cidadãos abandonados por Tintaglia, teleportando todo os milhares de inocentes pro lugar mais seguro que Dornelles poderia pensar: o enorme bosque de treinamento dos Druidas do Conhecimento, que fica em um lugar secreto, só conhecido por quem é escolhido pra treinar lá. Seus discípulos cuidariam dos inocentes até que o próprio Dornelles voltasse ao bosque pra transportar todos de volta pra cidade. Isto é, se ainda sobrasse alguma cidade no fim da batalha. Seria um desafio e uma lição pros seus aprendizes, cuidar de tanta gente.

Assim que o último cidadão foi levado pra longe da batalha, Dornelles grita pro resto do grupo e pros Libertadores:

—Levei os inocentes pra um lugar seguro, vamos logo encerrar isso aqui, antes que fuja ainda mais ao controle!




Tudo era confuso em Giluk. Nada fazia mais sentido. O Terror e a Loucura caminhavam de mãos dadas nessa cidade. Criaturas bizarras apareciam em vários cantos. No alto de uma casa, um homenzinho observava alegremente toda aquela Loucura que acontecia lá.




Enquanto isso, os habitantes estavam aterrorizados. Não sabiam para onde iam. Viam hordas Lefeu vindo de todos os lados da cidade e dentro das muralhas a coisa estava pior. Os Libertadores de Valkaria começaram a lutar contra vários Kayredrann que cuspiam Tormenta na cidade enquanto Masamune Date transforma-se em um gigantesco dragão e levanta voo, indo atrás da Locomotiva da Tormenta.





A batalha começava a ser decidida, com os Libertadores de Valkaria e o grupo segurando tudo o que Lefeu jogava para cima deles. O Impostor do Greed’son fora morto pelo ataque monstruoso de Vendar e pouco pode fazer para se defender. A maior parte da população já havia sido colocada no Explorador, e Tintaglia e Masamune sobrevoavam o céu causando estragos nas linhas Lefeu com seus Sopros. A batalha estava ganha. Mustang deixara escapar um sorriso. Greed’son aproveitara a vitória certa para recolher os restos de ESUNA. A Caçadora retalhava tudo o que lançavam para ela e Aeron não deixava por menos. Parecia que ambos estavam disputando quem mataria mais. Elizabeth batia de um lado a outro com fúria, enquanto evocava as gargalhadas por Keen. Dornelles orava a Tanna-Toh para que ajudasse na saída da população, e num único surto de poder, a Deusa enviara quase 100 pessoas para longe do perigo.

A vitória estava certa...

Estava...

Num momento, o tempo parou. Os sopros dos dragões travaram no ar. Golpes de espada mostravam os arcos dos golpes no ar. Flechas pararam, parecendo estarem em suas aljavas. Tiros que ecoavam mostraram as pequenas bolas de ferro flutuando. Nesse momento agoniante que parecia durar uma eternidade, todos puderam perceber, várias vezes, que não poderiam fazer nada contra o que aconteceria ali.





Aharadak, o Devorador chegara.

Chegara para mostrar o quanto inferior todos ali presentes eram. Chegara para mostrar o quanto o Deus Menor da Tormenta era implacável. Para mostrar que acabara. Tudo ali seria Lefeu. E não havia nada que ninguém pudesse fazer.

Jack, que entrara no constructo que o Explorador deixara lá, avançava impassível em direção ao Lorde, junto com a sempre fiel ESUNA. Os Libertadores seguiram o louco que atacava o Lorde.

Quando o grupo foi ajudar, quatro pessoas (Se é que poderia seres corrompidos de pessoas) vieram na direção. Um humano (ou o que deveria ser), duas elfas e um goblin (que estava mais horrendo). Todos traziam vários simbiontes pelo corpo e seus olhos eram pura maldade. Um pouco depois de verem os horrores das deformidades dos corpos dos inimigos, puderam identificar seus rostos.

—Os Destruidores de Arsenal -- Dissera Eelai em prantos -- Minha única família.

— Nos deem tempo de retirar todo mundo daqui. Nós continuaremos a retirar a população. Infelizmente não conseguiremos lutar contra nossos companheiros -- Grita Camilla.

—Antigamente você não tinha medo de nada, Camilla -- Fala um elfo que chegara.

— Você está atrasado!!! -- Grita Camilla ao recém chegado.

—Não são todos que podem fazer isso! -- Grita Camilla.




Rolador de dados utilizado = http://www.wizards.com/dnd/dice/dice.htm

Iniciativas escreveu: Vendar +26 = Rolagem (1d20) + 26: 7, +26 = 33
Greed ’son +33 = Rolagem (1d20) + 33: 15, + 33 = 48
Elizabeth +25 = Rolagem (1d20) + 25: 17, +25 = 42
Mustang +27 = Rolagem (1d20) + 27: 12, +27 = 39
Aeron +36 = Rolagem (1d20) +36: 16,+36 = 52
Magda +41 = Rolagem (1d20) +41: 15,+41 = 56
Dornelles +28 = Rolagem (1d20) + 28: 16,+28 = 44
Hellena +28 = Rolagem (1d20) + 28: 5,+28 = 33
Elfa 1 +15 = Rolagem (1d20) +15: 18,+15 = 33
Elfa 2 +14 = Rolagem (1d20) +14: 9,+15 = 23
Humano +27 = Rolagem (1d20) +27: 12,+27 = 39
Goblin +32 = Rolagem (1d20) +32: 19,+32 = 51

Ordem: Magda, Aeron, Goblin, Greed’son, Dornelles, Elizabeth, Mustang, Humano, Vendar, Hellena, Elfa 1, Elfa 2.

[OFF: Bom pessoal, Agora vai... Preparem suas listas de magias (quem precisar) PARA A PRÓXIMA POSTAGEM QUE FIZEREM ou terão AUTOMÁTICAMENTE um valor de 0 PM. Windstorm, veja o Artefato do Vendar que eu havia combinado com você. Quem tiver Liderança sem ficha, não vou considerar no combate. No momento é isso.]




DORNELLES:
Magias preparadas pro dia(já descontando o Milagre usado pra remover os inocentes):


Lista de Magias escreveu:9: Cura Completa em Massa, Milagre(já usado) = 18 pms

8: Tempestade de Fogo(com Energia da Tormenta) x2, Escudo da Ordem = 28 pms

6: Dissipar Magia Maior, Caminhar no Vento = 12 pms

4: 3 Anular Insanidade, 2 Curar Insanidade = 20 pms

total: 78 pms, exatamente.


Off: o talento Energia da Tormenta diz que ocupa uma magia 2 níveis acima, então considerei que a magia preparada consome 2 pms a mais. Se estiverem ignorando essa regra, avisem, que eu adiciono outras coisas com esses 4 pms presos no Energia da Tormenta.

E só pra confirmar: eu salvei 100 pessoas com um Milagre? Não tá faltando um zero no fim do número não?  

Ademais, estou pronto.





Vendar toma a frente Ele via o quanto era insignificante perante o lorde, mas isso não o abala. Ele havia se preparado para isso por toda a sua vida e estava pronto para morrer se fosse preciso. Ele também vê os heróis corrompidos a sua frente. Ele não deixa de ter empatia por eles. A diferença entre os inimigos e ele próprio era muito pequena. Ele levanta sua espada e fala.

— Está na hora. Vamos dar tudo de nós.

Vendar para por um segundo e subitamente o tempo novamente se distorce perto dele. A própria realidade rangia ao ser manipulada pelo desafiador. E ele avança.

— O mínimo que posso fazer por vocês é terminar tudo o mais rápido possível. Adeus. Sempre nos lembraremos dos heróis que vocês foram.



( Off: Vendar usa novamente velocidade (mas guarda alguns turnos para poder usar no Aharadak) e ele gasta um uso de percepção temporal. Ele agora está adicionando a sua sabedoria no acerto, Ca e testes de reflexos. CA 52, reflexos +22, Espada táurica de aço rubi anti monstros +41/+41/+41 (4d8+2d6+52+ 1 de const / 19-20))





Sem esperar mais, a Caçadora parte com tudo para um dos inimigos, numa investida:

Ataque +45, dano: 1d6+36+7d6+11d8. Decisivo 18-20, em caso de decisivo o dano total é 2d6+72+7d6+11d8+1d10. Arma de Aço-Rubi, ignora qualquer RD. Todo dano causado é Não-Letal.

Observação: Contra eles tenho CA 64 (62 pela investida), RD 10, Resistência a Energia 30 contra qualquer energia. E se o lugar virou uma Área de Tormenta eu ganho Sentido Sísmico de 15 metros. Afinidade com a Tormenta e os poderes da armadura garantem que meu desempenho não diminuiu.

--> Se o resultado da jogada de ataque for menor que 8 no dado, uso meu Ponto de Ação extra do Desafiador da Tormenta para ganhar +1d12 no teste.

--> Se a coisa ainda estiver viva depois do primeiro ataque, uso Surto Heroico para mais um ataque. Se não, Surto Heroico para o próximo alvo.

--> Se esse segundo ataque for menor que 8 no dado, uso um Ponto de Ação (se tiver usado no anterior o do Desafiador, vai o normal agora) para +1d12 no teste.

--> Se eu ainda tiver Pontos de Ação, gasto um (prioridade para o de Desafiador) para fazer um terceiro ataque, no mesmo ou no próximo alvo.

--> Se o terceiro ataque for menor que 8 no dado, e ainda tiver um Ponto de Ação, gasto ele para +1d12 no teste (prioridade para o de Desafiador).

--> Sim, todos os ataques são iguais.

--> Ordem dos alvos: 1° Goblin, 2° Humano, 3° Elfa 1. Passa para o próximo quando um cai.





Dornelles, vendo as investidas, protege a mente de Vendar com uma prece rápida, pra impedir que a Tormenta começasse a corromper a mente dele. Sabia que quanto mais poderoso o lefeu, mais ele destruía a mente quem o olhasse. E, com um Lorde na área, o estrago seria enorme. Proteger todos consumiria a maior parte do seu poder mágico, então ele seria obrigado a deixar alguém de fora. Aeron, por ser o mais próximo dos demônios, e por isso correr mais riscos, seria o primeiro. Dependendo de como a batalha fosse, veria seus outros alvos da magia.

Off: Anular Insanidade, pode ser usada mesmo fora da minha ação, e conta como ação livre, como uma magia acelerada. Se puder usar outra vez, mesmo fora da minha ação, uso na Caçadora. A terceira preparada vejo pra quem vai mais tarde.

No meu turno uso outras magias.







—Não pretendia matar heróis por aqui, mas se esse foi o caminho que escolheram, então não há outra escolha...

Aeron pega sua katana, e com velocidade parte em direção ao inimigo, atacando com velocidade e força, esperando acabar com a batalha o quanto antes...


OFF:
Primeiro, uso sem mente (teste de vontade, minha VON=22) para aumentar cada um dos meus ataques.

tabela:
20 a 24 (+2d6)
25 a 29 (+3d6)
30 a 34 (+4d6)
35 ou mais (+5d6)

Então, uso as manobras chi 'dano pelo chi' e 'infusão de poder', e ataco o Goblin (ou quem estiver mais proximo, caso não possa atacá-lo). por fim, uso grito de Kiai, que me dá +2 em ataque e dano.

Lembrando que eu tenho Desafiador da Tormenta, o que me dá +2 em ataque e CA, e com o PA desse talento eu compro mais uma ação padrão, atacando novamente.

Ataques: +54/+54/+54/+54/+54/+54 (dano: 68+xd6, crit.17-20 x3; Alcance 9m)
Se estiver a menos de 9 metros do inimigo, então eu não me movimento e uso essa ação para usar golpe de execução +58 (dano: 78+xd6, crit.16-20 x4; Alcance 9m)

Se o inimigo for derrotado antes de levar todos os 6 ataques eu uso trespassar para tentar atacar o próximo inimigo (o que estiver mais próximo, ou se todos estiverem iguais no humano) e uso os ataques restantes no mesmo inimigo.







(Off: "True" Greed Erudito 12/19 e Mestre Armeiro 10, nova técnica científica: VENENOS.)


Muito a frente de seus pares, após ter recuperado a Manopla dos Planos e o escudo Arte da Guerra, Greed'son avançava num de seus horrores metropolitenses por sobre os servos do Devorador.

O Lorde inspirava o medo, muito bem protegido atrás de seus lacaios, mas Greed não estava interessado em nada disso, mesmo diante da grande ameaça. Ele sabia que o alienígena assim desejasse poderia matá-los apenas com sua presença aterradora, deixando que apenas vislumbrassem a real extensão de seu ser... algo impossível para a mente artoniana conceber, exceto para ele.

Ciente da capacidade dos demais, o erudito investe para medir até onde Aharadak estava disposto a levar aquilo, fosse pelo Cálice ou o tomo, ele tinha de saber.

*Ordena ao construto um ataque de carga contra o deus.*

(Off1: Desafiador da Realidade Aberrante _ Fort+19/Ref+24/Von+20, CA53+Arte da Guerra_escudo pesado de matéria vermelha implementado x2, Amigável, Acessibilidade V _ escudo do portal. Ousadia _ atacando sozinho o Lorde.)



Construto de Metropólis (monstro IX): Construto 20; N; Descomunal, dels. 18m, voo 36M; 160; CA26; pancada+25 (3d6+23); Fort+10, Ref+10, Von+10; For37, Des11, Con-, Int-, Sab11, Car10. Perícia: Iniciativa+11; Talento: Foco em Arma (pancada). TEMPO: Conhecimento Erudito _ Concentração+22nível+9int = 31-1rodadas.




*Aproveitando a distração do ataque, ele dispara seu canhão de mithral.*

(Off2: Saque Rápido+É assim que se faz_canhão de mithral implementado +65/+65/+65, dano: 10d8+12nível+4asd, Explosivo CD29, 19-20/x3, Esmagamento/matéria-vermelha cada.)

*Com a arma vazia, ele atira-lhe uma granada especial.*

(OFF3: Queima 1 ponto de ação e atacar e usa É Assim que se Faz com uma granada de Nimb de matéria vermelha obra prima implementada+66, dano: 12d8 +12nível +2granadeiro +4asd, perfuração, Explosão, 3m.)

(Off4: Caso o Lorde use seu ataque de morte e Greed falhar no teste, ele ainda tem Duro de Matar. Se ainda assim o Lorde atacar novamente, gasto um o ponto ganho por Ousadia para recuperar o uso de Duro de Matar. Aliás, pode mesmo gastar-se pra recuperar o uso de uma habilidade ou talento, não?  )





—Por Keen!

Hellena parte para cima, tentando flanquear os inimigos.

Rajada +35/+35/+35/+35, dano: 2d6+28 (+6d6 se conseguir flanquear).




Dornelles não gritava por sua divindade. Sabia que ajuda a extravasar a adrenalina, mas não era o seu estilo berrar a cada luta em que houvesse risco de morte.

—Volg, acompanhe-a. Ajude nos ataques, mas não se afaste muito. Não adianta morder a cabeça ou pescoço, eles não morrem só com isso.

Com um rosnado e um uivo, Volg sai correndo ao lado de Hellena, atacando os mesmos inimigos.

Concentrando-se, Dornelles começa a conjurar uma magia pra acertar o maior número possível de demônios da Tormenta. Terminando sua prece e os seus cálculos de onde mirá-la, fogo começa a cair dos céus, mesclado à energia rubra alienígena. Uma grande área começa a sofrer danos, mas longe dos membros do grupo, pra não pegar ninguém no dano colateral da magia, focando o estrago nos corrompidos mais poderosos, mas sem atingir Vendar, Aeron e os outros.

Sua segunda magia era uma defesa pros combatentes. Uma proteção que também dificultava a movimentação de servos do caos. Pedindo a Tanna-Toh proteção para Vendar, Aeron, Hellena, Caçadora e Greed'son, ele banha os cinco em luz prateada.

Off: Volg ajudando Hellena a flanquear, atacando junto, Mordida +14(+16 com o flanquear), dano de 1d8+ 8 + 1d6 de frio, e uma Tempestade de Fogo com Energia da Tormenta mirada nos inimigos, mas sem atingir ninguém do grupo. 16d6 de Dano em todo mundo em um cubo de 30m de lado.

Gastando um ponto de ação, Escudo da Ordem nos cinco escolhidos, +4 na CA, testes de resistência, imunidade a possessão e dominação, e todos os alvos caóticos que atacarem têm que fazer um teste de fortitude pra evitar ficar sob o efeito de Lentidão durante um minuto.






1º- Mísseis mágicos,Identificação,Suportar elementos,Compreender idiomas,Ataque certeiro,Armadura arcana,Escudo arcano.

2º- Crãnio Voador de Vladislav, Mão Espectral

3º- Velocidade, Voo, Relãmpago,

4º- Erupção de Aleph, Tempestade Glacial,

5º- Cone Glacial, Teletransporte, Proteção contra a Tormenta em Massa, Proteção das Armas em Massa,Fuga da tormeta.

6º- Círculo da MOrte, Corrente de Relâmpagos, Desintegrar, Visão da Verdade,

7º- Bola de Fogo Controlável, Teletransporte Maior, Reverter Magia

8º- Mata Dragão, Raio Polar,

9º- Desejo, Disjunção, 2 Parar o Tempo,2 Desejos acelerados,
*Mustang se supreende coma situação e ve que o momento de agir era AGORA e ele iria agir da forma mais sensata*

—Arton não vai perder mais Nenhum Heroi para Lefeu Ou eu não me chamo Roy Mustang

"Vi mystica praecepta mea me virtus quaero nunc ....
Accipite haec heroes qui quondam subvertit praebiti meo LAB et incarcerare ad vitandum causando ultra inferentes eis vel quis alius, donec isto mundatis illos penitus a corruptione"

(Forças misticas que obedecem meus comandos, eu EXIJO que me deem sua força agora....
Levem estes herois que uma vez derrubaram arsenal, para meu laboratorio e os aprisione de forma que não possam causar mais nenhum mal a eles ou a ninguem mais, até que eu possa limpa-los da corrupção totalmente)

*Desejo acelerado*


*Depois dos aventureiros contidos mustang diz*

—Vamos dar o fora daqui, vamos evacuar a população AGORA...
Eles precisam e nós...


*Os comandados de mustang ja estavam ajudando a populção junto Hawkeye sem demora antes mesmo destas palavras e agora mustang usava um teleporte maior para levar os que ja foram reunidos pelos seus comandados*

—Ducis arcana tuto vires Portus praecipio

(Que as energias misticas que eu comando levem vocês em segurança para o abrigo seguro)







1º-

2º- Curar Ferimentos Moderados, Força do Touro.

3º- Soco do Arsenal, Curar Ferimentos Graves, Curar Insanidade

4º- Colera da Ordem, Movimento Livre, Restauração

5º- Viagem Planar, Força dos Justos, Coluna de Chamas (x2), Curar Ferimentos leves em Massa

6º- Barreira de Lâminas, Cura Completa, Palavra de Recordação Acelerada

7º- Regeneração, Curar Ferimentos graves em Massa

8º- Escudo da Ordem, Tempestade de Fogo, Curar Ferimentos Críticos em Massa Maximizado e Potencializado

9º- Milagre, Cura Completa em Massa Acelerada e Potencializada, Invocar Monstro XI, Milagre acelerado

*Elizabeth via seus companheiros ali e não queria lutar contra eles mas não havia outro jeito*


—KENN DE ESSES GUERREIROS A DESNVOLTURA EM BATALHA


*mOVIMENTAÇÃO LIVRE*


*Ativar a habilidade da armadura do massacre*






Rolador de dados utilizado = http://www.wizards.com/dnd/dice/dice.htm

Iniciativas escreveu: Vendar +26 = Rolagem (1d20) + 26: 7, +26 = 33
Greed ’son +33 = Rolagem (1d20) + 33: 15, + 33 = 48
Elizabeth +25 = Rolagem (1d20) + 25: 17, +25 = 42
Mustang +27 = Rolagem (1d20) + 27: 12, +27 = 39
Aeron +36 = Rolagem (1d20) +36: 16,+36 = 52
Magda +41 = Rolagem (1d20) +41: 15,+41 = 56
Dornelles +28 = Rolagem (1d20) + 28: 16,+28 = 44
Hellena +28 = Rolagem (1d20) + 28: 5,+28 = 33
Elfa 1 +15 = Rolagem (1d20) +15: 18,+15 = 33
Elfa 2 +14 = Rolagem (1d20) +14: 9,+15 = 23
Humano +27 = Rolagem (1d20) +27: 12,+27 = 39
Goblin +32 = Rolagem (1d20) +32: 19,+32 = 51

Ordem: Magda, Aeron, Goblin, Greed’son, Dornelles, Elizabeth, Mustang, Humano, Vendar, Hellena, Elfa 1, Elfa 2.

Magda escreveu: Ataca o Goblin +45 - Rola(1d20)+45: 5,+45 – Total = 50.
Goblin escreveu: Aparar +45 - Rola(1d20)+45: 9,+45 – Total = 54.

A Caçadora lança-se em direção aos que antes foram heróis. O Goblin, prostrou-se na frente do ataque e quando a Caçadora já quase podia sentir a lâmina trespassando a pequena e horrenda criatura, duas lâminas feitas de ossos recobertos por Matéria Vermelha saem do corpo da criatura e aparam o ataque, absorvendo todo o impacto.



Aeron escreveu:
Testa Vontade +22 - Rola(1d20)+22: 5,+22 – Total = 27 - +3d6 no dano.

Ataca o Goblin = +54/+54/+54/+54/+54/+54
Rola(1d20)+54: 17,+54 – Total = 71 (Acertou) – Dano 6d8+3d6+34 = Rola(6d8+3d6): 6,7,2,3,1,1,5,6,6, - Total = 37+34
Rola(1d20)+54: 15,+54 – Total = 69 (Acertou) – Dano 6d8+3d6+34 = Rola(6d8+3d6): 7,6,4,2,1,6, 6,6,2, - Total = 40+34
Rola(1d20)+54: 07,+54 – Total = 61 (Acertou) – Dano 6d8+3d6+34 = Rola(6d8+3d6): 3,3,6,8,7,7,1,2,4 - Total = 41+34
Rola(1d20)+54: 15,+54 – Total = 69 (Acertou) – Dano 6d8+3d6+34 = Rola(6d8+3d6): 8,4,2,6,8,7,6,2,5 - Total = 48+34
Rola(1d20)+54: 18,+54 – Total = 72 (Acertou) – Dano 6d8+3d6+34 = Rola(6d8+3d6): 4,8,7,1,1,2,3,2,6 - Total = 34+34
Rola(1d20)+54: 07,+54 – Total = 61 (Acertou) – Dano 6d8+3d6+34 = Rola(6d8+3d6): 7,6,2,3,2,6,4,6,4, - Total = 40+34
Dano Total = 444

Aproveitando a brecha causada pela Caçadora, Aeron avança em velocidade espantosa para o seu Oficio, Matar. Em um movimento que pareceu ser um único golpe, o Executor retalha seu alvo. O Goblin parece que nem sentiu a dor enquanto seu corpo se partia em várias partes minúsculas.




Dornelles escreveu: Usa Tempestade de Fogo = Rola(16d6)+11: 6,2,2,4,4,5,1,6,2,4,4,5,5,3,6,6,+11 – Total = 76
Chamas caem do céu, enviadas pela Deusa do Conhecimento, mas os inimigos pareceram não notar os danos causados pela Tempestade. Em seguida, rapidamente uma luz prateada recobre os corpos dos Desafiadores.



Elizabeth escreveu: Usa Movimentação Livre
Com sua reza a Keen, um tipo de óleo surge ao redor dos Desafiadores, um óleo mágico que faz com que possam sempre se mexerem.



Mustang escreveu: Usa Desejo para simular Teletransporte: Humano testa Vontade +15 (CD 31) - Rola(1d20)+15: 5,+15 - Total:20 (FALHOU); Elfa 1 testa Vontade +22 (CD 31) – Rola(1d20)+22: 7,+22 - Total:29 (FALHOU); Elfa 2 testa Vontade +25(CD 31) - Rola(1d20)+25: 5,+25 - Total:30 (FALHOU)
Moldando as energias arcanas a sua vontade, Mustang cria molda o gelo para criar cristais em torno dos Destruidores do Arsenal e os faz desaparecer para seu laboratório.




GREEDSON:

Testa Vontade +20 contra Terror Absoluto (CD 51) - Roll(1d20)+20: 16,+20 - Total:36 (FALHOU)

Area de Tormenta escreveu: Terror Absoluto: Aharadak é envolto por uma aura de medo que se estende por um raio de 30m. A cada rodada, qualquer criatura dentro da aura sofre ld4 pontos de dano temporário de Sabedoria, e deve realizar um teste de resistência de Vontade (CD 51 ). Uma criatura que fracasse em seu teste de resistência ficará apavorada por 2d4 rodadas, enquanto que Lima criatura que fracasse por 10 ou mais cairá morta, sua mente incapaz de aguentar tanto pavor. Mesmo criaturas normalmente imunes a medo são suscetíveis à Aura de Aharadak; no entanto, recebem +8 de bônus em seu teste de resistência. Aharadak pode ativar ou desativar sua aura como uma ação livre.
Greed'son avança em direção ao Lorde, convicto de que seus anos de preparo o deixariam pronto para aquele momento...

Mas nem mesmo ELE havia imaginado a real extensão do poder de Aharadak, O Devorador. Num misero instante quando o Erudito avançava em direção de seu inimigo, ele conseguiu ver a real forma da criatura. Era tão diferente de tudo que sua mente havia imaginado. Greed'son ficou por anos e anos tentando compreender o que exatamente era aquilo. Cada vez que encontrara respostas, viam com mais várias perguntas. E assim ele ia, perguntando e perguntando, enquanto as respostas viam e viam.

E ficara assim para sempre.



----------



Quando Mustang envia os Destruidores de Arsenal ao seu laboratório, o grupo pode ver a real extensão do desastre que estava acontecendo. Os Libertadores e o Jack atacavam o Lorde, que não parecia percebê-los e Greed'son jazia morto na neve próximo aonde o combate acontecia.

Mas num instante, tudo mudou.

Gatzvalith, o Lorde de Trebuck, também chegara ao local. Com seu aterrador poder, todos lá viram que agora realmente a batalha estava perdida.

—Vamos fugir!!!-- Grita Lucian -- Acabou!!!

""E Acabou mesmo, Príncipe Libertador. Sua preciosa empreitada está arruinada. Trebuck agora pertence a Lefeu. Logo tudo pertencerá a Lefeu. ""


Com ódio no olhar, todos recuam ao Explorador. Foram completamente derrotados. Uma derrota humilhante, de quem não pode fazer nada para impedir.


Em segurança, Jack sai do Constructo com um certo olhar de ódio e de dever cumprido.

—Fase 1 completada. Iniciar fase 2 imediatamente! Senhores, todos foram perfeitos. Mas não há tempo a perder. Temos muito o que fazer.[/quote][/quote][/quote]

Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 20:55

Capítulo XXIV


Dornelles recuou quando teve a oportunidade. Sabia que aquilo ia acontecer. Greed'son resolveu enfrentar uma força muito acima do seu limite de poder, e o resultado não poderia ter sido outro. Mais tarde alguém o reviveria. Talvez ele mesmo, se tivesse os materiais necessários.

Pensava que não tinha o direito de se sentir mal, ou derrotado. Um Lorde era algo que nenhum deles teria condições de enfrentar. Mesmo o grupo completo, cada um capaz de destruir uma montanha, falharia em derrotar um Lorde. DOIS Lordes simultaneamente? Havia maneiras mais rápidas e indolores de se suicidar.

Era a lei da natureza: Só sob circunstâncias MUITO fortuitas um animal consegue abater um predador muito mais poderoso so que ele mesmo. E essa não foi uma dessas ocasiões.

Sentado ao lado de Volg, tirando a armadura pra descansar um pouco, não podia deixar de pensar que agora o exército de Yuden responderia ao General Esquentadinho Reclamão Atroz. Roy Mustang não existia mais, seu nome haveria de mudar, afinal, alguém morreu durante o combate. Mas ele sabia que se dissesse isso seria incinerado, e que provavelmente o general alegaria que Greed'son não era um herói, era um idiota suicida ou algo que o valha.



Exausta da batalha, a Caçadora entra rapidamente na nau voadora para que possam abandonar o campo de batalha perdido. Sabia que os Lordes ainda não eram o objetivo, não estava triste com o resultado. Talvez alguma culpa por não lamentar a perda do déspota que, apesar de tudo, tombara lutando por uma boa causa, e infelizmente estava agora além de qualquer esperança.

Não havia mais sentido em manter segredos, também. Depois de ver em extensão tão assombrosa o horror que ela própria carregava no corpo, de ver um companheiro cair de forma tão definitiva, ela apenas comanda sua Veste para recolher a máscara. Se é ela a tombar numa dessas batalhas, que pelo menos Arton possa saber e se lembrar de Magda Imáglia uma última vez.

E assim, cansada, ela aproveita o ar fresco no rosto sem máscara e procura algum repouso, enquanto sua mente vaga e se lembra de uma ocasião alguns dias atrás. Quando o Gigante Rubro, Vendar, entra na nave, Magda o procura em particular:

— Você queria me dizer uma coisa antes de encontrarmos aquele Lich, em Callistia, mas nunca chegou a terminar a frase. O que era?

Vendar se reunia com o restante do grupo no navio. Ele se culpava um pouco pela morte de greedson, mas ele sempre havia avisado o homem que ele não imaginava com o que estava lidando. Vendar sempre tentou avisá-lo, mas o homem sempre o ignorou. Ele fala sozinho enquanto se reúne com os demais.

— Isso é o que acontece quando subestimamos a tormenta Greedson. Todos nós tentamos te avisar.

Ele vai com o restante do grupo, dando adeus ao homem mais idiota que conheceu. Mas que não merecia acabar desse jeito.

Quando todos estão em segurança e magda veio falar com ele em particular o desafiador se afasta com ela dos demais, fica um pouco calado e então fala:

— Magda. O que você sentiu quando aquilo aconteceu no templo de Lena?


— Não sei dizer, muitas coisas. Eu nunca me senti aceita assim antes, eu sempre tive... Sempre tive vergonha do meu corpo. Foi a primeira vez que eu não me vi como uma aberração.

Vendar acaricia os cabelos de magda.

— Nenhum de nós é uma aberração. Não se esqueça disso. Principalmente você.

Ele então fala em um tom triste.

— Naquele templo. Eu me lembrei, eu me lembrei de muita coisa que havia esquecido. Eu me vi como antes do simbionte. E certas coisas que eu não via apesar de estarem diante de mim, ficaram claras como água. Eu senti minha humanidade voltando. e junto dela, sentimentos que retornaram, e outros que eu não dava conta por causa do simbionte.

Ele acaricia de leve o rosto de magda.

— Magda, eu...

Magda então nota que uma parte das placas de matéria vermelha das costas de Vendar começavam a cair.

Magda se permite, dessa vez, apenas ficar confusa, apenas não saber. Quando Vendar se cala, a Lefou estende os braços até o rosto dele e o puxa para perto do seu. Ainda que seja tão alienígena, é como ela, é Humano e é Tormenta. Ela encosta o rosto na carapaça que deveria ser o rosto de um homem, beijando a superfície de leve e sentindo o toque.

Vendar sente o beijo de Magda e a abraça de leve. Ele é incapaz de beijá-la de volta enquanto recebe seu carinho. De tão encantado com a sensação ele não nota quando mais e mais carapaça começa a cair.

Magda também nota algo diferente, era como se a parte corrompida de Vendar estivesse viva e pulsando, mas não do jeito doentio da tempestade, e sim como a sensação de sentir o coração de uma pessoa amada.

Quando o beijo termina Vendar olha para ela.

— Obrigado por...

A frase é interrompida quando ambos notam as carapaças no chão. Vendar fica preocupado.

— Mas o que é isso?

Magda nota que a carapaça de vendar estava caindo, mas não era por corrupção, lembrava mais a troca de pele de uma serpente e um inseto saindo do casulo. As carapaças caem mais e mais exalando um cheiro doce de vida nova e esperança, quando termina Vendar não é uma monstruosidade, era um homem, havia algumas carapaças em seus braços e pernas, mas mesmo estas não tinham mais o aspecto alienígena da tormenta. Até mesmo a carapaça no rosto de Vendar cai. Deixando a mostra o rosto de um homem de cabelos brancos. Vendar fala surpreso.

— Magda. o que...?

Magda apenas se aconchega nos braços de Vendar. Lágrimas de alegria escorrem, o líquido vermelho aglutinando como de costume na roupa e se dissipando na forma do uniforme da Caçadora. Ela pensa por um instante em como Lena alterou sua Veste, e agora sente a mesma energia vindo do outrora Gigante Rubro. Agradecendo em pensamento à deusa da Vida, ela beija o homem que se ocultara por tanto tempo atrás da carapaça.

Vendar recebe o beijo de Magda e depois leva aos mãos aos lábios em seguida ao rosto dela.

- Magda, eu posso sentir. Posso sentir sua pele perfeitamente. É...é um milagre.

Ele então beija magda profundamente enquanto a acariciava com paixão. Vendar agradece com todo o coração a Lena, pelo milagre.

Magda procura, nervosa, insegura, algum lugar mais privado na nave, e vai levando Vendar com ela.

Vendar estava sentindo a cabeça mais leve que a muitos anos. Ele nota Magda querendo ir a um local mais discreta e seu corpo começou a agir sozinho. Vendar põe a desafiadora nos braços dando mais um longo e profundo beijo nela e a leva até o quarto que havia sido reservado anteriormente para ele. Ele a coloca gentilmente sobre a cama e após mais um beijo cheio de desejo ele fala:

— Magda... é isso mesmo que deseja?

—Só seja gentil, meu querido. Eu nunca...

Vendar sorri e dá outro beijo apaixonado em Magda enquanto retira com delicadeza as roupas da jovem. Ele então a possui com um misto de gentileza e virilidade conforme os sentimentos à muito reprimidos de ambos vêm à tona. Conforme o corpo da jovem vai se acostumando ao ato ele se dedica cada vez mais a dar prazer a sua companheira. Eles ficam assim por horas e horas terminando ambos exaustos mas felizes. Depois de terminar Vendar olha nos olhos dela e fala:

— Magda. Desculpe por nunca dizer isso antes. Mas eu te amo.

Ele a beija longa e demoradamente.

—Eu te amo também. Não sei como será para nós depois, e nem me importa agora.

Depois do beijo, Magda adormece nos braços do homem, enquanto o envolve em seus próprios braços.

Vendar também adormece enquanto sente o carinhoso abraço de Magda.



----------



*Guerra era algo complicado e naquele momento era crucial salvar os inocentes incluindo sua filha Hellena, ao ver que mustang havia dado cabo de tudo e ver os lekael Elizabeth não teve duvida ela pegou sua filha no colo e a levou em direção aos refugiados, ela viu Greed'son cair mas aquilo ja era esperado o tolo entrou em uma luta que não era dele ainda, no navio ela tremia com a filha nos braços e dizia:*

---Vc esta bem Hellena ? esta bem meu amor?

Hellena, de seu lado, esteve tensa durante todo o tumulto, mas uma vez que acabou, apenas se deixou levar pelo pai, e agora treme, nervosa com o horror da Tormenta.

- E-eu estou bem, papai. Estou bem, vou ficar legal. Você e mamãe estavam enfrentando aquilo esse tempo todo? Isso é a Tormenta? É horrível demais! Eu não vou deixar vocês sozinhos contra essa coisa! Nunca!


—Sim meu bebe aquilo é Lefeu, e eu sua mãe enfrentamos aquilo sempre... Mas nós não queremos que enfrente isso bebe, queremos seu bem... Por favor não vá atrás daquela coisa.... Nós vamos ficar bem...

*Elizabeth tremia e sua voz firme agora era tremula e indecisa, mas ela tentava passar a maior segurança possível a Hellena*

Hellena treme como Elizabeth, mas seu olhar é decidido.

— Eu não vou deixar vocês sozinhos. Vou lutar ao lado de vocês. Vocês me deram tudo que eu tenho, minhas esperanças, meu futuro, eu não vou deixar vocês. Eu prefiro morrer lutando ao seu lado que esperar em casa aquela coisa chegar depois que vocês caírem. Eu vencerei com vocês ou perecerei com vocês!



*Mustang aprisiona o grupo e fica mais aliviado poderia salvar este valente grupo de herois da destruição, mas ao ver Greed'son indo até lekael, não teve duvidas de sua morte e que ela seria horrivel,apenas se virou para ajudar os civis a ir embora, era seu dever e entre eles achar a pequena Hellenaele procurou alucinado até que alguns de seus subordinados o alertarm quye a pequena estava a salvo e dentro da areonave

Dentro do veiculo, Mustang estava desesperado para encontrar Hellena na confusão, mas a viu sendo carregada por uma bela Mulher, ao ve-la entre os refugiados nos braços de uma das pessoas salvas tremendo o genereal se aproxima das duas aliviado, não se importava com Greedson ele cavou a propria cova e para ser sincero consigo mesmo, já fora tarde na opinião de Mustang agora tudo o que importava era Hellena*

*Mustang se aproxima com caltela e com seu sorrivo mais cativante e diz:*

—Senhorita, muito Obrigado por salvar minha filha, sou o general Roy mustang muito Prazer e estou encantado em conhece-la e qual seia o nome do ser tão maravilhoso que salvou minha filha dos lekael que nos atacaram ?

*Depois ele olha angustiado para Hellena e diz*

—Esta tudo bem meu anjo? Esta tudo bem Hellena? Gostaria que não tivesse visto isso... Isso não faz bem para vc

—MÃE!!!

Hellena se joga nos braços de Roy Mustang, emocionada.

— Eu fiquei preocupada, muito preocupada! Não sabia onde você estava e se ia conseguir voltar! Isso não faz bem pra ninguém, mas eu sei que você não vai parar. Enquanto eu tiver um parente se arriscando nesse horror, eu vou junto!

*Elizabeth da um leve sorriso e depois abre um sorriso confiante e diz:*

—Ela esta bem General mustang, eu cuidei dela ...  Mas respondendo sua pergunta meu bom e galante general... Meu nome é Elizabeth... Prazer em conhecer um dos maiores estudiosos de arton sobre a tormenta e também um dos magos mais poderosos... Sua filha é um encanto sabia...

*Elizabeth fala tudo em tom sexy e com um olhar penetrante para seu objetivo e quando hellena da o pulo e o chama de mãe ela apenas da um sorriso carinhoso*
Hellena está ocupada vendo se Roy está ferido ou precisa de alguma coisa, sabe que o general é orgulhoso e pode ignorar algum ferimento, mas se mantém calada sobre a conversa que está correndo ali.

Elizabeth olha para a filha como se dissese a ela:*

"va dar uma volta e me deixe a sos com sua mãe"

—Querida pq não vai deitar um pouco parece cansada e eu queria conversar um pouco com o General Mustang, ele esta bem não se preocupe e eu vou cuidar dele certo??

*Elizabeth pisca para Hellena e ela sabe o que quer dizer*

"isso é nosso segredinho"

Enquanto isso, Hellena apenas acente. Estava para falar, mas não vai desobedecer o pai. A elfa sai, enquanto escuta atenta às palavras do homem que ela já aprendeu a detestar por se passar por Mustang.



----------



Aeron ficava satisfeito quando via que estavam conseguindo dar conta do grupo adversário, mas logo viu o colega de grupo sendo morto de forma displicente pelo lekael, e como se um só não fosse suficiente, logo o segundo aparece, e ele não tem outra opção além de escapar com o resto dos sobreviventes. Ele não tinha muita pena de Greedson, pois sabia que algo assim aconteceria qualquer dia, mas ainda assim sabe que isso foi péssimo, pois significava um artoniano poderoso a menos contra a Tormenta. Assim que saem do local, Aeron vai até Jack e fala:

—Temos muitas explicações para receber, mas o que eu quero saber de imediato é: O que é essa fase 2? E o que exatamente era a fase 1, porque parece claro que nosso "objetivo" não era realmente o que você nos passou... Estou ficando cansado de ser mandado pro inferno sem nem saber o porquê disso, Donnovan...

—Meus amigos, sinto muito se tenho sido um tremendo de um escroto, mas era necessário. Vocês devem saber que foram formados vários grupos. Por isso, tivemos que dar uma informação falsa para o caso de haver traidores da Tormenta entre as pessoas que chamamos. Essa informação faria que, caso fosse descoberta pelo inimigo, saberíamos que havia um traidor entre os integrantes daquele grupo. Eu realmente sinto muito por ter sido um escroto, mas era um mal necessário... Agora, eu gostaria de explicar exatamente o que aconteceu. Haviam vários infiltrados na nossa operação e basicamente foi uma caça aos traidores. Por isso que não havia como vocês saberem exatamente o que estava acontecendo. Fizemos uma verdadeira limpeza entre os heróis corrompidos, dentre eles os Destruidores do Arsenal, como puderam ver. Não havia em quem confiar... Agora as boas notícias. Sinto muito se menti, mas Yuden não caiu. Não há Área em Yuden. Foi tudo uma armação para descobrir que o Greed’son havia sido substituído. O Exército com uma Nação está como se nada tivesse acontecido... Quanto às noticias ruins, creio que não preciso dizer, Aharadak conquistou completamente as Uivantes. E Gatzvalith, através dos seus seguidores, colocou um prémio na minha cabeça. Por isso, estarei em Ordine ajudando Lady Francesca a convencer o bundão do Deus da Justiça a nos ajudar. Algo mais?


*Mustang escuta atentamente jack e se adianta*

—Qual o próximo passo agora Jack, sabe que tenho muito trabalho a fazer... Fora daqui e tenho novas ordens, então seja breve...


Dornelles estava cuidando de Volg e pensando em um lugar pra onde mandar os refugiados que estavam em seu bosque de treinamento, quando escutou as notícias sobre a caça aos traidores infiltrados. Contactara seus aprendizes quando pôde, e avisou que seria um desafio pro treinamento deles, e avisou que mandaria os refugiados pra outro lugar em breve.

—Há quanto tempo eles estavam entre nós? E temos a certeza de que todos se foram?-pergunta

Ao ver o verdadeiro General Mustang aparecer e ir atrás de sua filha, ele sorri. Ora, Tanna-Toh estava sendo portadora de boas notícias, ao revelar que ao menos com a filha ele não era um falastrão. Volg, farejando o ar, avisa que há gente "procriando" no navio. Usando seu faro, e percebendo a ausência de Vendar e Magda, Dornelles abre um sorriso ainda maior. Um dia cheio de milagres, aparentemente. O cheiro de Lefeu estava mais fraco em Vendar. Sim, isso era algo a ser estudado, mas só depois. Não interromperia a provacidade deles jamais. Ficaria aguardando ordens sobre a próxima missão.


—Dornelles está certo, só porque vocês retiraram muitos espiões não significa que ainda não existam mais deles entre nós. E você ainda não respondeu as minhas perguntas, Jack. Você quer dizer que passamos por tudo aquilo desnecessariamente, só como um meio de ficarmos andando de um lado para o outro até encontrarem os traidores? Além disso, Se a fase 2 é tão urgente, pode nos explicar o que ela é de uma vez, antes que a pouca paciência que ainda temos com você se esgote de vez...



Jack vira Vendar e Magda saírem, e um sorriso escapou do seu rosto. Ele sabia que algo bom acontecera e era por momentos como aqueles que ele batalhava. Ele perdera o suficiente durante suas viagens por diversos mundos para saber que deveria deixa-los desfrutarem daquele momento juntos. Ele espera pacientemente o recém-formado casal voltar à sala de reuniões, para então prosseguir.

—Nós sabíamos que haveria espiões caso começássemos uma campanha militar de escala global contra Lefeu. Então tivemos que criar formas de distrair os Lordes para que pudéssemos agir. Não quer dizer que vocês foram usados. Suas missões foram extremamente importantes para a campanha como um todo. Graças a seus esforços, conseguimos o apoio da Lena e os conhecimentos da Rainha do Gelo estão sendo de extrema utilidade. Isso sem contar que vocês impediram o surgimento de uma nova Área de Tormenta em Tiberus. Isso tudo com uma equipe que não se conheciam e que, sinceramente, eu pensei que iam morrer. A fase 1, meus amigos, compreendia em equiparmos e treinarmos os aventureiros que fariam parte da investida. Tínhamos que fazer isso sem que o inimigo soubesse que se tratava de uma campanha militar, por isso enviamos vários grupos em missões aparentemente sem sentido pelo mundo. O que os arquimagos e eu pretendíamos era que criassem um espírito de equipe, o que conseguimos perfeitamente. Porém nem tudo são flores. Vários heróis foram abatidos, inclusive, como puderam ver, os Destruidores de Arsenal foram corrompidos. Eu havia dito que vocês não são mais crianças antes, lembram? Eu disse e repito. Vocês não são mais crianças, e por isso não podem ser mandados de um lado para outro como garotinhos, e sim participar das decisões que tomaremos... Tenho que ir. Qualquer coisa, nos falaremos depois. Daqui a uns dias nos reuniremos para decidir os rumos que tomaremos.

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 20:57

Capítulo XXV


ANTES


Mustang estava dando um suporte em Tyros, pouco depois de Jack trocar de lugar com ele. Era um trabalho um pouco mais interessante do que o que ele fazia no exército, porém mil vezes mais importante.

Certo dia, recebeu uma carta informando que era para retornar urgentemente a Kannilar, sob pena de morte caso recusar-se. Informando aonde iria, Mustang retornou a capital do Exército com uma Nação, onde imaginava o que o esperava.

Alguns dias depois, afinal o mago viaja muito mais rápido com repetidos teletransportes, o general chega à cidade. Passou primeiro no seu palacete para organizar umas pendencias e logo após seguiu ao quartel general do Exército de Yuden. Havia muita gente que chegava de vários lugares, pois, naquele dia, a Rainha de Yuden, Shivara Sharpblade, faria um pronunciamento que mudaria o reino como um todo. Havia desde os mais rasos soldados até oficiais da mesma patente de Mustang, e isso o deixava nervoso. O que quer que Shivara estivesse planejando era grande, realmente grande.

Poucos minutos depois, o general fora chamado a uma reunião pública, onde o exército se reunia para os grandes discursos de Mitkov. Mustang encaminhou-se a tribuna dos generais, porém fora convidado por alguns oficiais para um local de destaque.

Ao entrar, Roy entendeu do que se tratava. Ele estava sendo julgado. Aquela era a sua Corte Marcial. E, por ele ser um general, era quase certo que isso resultaria na sua execução. Todos os generais que o odiavam estavam lá. Mustang era um garanhão rodeado de Leopardos. Ele era presa fácil. Ele seria trucidado. Ele olhou com fúria para a Rainha-Imperatriz, porém seus olhos diziam que ele devia confiar. E ele confiou.

Em poucos minutos leram todas as acusações. A grande maioria infundada, falsas e invejosas, mas uma em especial fora fato. Ele teve relações com uma oficial de patente inferior a sua, e isso era proibido. Os soldados olhavam para ele todos aguardando o resultado, para saber se o apedrejavam ou outra coisa. O clima era realmente tenso. Até o ar estava pesado. Era difícil saber o que aconteceria.

O resultado daquela armação era óbvio. Mustang fora expulso do Exército de Yuden e num ritual solene, fora arrancadas todas suas medalhas, uma a uma. Quando o ex-general fora falar, Shivara o interrompe.

— Antes que tenha algo a dizer, Duque Mustang, eu irei fazer agora um pronunciamento. O Exército de Yuden até segunda ordem será atrelado ao Exército do Reinado, e a partir desse dia, o Exército com uma Nação reportará ao general do Exército do Reinado - Shivara fez uma pausa enquanto aguardava enquanto os que estavam ali presentes engoliam a noticia. Os oficiais de Yuden sabiam que não havia ninguém no posto há algum tempo e essa podia ser a hora de um deles tomar a liderança do Reinado para si e tirar aquela vaca do poder. Shivara sorriu -- Como todos sabem, o posto está vago há algum tempo. Não estou conseguindo encontrar alguém à altura do cargo. Por isso... -- Novamente a Rainha pausa. “Certamente ela sabe fazer uma cena” pensara Mustang. Ao longe, Riza Hawkey e Maes Hughes trouxeram um novo casaco para o amigo - ... Eu gostaria de saber, Duque Mustang, se o senhor gostaria de tal posição. Até que o senhor morra ou que eu encontre alguém melhor.

Alvoroço. Histeria. Ninguém estava preparado para aquelas noticias. Alguns soldados gritavam enquanto outros procuravam seus oficiais, esperando que eles lhes dissessem o que fazer. Porém, o restante da guarda do Mustang entrara trazendo um prisioneiro. O prisioneiro estava encapuzado e preso por correntes pesadas. Era um homem alto e musculoso, com o corpo coberto por uma capa.

Ao chegar ao lado do general, Roy retira o saco da cabeça do homem e mostra a todos quem era. Mitkov Yudennach III. Com um gesto, Mustang manda ele apontar para os oficiais que estavam do seu lado. Era palpável o ódio que o ex-regente de Yuden tinha ao olhar o namalkariano metido ao seu lado. Mitkov aponta para os generais que acusaram Mustang e Shivara manda prendê-los por alta traição. Enquanto isso, o Exército com uma Nação dava vivas ao Führer Roy Mustang.




[OFF: Próximo mestre, Berserker_Lancelot. Vamos debater no OFF-TOPIC que aventura vocês querem e o mestre selecionado mestrará.]





*Mustang olha para o grupo e para o jack e diz:*

—Bem jack... Talvez mais tarde, eu tenho que ir para yuden imediatamente rever algumas coisas, minha posição atual pede que eu me ausente da investida mais direta por um tempo, Com exercito do reinado para Coordenar e com os destruidores de Arsenal para tentar descoromper acho que vou ter muito Trabalho, Creio que não poderei acaompanha-los. Eu e minha equipe temos que relocar muita gente depois dos últimos acontecimentos, e sim bem... Para vocês que não sabem ainda eu não sou mais o General de Yuden...  Agora eu sou O general do Reinado e tecnicamente regente de yuden, sobre proteção de shivara é logico, mais ainda sim regendo aquele país...

*Riza da um sorriso e diz:*

—Acho que a palavra correta é Führer a partir de agora e não regente, Führer Mustang, mas sim o senhor tem muito trabalho e é necessário em vários lugares, não seria hora de uma nova aventura ...



Batendo uma continência civil, Dornelles saúda o General/Führer.

—Parabéns pela promoção, Führer Mustang. Desejo sucesso na sua empreitada.



Hellena encara Roy com os olhos brilhando de orgulho, antes de correr para abraçá-lo (e derrubá-lo na empolgação).

— PARABÉNS!!! Parabéns, ma... er... General, Führer Mustang! Mein Führer, vai ser um grande regente para Yuden, tenho certeza, o melhor do mundo!

Depois disso Hellena nota que derrubou Mustang. Um pouco envergonhada, ela coloca o general de pé, espana as roupas dele e o abraça de novo.

Magda ouve Jack, se afasta de Vendar depois de mais um beijo e se dirige ao Libertador.

— Primeiro, gostaria de parabenizar o estimado colega Mustang pelo posto de Führer. Mas preciso falar com você, Jack. Um pequeno desvio nessa viagem.


Vendar recebe o beijo de magda e sorri. Era bom sorrir depois de tanto tempo.

— Boa sorte Mustang. Que a papelada não te mate de tédio.

Ele então ouve o que a magda vai dizer.


—Precisamos seguir de perto a nau voadora Bandido, assim que sairmos daqui. Preciso me certificar de uma coisa, além de termos que avisar à tripulação que Greed'son se foi. Mas mesmo depois da partida, devemos segui-los por algum tempo para que eu me certifique de uma coisa.


Elizabeth abre sorriso e diz:

—Bem então deixeme dar os seus parabéns Führer

*Elizabeth se aproxima e abraça de forma sedutora e envolvente o Führer fazendo seus seios ficarem coldaos no peitoral do Führer e lhe da um beijo na boca profundo e lento e depois para e diz em sem ouvido e não antes de morder o lobulo da sua orelha de forma sedutora e firme:*

—Parabéns por sua conquista Führer Mustang, que Keen guie seus passos e quem sabe possamo comemorar sua promoção em um lugar mais intimo, onde possa saudar um Führer como se deve...

*Mustang abraça a filha com entusiamo e ri quando essa o leva ao chão e diz:*

—Sim minha flor, muito obrigado pela confiança.... a de todos, vou fazer o meu melhor e não a papaelada não vai me matar de tedio, tentarei voltar o mais breve possivel para ajudar...

*Mas então a misteriosa mulher se aproxima de mustang e lhe da um beijo e ele não demora em responder e a pega pela cintura e sente os seios delea roçando no seu peito e depois do fim do beijo o convite para algo a mais... Finalmente sua sorte mudara pelo menos para variar era bom ser alvo de uma bela mulher ao invez de corteja-la,ele sorri e diz:*

—Eu adoraria senhorita... quando quiser...

*Quando pensa em fazer algo riza fala alto enquanto puxa roy pelo braço para tira-lo de junto de Elizabeth:*

—Führer.. esse ... esse é thomas... Transformado em mulher por keen...

*O Führer olha com olhar de odio e despreso para Elizabeth e diz:*

—Esta louco? O que vc fez consigo mesmo Thomas... Isso é doentio sabia? Procure alguem para você e me deixe em paz.


Aeron continua em desagrado com as atitudes de Donnovan, mas deixa para continuar com a discussão na próxima vez que se reunirem.

Diante da promoção de Mustang, Aeron fala:

—Só espero que essa tenha sido realmente uma escolha acertada da Shivara...


Hellena acompanhava à distância o flerte entre Ironheart e Mustang, as pessoas que a Elfa aprendera a chamar de pais. Ela não ousaria interferir, mas não sabia o que fazer com o misto de emoções que sentia. Ter uma família unida de verdade seria um sonho, mesmo que fosse só pelos poucos anos de vida que os dois humanos ainda teriam. Mas eles estavam se ferindo. Sem perceber, sem querer acreditar, mas cada passo era uma lança preparada contra o coração do outro.

Mas existem maneiras mais gentis de se cortar um coração, e Riza Hawkeye escolheu a pior maneira. Em um instante o castelo de cartas que Elizabeth/Thomas Ironheart construiu desmoronava sob o olhar de Roy Mustang. Elizabeth era um gênio na guerra, mas no amor era uma tola impetuosa, apostou tudo que tinha em um único lance mal calculado. Mas aquele olhar... Hellena nunca imaginou que Roy pudesse ser tão cruel.

A menina não suportou. Quebrou antes mesmo que a própria Elizabeth pudesse esboçar reação. Com um esgar de ódio e desespero, gritou para Riza:

— EU TE ODEIO! TE ODEIO TE ODEIO TE ODEIO!!!

Não conseguiria ficar mais um segundo naquela sala. Saiu correndo (e a menina estava entre os mais velozes do grupo), derrubando Riza no caminho e quase fazendo o mesmo com Magda e Vendar (esses por acidente). Seu último olhar para Roy Mustang, antes de sair, era tristeza e decepção. A menina se embrenhou na nave procurando um lugar quieto para chorar a mágoa, sem poupar portas em seu caminho.

OFF: Ataque na Riza: Investida, Ataque Poderoso, Furtivo, Sozinha Contra a Escória: +39, dano 2d6+32+6d6.

Separar contra qualquer porta no caminho: Investida, Ataque Poderoso, Rajada, Separar Aprimorado: +39/+39/+39/+39, dano 4d6+64.




Vendar olha para Riza e Roy e fala em um tom de repreenção.

— Vocês fizeram uma menina gentil que ama vocês chorar desse jeito. Espero que estejam satisfeitos.



*Elizabeth ficar chocada e perdida com o olhar de mustang por algum tempo... seriam horas ? minutos ? ela não sabia dizer.... mas havia se machucado de uma forma intensa... nem quanddo ele era homem roy lhe olhava assim, mas ai vinha a maldita culpa, a Tenente Hawkeye.  Mas antes que pudesse fazer algo Hellena ataca Hawkeye de forma furiosa como a serva de Keen iria fazer e ela viu quanto aquela mulher era pequena e baixa... Hawkeye tinha descido muito baixo para mater Mustang ao Lado dela e ela tinha pagado preço... Mustang nunca iria respeita-la como Mulher, pois havia Flertado com outra na frente dela. Isso ja era um começo*


*Elizabeth olha com desprezo para Hawkeye e lhe da mais chute quando esta caida nos seios, e diz:*

—Vai pagar por ter feito Hellena Chorar vadiazinha e você seu namalkariano Bronco vai pagar por esta Humilhação...

*Elizabeth sai atras da jovem elfa*



----------



O Explorador continuava sua viagem até que mais a frente o Bandido começa a ter explosões na fuzelagem e cai em uma parte das uivantes é possivel ver que os tripulantes sairam de lá com vida atravez de alguns balões de goblins e acabam ficando na parte mais proxima da fronteira do imperio com as uivantes exatamente no reino de petrynia , mas aparentemente estavam bem*

*O Explorador seguia sua viagem em direção ao novo obejtivo do grupo e depois de algumas horas Todas a Janelas que mostravem o exterior do veiculos se fecharam e todos perderam a visão do mundo exterior Hora se Passaram e nada mudou ja havia uma certa inquietação entre algums pessoas e e até mesmo entre o grupo em si mas logo o Explorador paraceu aportar em lugar seguro e Firme, e o grupo que estava reunido com exceção de Elizabeth e Hellena foi aborado por Alexander, o princepe sombrio, Mago dos Libertadores de valkaria. ele estava com seu sorrisso Sacratisco de sempre e disse,:*

—Todos vocês sofreram muito com a presença alienigena dos lordes assim como nós mesmo os libertadores...

*Esparmos eram notados nas maos do mago ele tantavam conte-los mas era inutil e ele suava muito tambem...*

—Bem o nosso objetivo agora é nos recuperar deste evento e assim como nós vocês precisam de repouso e recuperação da loucura alienigena, por favor sigam-me...


*Depois de algum tempo andando todos saem em uma praia Paradisiaca e relaxante, todos conseguem sentir toda a vontade de violencia esvaindo para fora deles e depois de mais uma breve olhada no lugar eles tem certeza, essas são as famosas Praias de Serena ,Após isso alexander se vira para vocês e diz:*

—Sei que parece um repouso inutil mas é preciso todos precisam descançar para as arduas tarefas que todos nós temos a seguir...  Assim como alguns de vocês esse Lugar não me agrada muito, mas é o melhor lugar para repousarmos e curarmos os danos mentais a nós impostos...

Aproveitem o reino da Extra Planar que se auto intitula deusa da Paz... Precisaram disso acreditem em mim, o que estar por vir...


O local onde aportam é belo e Alexander diz:

—Não se preocupem com o tempo pois ele passa aqui diferente do que passa em arton, descançem e interajam entre si... Precisaremos de vocês mais unidos do que nunca

*Depois disso alexander apenas se distancia um pouco e fica a sombra de algumas arvores tentando controlar seus tremores*


OFF1:MInha primeira postagem para os personagem reavaliarem a situação depois da queda de mais um iAliado e tambem do nascimento/expansão de uma area de tormenta todos estam com pelo menos duas seuqelas de loucura graves , menos quem é imnune a isso, escolham e interpretem estas sequelas o reino de Marah é um retiro não só para curar o pontos de sanidade, mas para novas reflexões sobre os fatos atuais.

OFF2: Kleber e mamorra seus pjs entram na proxima postagem
OFF3: Lienn quero suas fichas rapido
OFF4: espero resposta do necromancer via pm para introduzir o pj dele




Após confirmar satisfeita o fim da nau voadora e dos experimentos de Greed'son, Magda deixa que os pais lidem com a elfa e puxa Vendar de volta, agora aos seus próprios aposentos na nave. Ela não quis saber de mais nada até que chegassem a Serena. Mesmo depois das palavras do Libertador, a Lefou se apressa em arrastar o Gigante Rubro para algum canto mais discreto da praia.

— Nós não temos todo o tempo do mundo, e podemos não sobreviver a essa empreitada. Vendar eu... eu... fique comigo, seja...

Sem conseguir se conter, Magda se debulha em lágrimas vermelhas.


Vendar ficava um pouco perplexo com a queda da nau. Ele fica preocupado com a perda da nave, mas sabe que havia muito lá que não deveria existir em arton. Quando todos vão para serena ele fala:

— Paz, é algo que realmente muitos de nós não tem tido. Eu entrei em uma grande comunhão com lefeu, por isso a visão dos lordes não me abalou muito. Mas eu sei que deve ter sido duro para as mentes não tão profanadas de vocês meus amigos. Curem as feridas da alma. Eu vou protegê-los se algo acontecer.

Quando Magda o leva a uma parte isolada da praia ele sorri.

— Sim todos nós podemos morrer na próxima incursão. É a triste realidade para nós.

Ele então acaricia o rosto de magda.

— Mas eu vou dar tudo de mim para que você volte viva. Ficarei ao seu lado enquanto eu respirar. Então não precisa chorar. Eu te amo magda, mais do que já amei ninguém.

Ele então enxuga as lágrimas dos olhos dela e lhe dá um beijo apaixonado para em seguida tomá-la novamente.



----------



*Mustang vai atrás de hellena tinha que conversar com ela, ele teria sido duro demais ? mas isso não importava agora, seu corpo tremia e tinhas espasmos estranho em seu corpo ele vai até riza e ajuda ela se levantar e diz:*

—Reúna a tropa eu tenho que de Hellena , eu não quero que ela me odeie não agora...

*Mustang vai tremendo murmurando algo incompreensível atrás de Hellena*


Roy encontra a elfa facilmente, basta seguir os restos de portas. A menina estava chorando em uma cama, copiosamente, e não notou a chegada dele.



----------



Aeron desce do Explorador junto com o grupo, e mesmo nesse plano ele não consegue relaxar. Ele repara que Vendar e Magda se afastam outra vez, e prefere não interromper os dois, pois tem consciência de que nenhum deles sabe quanto tempo ainda vão durar...

Ele se senta na areia, e mantém suas espadas embainhadas em seu colo, pensando durante um tempo em tudo que aconteceu. Ele havia percebido que mesmo o Libertador que os acompanhou até ali não havia saído ileso, e tentava imaginar o que os outros estavam passando. Seu artefato lhe garantia imunidade contra os efeitos da Tormenta, mas isso não impedia que ele fosse abalado pela situação em si, e até mesmo temesse pelo grupo, que apesar do trabalho que tiveram, pouco puderam fazer de efetivo desde o início dessa missão. Ele pensava em quão mais forte eles deveriam ficar se quisessem ter alguma chance de contra-atacar efetivamente, e a perspectiva não lhe parecia favorável...


Dornelles desembarcou da nau montado em Volg, incapaz de se equilibrar sozinho. Todas as vezes que tentava levantar, sua cabeça rodava, e ele caía sentado no chão. O fato de estar cego também não ajudava nem um pouco. Havia tratado de pacientes com casos piores, e sabia que com um pouco de persuasão, os problemas relacionados à exposição à Tormenta passariam.

Seu corpo havia se fechado a todas as imagens, pra não ver mais o horror, e não conseguir ficar em pé significava que ele não poderia ir na direção dos monstros. E, se ele estava assim, sabia que os outros poderiam estar pior.

Poderia usar a magia para reduzir os problemas, mas preferia conversar. Era mais eficaz do que recorrer a algo que se tornaria uma muleta, se usado com frequência. Psicoterapia, era como chamavam. A magia da redução dos efeitos de horror foi usada só em Volg. Animais reagiam de forma ainda pior quando expostos à relidade aberrante, e Volg estava muito nervoso. Depois de ajudá-lo a melhorar, ele o deixaria correr por aí e explorar um pouco.

Seguindo o faro, Dornelles acompanha parte da cena; sentiu o cheiro dos mais envolvidos com a Tormenta se afastando, e deixou que tivessem algum espaço. Estando no reino de Marah, poderiam fazer muito pouco de ruim um contra o outro. Ia na direção de Aeron, que estava estranhamente calmo. Descendo das costas de Volg, mas ainda se segurando pra não cair, ele pergunta:

-Importa-se se eu me sentar aqui?

Caso a resposta fosse positiva, deixaria Volg correr pela praia, sem armadura, pra explorar e descansar. Se ouvise um não, agradeceria pelo tempo e iria embora.

Aeron vê o colega se aproximando com o seu lobo, e quando este pergunta, Aeron apenas diz:

—Sinta-se à vontade...

Ele então percebe que Dornelles não estava bem, e pergunta:

—Como você está?

—Cego como um peixe das cavernas, e com mais dificuldades de ficar em pé do que uma ovelha recém-nascida. Mas isso passa. Eventualmente. E você, como consegue ser assim inabalável, enquanto todos que enfrentaram a visão do Devorador estão em pandarecos?-diz, enquanto deita no chão e sente o sol e a brisa.

—Minha espada. Eu não sei qual é a origem dela, mas percebi que ela era diferente assim que eu a vi. Por algum motivo ela é capaz de resistir aos efeitos da Tormenta, e por isso eu não fui afetado diretamente como você. O que não significa que eu esteja perfeitamente bem, a situação seria um tanto traumatizante mesmo sem esses efeitos... Sem dúvida esse artefato é bem útil para essa missão, mas ainda acho que o preço para consegui-lo foi alto demais...

Ele então olha para o horizonte, e termina:

—Espero que esse lugar consiga realmente acabar com essas sequelas logo...


—"Quais sequelas a visão do Devorador impôs ao seu corpo? -pergunta Dornelles- E eu pretendo ajudar os outros, já tratei de pessoas com a mente em destroços, depois de enfrentar a Tormenta. Tenho certeza de que consigo restaurar todos à sua força total, mas primeiro elas precisam de um pouco de espaço. Vendar e Magda estão... Como dizer isto... "Conhecendo-se melhor", e o General Mustang foi cuidar de Hellena. Por isso não interrompi ninguém. Querendo ou não, ainda sou um estranho no ninho, então vou deixar que os ânimos esfriem um pouco, antes de começar um tratamento.

Ademais, não sei ainda quais efeitos psicossomáticos cada um tem. No meu caso, cegueira e tontura. Já vi impulsos homicidas, paralisia completa, perda dos movimentos, ou mesmo surdez. Esse último caso foi mais difícil de tratar, já que o paciente não ouvia o tratamento. E, se não se importa que eu pergunte... Qual foi o preço pra conseguir essa espada?"


—A vida de todos os membros do meu grupo. Normalmente eu diria que prefiro não relembrar daquilo, mas na verdade a imagem não sai da minha mente há algum tempo. Eu não sei como eu consegui sair vivo daquele inferno, mas infelizmente fui o único que conseguiu sobreviver. E desde quando escapamos a cena de todos sendo mortos na minha frente tem ficado cada vez mais vívido nos meus pensamentos...

—Gostaria que eu ajudasse? Apenas a paz do Reino de Marah não fará efeito sem um tratamento adequado, a aura do local apenas assegura que seja difícil conseguir chegar às vias de fato, o que é muito bom, já que todos nós temos poderes suficientes pra devastar um reino sem sequer suar. Com um tratamento adequado, posso garantir que a sua mente fique calma e serena como as águas de um lago.


Aeron dá um breve sorriso antes ficar sério e responder:

—Agradeço pela preocupação, mas acho que eu consigo aguentar isso, não é a primeira vez que acontece, e imagino que não será a última... Você deveria se preocupar com você primeiro, sua situação é muito mais crítica. Além disso, não sabemos a situação dos outros, pode ter gente em situação ainda pior que a sua...


—"É por isso que vim primeiro aqui. Os outros terão um tempo pra se acalmar, não convém incomodar as pessoas quando elas estão no auge de uma crise. Hellena está com Mustang, e não vou interromper o momento de família. Vendar e Magda estarão ocupados por um período de tempo que pode variar de meia hora a quatro horas, e não ouso interromper. Quanto a "Elizabethomas", vou primeiro ver a reação de um@ serv@ de Keen no reino de Marah antes de iniciar uma conversa.

Já iniciei meus procedimentos pra acalmar e restaurar a paz interior, que aprendi com uma donzela guerreira: a Respiração Rovkir. Vou analisar os pesadelos que terei nos próximos dias, chorar um bocado e pôr pra fora toda a tensão. Daqui a pouco, estarei novo em folha. Piadinha de druida. Se não for pedir demais, gostaria de começar a aprender algumas técnicas de combate, pra focar a minha mente e distrair do trauma, assim que parar de me sentir tonto. Se puder me ensinar, agradeço profundamente. Agora com sua licença, vou procurar algum lugar pra descansar e tomar notas, e entrar em contato com os meus aprendizes. "


Dito isto, Dornelles se levanta e vai cambaleando até algum lugar onde pudesse acalmar os nervos, tropeçando e caindo a cada quatro ou cinco passos. Mesmo tendo dissipado sua armadura e estar vestido apenas com a roupa do corpo e o Manto do Conhecimento, ele suava em profusão. Seus nervos estavam reagindo às lembranças do horror da Tempestade Rubra, e percebia-se que por trás de toda a calma ele também estava abalado.

Encontrando um lugar tranquilo, ele contacta seus aprendizes, dando instruções sobre o transporte dos sobreviventes das Uivantes, e depois disso escreve na areia todos os sintomas que estava passando e seus pensamentos, uma verdadeira monografia sobre seu atual estado mental, sabendo que a terapia ainda demoraria algum tempo pra surtir efeito. Escreveria até cair de cansaço, pra demorar a ter pesadelos com a Tormenta.

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 20:59

Capítulo XXVI


Em Serena


Depois de algum tempo os Combatentes de lefeu tentavam relaxar um pouco, já estavam todos reunidos e faziam uma refeição digna de sua grandeza provida pela magia de Roy Mustang, todos apresentavam suas sequelas provocadas por lefeu, mas mesmo assim se garantiam o direito de descansar e relaxar....

As enfermidades eram grandes, mas os Avantureiros também eram e enquanto comiam e repousavam os aventureiros que há muito tempo estavam acostumados com a aura de paz do local, mas uma paz mais profunda inundou seus corações quando ao longe uma bela mulher em veste brancas se aproxima de todos e diz:

—Sejam bem vindo ao meu reino meus queridos, Todos vocês, mesmo aqueles que não acreditam em meus dogmas são bem vindos aqui, venho aqui para curar sua feridas aquelas que estão em sua alma e também aliviar suas dores e dissabores...  Pelo menos neste momento descansem...

*marah apenas ergue a mão e uma bela luz branca e ela envolve todos os presentes varrendo toda a macula da tormenta tão rápido como respirar de um de vocês, mas na verdade mais rápido ainda*

—Aproveitem sua estadia em meu plano e saibam que eu sempre estarei do lado de vocês...

*Do mesmo jeito que apareceu Marah some, deixando o clima de paz e harmonia entre o grupo cada vez mais forte*

*Depois de mais algum tempo e todos que estavam com problemas curados o Explorador se dirige a arton levando consigo os refugiados e seus salvadores totalmente curados a arton *






ALGUNS DIAS DEPOIS KHALINAR NOITE (YUDEN)(Dallas, Mustang, Valeria e Emilly)


*A noite banhava Yuden, Tenebra marcava sua presença com seu manto de estrelas particularmente brilhantes hoje.

Em yuden, Dallas se dirigia ao palácio Real, junto com a herdeira de Greedson disfarçada sobre a identidade de seu “pai “ Todos olhavam para ela abismada como se vissem um cadáver ambulante, um morto vivo...

Os soldados tinham instruções do Líder do exercito do reinado para deixa-los passar e eles vão entrando palácio a Fora e finalmente em um escritório o general mustang, esta a espera de ambos junto com mais 2 pessoas ambos militares e muito parecidos, tão parecidos que parecem gêmeos... E assim como mustang olham para abismados para o fantasma a sua frente junto com Dallas...


*O loiro se tratava do General Regan von Heller Um dos grandes Magos de yuden e a garota provavelmente era sua gemea*


—GREEDSON ….*Grita Mustang*

Mas como eu vi você Morrer... Todos vimos...

* Depois um pouco mais calmo ele diz*

—Então você atacou Portsmouth e matou a Gralha... Pensei que estava ciente que não queremos mais conflitos em um momento como esse, quero uma boa explicação.

*Mustang o olhava serio e com um olhar gelido de quem havia encontredo seu inimigo*


Valeria:
(Off: Usa Intuição +41 para tentar discernir os pensamentos do Fuher e tentar ler seus pensamentos para conhecer-lhe melhor.)

—"Fuher... _ começa a figura metálica reverencia educadamente, tentando esconder sua surpresa, ou o fato que realmente nunca conheceu o mago diante dele _ ... Fora isso, estou aqui para festejar sua nomeação ao posto, mostra que eu fiz uma boa escolha em atender o pedido de busca-lo para tomar parte dos eventos que o conduzirão aqui. Onde estaria se eu não tivesse me dignificado a me mover para que se juntasse a nós? Com toda certeza, não nesse posto. Mas, estou divagando.

O real motivo que nós leva a estar juntos aqui, como nos últimos meses, é a Tormenta. E como tal, bem, creio que esconder recursos valiosos contra a Tormenta ainda é considerado ato de traição. Assim, derrubei o Abutre para recuperar um poderoso artefato que ele vinha ocultando em seu castelo de tesouros nos últimos anos. Egoísmo, não? E agora venho entrega-lo a ti. Ainda digo isso: garanti finalmente a paz e prosperidade daquele reino com a minha benevolência.

Observe, não só livrei-os de uma figura decrépita que sugava tudo para si como liberei um poderoso aliado da Academia Arcana, fortaleci seu corpo com duas frentes militares em comum acordo, deixando o controle de Portsmouth delegado ao Duke da cidade de Ith. Este ainda deve reportar-se com a rainha-imperatriz, mas garanto sua posição e título de nobreza. "

—Agora, os presentes.  __ o dito déspota desmorto faz um aceno para que o seu acompanhante aproxime-se e este se apresenta a figura de um aparente mago, mas tem características estranhas.



DALLAS
(Off: Usa Conhecimento+*41 em nobreza e geografia_Yuden, além de Percepção+*45 para tentar discernir as naturezas dos presentes: sua posição e se podem ser amigos próximos do novo fuher.)


—Aham, sou Dallas, mago de Wynlla e estudioso das zonas de magia caótica. Auxiliei na recuperação do artefato e na tradução e interpretação de seu som. O sr... eeer... o déspota qui conosco contatou-me semanas atrás quando deixou uma área de Tormenta, ele procurou seus contatos para revelar o que descobriu. Eu fui um deles. Parece que os agentes da Tormenta estão atrás de candidatos artonianos para seus algozes... Um deles é um paladino chamado Pórr, um bom amigo, e família para mim. Não me entende como um héroi, se a Tormenta atacasse tempos atrás eu simplesmente iria para outro lugar com a minha magia. Não me importo com as pessoas, mas... Pórr é a única família... bem, a única família que me vale a pena cuidar. Ele e eu já divergimos muito no passado, ele é um paladino e eu... bem, eu sou um mago excêntrico, mas sempre lutamos juntos no final. Eu preciso resgata-lo e acho que não posso fazê-lo sozinho.

Ele falava como quem não tivesse outra escolha. Seu cabelo parece um pouco descuidado, suas veias escuras e saltadas enquanto a pele é pálida e os olhos são injetados de algo que parece sangue venoso.

Dois cavaleiros negros erguem um caixa de ferro apresentando-a e a deixando diante dos presentes.



Os irmãos Von Heller, assim como Roy Mustang, se espantaram ao ver o desmorto a entrar pela sala. Mas passado o choque inicial, o general Regan Von Heller sorri, ouve atento às explanações do suposto Greed'son e do tal Dallas, antes de se colocar.

— "De um mago excêntrico para outro, colega Dallas, conheço e me admiro muito de seus estudos sobre as áreas de magia selvagem de Wynla. Estou aqui na condição de Segundo em Comando do Führer Mustang, e sou o chefe de pesquisas arcanas do Exército do Reinado e da nação de Yuden. Cuidarei da análise dos artefatos.

Mas eu não sabia que seus métodos de sobreviver à Tormenta te deixariam tão gatinha, docinho de coco. Vamos, Richardson, sai dessa lata de sardinha e nos brinde com suas novas formas. Ou você só vai revelar sua transformação e abrir o coração para nosso estimado Führer? Se for, garanto que ele, infelizmente, não se encanta desta fruta. Na vida dele já basta Thomas.

Não se preocupe se esse novo corpo for confuso, eu estou aqui para te ajudar a descobrir até onde foi essa transformação. Tenho certeza que não importa o resultado da pesquisa, o prazer da descoberta será minha recompensa. "

Então encara Dallas e acrescenta:  - Infelizmente, duvido muito que a carne morta de meu colega vá servir para responder essas perguntas.


*Mustang quase teve um ataque ao ver Richardson desmorto, mas logo da um sorriso e da uma olhada discreta para o general ao seu lado e depois olha de novo para "Greedson" e Fala*

—Richardson...  Você esta diferente ou são meus olhos? Não sei como conseguiu sair de lá vivo, mas te deixou com uma aparência melhor não? Não que eu vá me interessar por este tipo de mudança, afinal eu prefiro mulheres que nascem mulheres... Não sou adepto de transformismo... Mas estou grato por seu artefato Creio que o General Von Heller vai ter o prazer em analisa-lo... Quanto a descobrir até onde foi sua transformação como meu amigo mesmo disse ele esta disposto a ajudar com isso se quiser...


*Depois Mustang olha para Dallas e diz:*

—Mas vamos ao assunto serio esse seu amigo Pórr certo? Posso sim verificar um meio de salva-lo se ele já não estive em uma de minhas listas de resgatado meus caros...  Porém a maquina de guerra contra a Tormenta não pode parar... Eu verei o que posso fazer por seu amigo, mas creio que existe um grupo bem mais especializado neste tipo de resgate e por coincidência eles estão precisando de um mago, se bem que eles tema Senhora do conhecimento sombrio... Mas eu não a deixaria muito tempo com eles sozinha...

*Ele faz uma nova pausa e diz:*

—Se quiser seu amigo de volta terá que Lutar por arton, pois mesmo que saia de arton, a tormenta vai segui-lo, ou acha mesmo que esse horror vai parar depois de consumir arton?



Valeria ( falha não consegue saber o que mustang esta pensando)


Dallas( Regan e Emilly vieram de uma família que possuía algumas terras por concessão, uma espécie de classe média civil de Yuden. Ele serviu no exército por poder e fortuna, além de oportunidades para poder estudar magia, e conseguiu uma espécie de bolsa para a Academia Arcana.

Quando voltou, ele se destacou pela criatividade, lealdade cega e discrição, tornando-se parte dos Leopardos por muito tempo. Ele ainda era um leopardo quando a Aliança Negra tomou Lenórienn. Como todo Leopardo, ele sumia muito por uns tempos, e nessa época não foi diferente, voltando a aparecer com uma escrava élfica comprada em Tapista.

Regan sempre foi discreto demais para ter uma reputação extraordinária, mas em geral era descrito por todos como um homem carismático, muito agradável e incapaz de fazer mal a alguém. Dos poucos que sabem que ele foi um Leopardo, menos ainda acreditam. Mas um pequeno grupo vê o general com muito maus olhos, de forma que Regan tem poucos inimigos, mas são ferrenhos.

O general formou uma fortuna em seu tempo como Leopardo e se estabilizou em sua carreira ao alcançar o posto como general. Ele construiu a Mansão Von Heller, recebeu título nobiliárquico por sua atuação militar (inclusive o baronato que qualquer oficial recebe). Logo se tornou o responsável por organizar do alto a administração de tropas do exército. Ele tem uma tropa pessoal razoavelmente grande e bastante fiel. Alguns diriam que são fiéis como cães.

Oito anos atrás, ele se casou com a escrava élfica. Uma cerimônia pouco reportada, pouco conhecida, mas que teria destruído sua ascensão se não fossem dois aspectos: primeiro, ele já estava no topo. Chegou aonde queria em termos de carreira. Segundo, ele ainda estava nas graças de alguns oficiais importantes e, acima de tudo, de Shivara Sharpblade. Ele foi transferido para Valkaria em um novo posto como chefe de estudos arcanos e contato do exército com Talude e a Academia Arcana, pela primeira vez atuando no exército como o mago que era. A essa altura, já reconhecido como um dos maiores arquimagos de Yuden.

Regan persiste com uma aparência jovem, assim como Emilly, apesar de ambos já terem 52 anos. A menina esteve em coma por 26 anos, cerca de um ano antes da aquisição da escrava.

Regan tem dois filhos atualmente com esta escrava e a irmã do general tem dois filhos mesmo sem ser casada.

e modo que se comportam mostram que os dois são proximos ao Führerl MUITO amigos dele)




*Emilly von Heller Ficou Branca ao ver o Despota mas logo deu uma risada leve e olhou para o irmão com um sorriso desplicente e disse:*

—Ora meninos, parem com isso vai assuatar a senhorita e isso é muito descortes de sua Parte Führer a senhorita veio de longe para nos ver...  Bem sinto muito, mas realmente a senhorita pode ser feito uma boa escolha mas eu tb posso ajuda-la a se descobrir se meu irmão não lhe agradar tanto...

*Por cima do uniforme militar a jovem ostentava um dado de seis lados singelo feito de marfin *


VALÉRIA'N:
Valéria'n ouve com especial atenção o mago. Interessante, apesar de sua aparente impetuosidade e descrição esquentada que o pai lhe passou, Mustang parecia usar isso como uma forma de esconder suas próprias intenções. Por baixo do ar escaldante ele era muito mais frio por dentro. Essa combinação de roupa de guerreiro sobre uma mente de mago atraiu a impostora. Ela respondeu aos presentes:

—Sua companhia seria adorável, milady Heller. E o senhor, leal Regan, apreciaria discutir as melhores ideias de magia, mas acredito que Dallas seria melhor companhia que eu. Digo, se houver um tempo em sua busca. Dallas?

*Batendo no muro impugnável do mago, Valéria tenta ser mais sútil e lança o seu mago para aproximar-se mais.*

(Off: Com suas palavras e porte prestativo, valendo-se do momento, lança Canto da Sereia para que Regan aceite a companhia de Dallas, ao inves do falso Greed.)


DALLAS:
— Ah, sim, claro. Se terei a ajuda do exército do Reinado creio que será possível trocar algumas varinhas com o senhor Regan. Agora, respondendo a sua autoridade, o fuher, sim, vim exatamente com essa intenção. Apresentarei-me aonde o senhor requisitar.

Responde o mago, ciente que Valéria o estava jogando para o meio . Conhecia esse tipo de jogada a anos, uma das primeiras que aprendeu e talvez fosse útil no futuro encontrar um aliado ali, dede que conseguisse esconder sua própria ameaça para não tornar-se desconfortável aos outros.


VALÉRIA'N :
— Excelente. Se nos permitir, iremos permanecer por perto. Digamos, é melhor reconhecer o resto do grupo, não? Uma vez que o senhor estará afastado deveremos nos unir a eles agora. Não é certo?



Regan dá uma risadinha antes de responder.

— Carne morta não me interessa no momento, senhorita Richardson. É dos vivos que eu gosto. Acho que minha irmã há de concordar comigo que eles são muito mais... Interessantes. Tem um quarto bem ali onde podemos continuar nossa... Investigação científica, não é mesmo? Nos dá essa licença, Führer?

O general parece cada vez mais disposto a levar a conversa para seus termos. E seu quarto.



VALÉRIA'N :
— Não a nada mais desgostoso do que alguém que se entrega sem lutar. Todavia, seria descortesia de minha parte não demonstrar alguma simpatia. Seria mais que feliz em ter a tua irmã e a ti para uma refeição quando tivermos terminado nossos negócios, assim como qualquer outros convidados. _ insistiu a impostora.

(Off: Lança Canto da Sereia para tentar convence-lo da ideia, com Intuição +41, CD10+1ndm+9sab.)


DALLAS :
Já ficando meio sem jeito diante da situação, Dallas diz timidamente:

—Acho que a conversa está deixando os rumos. Podemos nos concentrar no problema? Fuher? _ o mago voltou-se para o líder do exército Reinado por ajuda.



Regan ouve impassível as palavras da impostora. Quando responde, seu tom é mais sério e direto, mas ainda bem-humorado.

— Tenho então uma proposta mais simples e interessante, já que é o desafio que te interessa. Uma aposta. Se conseguir enganar seus futuros colegas e se passar pelo verdadeiro Greed'son, você ganha. Se eles te desmascararem, eu ganho. O perdedor deverá servir ao vencedor por uma semana, atendendo a TODOS os seus desejos. É uma oportunidade para ter a seu serviço o maior arquimago de Yuden por uma semana. Que me diz?

(EDIT: Recolocado, dessa vez com quote para evitar transtornos.

PS: Necro, disfarçar tendência é feito com ENGANAÇÃO, não ATUAÇÃO.)




VALÉRIA'N :
Valéria estreitou o pensamento sobre a investida do oficial e respondeu de forma desapontada e em tom triste, o que teria soado agradável, se ela não estivesse nos sapatos do pai.

—Aaaa... o maior arquimago de Yuden, hã? Mas o fuher nunca aceitaria participar de um joguinho desses. _ procurando deixa-lo sem reação e motivo de graça ao momento com os presentes.

(Off: Caso o mago não tenha caído no Canto da Sereia, Lança Confusão, com Intuição +41, CD10+4ndm+9sab.)


DALLAS :
Já ficando meio sem jeito diante da situação, Dallas diz timidamente:

—Ei, por acaso estou sendo ignorado aqui?


VALÉRIA'N :
— Está _ ela chutou.

DALLAS :
— Ah, ok. Então eu vou ali voltar no tempo até a infância dos dois e dar umas palmadas nos dois pra aprenderem a ter modos numa reunião desse porte. _ disse em tom irritado, injetando um pouco da sua linha caótica de fachada.

(Off: Usa Atuação+28 para disfarçar sua própria tendência para bom & caótico.)


Roy:
—O Dallas tem Razão General Von Heller ,Temos que ir, Coronel Von Heller pegue suas coisas e os senhores também, estamos atrasados a reunião do grupo da investida já começou e estamos atrasados se quiser nos acompanhar para ver esta reunião é bem vindo meu amigo...  Mas não vou me meter em sua aposta com a senhorita, vocês são crescidos e senhores de si...  Só acho que sua esposa não vai gostar...


Regan Von Heller:
— Estarei com vocês em um instante, vou apenas enviar esses artefatos para que Lorde Nobunaga Douglas faça o exame preliminar. Quero conhecer esse defensores de Arton em primeira mão, e saber aonde minha querida irmã está se metendo. A maioria só conheço por reputação.

Dito isto, Regan chama um de seus subordinados e lhe entrega os artefatos, antes de seguir com os outros por teleporte. Na sala, ele se resume de início a observar a situação.

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:03

Capítulo XXVII


Enquanto isso na mesma Noite em valkaria (Aeron, Magda, Dornelles,Arn,Vendar,Elladan,Nuwa,Lenneth,mayra e Estefane)


Valkaria estava banhada pela luz de tenebra, em seu belo manto tenebra via a investida sendo instalada na cidade capital e tudo era apressado e organizado como uma boa maquina guerra, porem o fato mais importante estava longe de ser mais importante agora...


Dois guerreiros divinos, um Cavaleiro e uma jovem nobre eram o que importavam agora e eles estavam a caminho de uma importante reunião, eram nobres defensores de arton e da justiça, entre eles estavam Lenneth Donovan, Lucian valdemir ariant Maquiavel Silloehron V, Estefane Kerrigan e Arn.

Lucian estava cego com um morcego e estava montado em seu Garanhão de namalkah, o cavalo agora era seus olhos o principe namalkariano lider dos libertadores, apesar de marcado pelo Horror de Lefeu o príncipe libertador estava firme em seu cavalo, haviam muitos aventureiros naquela sala mas era um numero bem mais reduzido do que antes, mas mesmo assim um bom numero...


Ao chegarem à sala de reuniões Lucian diz:

—"Bem estamos todos aqui não é, gostaria de agradecer por estarem conosco ainda, sinto muito por deixar vocês às cegas, assim como estou agora, mas era terrivelmente necessário... Precisamos observar cada um de vocês para saber quem era de confiança e quem não era...  Mas agora ainda temos uma investida militar para cuidar e o tempo esta contra nós, reuni vocês hoje para que me ajudasse a planejar nosso futuro daqui para frente...

Temos itens que precisamos para a continuar nossa empreitada, e também temos situações a resolver que precisam de nossa atenção, mas temos poucos que possam nos ajudar então agora eu peço a ajuda de vocês para continuarmos nossa empreitada com sucesso "


*Masamune date se aproxima com vários pergaminhos e os põe a mesa e diz:*

—"Bem, temos algumas coisas que precisam ser arranjadas em nossa empreitada e temos algumas coisas que devem ser verificadas. Temos pouco pessoal, logo temos que escolher o que devemos fazer, essas são nossas opções...

Temos certeza que parte do conhemento de lenorienn tem muito do que nos é necessario pra nossas empreitada assim como seus tesouros perdidos tambem nos seriam muitos uteis, porem na orda da empreitada final precisaremos da aliança negra como parte de nosso exercito, então como eles se recusam ainda a nos dar acesso a Lenorienn teremos que fazer isso sem que eles saibam, e ter para nos o que precisamos sem prejudicar as negociações com os goblinoides...
Mas tambem temos outras coisas a cuidar,Mas isso deve ser dito por quem fez a descoberta, Rei do Deserto por favor explique."


*Então apareceu um homem de armadura dourada que veio do fundo da sala, ele estava atrás de vocês desde o inicio da reunião e diz:*

—"Bem obrigado Rei pirata, ou devo dizer imperador dragão?

Indo direto ao assunto tenho algo eu achei um templo dedicado aos deuses em minhas terras, deixei que meus eruditos e sábios estudassem aquele lugar e acabei descobrindo que naquele lugar algo relacionado a revolta dos 3, na verdade as armas divinas daquele combate colossal, não sei exatamente do que se trata, mas se tivéssemos elas em nosso arsenal talvez tivéssemos mais poder de fogo... Mas não consigo chegar até elas sozinho preciso de ajuda e por isso estou aqui, mas pretendo ajudar em qualquer um dos destinos escolhidos"



Lenneth observava o grande grupo que se reunira e seu ódio cresceu quando percebeu que seu irmão não se encontrava entre os grandes heróis que queriam salvar Arton. Até mesmo o bêbado Rei Pirata e o bufão do Rei do Deserto estavam presentes, mas nada do Jacob. A Donzela de Ferro ouve atentamente o que todos têm a dizer e só então se pronunciar.

—Milordes, com sua permissão, temo dizer que não seja tão simples quanto imaginam. Acredito que Lenórienn não seja um lugar para entrarem pessoas de honra como muitos de nós. Tal missão deveria ser dada a pessoas de "Competências Específicas". Porém levantarei outra questão: Essas teóricas "armas" da Revolta dos Três, por que estão lá? Ao meu entendimento, se o Panteão achou sábio deixar as armas escondidas, se me permitirem dizer, elas devem ficar lá. E não serem mexidas por um herege qualquer que pensa que o mundo lhe pertence... -- Seu olhar se direciona ao Lorde do Deserto -- No entanto, Sir Allen Toren Greenfield mandou-me para fazer o que os lordes mandarem, então que minha lâmina seja sua para empunhar.


Mayra se encontrara com Magda em Valkária. As duas tiveram pouco tempo para conversar entre a chegada da Caçadora e a reunião dos Desafiadores, onde Magda mais uma vez era apenas a Caçadora Sangrenta. Mayra era parte da reunião, agora. Seu pai garantira que a Paladina de Lena tivesse participação na empreitada. Mas ela ainda observava timidamente, ainda era difícil acreditar que estava a altura de um grupo como aquele, apesar das lembranças de seu treinamento com o pai garantirem que estava.

A Caçadora Sangrenta, então, toma a iniciativa de falar:

— Parece bastante óbvio o melhor curso de ação no momento. Vamos para o norte, cuidar de nos apoderar desses artefatos. Ainda que sejam inimigos em outras circunstâncias, os goblinoides são artonianos também, precisaremos do apoio deles contra a Tormenta. Provavelmente já devem ter suas próprias frentes de batalha em Lamnor, também. Além disso, mais tarde podemos tentar conseguir acesso ao conhecimento élfico por diplomacia com os goblins. Precisamos mais de informação sobre eles agora e a situação de Lamnor do que de uma briga a mais para terminar.


Aeron escuta atentamente sobre a situação. Ele dá um breve sorriso, um tanto sarcástico, quando Lenneth fala sobre as "pessoas de honra", pensando "Parece que ela precisa conhecer melhor as pessoas com quem está trabalhando. Ou mais provável, teve sorte de não conhecer o Greedson..."

Quando a Caçadora termina de falar, ele dá a sua opinião:

—Se essas armas podem ser realmente poderosas, pode ser uma ótima opção adquiri-las. Concordo com a Caçadora, acredito que devemos conseguir esses itens primeiro, e então poderemos pensar em algumas estratégias para resolvermos a questão dos goblinóides. - Ele então se vira para Lenneth e continua. - Não vou discutir sobre as "heresias" do Rei do Deserto, mas não vou concordar com essa história de que "se os deuses guardaram, não devemos pegar". O mundo está cada vez pior, já tivemos derrotas demais enfrentando os lefeus, e até agora não vi os deuses maiores vindo até aqui pra fazer algo a respeito. Se eles não vão se colocar na linha de frente, então não têm o direito que querer nos atrapalhar, e se temos como aumentar nosso poder contra os inimigos, não vejo porque não deveríamos correr atrás disso...



A paladina de Lena estivera calada até então, mas reúne finalmente alguma coragem para falar. Diferente de Caçadora, ela decide adereçar as palavras da colega.

—" Somos todos iguais em nossa condição de seres vivos. Somos todos iguais enquanto artonianos. Compreendo a preocupação de lady Lenneth Donnovan, pois é também uma preocupação minha. Mas como serva da vida, já tive mais que uma vez de aceitar que as pessoas a meu redor raramente compreendem meu voto, que dirá respeitá-lo. Mas isso NÃO me exime de estar onde sou necessária! "Homens" de honra que preferem fechar os olhos e não ajudar os de "competências especiais", não têm nada da honra que professam. Nada!

Quando for a hora de ajudar na questão goblinoide, contém comigo! Eles são parte disso tanto quanto nós, quanto qualquer um de nós, com ou sem honra! Posso não ter os títulos da nobreza, ser apenas mais um de tantos "milagres" de Lena, mas eu compreendo os votos de um guerreiro sagrado! Luto por toda a vida, sem a honra dos cavaleiros, mas com a honra de um Paladino. E não deixarei que o medinho de sujar as mãos fique no caminho de minhas obrigações divinas! Vou estar lá, para garantir que a vida será preservada tanto quanto possível. E gostaria que a justiça estivesse a meu lado, se não estiver ocupada em auto-comiseração.

Mas é a falta de conhecimento sobre as habilidades deste grupo que me leva a me abster de votar. Se for para seguirmos em busca dessas armas, seja assim. Os deuses podem ter muitos motivos, mas também têm votos de não-intervenção. Eles não nos dirão quando estas armas poderão ser usadas. Aliás, se fossem para permanecer para sempre longe de mãos mortais, sequer estariam em Arton, pois que eles têm o poder para ocultá-las em tantos outros lugares. E, afinal, uma coisa eu nunca vou poder negar: isso é uma guerra. E na guerra não se escolhe armas, usa-se as que tem!"



Vendar ouvia a discussão, ele olha para magda e então para o resto de grupo.

— Eu não tenho nada contra ir para Lenorienn, realmente os elfos criaram magias e conhecimentos que não se comparam a nada do que temos acesso. Mas a aliança negra pode ser uma arma contra lefeu, e conseguir os itens de lá é uma infiltração pesada. Eu não sei se alguns de nós somos adequados para este tipo de missão. Embora alguns sejam mais do que capazes.

Ele olha feliz para magda reconhecendo como ela seria perfeita para esse trabalho pelas suas tecnicas e conhecimentos.

— Mas se esse tempo tem armas da guerra dos três, a maior guerra divina que já aconteceu. Algo temido pelos próprios deuses. Então lá devem ter realmente instrumentos que não podem ser igualados por arton. E se formos para lá, não correremos o risco de piorar o trabalho diplomático com os goblinóides. Que já é difícil o bastante.

Ele respira fundo.

— Por isso eu voto pelo deserto.


—"Concordo com Vendar- responde Dornelles, após ter acompanhado as propostas e opiniões. Pesou as possibilidades, vantagens e desvantagens, antes de falar, e agora se manifestava - A Aliança Negra não demonstrou particular empenho quanto a desafiar a Tormenta. Por mais que eles sejam organizados, em um nível assustador, considerando a barbárie padrão das raças, não creio que eles fossem estar particularmente dispostos a nos ajudar, ou ceder os segredos que tiraram dos elfos.

Armamento da Guerra dos Três pode ser mais poderoso do que qualquer um aqui sonha, e nos oferecer uma vantagem no combate. Considerando o quanto a Tormenta tem avançado, sou obrigado a concordar que uma fonte de poder desse tamanho não deve ser ignorada, por mais que me doa dispensar uma oportunidade de ir a Lenórienn e tentar fazer a diferença. Adoraria tentar uma negociação diplomática, ao invés de sair batendo em tudo que aparecer pela frente.

Ademais, estou a serviço de Arton. Se precisarem de mim em Lenórienn, estarei lá. Se quiserem me mandar pro deserto, eu irei. A escolha não cabe somente a mim."



Arn :

O paladino ouvia atento cada palavra da conversa ali, e analisava quais os riscos e prós de cada empreitada, ele olhou para Kerrigan e ela fez uma expressão de quem diz: "Vai fala!".

Por um simples momento ele para, e relembra da profecia que trouxe Ironfist ao mundo.

E então, sai de onde está, com seu andar de autoridade e postura inabalável. E fala com uma voz de trovão e firme:

— "Senhores, falamos aqui sobre uma aliança com Thwor Ironfist. Sim, pois ele é a Aliança Negra. Mas vocês já pararam para pensar que a Tormenta é a "Flecha de Fogo"da profecia?  Se pararmos para analisar essa tal profecia, ela está ocorrendo, não sou nenhum clérigo de Thyathis, mas analisem comigo:  "Um rei partirá sua coroa em duas.", isso já ocorrei, A Rainha-Imperatriz teve que dividir sua coroa, quando Nova Ghondriann, Sallistick e Callistia formaram a Liga Independente,e e antes dela, Thormy perdeu territórios para o Império de Tauron.
"E a guerra tomará a tudo e a todos.", isso também já está ocorrendo: as Guerras Táuricas, a Batalha Contra-Arsenal, os conflitos contra a Tormenta.

"A Flecha de Fogo seja disparada.", todos aqui presentes sabemos que uma morte dentro de uma área da Tormenta é fim da linha, sua alma se destrói. Não a ressurreição depois de algum tempo. E Ironfist é ressuscitado depois de morto, mas isso leva algum tempo. Mas se ele morrer dentro de uma área da Tormenta, nem mesmo os poderes de Ragnar poderão traze-lo a vida.

Ou seja, a Tormenta é a "Flecha de Fogo". Se eu, que não me considero uma pessoa inteligente, cheguei a essa conclusão, vocês acham que Thwor que é bem mais astuto e esperto que eu, já não chegou? Além do mais, se ele for corrompido pela Tormenta estaremos em enorme perigo, pois assim como Crânio Negro fez na União Púrpura, a Tormenta teria um exército enorme para atacar o Reinado de dentro. Isso sem falar que a Aliança Negra poderia nos trair na primeira oportunidade. Por isso acho bem mais viável e inteligente deixarmos uma aliança com Thwor e focar nos artefatos. Não preciso nem dizer o quão poderosos eles são."


Kerrigan :

A mulher de corpo estonteante, ainda mais revelado nas suas vestes apertadas, dum sorriso de satisfação e olha para Arn com uma expressão de aprovação. E com sua voz melodiosa ela fala a todos:

—"Senhores, ouçam esse nobre e belo paladino, ele vos fala a verdade, analisem por um momento a profecia e verão como realmente ela faz sentido." - enquanto falava ela se movia com graça e sensualidade.

Ela se apoia suas mãos sobre o ombro esquerdo de Arn e olha para todos e diz:

—"Uma empreitada a Lamnor envolveria muita violência e conflito, e por consequência vidas perdidas por um motivo fraco e que provavelmente não daria em nada."



A Caçadora Sangrenta reflete brevemente sobre a teoria do Paladino.

— "Uma teoria interessante, mas irrelevante para nossa discussão. Para começar, uma possível aliança é um plano futuro, não o objetivo aqui discutido. Seria uma missão de infiltração, não uma missão diplomática. Embora eu seja a favor de uma assim no futuro. Além disso, uma aliança com os goblinoides é diferente de colocar o líder deles na linha de frente contra a Tormenta. Mesmo que sejam inimigos, são uma nação. Com o pouco que sabemos da situação de Lamnor, podem muito bem ter tantos recursos quanto o Reinado, ou ainda mais.

Mesmo que Thwor em pessoa se dignifique a participar da salvação do mundo, olhe ao seu redor, Paladino. Nós somos alguns dos indivíduos mais poderosos de Arton. Como o Arqui-Druida de Tanna-Toh gosta de frisar, cada um de nós já é capaz de alterar o rumo de guerras e o destino de reinos. Essa é a investida mais importante contra a Tormenta. A corrupção de indivíduos poderosos é um risco que TEMOS que correr, e que corremos através de cada um dos presentes. Houve o tempo em que a decisão mais sábia foi evitar o confronto direto com a Tormenta e estudar o inimigo. Agora é a hora de agir, e pôr em prática o que aprendemos.

Fala-se em a Aliança Negra não ajudar contra a Tormenta, mas ainda temos poucas informações sequer sobre quantas Áreas de fato existem. O Deserto da Perdição, o Norte Desconhecido, o Oceano, Lamnor, não conhecemos nenhuma dessas áreas à fundo. Podemos nos surpreender com o que encontraremos lá. Sou a favor de pôr as mãos nessas armas agora, mas não ouso descartar uma aliança com os goblinoides."



Dornelles: —Uma dúvida: divisão em dois grupos, pra que uma parte de nós infiltre-se em Lenórienn e outra parte vá pro deserto estaria fora de cogitação?


Mayra:
—" Em ambos os casos, não sabemos o que podemos encontrar, mestre Druida. Em particular, essas armas da Revolta dos Três podem estar protegidas de um sem-número de maneiras, e ainda teríamos de enfrentar o próprio Deserto da Perdição. Nem sabemos se a Tormenta já avançou para as áreas próximas.

A Aliança Negra também não é um grupinho pequeno acossado em uma montanha. A área civilizada de Lamnor ainda era maior que o Reinado inteiro antes da formação do Império. Um continente enorme e povoado, tão avançado quanto nós, mas do qual não temos notícias a muito tempo. Precisamos ser muitos para o caso de haver mais problemas a resolver do que esperamos. O que é bem provável."



Arn :
O homem se vira para a Caçadora e responde:

— "O que quero dizer senhorita, é que a Aliança Negra tem uns cem motivos para não nos ajudar. E que é muito arriscado confiar neles.

Sobre o fato de corrermos riscos de sermos corrompidos, somos realmente muito poderosos, mas nenhum de nós aqui controla um exército que possivelmente deve ser maior ou no mesmo número que todos os exércitos de Reinado juntos. Se Thwor for corrompido não será apenas um exército controlado pela Tormenta, mas um reino com todos os seus recursos.

Deveríamos estar mais preocupados em conseguir armas que de fato podem derrotar um Lorde da Tormenta, pois eles sim são nossos piores inimigos. Pois vimos suas demonstrações de poder, e até mesmo um avatar suaria muito para vence-los. O que deveríamos fazer é conseguir com que pessoas e soldados comuns, consigam combater a Tormenta, aprendam sobre ela, suas táticas motivações e fraquezas, que tenham equipamentos adequados. Pois heróis e vilões épicos como nós é muito raro em Arton, imagina em grande quantidade."


Ele dirige a palavra para o comandante dos Libertadores e diz:

—"Senhor se me permite, acho que deveriam conversar com Lady Shivara e recrutar o Lorde Niebling, para que esse em parceria com a Academia Arcana, desenvolvam equipamentos eficazes contra a Tormenta. Equipamentos que possam ser produzidos em grande escala. Nós, os poderosos existimos apenas para conseguir os meios para que o grosso de tropas e combatentes possam lutar contar os Lefeus, basta ver um pouco sobre estratégia militar. Precisamos de números que sejam qualificados. Por isso a empreitada a Lamnor não deve se levar em conta contato com a Aliança Negra, e sim busca e apreensão de conhecimentos élficos."


Dornelles:—Não custava perguntar. Faz alguns anos desde a última vez em que estive no Deserto, e a área que havia lá era uma das mais perigosas e mortais. Não sei se ela se expandiu desde então, mas com a Tormenta sempre é seguro supor o pior. Bem, espero a decisão. -finaliza, satisfeito.


Kerrigan desliza a mão pelo rosto de Arn, e faz uma afago em seus cabelos, se afasta um pouco, joga o quadril de lado e coloca a mão na cintura e olhando firme nos olhos do amado diz:

— "Arn meu querido, você está muito preocupado em descartar uma aliança com Thwor. É verdade que ele é um bugbear? É. Mas ele é quem uniu todas aquelas tribos, ele sabe analisar e confabular, se ele não for burro, o que é bem provável que não seja, ele saberá, pelo menos estudar a proposta. Além do mais, eu posso faze-lo concordar conosco em 1 minuto. Visto a fama que o Deserto da Perdição tem, essa missão é muito mais perigosa, e... - Ela muda sua expressão para como quem está brava e dá uma bronca, o que a deixa ainda mais sexy - De jeito nenhum vou deixar que você se morra logo, sendo que posso le prolongar a vida com uma missão que claramente é bem mais fácil. Além do mais você tem capacidade de enfrentar o próprio Thwor de frente e derrotá-lo, então não terão problemas em sobreviver a uma incursão a Lamnor."

Ela se afasta um pouco dele e se vira para todos os presentes:

—"Mas senhores, a ideia de uma missão ao deserto não pode ser descartada. Essas armas - ela faz cara de nojo e repulsa - podem significar na derrota dos lefeus. Mas porque também não buscam um modo de vence-los sem a luta? Um bom general sempre tem várias táticas para um mesmo inimigo. E podemos imaginar que uma área da Tormenta no deserto mais mortal de Arton não deve ser nada fácil, extremamente perigosa e desconhecida. Por isso cautela e planejamento, busca de mais informações seria crucial. Enquanto os libertadores fazem esse levantamento poderíamos ir a Lenorienn e roubar, - ela olha para Arn com uma expressão de pena - sim meu querido, infelizmente é essa a palavra, alguns conhecimentos, quem sabe até mesmo não libertamos alguns elfos importantes para essa raça e temos mais aliados na luta? - novamente ela faz uma cara de nojo.


Aeron acha incrível eles chegarem até esse momento com tamanha ingenuidade...

—Você acha que a situação é simples assim? E por que você tem tanta certeza que eles iriam lá fazer o trabalho pesado para nós? Muitos nesse grupo já viram o nascimento de mais de uma Area, se ficarmos com medo de uma possibilidade de entrar em outra Area então não poderemos fazer muita coisa... Além disso, esse Rei do Deserto não chegou a dizer que esse templo estava no meio dessa Area de Tormenta...



Elladan e Nuwa que se mantiveram calados até agora se movimentam até onde esta lucian com cara de poucos amigos e diz:

—É isso mesmo Lucian? Quer ajuda a aliança negra? Daqueles animais? Mas em uma coisa você esta certa, caçadora, é arriscado demais irmos para Lamnor sem preparo, mesmo eu que era general das forças élficas e conhecia bem o terreno não iria para lá sem devido cuidado e sem uma tropa pronta e especializada para este tipo de ação... A investida a aliança negra teria que esperar mesmo eu que sou um elfo e tenho sede do sangue daqueles malditos sei disso...  Além do mais Thwor é o arauto de Ragnar, está muito bem vigiado pelo próprio...
Não corremos este risco por enquanto... Quanto a achar que a Flecha de fogo é a tormenta, não se preocupe ela não é a flecha de fogo ainda não esta entre nós...


*Nuwa depois da um sorriso maliciosa e cheio de perfídia a serva de Tanna toh apenas havia esperada calada sua vez e diz:*

—Hum....  Artefatos da revolta dos três, isso parece promissor, e para nos ajudar temos o Rei do deserto que guia melhor? Elladan está certo sobre isso, temos que preparar melhor investida contra s goblinoides Lamonor não é para amadores neste tipo de serviço e com esta quantidade de paladinos seremos percebidos rapidinho...  Melhor irmos para o deserto... Além do que nosso inimigo pode avançar sobre estas armas lá e se eles as pegarem teremos armas que os deuses usaram na revolta dos três contra nós...



*Mustang, que estava na outra reunião, vai saindo acompanhado daqueles que iriam para o local e depois de ir para uma sala mais apropriada eles se teleportam para sala onde esta o grupo ao aparecer ele diz:*

—Me perdoem pelo atraso mas estou aqui por um motivo importante... Apresento o mago de quem lhe falei por mensagem há poucos minutos atrás, Lucian, o senhor Dallas...



Lenneth observara a Paladina de Lena falar com um olhar de desprezo. Era difícil dialogar com pessoas de pouca inteligência.

—Primeiro, Lady Mayra de Lena, é SIR Lenneth. Eu sou um Cavaleiro, e é desrespeito não me tratar como tal, e em momento algum lhe faltei com respeito. Segundo, embora eu fui bastante simples na minha explicação de meu ponto de vista, pelo visto os parcos conhecimentos de linguagem demonstrados fazem com que eu tenha que usar um outro jargão. Eu quis dizer que por conta de haverem vários paladinos e samurais, homens de honra, não seria prudente ir a uma missão que se faz necessárias habilidades específicas, como as de um Ranger ou um Ladino, pessoas com as aptidões necessárias a tal investida. Agora compreendeu-me?



Por um instante Mayra fecha os punhos e crispa a boca. O olho azul rajado de vermelho literalmente solta faíscas rubras, brilha com fúria. Os mais atentos notam a pele do braço direito pontilhada de escamas que se eriçam, afiadas como centenas de pequenas navalhas. Cada detalhe do corpo da Paladina de Lena parece se alterar levemente, ficar mais bélico. Gritar por sangue. Mas com um pouco de concentração, o efeito logo passa.

É difícil dialogar com esnobes, ainda mais para uma bastarda. Mesmo a bastarda de um deus.

—" Se tecnicalidades da língua lhe são mais valiosas que gentileza sincera, nada posso fazer. Acredito que se ofenderá com frequência desnecessária, SIR Donnovan. Mas isso é problema SEU. Uma investida a Lamnor demandaria TODO tipo de habilidade, uma vez que, mesmo o foco sendo o subterfúgio, nós não sabemos o que vamos encontrar. Não se trata de uma fortaleza, ou mesmo de um reino mapeado, mas de todo um continente.

Além disso, eu não evitaria esse tipo de missão. Eu faria questão! Sir Donnovan pode se sentir melhor confortavelmente enviando outros para o trabalho sujo e fingindo que ele não a afeta. Eu nunca me perdoaria se deixasse de lado minha missão sagrada. Minha missão é levar a palavra de Lena aonde ela é necessária, não aonde ela já é batida. Mas se o vasto conhecimento linguístico de Sir Donnovan a torna incapaz de compreender um vocabulário mais simples, recomendo que traga um intérprete a tira-colo da próxima vez, para que este lhe explique as palavras das pessoas que vamos encontrar.

Garanto que fora de seu castelinho, o mundo não é povoado predominantemente por nobres, SIR Donnovan."




DALLAS :
— Oi, tenho um dragão negro nas costas e meu único amigo desaparecido por causa desses aliens, tive de mergulhar na Tormenta pra recuperar o que sobrou de um colega de aulas depois derrubei Portsmouth, ajudei a fundar um exército e resgatei um artefato perdido... SEMANA RETRASADA. Fora isso, eu devia rachar uma montanha e enterrar os invasores debaixo dela pelo fuher. Não posso prometer isso, mas vou rasgar o tempo e espaço enquanto estiver pulverizando soldado lefeu a torto e a direita na velocidade de um raio.

— Só Dallas para todos.

— Ah, sim, trouxe umas coisas que vocês esqueceram na Tempestade das Uivantes. Espero que não se importem... MUITO. Aonde vamos? _ diz o mago com olhos injetados de um líquido negro enquanto sua pele pálida contrastava com o manto marrom e negro quase vivo. Estranhamente, toda a luz se perdia neles.
 

GREED'SON???

Uma figura metálica conhecida surge acompanhando os magos. Estava mais esbelta, mas ainda se portava identicamente a semanas atrás: a imponência, o orgulho de carregar o nome da família, o despeito para com os desafios a sua frente, a ganância em tudo... nenhum arrependimento. Se a espada é a alma do samurai, aquela armadura era um espectro capaz de possuir o ser vivo que ousasse vesti-la.

—Discutindo de novo, hein?  Pelo menos desta vez não estão pensando em lutar entre si. Já é uma evolução, devo elogiar. Então, do que se trata isso tudo? _ disse uma voz rouca abafada pelo incruste metálico na fase.




A Caçadora Sangrenta observa os recém-chegados por algum tempo, impassível. Então cumprimenta os recém-chegados.

— Bem vindo ao clube, Dallas, vanglorie-se quando tiver algo surpreendente a dizer, Lich. E já estou cansada de cópias baratas de Greed'son, por favor, a última pelo menos era de algum desafio. Ou pelo menos se dignifique a colocar um homem dentro dessa roupa da próxima vez. Senhorita Valéria, usar as roupas de seu pai adotivo não vai trazê-lo de volta, tire essa fantasia que esta é uma reunião séria.



DALLAS
—Puxa, ela é quase tão macho quanto você. _ disse animadamente o arcano, dando uma cotovelada de leve, causando um som audível de metal pela sala, e esperando que mais alguém entendesse a piada sem graça. Valéria'n não se dignificou a prestar atenção a sua existência.


VALÉRIA'N
— Perspicaz, Caçadora. A armadura é a nossa família e a nossa família é como uma armadura. Enquanto ela andar sempre os Richardson irão desafias céus, abismo e oceano. Agora, o nosso objetivo?


(Off: Pensando bem até que faz sentido, já passaram uns 4 Greeds por aqui, 5 se contar a segunda forma feminina. Parece até comix da Marvel.  )



OFF: Parecer comix da Marvel. Isso faz todo o sentido...


Caçadora:
— Espero que esse sentido de família resulte em uma mente mais sábia que a de seu falecido pai. Sinto muito a dureza das palavras, mas não posso dizer que admirava Greed'son, nem que seu fim foi uma surpresa. Mas seja bem-vinda, minha cara. Estamos discutindo entre as possibilidades de resgatar artefatos da Revolta dos Três no deserto ou nos infiltrar em Lamnor em busca dos tesouros, tanto concretos quanto abstratos, da nação élfica. Uma missão de exploração, outra de infiltração, algumas discussões paralelas e, se Mayra e Sir Lenneth Donnovan não esfriarem os ânimos, talvez uma relaxante briga de bar antes de sairmos.


Mayra:
A Paladina olha para a amiga vigilante e se acalma um pouco, mas ainda atenta às reações de Lenneth. O corpo parece quase humano, mas s penas de aço das asas continuam eriçadas, as faíscas vermelhas dos olhos diminuem lentamente.


Kerrigan:
Embora disfarce, a mulher está assustada com a tensão entre as duas guerreiras. Lenneth deixa claro que é uma mulher de armas e de orgulho guerreiro. Mayra, mesmo exibindo o símbolo de Lena sobre o peito, assusta em sua belicosidade. É a missão sagrada de uma serva de Marah garantir que a paz seja mantida, nem que para isso tenha que atrair a raiva delas para si.

Uma olhada rápida ao redor para escolher alvos. Mayra não parece interessada, ou mesmo conhecer ninguém em particular, mas os olhares de Lenneth para o elfo são um sinal promissor. Hora do ataque. Uma caminhada displicente pela sala, um ou outro movimento em reação a cada um que se põe a falar. Finalmente, ela se recosta em Elladan, brincando displicente com uma mecha de seus cabelos, e fala.

— Quanta falta de classe, essas duas, não é? Uma que se orgulha de ser chamada de homem, a outra mais parece uma lixa que uma mulher! Não me surpreende que nenhuma das duas tenha um homem como você em suas vidas, as dessa laia não deveriam nem se reproduzir. Aliás, amorzinho, tem algum plano para esta noite?


Regan Von Heller:
O general observa divertido os presentes. Seu olhar para Kerrigan é interessado, e para Mayra, curioso, muito curioso. Ao ouvir a Caçadora revelar de uma vez a identidade de Valéria, ele dirige a esta um olhar de desapontamento divertido pela aposta não feita, apenas para quebrar um pouco o clima. Alguns dos presentes são observados em particular, mas para estes o general não transpira qualquer emoção. Gilgamesh, o rei do deserto; Elladan e sua irmã, Nwua; Caçadora Sangrenta, cuja habilidade ganhou uma fama considerável. Finalmente, o general se prontifica a falar, dirigindo-se ao rei do deserto em seu tom humorado.

— Majestade, agradeço por vossa disposição em cooperar conosco, e apresento-lhe a Coronel Emilly Von Heller, que será sua guarda pessoal na próxima missão deste grupo. Espero que os dois se deem algum juízo!

Então, pela primeira vez, o semblante de Regan parece cobrir-se de preocupação, e ele acrescenta:

— Por favor, devolva minha irmã inteira.



Arn
O guerreiro sagrado observa sua parceira se insinuando para cima do elfo e fagulhas de ciúme irrompem pela sua iris. Ele tenta camuflar mas não consegue, o modo como franzi a testa demonstra que ele não está gostando nada disso, ele serra os dentes, mostrando os caninos.  Ele dirige a palavra a Lucian:

—"Meu amigo, acho melhor você decidir o destino do grupo. Cansei disso, um paladino obedece a ordem de um superior e nunca recusa um pedido de ajuda. Não importa para onde nos mande eu estarei lá. Me dá nojo de saber que a filha de Khalmyr toma tais atitudes. Quanto a Kerrigan ela é dona do próprio nariz e faz o que lhe achar melhor."


Mayra escuta os comentários de Kerrigan. Normalmente ela não se importaria tanto, mas no momento ela já está bastante nervosa. Quando ouve menção a não merecer seu filho, ela se vira de vez, pronta a ensinar uma lição de humildade à samaritana. Mas então ela escuta o Paladino de Khalmyr falar. Finalmente ela consegue relaxar um pouco, as penas das asas abaixam, as escamas somem de vez. Um sorriso de satisfação orgulhosa se desenha nos lábios da Cohleniana. Podia não concordar com a ideia de submissão, mas a satisfação trazida por aquelas palavras era a antecipação da vitória.

— Meu NOBRE colega tem razão. Como guerreira sagrada, meu dever é seguir para onde eu for necessária, não para onde eu QUERO. Querer não tem nada haver com dever. Muito obrigada, Paladino de Khalmyr. Pelo menos seu deus ainda tem servos em quem pode confiar.

O doce sabor da vitória. Mayra é serva da Vida, mas não pode deixar de concordar: Lutar é viver. Viver é lutar.


Lenneth vira Kerrigan insinuar-se para Elladan e isso quase gerou uma reação. Porém, ela agora era um Cavaleiro da Luz, e não uma mulher que reclamaria por qualquer rameira que solta gracejos a qualquer um. Então de súbito ouve Arn falar sobre o pai dela e isso sim a enfurece.

— Sir Arn, expressei minha opinião sobre as duas missões, e não que me negava a ir, afinal você mesmo disse o fato sobre nós cavaleiros. Se for necessário ir a Lenórienn, será com muito orgulho que desempenharei tal tarefa e, caso seja possível, salvarei qualquer inocentes que ainda houverem naquele lugar. Do mesmo modo que me prontifico a também ir ao Templo. Não discrimino nenhuma das duas missões, apenas as analisei e informei os superiores de possíveis problemas. Acreditam mesmo que o tal Templo será apenas entrar e pilhar, como um bando de saqueadores? Acreditem, que se meu pai guardou aquelas armas, então preparem-se para coisas piores do que o tal labirinto de Lady Valkaria. Esse templo fara a Libertação parecer um passeio na floresta.


DALLAS
— Ah, então é disso de que se trata afinal. Verdadeiramente é de meu conhecimento cientifico que Lenórienn possui muitos artefatos perdidos, e que agora vejo que estamos interessados. Vocês estão levando em conta um acordo militar temporário com a Aliança Negra de Ironfirst, não? Devo esclarecer que, apesar dos hobgoblins serem parte da Aliança e de obviamente haver culto a Ragnar lá, Rarnakk não é domínio de Ironfirst. Ela foi dada como espólio aos hobgonlins. Eles não devem aceitar envolvimento direto do general nos seus assuntos. Não será problema. É preciso tratar diretamente com seu senhor. Agora, Gaardalok, o velho bugbear de Ragnar, esse sim não vai nos deixar passar e no mínimo deve desconfiar. Provavelmente, com a não-interferência dos deuses, nem podemos cogitar um acordo com o seu deus no plano de Chacina. Hum... lá devem haver muitos mortos-vivos descontentes ainda, não? Que tal uma pequena insurreição, ou melhor pedir a sua ajuda?


VALÉRIA'N
— A morte é seu domínio, Dallas. Mas exceto que se os novos senhores de Lenórienn puderem utilizar os artefatos élficos eles nunca os entregarão. A busca no Deserto pelos tesouros antigos parece ser até bem mais promissora sobre essa perspectiva, embora sem nenhuma garantia exata. Se os deuses trancaram esses itens não devemos esperar desafio menor do que seu próprio poder. A busca no deserto tem o meu maior interesse. Não iremos obter os itens em Lenórieen a não ser que façamos guerra, ou com o maior dos ladrões.



Durante a discussão, Aeron suspira e fala num tom baixo:

—Francamente, acho que nunca vamos conseguir um grupo que não tente se matar...


Diante da argumentação de Lenneth, Aeron, demonstrando um claro interesse nessa possibilidade, diz:

—Ora, e qual o problema se o local for tão perigoso assim? Vai ser bom termos um desafio diferente, pra variar um pouco... E se o prêmio for tão poderoso quanto imaginamos, acredito que o desafio valerá a pena. Agora, o melhor a se fazer é decidirmos de uma vez nossos próprios passos, e direcionar essa raiva para os nossos inimigos. Até porque já temos experiência suficiente nesse grupo para saber que essas brigas desnecessárias só vão enfraquecer esse grupo e diminuir as nossas chances de sucesso...



VALÉRIA'N
— Ao Deserto da Perdição então. Veremos o que os deuses deixaram para nós. Com certeza não deve ser um desafio menor do que a Masmorra de Valkaria.

DALLAS
— Ah, eu ainda preferia erguer os mortos de Lenórienn.



*Quando o rei do deserto escuta e se aproxima de Lenneth e diz: *

—Lady Lenneth, se eu quisesse sua opinião sobre qualquer coisa, incluindo sobre minhas relações com os deuses, eu seria mais esperto e colocaria certas carnes em sua boca, para que ficasse calada!


*Depois deixa-la um pouco mais encostada na parede a solta como se não fosse mais um brinquedo interessante quando questionada da localização do templo e responde: *

—O templo esta Longe da área do deserto e perto de um de meus palácios em construção...

*A chegada de Mustang dos Irmão von Heller é percebida assim como a dos dois recém-chegados faz com que ele tenha um pouco de interesse nos homens e diga: *

—Yudenianos ? Esse grupo fica cada vez mais interresante...

*Mas ao ouvir as palavras do general o rei do deserto fica serio e diz: *

—Como se eu precisasse de um guarda costas, mas aceitarei a oferta de vocês, mas creio que provavelmente shivara quer ficar de olho no que eu vou fazer, Vadia escrota será que ela não sabe o lugar dela ?



*Lucian ouve atentamente cada um deles e furioso diz:*

—"Sera que podem para de brigar por favor ?  Eu estou lidando com aventureiros lendários ou com crianças de 5 anos ?  Nunca pensei que veria Heróis que Lutam pelo destino de arton agindo desta maneira. Isso é ridículo, estamos tentando salvar o mundo da aniquilação e eu tenho que segurar os ímpetos de guerreiros santos por motivos Ridículos como esses ...

Vocês perderam a noção do perigo? A Tormenta esta nos nossos calcanhares não temos tempo para este tipo de discurso, e sim eu sei que a missão no deserto vai incrivelmente superior a Libertação em risco, mas é por isso que estou reunindo um grupo grande de heróis poderosos...

VOCÊS NÃO ENTENDEM A GRAVIDADE DE DA SITUAÇÃO OU TENHO QUE DESENHAR ? "


*Lucian parecia claramente afetado pelo horror da tormenta neste momento e Masamune chega perto dele e diz:*


—Esta tudo Bem Lucian, eles já entenderam não se exalte meu amigo, se acalme, isso é o horror da tormenta falando se mantenha calmo...

*Depois de falado isso Masamune vira e diz para os Brigões: *

—Olha aqui seus Merdinhas da para parar de frescurite aguda crônica? Estamos tentando salvar arton aqui e com vocês dizendo essas merdas fica difícil...  E Uma coisa Lenneth pedimos para saber o que você acha mais adequado de fazer e não os riscos das missões isso já foi calculado e nós já sabemos.

*Depois de um longo suspiro ele continua: *

—"Estamos progredindo com a Aliança negra nas negociações, mas ainda precisamos de tempo para isso e precisaremos de cada artoniano que possa lutar contra aquela coisa vermelha, seja ele um minotauro ou goblinoide, eles podem ser inimigos do reinado, ma não são da investida temos que trabalhar para manter nosso mundo a salvo e até o gorila do General bugbear esta ciente disto.

Quanto as armas do deserto acreditem em mim se os deuses não quisessem que pegássemos aquelas armas ele enfiariam em um lugar onde não pudéssemos achar, eu sei disso muito bem... que eles podem ser terríveis já sofri a ira de um deles e fiquei um bom tempo como bípede que com todo respeito é uma vida terrível para um dragão azul como eu, só voltei ao normal depois de libertar valkaria, eles não vão ligar se pegarmos algo que esta ao nosso alcance, pois se eu tivesse esse pensamento pequeno de ficar com medo do que os deuses vão pensar eu não teria libertado valkaria junto com os outros libertadores...

E sobre o senhor Dallas, é bem vindo na sua investida, estamos lidando com seu problema mas se conseguirmos o que quer vai ter que nos ajudar até o fim...  Se bem que não estou me sentindo confortável em mandar aquelas duas para lá... "


*Lucian já mais calmo Lucian fala para Masamune: *

—Elas vão ficar bem masamune, acredite nelas

*Depois ele se vira para o Grupo:*

—Se decidiram pelas armas, ótimo, arranjaremos um transporte rápido para que cheguem no seu destino, já que vocês o decidiram tomem cuidado...

*Lucian se retira ainda montado em seu cavalo que cavalga devagar enquanto masamune observa e diz aos presentes:*

—Bem ouviram o Lucian vocês vão para o deserto...  E eu vou Levar vocês para lá com o Explorador, por mais que odeie admitir ele é atualmente mais rápido que meu Dragão imperial, então vamos nele.... Se preparem logo estaremos viajando, aproveitem estes minutos para se conhecerem melhor e coletar o máximo de informações com Gilgamesh, eu volto logo...


*Depois ele vira com uma cara sacana para o general de yuden e diz:*

—AH! Von heller, sua esposa respondeu que sim a nossa convocação e esta sendo instruída na sua casa de como participar e tenha um bom dia...


*Masamune sai do Local deixando o novo grupo sozinho *



Lenneth fica paralisada diante da ação do Rei do Deserto. Pode sentir por um momento as partes dele tocando suas coxas. Ela não teve nem tempo de pensar em agir e ele parece ter adivinhado que ela iria atacá-lo e a soltou.

A Donzela de Ferro virou-se para atacar o Rei do Deserto, porém Lucian e Masamune começaram a dizer que ela estava errada e que já haviam medido tudo. Não parecia que ela tivesse o que falar mais, por isso, encostou-se na parede que estava e calou-se um silencio protestante. Ela sabia que o futuro de Arton era mais importante, e ela faria tudo o que fosse necessário para salvar o máximo de gente que podia.

Lenneth recompõe-se das investidas e toma folego para falar.

—Perdão, Lordes, não foi minha intenção causar qualquer tipo de briga, mas se fazia necessário informar de possíveis problemas no plano. Não quis menosprezar ninguém, porém fui menosprezada inúmeras vezes por diversas pessoas diferentes. Mesmo repetindo várias vezes que faria qualquer uma das missões, não fui entendida. Não faz diferença para um Cavaleiro para onde ele vai, e sim se é por conta de um pedido de ajuda. E pelo vi o Rei do Deserto está precisando de ajuda e não menosprezarei isso... Mas, Lorde Gilgamesh, encoste suas partes em mim novamente, me esquecerei que você é um Lorde e lembrarei de que profana o nome de Azgher. Compreendeu?


Arn
O paladino colocava a mão na frente do rosto e balançava a cabeça negativa, e então caminha para o lado de Lenneth para do lado dela e diz olhando em seus olhos, como grandes pedras azuis, invadindo o olhar da mulher:

—"Lenneth, me desculpe. Agi de forma equivocada ao dizer que me dá nojo uma filha de Khalmyr agir daquela maneira. Mas também não tive o comportamento digno de um paladino, seu pai deve ter ficado envergonhado de mim."

Ele se mantém parado, perdido em seus pensamentos e diz a si mesmo:

"Perdão pela minha atitude Khalmyr, encha minha limitada mente de sabedoria, para me portar como devido."




*Elladan levanta a sobrancelha quando a humana se aproxima dele e diz:*

—Senhorita estou Lisonjeado com seu gracejo, mas meu coração pertence apenas a uma dama e mesmo que sua ilustríssima pessoa me ache uma companhia agradável acredite eu não sou...  Sou apenas um elfo que vive para sanar as amarguras dos outros da minha raça e as injustiças cometidas contra eles...  e além do mais creio que seu amigo não gostou muito da ideia de você me dar atenção então para evitar outro conflito acho melhor parar com isso


*Nuwa apenas olha o conflito com um sorriso no rosto e diz:*

—Paremos com as hostilidades então ? e esperemos Lorde Masamune voltar com nosso meio de transporte ? assim poderemos continuar nossa empreitada e é ótimo que tenham dado o ar da graça os últimos integrantes desse grupo...  Assim podemos ir mais rápido.


*Roy da um sorriso de canto e diz:*

—Sabia que iam por sua esposa nisso mais cedo ou mais tarde Regan....
Espero que ela e você estejam prontos para encarar Lefeu Juntos.



Aeron se levanta de sua cadeira, e se espreguiçando de forma displicente, diz:

—Bem, não é como se fosse a última vez que haverá esse tipo de discussão, mas é melhor evitarmos isso o quanto for possível... Por hora o melhor a se fazer é se focar em nosso objetivo, e esperar que os tesouros sejam pelo menos tão bons quanto esperamos...

Ele inconscientemente mantém sua mão na bainha de sua katana, e após observar os novos membros do grupo por alguns instantes, continua:

—Bem, se os "novatos" do grupo tiverem algo mais a dizer, estamos dispostos a ouvir, quanto mais entrosamento conseguirmos antes da missão, melhor...



Mayra:
A Paladina de Lena pensa por um instante em responder às palavras da Cavaleira. Afinal, ela HAVIA sido menosprezada primeiro. Mas se detém. Afinal, eles estavam certos. Não é esse o papel de uma guerreira sagrada, nem de um dos que lutam para salvar Arton. Aquela briga não fazia sentido, não importava quem havia começado, ou quem teve ou não intenção de ofender.

Pela primeira vez lhe ocorre, observando a mulher, que Lenneth é como ela. E pensa na pressão sob a qual ela deve viver. Ela se aproxima da Cavaleira também, pela frente, e lhe dirige a palavra assim que o Paladino de Khalmyr se cala:

—Me desculpe, Sir Lenneth, por haver me exaltado. Estou nervosa e acabei por me exceder. Acho que nós duas nos excedemos. Paz?

Ela estende a mão aberta, esperando a reação da outra semi-deusa.



Caçadora Sangrenta:

A vigilante se contenta em observar silenciosamente a todos por um tempo. Então vai para um canto mais discreto da sala, onde possa se concentrar em si mesma. Alguma coisa mudou dentro dela, ela está sentindo. Agora isso a preocupa mais que qualquer um dos presentes.



Kerrigan:

Quando confirma que a briga cessou, Kerrigan perde todo o interesse em Elladan. Por enquanto. Ela não deixa de registrar as palavras do elfo, pateticamente romântico.

Mas assim que Arn se aproxima daquele jeito de Lenneth, Kerrigan sente seu próprio ciúme clamando. Ela não deixa de apreciar a ironia de ser ela própria pateticamente romântica, antes de decidir dar esse gostinho a Arn, e a Lenneth a satisfação da vingança.

Assim, a nobre se coloca imponente e com cara de enfezada entre o Paladino e as guerreiras sagradas, olhando para seu amado com os punhos fechados nos quadris e batendo os pés impaciente:

— Sim, sim, senhor Arn, já incomodou Sir Donnovan o bastante, não? Acho que ela já entendeu que você pede desculpas e tudo o mais, agora vamos tratar das nossas estratégias de treinamento para a missão, certo?



Regan Von Heller:

O general não demonstra surpresa à notícia, mas esboça um sorriso triste.

— Apenas não esperava isso tão cedo. Bem, parece que eu de fato acompanharei essa empreitada em breve, ainda que não possamos eu e Luthien nos aprontar a tempo de verificar o templo. Boa sorte para vocês por lá, meus futuros colegas. E parece que teremos outras oportunidades de ter aquele jantar, afinal, senhorita Richardson.

Termina o general, com um risinho mais maroto.




VALÉRIA'N

—Vou esperar você e sua doce irmã, general. - respondeu a Regan a herdeira dos Ricardo.

DALLAS

—Eu tinha memorizado magias para derrubar hordas, mas parece que terei de rever as prioridades aqui para controle de campo. Digo, a maioria aqui deve ser especialista em causar um sério estrago, mas quando a situação ficar difícil vão precisar de alguém que consiga fazer o impossível. _ questionava o morto-vivo relutante em aparência enquanto fazia seus planejamentos.



Arn

O paladino ouve o comentário de Dallas sobre as magias, ignora um pouco Kerrigan e olha para o lich e diz:

—"Sim, mas a Kerrigan aqui não é especialista em causar dano e sim resolver os problemas de outras formas. E por mais irônico que seja, ela uma serva de Marah, é excelente em inspirar as pessoas."

Ele novamente vira o rosto para Kerrigan e fica uns 5 segundos em silêncio pensando consigo mesmo:

—"Por Khalmyr! Ela é mesmo estonteante, irritada fica mais ainda. Mas pera aí, isso seriam ciúmes? Nãaaooo, deve ser coisa da minha cabeça. Mas se for seria uma honra."

Sem saber o porque ele toma a amiga pela mão, como um casal, e se afasta até um canto próximo. E diz a ela:

—"Bem, nessa missão no deserto cuidado, não se afaste de mim, você pode ser boa em evitar ações hostis, mas seu corpo é frágil - e dizendo entre dentes: apesar de lindo... - , mas os outros também vão precisar de você.


Ouvindo o Lich falar sobre as suas magias, Aeron diz:

—Uma atitude sensata, mago.

Então ele se vira para Arn e fala:

—Deixe sua garota e o mago se focarem no que pode ajudar o grupo, Eu, Vendar e a Cavaleira somos capazes de causar destruição pura suficiente...



Dornelles aproveita a deixa e vai preparar suas magias, pensando no que seria bom preparar, já que não se sabe o que iriam enfrentar.




Dallas:
PMs (15+60): 75
Magias Preparadas escreveu:
1º - Toque Macabro, Encontrar Ponto Fraco,
2º - nenhum,
3º (Melhoria Mnemônica) - Manopla de Trevas, Toque Vampírico,
5º- Dizimar Defesas, Proteção contra a Tormenta em Massa, Teletransporte (contingência – não escapar de um ataque que o reduziria a 0 pvs ou menos),
6º- Procrastinar Ferimentos, Círculo da Morte,
7º- nenhuma,
8º- 2x Velocidade do Relâmpago (Energia da Tormenta),
9º- Desejo, 2x Parar o Tempo.


Kerrigan:

Ela cola o corpo dela ao de Arn, a cabeça sobre o peito do Paladino, e fala:

— "Conto sempre com você para me proteger, não é? O que eu faria sem você? Não se preocupe me afastar não está nos meus planos. Muito menos deixar alguém sem ajuda, tenho meus votos a zelar.

Mas Arn, você sabe que não tolero violência desnecessária, e essas pessoas parecem tão combativas... você promete que vai garantir que não comecem uma briga à toa? Por favor, cuide para que sejamos um grupo pacífico, faça isso por mim, sim?"




Arn

O paladino mantém o abraço da amiga, olha fundo em seus olhos, o azul de seus olhos ainda mais vivo. Tira uma mecha de cabelos do rosto de Kerrigan e fala:

—"Oh meu anjo, é claro que vou fazer o máximo para Não haver combates desnecessários. Mas você sabe na luta contra a Tormenta, raramente a espaço para táticas não violentas, uma área de Tormenta, por si só, já é violenta, mesmo estagnada. Muitos desse grupo perderam muito para a Tormenta, e se ela Não for vencida, nem mesmo o conceito de paz existira, tudo isso que ajudamos nossos deuses a pregar: Paz, Amor, Justiça, Bondade, Vida, pode nunca mais existir, porque esses seres não respeitam isso. Mas eu nunca vou deixar de te proteger. Eu nunca te disse, mas naquele dia em Tollon, uma voz na minha cabeça me guiou até você."

Ele respira fundo e fala:

— "Kerrigan eu...eu...te a... - ele olha para o lado e acha melhor não falar sobre isso agora, quer que ela esteja concentrada para a missão. - ajudarei a manter a paz o máximo possível."

Ele dá um abraço apertado na nobre e falando ao ouvido dela pede desculpas.



Kerrigan:

Ela apenas se aconchega mais junto a ele.

—Obrigada.

Os que por acaso observem podem ver uma lágrima escorrer pelo rosto dela. Em seus pensamentos ela apenas responde:

— Eu também, meu querido. Eu também.




Arn

O guerreiro sagrado mantém a moça em seus braços, se encosta na parede e vai escorregando, até se sentar com a perna direita dobrada com o pé tocando o chão e a esquerda flexionada apoiada de lado no chão, Kerrigan em seu colo, com o rosto em seu peito, ele abaixa a cabeça perdendo seus lábios no cabelo da moça e em pensamento diz a si mesmo:

—"Eu te amo tanto, desde o primeiro dia que te vi. Por algum motivo os deuses queriam que nos encontrássemos, será que foi Marah a sua padroeira? Eu sempre irei de proteger, nem que por isso tenha que dar a minha própria vida. Eu te amo."




Não há problemas. Suas desculpas foram aceitas. -- Disse Lenneth já se acalmando.

Lenneth observava aos dois casais que agora trocavam afetos e, sem perceber, seus olhos encontraram os de Elladan e sua pele ruborizou. Nesse misero instante ela lembrara de que ainda é uma mulher.

— Se não há mais nada a fazer, precisarei fazer uns preparativos antes de partirmos. Nos encontraremos no transporte. -- Diz a Donzela de Ferro enquanto se retira tentando esconder seu rosto.




Vendar simplesmente observava a discussão em seu lugar, ele observava a todos de uma forma estranha, mas definitivamente não era hostil ou sarcástica. Era como se ele assistisse uma perna começar a se mover como não deveria e estivesse tentando segurar ela com um braço. Não era algo humano, mas definitivamente não era algo maligno. Ao ver as discussões acabando ele acente com a cabeça e se levanta.

— Estou feliz que tenhamos chegado a um acordo. Dou meus parabéns a todos vocês, tanto os que reconheceram os próprios erros quanto aos que viram o quanto é sensato esquecer problemas pequenos em prol do bem maior. Agora sim poderemos fazer algo significativo e estou ansioso por trabalhar ao lado de vocês.

Ele então vê magda se afastando e vai em direção a ela.

— Magda, meu amor. Você está bem? Aconteceu alguma coisa?

Ele coloca a mão sobre a testa dela para ver se ela está com febre e segura a mão dela de modo acalentador.


— Alguma coisa está mudando. Estou sentindo isso. Tem algo diferente dentro de mim. Será que a Tormenta está cobrando um preço físico? Vendar, meu amado, fique comigo. Por favor.

É visível para o Gigante Rubro que ela está preocupada e assustada, mas mesmo nessa situação ela mantém uma frieza analítica considerável. Mas ainda assim pede apoio, para ela um gesto que demanda muita confiança.

Vendar a abraça com carinho.

— Eu estarei com você. Enquanto eu viver estarei do seu lado. Vou te proteger de qualquer mal.

Ele a acalenta de forma extremamente carinhosa e protetora.

— Se a tormenta está de fazendo mal, vamos dar um jeito de te curar. Os conjuradores podem se capazes de fazer algo.




VALÉRIA'N

Tomando conhecimento dos dois, intrigada com a relação entre duas criaturas corrompidas, mas ciente que faziam parte do grupo assim como ela (mesmo que por puro interesse), Valéria'n dividiu as descobertas de seu pai, se fosse possível que isso ajudasse de alguma forma.

—Embora meu senhor descobrisse que o nível de corrupção afunda um artoniano além do imaginável no universo da Tormenta, devo contar-lhe que nas poucas vitórias contra a Tempestade, na verdade, na de Tamura, aqueles corrompidos conseguiram liberdade total da mácula.

(Off: Usa Acalmar Emoções na Caçadora.)

A muito tempo a mulher aprendeu que um grupo deve ser unido para sobreviver. Isso ela não aprenderá com seus tutores, mas com a dura vida de aventureira.

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:05

Capítulo XXVIII


Valkaria, noite


*Depois de breves despedidas o General e o Führer de Yuden se vão para seu país deixando os aventureiros novamente sozinhos, enquanto esperavam os casais resolviam seus problemas o rei do deserto apenas conversava um pouco com sua guarda costas, que estava em vestes militares mas apresentava símbolos clericais de Nimb.

Depois de algum tempo o rei pirata volta e conduz os presentes ao Explorador depois de algum tempo o rei do deserto chama a todos e diz:*

—"Bem eu descobri pouco sobre o templo e como entrar nele, mas eu sei que isso vai ser uma viagem de mais do que alguns dias então devemos preparar suprimentos Para esta viagem e vamos fazer isso em um palácio que eu tenho próximo ao local... Será nosso Ultimo ponto de descanso seguro, mas tenham certeza que será agradável.
Mas sobre a Entrada do templo é bem simples.

O Templo só aparece quando Azgher alcança o ponto mais alto do céu do deserto da perdição e fica lá por uma hora...  E depois some para apenas ser visto de novo no próximo dia.  Os portões somente podem ser abertos com o sangue da pureza de uma virgem e que deve ser tomada pelo senhor do deserto, que sou eu...

Temos discutir isso. Sei que parece absurdo, mas não sou que fiz as regras, será um ritual bem complicado, com vocês sabem tomara a pureza de uma virgem antes de casa-la é um crime, ou seja, Para entrar no templo teremos que cometer um crime e ao mesmo tempo Pecar.  Discutiremos isso melhor no meu palácio peço que pensem nisso agora se me dão licença eu tenho muito que pensar...  Recebi noticias que não me agradam nem um pouco"


*Depois disso ele se retira com um semblante preocupado seguido de sua segurança*

*Após algumas horas viajando para o norte deserto é avistado e após mais 3 horas viajando pelo deserto e até mesmo avistando algumas cidades em oásis mas depois de um tempo um grandiosos palácio é avistado no deserto, atrás dele um grande oásis.*

*Após algum tempo todos pousam e vão para o palácio e são recebidos com uma grande comemoração com muitas mulheres musica e bebida, varias mulheres se cercam o rei do deserto assim como os demais presentes e os levam para os locais de honra que são próximos ao trono do rei do deserto*

*A noite segue com muita comida, bebida e diversão, quando questionado sobre os preparativos, Gilgamesh afirma:*

—Aproveitem a festa eu estou cuidando de tudo não se preocupem, desfrutem da estadia, esta festa pode ser a ultima de muitos de nós...



----------



DALLAS

Em alguma parte da suntuosa morada do Rei do Deserto, Dallas se entretinha com uma estranha posologia alquímica que a um olho clínico só poderia ser dificilmente identificada como uma espécie destilado de mana pura das emanações de caos arcano e energia negativa. Um veneno.

—Ai, quando Pórr e eu estávamos brincando de invadir a masmorra do bruxo, o padre da paroquia nos apanhou no meio da bagunça e nos correu com uma varra verde. HAHAHAHAHA! Doeu pra burro e tive de esconder as marcas por três dias. Acho que foi ai quando descobri meu talento para poções, fazendo maquiagens com as coisas da dispensa. Se bem que, o velho Greed sempre foi melhor nesse aspecto. Mas quem se importa, eu ainda sou o maior porra de mago daqui! UHAHUAHUAHUAHUAHUA! _ conversava o lich com seu corcel descarnado.

Dizia ele meio grogue, mais por hábito do que por efeito do destilado mortal. Na verdade, ele estaria interessado em estudar as relíquias do lugar, mas o ambiente e a falta de uma companhia verdadeira o impedia. Valéria estava interessada em... outras coisas.



VALÉRIA'N

A guerreira flertava hora com um sujeito robusto, ora com as servas. Embora não parecia haver nada de real interesse ali. Ela estava longe das áreas de influência de que creditava.

O Rei do Deserto não lhe era atrativo porque iria apenas joga-la entre seu harém. A única coisa descente que ela podia obter ali eram os corações. Embora devessem ser leais, todo ser humano era escravo da leis naturais, coisa que ela sabia bem controlar.

Valéria'n passa todo seu tempo flertando, enquanto não, discursa polidamente e recita poemas, de acordo com o ambiente, para arredar a atenção de todos os corações fracos ou despreparados.

* Valéria'n investiga quais pessoas ali poderiam ser mais úteis num futuro próximo e seduz aquelas que julga aproveitáveis.*

(Off: Usa em sequência Compreender Idiomas, Zona da Verdade, Cativar, Detectar Pensamentos - para escolher - Depois de selecionar, lança Amor Incontestável de Raviollus em um ou dois indivíduos. Nas portas de seu quarto, faz semelhante para deixar o guardas leais a ela, usando Dominar Pessoa.)



----------



Arn

O paladino se aproxima de sir Leneth e fala:

—" Não confio nesse tal Rei do Deserto. Como vamos saber realmente que o ritual é tomar a pureza de uma virgem? E quem garante que o senhor do deserto é ele? O senhor do deserto é o deus Azgher. Ele nem sumo-sacerdote do Deus-Sol é. Fique de olho, filha de Khalmyr, ele está de olho na senhora e contando que seja você a ser "sacrificada".

Depois ele vai ter com Kerrigan:

— "Minha querida, não confio nesse Rei do Deserto, para mim ele é só um falastrão que quer se deitar com Sir Donovan. Pode saber se ele é de confiança?"


*Elladan levanta uma sobrancelha ao ouvir o dito pelo rei do deserto e apenas olha para irmã e diz:*

—Acha mesmo que isso verdade Nuwa ? ou este canalha esta mentindo ?

*Nuwa olha para ele com cínico sorriso e diz:*

—Ele fala a verdade irmão, mas isso assunto para homem discutir, deixe-me falar com algumas mulheres e resolveremos isso.


OFF: Já falei com o Berserker, fiz testes de Intuição para Caçadora, Mayra e Kerrigan.


Logicamente, num primeiro momento o discurso do tal rei do deserto é recebido com descrença pelas mulheres do grupo. Mas logo fica claro que ele está sério, no mínimo pretende levar em frente esse plano.



Kerrigan:

— Arn, ele está muito sério. Muito sério mesmo. Não duvido que esse homem seja um falastrão, mas não parece estar brincando. Vou falar com as outras, precisamos discutir isso entre mulheres.


Aos poucos, cinco das sete mulheres se reúnem para confabular sobre o assunto. Kerrigan toma a iniciativa, com olhares significativos para as outras. Mayra vai até Lenneth e a toca no ombro, chamando silenciosamente para a reunião de mulheres. Cavaleira ou não, aquilo lhe dizia respeito. Magda atende rapidamente, observando as outras se aproximarem e observando atentamente as reações de Valéria Richardson. Emilly Von Heller se retirou da sala com o dito rei, e Valeria Richardson, bom, participa se quiser, mas as outras discutem entre si o que fazer a respeito.



Caçadora Sangrenta:

— Senhoritas, temos um problema. A descrição bate com alguns ritos arcaicos do deserto, e não vejo sinais de mentira. Esse homem é bastante sério em suas intenções, no mínimo. As informações que tenho de seu histórico de vida também corroboram a afirmação, ele deve se aplicar como Rei do Deserto para efeitos desse ritual, uma vez que é assim aceito pelo povo local.



—Mas então, o que devemos fazer? -- Pergunta a Donzela de Ferro já corando.


Mayra:
—Ele não está mentindo, e se o templo é de todo o Panteão, em nada duvido que alguns deuses tenham insistido nesse detalhe. Lembrem-se que mesmo os deuses mais desprezíveis do Panteão ainda são parte do Panteão. Mas esse templo há de ser um lugar perigoso. Nós não podemos permitir que uma mulher indefesa do povo seja levada. Além dessa violência, ainda correria risco de vida. Eu... eu não sei o que fazer. Se pudesse eu me entregaria, mas não sou virgem. Sou uma serva de Lena, meu filho já está na escola.



*Nuwa se aproxima com a face seria e diz:*

—"Sim o rei do deserto fala a verdade é um ritual arcaico do deserto, ele é geralmente destinado a abertura de templos perdidos antigos.  E sim Gilgamesh é o rei deserto por ter Unificado as tribos do deserto, Azgher e Tenebra são considerados Lordes do deserto, afinal o titulo de Rei no deserto é temporal para o povo do deserto.

Infelizmente eu não sou mais uma virgem, na felizmente, creio que o passeio em Serena elimina a caçadora afinal ela e vendar estão tão juntos que quase tenho receio que seja um simbionte, nossa querida Kerrigan aparentemente Tem muita pratica no que sentido da Libertinagem afinal seu espetáculo barato com meu irmão já mostrou tipo de mulher que você é...

Como mayra já mesmo disse ela já tem um filho, Lady Valeria pelo que eu saiba também já não é mais nenhuma donzela. Assim como Emilly Von Heller que tem dois filhos. Mas então Sir Lenneth, há alguma virgem entre nós ou teremos que comprar uma escrava qualquer em Tapista? Dizem vendem humanas virgens aos montes, depois podemos joga-la fora ou dar presente para o Rei do Deserto ."


Lenneth toma um susto quando ouve a pergunta da Bruxa Cinzenta e tenta desconversar, mas é incapaz de achar palavras. Então ela simplesmente acena com a cabeça.

—Não há outra maneira? Deve haver outros métodos, certo? Vamos... Temos alguns dos maiores magos do mundo aqui e não conseguirão arrumar um jeito de abrir uma porta? Tem que haver outra maneira... -- Ela olha para todas esperando uma resposta de esperança que não vem.

—Não há, não é? Então deve ser eu mesma a fazer isso. Por Arton... -- Diz Lenneth sem animo.


*Nuwa sorri maliciosamente e diz batendo palmas:*

—Parabéns Sir Lenneth, uma atitude sensata de sua parte, afinal o que é uma virgindade para um Cavaleiro além de uma vergonha?  Depois tudo você é um Cavaleiro, ou ser Cavaleiro só é importante quando lhe é conveniente?


A Caçadora Sangrenta fica da cor das próprias roupas quando Nuwa fala dela, parece uma boneca sólida de cera vermelha e não consegue falar.



Mayra:

A Paladina de Lena observa a semi-deusa, sem palavras. Quando Nuwa faz o comentário final, ela se irrita, mas se contém e se dirige a Lenneth.

— Você não precisa fazer isso, se não quiser. Venha, Sir Lenneth, vamos andar um pouco, um ar vai lhe fazer bem. Ajudar a pensar.

Ela conduz Lenneth Donovan, afastando-a do aglomerado e, principalmente, do veneno de Nuwa.




Kerrigan:

A nobre serva de Marah aguarda que as duas se afastem e se dirige a Nuwa:

— Lady Nuwa, lhe peço desculpas pelo que fiz a seu irmão, e se for sua vontade, falarei com ele pessoalmente, ou mesmo em público. Estava apenas cumprindo com meu dever para com minha fé, e não desejo que mais conflitos advenham de meus atos. Prefiro que a fúria das guerreiras sagradas recaia sobre mim que uma sobra a outra, não é o orgulho que vai me impedir de fazer paz com vocês.



Vendar se mantém próximo a Magda, estava preocupado com ela depois do que ela disse. Queria esstar por perto se ela precisasse. Quando ouviu o parecer do rei ele mostrar uma cara de espanto. Ele fala para Magda.

— Estranhamente conveniente para ele.

Quando as meninas se reunem para conversar ele observa de longe, mas próximo o bastante para notar a reação de Lenneth. Quando Caçadora fica vermelha e Nuwa e Lenneth se afastam ele se aproxima das das três.

— Moças, desculpe se estou sendo incômodo. Mas eu pude notar que a senhorita Lenneth está um tanto estranha. Suspeito que está pensando em ser o.... sacrifício, mas não está gostando da situação.

Ele espera para ver se não levará nenhuma porrada ou acusação e então fala.

— Bem... senhoritas. Eu acho que você não precisa se oferecer se não quiser. O rei do deserto precisa desvirginar uma moça. Não disse que precisa ser uma guerreira, nem que esta virgem tem que entrar com ele lá.

Ele então aponta para uma janela mostrando a cidade.

— Se o rei do deserto oferecer um lugar em seu harém para uma virgem que aceite realizar o ato antes do casamento, tenho certeza que haverá uma fila lá fora de candidatas. E depois da consumação, a guarda real do rei vai escoltá-la de volta para cá em segurança e tudo será preparado para o casamento dos dois. Pode não ser um casamento por amor, mas será conveniente para ambas as partes. O que me dizem?

Ele olha para Lenneth.

— Ou você pode se entregar a ele se for o seu desejo. Ninguém vai te reprovar por isso.


*Nuwa olha atentamente para vendar e diz:*

—Dei a proposta de comprarmos uma escrava humana tapistana para este "serviço" mas se acha melhor uma civil você é quem sabe, Sir Lenneth decidir o que é melhor para ela...
Mas a segunda opção também é boa, Gilgamesh tem muitas concubinas uma a mais ou uma menos não fara diferença...


— Eu não sou muito a favor de escravidão. Com a oferta de um lugar como esposa seria uma voluntária. Mas realmente um lugar como concubina também é algo a que muitas moças pobres sonham. Também pode funcionar.

Ele então acente com a cabeça em agradecimento.

— Obrigado por me ouvir.



Quando o Rei do Deserto fala sobre os pré-requisitos para poderem entrar no templo, Aeron acha estranho, e quando as mulheres do grupo decidem discutir a situação entre si, Aeron fala para as pessoas próximas:

—E ainda tem gente que não entende o fato de eu não ser muito fã dos deuses... Se esse papo do tal rei for verdadeiro, só mostra como os deuses preferem brincar com a gente ao invés de ajudarem... Bem, não pretendo me intrometer, o que fazer é uma decisão das mulheres do grupo, então vou apenas esperar pela conclusão delas.


Quando Vendar vai até o grupo para dar a sua opinião Aeron se mantém em silêncio, apenas observando a discussão...



*Elladan olha para Aeron diz:*

—Também acho um pedido estranho para uma coisa dessas, mas quem entende aqueles desgraçados egocêntricos? Eu mesmo não... Desisti a muito tempo. Mas se o rei esta certo só poderemos esperar a decisão das mulheres deste grupo...



Arn

Enquanto o grupo de mulheres discute o que fazer, o paladino se aproveita de um conjunto de pessoas para se camuflar e ouve o que falam as mulheres. Ele então se aproxima de Vendar e o grupo e fala:

—"Sir Leneth, se entregue a Gilgamesh apenas se for de seu desejo. Se não for, eu lhe dou a minha palavra que daremos outro jeito."

Ele fala para Nuwa:

—"Não vamos comprar escravo nenhum! Isso está fora de cogitação. E se me permite dizer, Kerrigan não é nenhuma prostituta. Ela deu sua virgindade a mim, e até hoje somente a mim ela se entregou. Não importa se somos apenas amigos, e sim que você não tem motivos para falar dela."


—Uma prostituta pode não ser, mas uma criatura cruel e mesquinha isso sim ela é...  Onde já se viu brincar com esse tipo de sentimento ? bela serva de Marah ela é apenas serve para causar discórdia e confusão... Então acha mais justo que Sir Lenneth perca a virgindade por seus parcos conceitos Morais ? faça-me rir por isso que eu digo paladinos de khalmyr só fazem atrapalhar

*Depois ela se vira para Kerrigan e diz:*

—Todo conhecimento tem um preço senhorita e você vai aprender qual é o preço de brincar com os sentimentos do Meu irmão

*Elladan apenas olha de longe a pequena confusão e vai se dirigindo ao local e diz:*

—tem algo a dizer a minha irmã, paladino ? Se tiver pode dizer a mim...


Vendar rapidamente se posta entre todos. Seu olhar era novamente estranho e deslocado, como se ele estivesse falando com a própria mão e não com seus companheiros.

— Senhores, por favor. Essa discórdia não vai nos levar a lugar algum, todos por favor segurem as línguas e os ímpetos. Se dois de nós lutarmos entre si, esta cidade pode ser varrida do mapa. É isso que querem?



Kerrigan

Dessa vez, após pensar por um instante, Kerrigan decide deixar claro na expressão que está irritada com Arn. Irritação real, não uma coisa fingida, mas que pode ser útil externalizar agora.

—" Arn, não é de bom tom ouvir assim a conversa dos outros. Muito menos se meter nela. Eu cuido da confusão que eu arrumei, meu querido. Agora nos dê licença.

— Milorde Elladan, Arn é apenas um pouco exaltado quando acha que estou em apuros, perdoe o ímpeto dele, não disse nada por mal.

— Milady Nuwa, peço perdão por minha atitude, mais uma vez. Mas se exige mesmo um preço, diga o que é e farei de bom grado. Pagarei por meu erro como lhe parecer mais conveniente.



Caçadora Sangrenta:

Quando Vendar se aproxima, a Caçadora fica a seu lado, ainda ruborizada, mas voltando ao normal aos poucos. Agora ela observa a situação, esperando que os ânimos se acalmem logo. Em particular, ela fica atenta à conjuradora. Nuwa não é conhecida por se importar muito com o estrago que causa, e há civis na área.



Arn

O paladino responde ao general élfico:

— "Me desculpe Elladan, mas o que tiver de dizer a sua irmã, direi a ela. Pois o ser maligno é ela e não você."

Ele olha para as outras paladinas: Mayara e Lenneth, e diz:

— "Já olharam a aura dela? Vão perceber o seu nível de maldade."

Se dirigindo a Kerrigan:

— "Não sou exaltado, não falei nada demais, ela é que está muito ofendida, não sei porque, só reafirmei que a Sir não precisa se entregar a Gilgamesh se não quizer, e se ela não quizer, dou a minha palavra de encontrarmos outra alternativa pro ritual. - ele coloca firmeza na voz e diz - e não, você não vai pagar nada, não estou perguntando, estou afirmando! Elladan nem se mostra abalado com o ocorrido."

Ele se vira para Nuwa:

— "Se por votação de todos for decidido que eu vá embora eu vou. Quer começar agora?"



Lenneth fora tomar um ar para pensar melhor em sua decisão. Não havia muito o que pensar. Aquilo era uma profanação ao Panteão e ela não podia deixar que uma garota que poderia ter uma vida simples tivesse que passar o resto dos seus dias servindo ao facínora do Gilgamesh. Mayra pode ver que a Guerreira tentava encontrar forças onde não tinha. Murmurou algumas maldições para seus irmãos por ela estar naquela situação. Pensou em rezar, porém aquilo não lhe pareceu uma ideia sensata. Pensou em chorar, porém não havia tempo para aquilo.

Algum tempo depois Lenneth volta ao local e vê o grupo debatendo sobre ela. Lenneth sente-se um pouco aliviada por ver a preocupação deles, mas não admite que pensem em escravizar alguém para fazer tal serviço.


—Não pensei que algo que deveria ser decisão minha esteja causando tamanha briga -- Diz a Paladina com um sorriso confiante -- Meus amigos, não admitiria que "comprassem" alguém para fazer isso. Minha honra de Cavaleiro da Luz seria manchada se eu fugisse de um pedido de ajuda para adentrar o Templo. Como eu iria olhar no rosto de Sir Aleen Toren Greenfield quando retornasse? Um Cavaleiro faz o que for necessário para ajudar os necessitados, e hoje é Arton inteira que implora por ajuda, e eu não deixaria na mão quem já me deu tanto. Por isso que eu digo que quem vai ser o sacrifício serei eu!



----------



VALÉRIA'N

Absorta em suas travessuras, a guerreira trava um duelo de mentes enquanto usa sua psicologia para chegar ao âmago dos convidados, e (achando a história da virgem uma farsa para algo mais) o que pensam a respeito dos movimentos do Rei do Deserto.

*Pergunta suas opiniões sobre o Rei do Deserto e os interesses atuais dele.*

(Off: Usa Zona da Verdade e Detectar Pensamentos.)

Mais de uma hora depois, Valéria'n deixa seus aposentos temporários, soprando um pedido pela cautela dos guardas contra comentários maldosos. Afinal, eles não estavam fazendo nada demais.

(Off: Ainda abusando de Dominar Pessoa.)

Transitando de volta aos demais, assim que possível, ela procura algum conhecido do grupo e divide as poucas informações.




DALLAS

Quando a bebida venenosa acaba, assim como o assunto com o "cara-de-cavalo", o lich meio desnorteado sapateia por ai.

Pensativo, enquanto uma presença ainda mais atroz que a dele própria paira com interesse nos movimentos locais. Nenhum interesse no mago, de fato, pois era apenas uma marionete, mas no lugar onde se encontrava.

Com essa sensação de olhos sobre si, o lich resolve voltar, dando uma despedida temporária ao seu corcel medonho.

Enquanto passeava pelos corredores, namorava com interesse acadêmico os itens de coleção do tal rei.

* Dallas investiga, sem pressa, os itens de coleção do Rei atrás dos seus principais intereses.*

(Off: Testa Conhecimento em História, Religião e Nobreza+41.)



----------



Dornelles tentava lembra de histórias sobre oferendas de virgens e sacrifícios aos deuses, enquanto acompanhava a história. Pessoalmente, achava desnecessário e ofensivo tirar a pureza de uma virgem em um ritual, não importando para o que fosse.

Deixou as mulheres debaterem sobre a questão, pra que não o levassem a mal. Oferendas sexuais eram um assunto delicado. Tratando de mulheres com poderes enormes e pavios curtos, pior ainda. Pelo menos tinham sorte de nenhuma delas estar no período de Nimb do mês, antes da "visita do Cavaleiro Vermelho", como chamavam os velhos de sua cidade, quando Dornelles era novo. Estivesse alguma delas de TPM, estariam todos mortos.

Off: testes de Conhecimento Arcano, Religião, História, Lendas, o escambau. Tudo o que eu tiver direito, pra saber se essa oferenda de uma virgem procede.




OFF: Para quem não percebeu, a Lenneth e a Mayra NÃO estavam na cena por um tempo. Voltaram agora.


Mayra:

Enquanto caminhava com a Cavaleira, a Paladina de Lena permaneceu em silêncio, mas próxima. Em momentos assim, a companhia vale mais que quaisquer palavras de apoio. Uma mão no ombro para que saiba que não está sozinha é tudo que podia fazer pela Semi-Deusa da Justiça.

Quando voltam, encontram o grupo em polvorosa, e a Semi-Deusa da Guerra ouve as palavras de Arn. Por um instante ela pensa duas vezes antes de se pronunciar de novo, mas não pode ficar calada.

— Não vou ver a aura de ninguém. Essa mulher está para arriscar a própria vida para proteger toda Arton. Mesmo que ela seja o mal encarnado, eu não vou duvidar da nobreza dela. Agora encerrem essa briga antes que alguém se machuque. Precisamos de toda ajuda possível para manter nossas vidas lá fora. Estamos indo para um templo protegido pelos deuses em pessoa, e lutamos numa guerra que pode obliterar nossas próprias almas. Amanhã essa elfa pode ser a que vai salvar a sua vida, ou a da sua amiga. Amanhã pode ser que a vida dela dependa de você. O dever de vocês agora é confiar.




Kerrigan:

Agora está ficando difícil ocultar o nervosismo. As palavras de seu amado paladino ameaçam jogar por terra um trabalho cuidadoso. Na verdade, já jogaram, agora é tentar fazer algo dos restos. Os mais perceptivos notam o movimento frenético dos olhos enquanto ela tenta pensar rápido numa saída.

Elladan vai querer satisfação. E ele é perigoso, mas não um assassino. Mas Nuwa é e ainda tem influência sobre o irmão. Se essa situação não se resolver, é a vida de Arn que vai estar em risco. Kerrigan quase derrama uma lágrima ao pensar nisso. Mas arriscar seu amor é melhor que arriscar a vida dele.

A nobre se volta contra Arn, furiosa.

— NÃO É EXALTADO!? Você ouviu uma conversa que não era sua, seu enxerido, não tinha nada que te dissesse respeito! Não satisfeito, se meteu no assunto! E como não ofendeu!? Você acabou de chamar a irmã dele de "ser maligno", seu palerma! E como você mesmo disse, da minha vida cuido eu, que sou dona dela, você não tem nada que dizer o que eu faço ou deixo de fazer! Agora se retire daqui e vá cuidar da sua "segunda espada" que é o melhor que você faz!




Arn

O paladino não entendia como comentários sem nenhum tom ofensivo pudessem causar tantos problemas. Ele não entendia o porque de sempre a Kerrigan estar contra ele. O porque de tudo que ele falava era levado para outro tom.

Ele olha furioso para Nuwa, seus olhos azuis agora parecem o Grande Oceano em intensa tempestade. Rapidamente ele se vira para Kerrigan, calado por alguns segundos tentando entender tudo o que estava acontecendo. Então ele expressa um olhar de tristeza para a nobre, vira a cabeça para o lado, com o olhar perdido e diz em tom de pesar:

—"Você não precisa de mim."

Então se retira em direção a sacada do corredor para tomar um ar.



Kerrigan:

A nobre tremia de raiva enquanto falava, e ainda treme de raiva enquanto observa o paladino sair. Então a tremedeira fica mais intensa, tão logo ele sai de seu campo de visão. Um soluço.

Kerrigan cai de joelhos, o pranto rapidamente tomando conta, superando qualquer fachada. Ela já não tem forças para fingir. Pode ter perdido a sua única chance de dizer o que já deveria ter dito a muito tempo. Sem Arn por perto, sua própria experiência e habilidade não importam. É uma menina, sozinha e sem rumo. E chora.




*Nuwa e Elladan olhavam para o Paladino em fúria, até que a nobre e a paladina estouraram suas bravatas de Repreensão sobre o paladino, o que deixou a Bruxa cinzenta mais segura de si e Elladan um pouco constrangido, porem mais calmo pela ameaça sobre sua irmã ter sumido.

Tudo ia radiante para Nuwa até ela Ver o choro da Jovem nobre, o coração da Bruxa Cinzenta apertou, ela havia percebido que ela e a nobre não era tão diferentes em algumas coisas , tinham o mesmo problema amores dificies de lidar depois disso ela se aproximou da Nobre com um sorriso tímido e disse:*

—Sei o que sente por ele, sinto muito pela minha selvageria , mas tinha que proteger meu irmão. Ele já sofreu demais nesta e vida e é a unica família que eu tenho... Me desculpe, mas seu paladino também foi muito Grosso comigo

*Nuwa estende a mão para ela com um sorriso e diz:*

—Começamos com o pé esquerdo, mas acho que podemos recomeçar, por favor se levante , seu lugar não é no chão e sim ao lado do grupo

*Elladan que ouvia calado apenas fala:*

—Pare de me defender como se eu fosse um menino de 40 anos, sei me cuidar e sou seu irmão mais velho, eu tenho que cuidar de você...

*Nuwa olha para o irmão e este lhe sorri e depois ele se dirige a Kerrigan*

—Desculpe minha irmã ela apenas quer me proteger de tudo, sinto muito pelo transtorno.



Kerrigan:

Kerrigan se ergue, vacilante, quase sem forças. Ela se vira para Nuwa a cara lavada de lágrimas, e desaba no ombro da elfa. Chora por alguns intantes e então começa a se recompor.

— Muito obrigada. Você é um amor, protegendo assim sua familia, é bom ver gente que cuida dos seus. E mais uma vez, desculpe-me pelo que fiz. Foi errado, eu sei. Peço, por favor, que perdoem Arn, também, ele é um bom homem, só queria me proteger. Ele também é a única pessoa que eu tenho no mundo.

Já se sentindo melhor após finalmente soltar um pouco do que carrega no coração, Kerrigan limpa as lágrimas e se endireita, esboçando um sorriso tímido, mas ainda triste e preocupado pelo seu futuro.



Arn

O paladino estava debruçado pensando em tudo o que estava ocorrendo, como tudo sempre se tornava violento.
Ele olha fixamente para o símbolo da justiça em sua manopla e pensa consigo mesmo:

—"Khalmyr, isso é um teste dos deuses? Sei que você decretou a não interferência, mas nós mortais, vamos lutar pelo nosso mundo. E pelos Reinos dos Deuses. Peço que abençoe esse grupo com toda sua sabedoria, justiça, força e coragem. Amém."

Ele respira fundo, sentindo a brisa fresca do deserto percorrer suas vias aéreas e pulmões. Ele então se vira e vê o grupo ainda parado ali. Ele começa a caminhar com passos firmes e decididos. Postura ereta e convincente.

Se aproxima do elfo e dá um sorriso sincero, estende a mão e aperta a do homem e diz:

—"Me perdoe. Eu errei. Não queria causar esse estrago."

Ele se vira para a Teurgista, aperta a mão dela, dando um enorme sorriso sincero e diz:

— "Me perdoe Nuwa. Agi de forma errada com você e estou muito triste comigo mesmo por isso. Me perdoe."

Ele a abraça forte, um abraço de amigos, um abraço de quem confia sua vida, e enquanto realiza aquele gesto fala baixinho para apenas Nuwa ouvir:

—"Confio em você. Conte sempre comigo."

Nuwa não poderia sentir mais sinceridade de alguém. Ele a solta e se vira para Kerrigan e diz sorrindo:

—"Pensei em cuidar da minha "segunda espada", mas me lembrei que tem alguém que faz isso melhor que eu."

Ele toca o queixo dela, a abraça forte acariciando seus longos cabelos castanhos e diz no ouvido dela:

—"Você sabe, não sabe?!"



*Nuwa e Elladan olham para volta do paladino com desconfiança, mas o aperto de mão deixa elladan mais tranquilo*

—Sem problemas apenas deixe minha irmã em paz e não teremos problemas...


*porem Nuwa não se comove muito, mas quando ele parte para abraçara a elfa e fala aquelas palavras em seu ouvido apenas recebe dela uma careta azeda*

—Não precisa disso apenas não dê trabalho demais e esta tudo certo...

*Depois disso os elfos decidem se afastar e se tentar aproveitar a festa longe de confusões*

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:14

Capítulo XXIX


Palácio de Gilgamesh- Noite


Off: fiz esta cena com mamorra logo ele esta ciente de tudo que A Lenneth esta fazendo


Antes que mais alguém possa falar algo mais sobre o que a Lenneth vai fazer Gilgamesh se aproxima mais e fala batendo palmas:


—Um belo discurso, Sir Cavaleiro... Eu tenho que admitir que o senhor me surpreende, Sir Lenneth, mas... – Passa a mão de maneira sugestiva, fazendo Lenneth se colocar em posição de combate – Suas palavras não condizem com seu corpo, e isso será realmente perigoso para as minhas partes quando for necessário. E, além do mais... Eu quero que essa experiência seja no mínimo prazerosa para você, Milady... Levem-na, deem um banho nela e preparem-na! Não quero um Cavaleiro fedendo a suor e bosta de cavalo deitando-se comigo. – Informa o Rei do Deserto

*Servas cercam Lenneth e vão levando ela para o interior do palácio e depois disso Gilgamesh se afasta e volta para festa*



VALÉRIA'N

* Valeria vai usando de sua astucia contra os convidados ela extrai muitas informações o rei do deserto, Apesar de ser um fanfarão de marca maior, ele é considerado um rei justo e generoso, desde que ele assumiu o trono e unificou as tribos o povo não passa mais fome ou sede, o rei compra comida e das regiões mais férteis de arton assim como começou a disponibilizar agua de graça para população e para os visitantes do deserto da perdição*

*Além de outras melhorias do para facilitar a vida do povo, a população de mendigos nas cidades diminui drasticamente até quase não existir no deserto da perdição, a segurança das rotas mercantes também fora aumentada, poucos assaltos a caravanas foram registrados assim como a diminuição de monstros de ataque monstros a mesmas. *

*O povo esta feliz sobre o julgo de Gilgamesh, ele além de generoso é justo e misericordioso, o povo mais humilde realmente acredita que Gilgamesh é azgher fato que ele nunca afirmou ser o deus do sol, mas tambem não nega *

*Quanto a História da virgem aparentemente é verdade, muitos rituais que remetem a abertura de templos antigos no deserto da perdição tem esse pré-requisito para serem abertas, geralmente são tumbas seladas pelos deuses para manter demônios selados ou algo que os mortais não devem alcançar *

*Mas o que mais intriga a população em geral é como o rei mantém os impostos tão baixos e ainda sim é tão rico *



Dallas

*Ao andar pelo palácio do Rei do deserto de cara se pode perceber que este rapaz não é um colecionador qualquer e sim um colecionador seleto de artefatos referentes a duas grandes guerras divinas, a Revolta dos Três e a Batalha entre Azgher e Tenebra, muitos artefatos curiosos e raros, todos protegidos por magias poderosas e vigiados por guardas e ao continuar andando pelo palácio analisando as relíquias do Rei.

O rei tinha um grande interesse por leitura já era a Biblioteca grande biblioteca que ele via neste palácio, havia também alas reservadas do palácio cujo mago era proibido de ir, mas era possível ver um quadro mais aonde a Linhagem da família Real de Valkaria é traçada, mas apenas parte do quadro era vista e não sua totalidade aos ramos mais recentes da família real*



Dornelles

*Depois de revisar seus conhecimentos era procedente tal história, os templos mais antigos que estavam no deserto da perdição tinham mesmo este porém para serem abertos afinal a profanação de uma virgem antes do casamento já é um sacrilégio por si só, assim como abrir este templo *




Todos, Noite

*A noite segue com muita comida bebida e diversão, quando questionado sobre os preparativos, Gilgamesh afirma que seus servos já estão providenciando tudo e que aproveitem a festa pois esta pode ser a ultima de alguns deles*




Todos, Manhã seguinte

*Depois de certa hora a festa acaba e todos são levados a seus quartos para que descansem, para a missão que estava por vir, mas na manhã seguinte próximo ao amanhecer muitos gritos de dor ecoam pelo castelo do rei do deserto, quando abrem a porta pode-se vera algumas mulheres correndo na direção do Quarto de Magda e vendar e o Gigante Rubro também não esta a na vista correria depois de algum tempo todos são chamados até uma sala ampla com um grande espelho que mostra Mustang com cara de sono sentado em sua mesa e ao redor dele pode-se notar seu séquito de oficiais trabalhando...*


Off: fiz esta cena com a Lienn logo ela esta ciente de tudo que o Mustang esta fazendo
Off2: o Monte fez a Magda ter os filhos ai, a minha ideia era no final da aventura


*Mustang esta com cara de poucos amigos ele pode ser um militar, mas aparentemente não é um fã de acordar cedo. Ele olhava para o grupo com cara de poucos amigos , mas era a cara típica do Mustang e ele finalmente fala:*

—"Isso é hora da Magda inventar de Procriar? Caramba Estamos com falta de pessoal, Mas fazer o que, eu não a culpo... Mas você Vendar poderia ter sido mais cuidadoso, mas agora é tarde não é?  Mas agora vamos ao que interessa temos que repor alguém no Lugar da Magda, ele vai chegar assim que possível até ai. Vou fazer os preparativos, e quanto a Magda, será melhor para ela que ela fique descansando no palácio do Rei do Deserto assim que der mando alguém para ai certo espero que depois disso não haja supressas...

Eu mesmo não vou por que estou Muito ocupado com algumas coisas, e até pensei em mandar Elizabeth, porém ela esta em Werra logo vou ter que mandar alguém daqui mesmo.

Fora isso Mais alguma novidade? Eu quero estar Ciente de tudo para poder ajudar vocês melhor, afinal por enquanto os libertadores acharam melhor eu ajudar vocês como suporte tático, já que estou muito ocupado para me aventurar."




Arn

O paladino ouve com um sorriso no rosto a notícia de que Magda e Vendar seriam pais. Mesmo não tendo a mínima ideia do que poderia ter sido gerado. Seu expressão para Kerrigan era diferente dos outros dias. Mas qualquer um poderia notar que ele estava mais alegre e feliz do que de costume, não se sabia se era pelas novas vidas que tomavam Arton ou se por Kerrigan.

Ele então dirigia a palavra a Mustang, com uma voz forte e séria:

—"General, acho que não temos nada mais para relatar. Exceto que Sir Leneth resolveu ser a virgem para o ritual. Até onde pudemos investigar, essa história é realmente verdadeira. Mas devemos ter extremo cuidado com o que podemos encontrar nesse tempo. Quando os deuses lacram algo desse modo, boa coisa não deve se esperar lá de dentro. Sugeriria que tivéssemos um meio rápido de fuga caso as coisas saiam do controle, como um teleporte por exemplo. Precisamos de um líder para essa missão. E o senhor melhor do que ninguém tem capacidades para escolhe-lo. Quando a Magda recomendo atenção absoluta a ela e seu filho. Já que nenhum de nós faz a mínima ideia do que veio a esse mundo."

Ele para por um instante e respira. Então retoma:

—"Devemos estar preparado para a possibilidade de enfrentarmos um ou mais avatares, diabos ou demônios absurdamente poderosos, dragões anciões, o pouco conhecido Tarrasque, e até mesmo os próprios lefeus. Friso, devemos sempre pensar no pior dentro daquele lugar, artefatos da Revolta dos Três não são brincadeiras, foram criados pelos deuses, para dizimar deuses se fosse preciso..."



Vendar parecia muito incomodado e preocupado, mal parecia notar o ambiente ao redor. Quando Mustang fala com aquele tom o portador de simbionte o fita com um olhar sem nenhuma emoção.

— General, eu tenho muita estima pelo senhor, mas se falar nesse tom de magda ou o que ela está passando vou te partir em 6 pedaços e espalhar por arton.

Ele não falava isso com ódio. Era uma simples constatação, da mesma forma que o dia nasceria se esperássemos o suficiente ele faria isso se provocado. Ele então suspira.

— Melhor mesmo ela ficar aqui, não posso arriscar que meus filhos percam ambos os pais logo após nascer. E não importa o que houver lá, vamos esmagar e voltar vivos.

O tempo todo ele mantinha o semblante preocupado.



A noite anterior fora diferente de tudo o que Lenneth já vira. Fora levada pelas camareiras de Gilgamesh para um banho. Gilgamesh enviara várias profissionais para “destravar” o corpo da Donzela de Fero e elas fizeram seu trabalho com maestria. Fora algo completamente fora de sua realidade. As comidas, bebidas e todo o resto era surreal.

Dormira pouco. Revirara na cama gigantesca durante a noite e isso fizera acordar várias vezes as “camareiras” que o Rei do Deserto deixara para que tomassem conta dela. Ela estava nervosa pelo que o Templo reservava para eles. Mas algo no fundo de seu ser dizia que não era apenas aquilo.

Pela manhã, levantara-se atrasada para o encontro com o restante do grupo. Mas não estava com sono. As reais camareiras vieram com roupas limpas. Suas curvas não eram tão voluptuosas quanto de algumas que vira ali, mas eram extremamente proporcionais à sua estatura, e isso dava a ela um charme especial. Suas roupas foram escolhidas especialmente para moldar seu corpo, e Lenneth estranhamente não fizera objeção às vestes.

Chegara onde o grupo inteiro estava no exato momento em que Arn e Vendar começaram a falar e vira o Führer Mustang observando sua entrada.

—Sinto muito, senhores. Demorei muito tempo para me vestir... Num momento desses, senhor Vendar, deveria ficar com aquela, que creio eu, seja sua esposa, ou será. E Sir Arn, não há boa coisa ali dentro. Sinto isso na minha alma. Não é uma boa ideia invadir um templo selado pelo próprio Panteão, mas a situação atual não nos deixa escolha. Certamente estaremos condenando nossas almas ao sofrimento eterno, mas se com isso salvarmos nosso mundo, então para mim valerá mais do que a pena... Agora... Podemos partir?



Vendar suspira bastante, ele parecia muito preocupado, quando Lenneth lhe dirige a palavra ele a olha como se não reconhecesse.

— Você está bem diferente, mocinha.

Ele então volta ao semblante preocupado. Ele fala sem olhar para ela.

— Acha que não quero estar com ela agora? Acha que não quero cuidar dela, especialmente depois dessa.... Gravidez e partos tão incomuns? Mas como Roy disse, estamos com falta de pessoal e essa missão é de suma importância para arton. Se eu ficar aqui, o dia em que não teremos um lar para voltar. Eu...

Ele abaixa novamente a cabeça.

— Esse é o fardo de um desafiador Lenneth.

*Nuwa para e pensa um pouco e diz:*

—O espera ai, a Magda não estava nem gordinha para ter tido filhos? Como isso aconteceu tão rápido? Como ela deu a Luz de uma hora para outra?


*Elladan pensa no assunto e antes que fale ele ve Lenneth entrando e diz:*

—Esta belissima Lenneth...

*E ele ainda a olha com um olha estranho mas depois voltasse para situação e diz:*

—Nuwa tem razão tem algo muito estranho aqui... Mulheres humanoides não simplesmente tem filhos como se estivessem trocando de pele, isso leva tempo...



Dornelles pensou em ir ajudar no parto, e aproveitar pra documentar o nascimento. Era algo de extrema raridade, e que outros clérigos de Tanna-Toh MATARIAM pra testemunhar. Mas deixou a oportunidade passar. Não seria um oportunista com o filho dos outros, sua ética era mais forte do que isso. Ao invés disso, levaria a sério o lado mais humano da questão.

Indo até Vendar, ele oferece um frasco com uma bebida alcoólica forte, mas não forte DEMAIS.

—Um gole pra acalmar os nervos? Nessas situações, é sempre bom. Meus parabéns e sinceras felicitações, homem. Se servir de algum consolo, prometo tentar ajudar nessa empreitada pra retornarmos o mais rápido possível. Não se preocupe, o "papai" vai voltar são e salvo pra sua cria. -diz, com um sorriso honesto pro Gigante Rubro.

Indo até Lenneth, Dornelles ajoelha-se e beija sua mão.

—Lady Lenneth, agradeço pelo que a senhorita está prestes a sacrificar. Infelizmente não consegui encontrar nenhuma maneira de evitar que esse sacrifício seja feito, mesmo tendo passado horas e horas lembrando de todas as lendas, histórias e rituais que pudesse imaginar. Eu a admiro por se candidatar.

E, acaso Lenneth demonstrasse estar necessitando, ofereceria um gole da bebida pra ela. Depois disso, esperaria pela partida pro lugar indicado.

Off: ainda hoje devo postar as magias preparadas do dia,lembrei que ainda não fiz isso.


Vendar fica um pouco tenso. Ele agradece e bebe a bebida oferecida em um gole, mas ela não parece fazer efeito.

—Eu e magda estamos juntos apenas a algumas semanas. Eu e ela não sabíamos até que aconteceu. E realmente vocês tem razão, não era para ocorrer tão rápido. Mas a tormenta interferiu nisso, o parto foi... Completamente diferente do que vocês imaginam. Mas aparentemente nossos 10 filhos estão bem. Suspeito que houve uma distorção temporal semelhante a que eu próprio sou capaz de fazer.




----------



Enquanto isso em yuden


*Regan Von Heller e Nobunaga Douglas analisavam o artefato que a jovem Valéria'n lhes trouxera e realmente seria util, após todas as analises prontas e postas nos relatorios que iriam para as mãos de Mustang Regan é chamado na sala de Roy O general pede licença ao Libertador, e alguns momentos depois aparece na sala de Roy Mustang.*

---Houve alguma coisa, mein Fuhrer?

---Regan... Preciso de sua ajuda Urgente, um dos Membros do grupo esta imposibilitado de continuar,Aquele que iria investigar o tal templo com Rei do deserto e Preciso que você o susbistitua...

---Muito bem. Mais cedo do que eu supunha tomar parte na ação, mas estarei pronto rapidamente,Alguma coisa que preciso saber mais, Roy?


----Desculpe pedir isso de forma tão urgente e que a caçadora teve filhos de uma forma meio aberrante e alguns deles são demônios da tormenta, com individualidade eles são independentes de lefeu,Preciso examinar as crianças o mais rapido possível Isso pode vir a ser uma vantagem para nós...

---Muito bem. Acho que poderíamos esperar de tudo dessa situação. Irei imediatamente, só preciso de alguns minutos para pegar minhas coisas.

---Sim claro você pode fazer isso, e além do mais você tem família e creio que queira falar com sua esposa antes de ir, Mas sabe tem aquele problema elfico naquele grupo, se você não quiser ir por isso eu vou entender, vai complicar minha vida, porém eu aceitaria isso.

--Dever vem primeiro, Roy. Além disso, eu não tenho nenhum problema com ele, e tratarei de cuidar da minha vida longe dele se ele preferir.

--Ótimo, menos mal assim e que sabe como eu tinha que perguntar,eu tenho que manter aquele grupo coeso, estou responsável por isso por enquanto.

---Tudo bem, meu amigo. Você sabe que eu não ia te deixar na mão.Agora estou indo. É até melhor assim, eu fico de olho na minha irmã.

----E eu lhe sou grato por isso e é bom mesmo alguém de olho nela, o exercito do reinado agradece,Sua irmã as vezes faz agente passar por cada aperto...

--- Até mais. Nos vemos outro dia.

*Regan teleporta para fora dali e para sua casa,Cerca de meia hora depois, ele teleporta para o palácio de Gilgamesh.*



----------



*Enquanto conversam com mustang, ele limpa a garaganta e diz:*

—Bem ele chegou bem antes do que eu esperava, bem este é regan Von Heller, vocês ja devem conhece-lo, afinal ele estava comigo quando fui levar a jovem Valeria'n e Dallas até vocês...


*Depois ele fica mais serio e diz:*

—Vendar quero analisar as crianças de Magda, se você e ela me autorizarem.. apenas vou examina-las, não farei nenhum mal a elas. Quanto ao Teleporte, haveram muitos magos capazes e eficientes para bolar tal fuga neste grupo senhor Arn, se eles não puderem fazer nada... não sei o que poderia ser feito.


Vendar olha para Roy com um olhar neutro.

— Vejam se as crianças estão bem. Eu... não sei o que fazer. Apenas... não faça mal a eles e a magda. São meus filhos.

O desafiador parece extremamente fragilizado.




DALLAS

Do meio da sala, onde sua manta roubava a lus e deixava o ambiente sinistro, o atual mago do grupo dividiu seus pareceres:

—Dei uma olhada na sua coleção de artefatos e pude ver a profunda ligação que ele tem com Azgher. De forma alguma ele parece ser um tipo de avatar, se me perguntarem. Devo pensar que ele ainda possui alguma ligação pessoal com ele. Talvez seja um semi-deus, ou apenas um tenha caído em suas graças ou bençãos, como nossa amiga devota da deusa da paz aqui. Quanto ao ritual, não tenho motivos para discordar dele, mas também não tenho nenhuma prova para acreditar. Posso até crer que ele vai cumprir a sua parte... no entanto, ele ainda me lembra o Greed'son, só que com muito mais mulheres, fama e riqueza. _ concluiu de sua parte o lich.


VALÉRIA'N

—Gilgamesh parece até mais tranquilo em sua posição do que o próprio Sckar. Ele não parece ter motivos para mentir, mas também não tem nenhum apreço por nos dizer toda a verdade. É bem provável que ele seja totalmente desnecessário para abrir o caminho, mas sem determinar maiores detalhes do ritual, que eu não nenhuma especialista como meu pai, ficamos na mesma. _ dividiu a herdeira dos Ricardo.

Então, o foco da reunião muda.

—Ei, relaxe, grandão. Mustang não é meu pai e nem nenhum outro daqueles maníacos associados dele. Pense assim, se é para examinar seus filhos, quem melhor do que um dos maiores especialistas do Reinado, hein? Você pode confiar nele. Não é mesmo fuher? _ procurou tranquilizar o guerreiro rubro sobre o assunto.


(Off: Usa Acalmar Emoções e depois Zona da Verdade para transmitir a segurança de que o desafiador
precisava.)




Vendar ainda parece abalado e desconfortável, mas a sensação de angustia era diminui, isso não resolveu o problema mas ele era mais capaz de cuidar das questões a mão.

- Obrigado. Eu precisava disso.



Dornelles deixa escapar um assobio baixinho.

—Dez filhos? Meus parabéns pela "ninhada", não sabia que eram tantos. Realmente, agora são onze motivos pra nós voltarmos sãos e salvos pra cá. E se alguém encostar em um fio de cabelo dos seus filhos e de Magda, eu ajudo a estripar todos os responsáveis. Você não está sozinho nessa empreitada, lembre-se disso.



Lenneth vira Elladan, Vendar e Dornelles olhando para ela e sentira um certo sentimento que nunca experimentara. Não conseguira deixar de sorrir quando recebera o elogio do elfo, porém não ficou com as bochechas ruborizadas como pensara.

— Não precisa se preocupar, senhor Dornelles. Eu estou perfeitamente bem. Sei de minhas obrigações e... -- A garota calou-se, enquanto olhava para suas vestes e sentira-se envergonhada por ter se sentido bem por conta dos olhares dos companheiros. Forçava-se agora a falar -- E... E... Faço isso por Arton.



Arn

O paladino faz um cafuné na cabeça de Leneth e diz com um sorriso no rosto:

— "É Baixinha, a menina virou mulher!"

Ele apoia a mão no ombro de Vendar e diz com alegria e sorriso no rosto:

—"Parabéns papai! Fica tranquilho, você vai voltar para os seus filhos. Quanto à natureza deles, qualquer coisa era de se esperar de uma lefou e um tocado pela Anti-Criação. Não bola com essas coisas não. Se me lembro, vocês dois receberam a benção de Lena."



Regan Von Heller:

O general observa mais uma vez os heróis que explorarão o templo, antes de fazer a sua apresentação formal. Assim como sua irmã, Regan Von Heller tem a face jovem do início dos 20 anos, muito jovem para um general, mesmo Roy Mustang. Também se destaca no grupo por sua altura. Em meio aos heróis imponentes, a maioria com mais de 1 e 80 de altura, Regan parece uma criança, com apenas 1 metro e meio.

— Muito prazer em conhecer pessoal e, agora, formalmente heróis tão famosos. Será uma pena não poder trabalhar com a detetive nesta empreitada, mas espero que minhas habilidades lhes sejam úteis neste templo. Sou Regan Von Heller. Aos que não conhecem, general e arquimago de Yuden. Eu já tenho experiência em Operações Especiais, acredito que possa ser útil no templo e, se possível, em outras missões de campo.



Vendar balança a cabeça por um momento.

— Eu estava realmente abalado. Errei até o número de filhos que eu tive. Foram 11.

Ao ver Regan Vendar o olha de alto a baixo.

— Ouvi falar de você Von Heller. Sua reputação é no mínimo... controversa. Mas ouvi falar de seu poder místico e militar.



Lenneth:
—Será que pode parar de brincadeiras, Sir Arn? Já está sendo o suficientemente envergonhante essas vestes, sem ter que ouvir brincadeiras. -- Lenneth cora ao ouvir o comentário de Arn.

Pouco depois, entra o General Regan Von Heller e a Donzela de Ferro espantou-se de ver que era um pouco mais alta que ele. Já tivera conversado com ele algumas vezes, mas apenas agora percebera que era maior. Talvez fosse pelo calçado com salto.

— General Von Heller, como estão as coisas? Como está milady Luthien? Faz tempo que o senhor não aparece em Norm. Há negócios para finalizarmos, porém essa questão do Templo é mais importante.



Arn

O paladino faz um carinho sem malícia na cabeça de Lenneth (mas não sabe se os outros percebem ou não a falta de malícia), e diz:

—"Ora Baixinha! Não são brincadeiras, todos falamos sério quando dizemos que você está mais atraente e bonita. Está quase uma versão mais discreta da Kerrigan. E isso é um elogio. Além do mais não precisa me chamar de Sir, não sou cavaleiro, apenas paladino."



Aeron, que se mantinha em silencio até então, diz:

—Não quero ser chato, mas acho melhor irmos de uma vez, a não ser que alguém tenha mais alguma coisa realmente importante para fazer antes de começarmos a missão...


—Apoio essa moção. Podemos conversar no caminho até nosso destino. - Diz Dornelles.



Regan Von Heller:

— Minha esposa vai bem, está se preparando para eventualmente se juntar à esta empreitada. Ela está discutindo alguns assuntos com a "mãe" dela, para tentar conseguir-nos alguma ajuda extra. Se tudo correr bem, conseguiremos uma vantagem considerável, mas é uma negociação bastante delicada.

— Meu bom Paladino, creio que Sir Lenneth já tenha deixado claro que não se agrada de tanto contato, nem se sente à vontade com os gracejos. Se lhe agrada conversar com gente baixa, talvez eu possa entretê-lo mais tarde, mas deixe a mulher em paz, sim?



Kerrigan:

A mulher estivera ocupada por este tempo, junto com Mayra, ajudando no quarto de Magda. Agora a situação parecia mais tranquila, e as duas deixaram Magda pra se juntarem ao grupo.

Quando Kerrigan vê a situação, se adiante e segura Arn pelo braço, interrompendo o carinho. Ela sorri sem graça para Lenneth, como que pedindo desculpas por ele, mas sem que ele possa ver.

— Sir Lenneth, desculpe roubar a atenção de Arn um pouco, tenho uns assuntos urgentes para discutir com ele. Arn, meu querido amigo, precisamos conversar um pouco em particular, se importa?



Mayra:

A paladina, também viu a cena, mas observa Kerrigan tomar a frente para tirar de lá o pobre Paladino, que não parece ter noção do desdobrar de suas ações. Ela se adianta também, parando ao lado de Lenneth e pensando em algo para tirar a Cavaleira dali.

— Sir Lenneth, gostaria de discutir alguns detalhes das tarefas por vir, tanto sobre o interior do templo, quanto... bem... a abertura. Creio que possa ser de algum apoio, como serva de Lena e Se... er... serva divina. Podemos falar em particular?



Arn

O paladino responde a Von Heller sorrindo:

— "Perdão meu amigo, nada contra homem pequenos. Mas prefiro as mulheres. - ele solta uma gargalhada alegre. - ora essa só estou brincando com minha "irmãzinha"! Vocês sempre tão sérios e carrancudos, todos podemos morrer a qualquer momento, ou virar substrato para lefeu e mesmo assim não celebram a vida? Vocês são pessoas estranhas."

Ele se vira para Kerrigan, e sorrindo diz:

—"Claro minha linda. Do que se trata?"




Kerrigan:

A mulher leva Arn até onde possam conversar sozinhos.

— Meu querido, eu sei que você só quer tentar melhorar os ânimos aqui. Mas essas pessoas não são como nós, está bem? Sir Lenneth já está incomodada com as roupas. Os elogios a estão irritando. E ela não gosta de ser tocada assim por alguém que ela mal conhece. Arn, ela não é sua irmãzinha, é uma nobre empolada e orgulhosa. De bom coração, mas não de coração humilde. Tente se conter mais com essas pessoas enquanto elas mesmas não te derem intimidade, está bem? Os ânimos já estão exaltados. Dê a eles tempo para relaxarem sozinhos. Até lá, eu estou aqui para te ajudar. Tenha paciência e vai ficar tudo bem, meu a...

A mulher se cala e se deita no peito do paladino. Não era a hora. Não ainda.



Lenneth é puxada pela Mayra e enquanto era levada a um canto, tentava entender o que estava acontecendo. Será que a Kerrigan estava com ciúmes? DELA? Isso a deixara um pouco abalada e extasiada, afinal não era vista com essa visão por nenhuma mulher.

—O que deseja, milady Mayra? Sobre a abertura... -- Novamente Lenneth não conseguia terminar a frase -- Fui um pouco instruída, porém ainda estou com um tanto de medo.



Mayra:

— É normal ter medo, eu sei como se sente. Sua primeira vez, com um desconhecido, em um ritual aos deuses. Acredite, Sir Lenneth. Eu sei como é isso. Eu sei a pressão que você está passando...



As palavras da Mayra foram como um soco no estomago. Ela, que disfarçava todo o medo que tinha, desabara. As únicas palavras que saíram foram de medo.

— Me ajuda... Eu estou com medo... Me ajuda com ele... Se você puder me dizer o que...



Mayra:

A Paladina apoia Lenneth o melhor que pode, procurando um lugar para se sentarem. Infelizmente a iminência da saída as impedia de ter uma conversa mais longa.

— Se acalme. Vai passar. Dói, mas passa. Nós fomos feitas para aguentar isso. É nossa sina, com ou sem títulos, ou cavalaria... ou sangue divino...


Lenneth:
—Não dá para entender que toda a nossa existência se resuma a isso! Mas não há mais para onde fugir, certo? Dei minha palavra que faria isso, mas estou assustada. Não faço a mínima ideia do que fazer. As mulheres do palácio me ensinaram umas coisas, mas isso só me deixou mais envergonhada. "O Lorde do Deserto gosta disso... Não gosta daquilo... Use mais a b..." só conseguiram me deixar ainda mais assustada...

Era visível o medo no rosto da Cavaleiro. Ela agora deixava transparecer o que realmente era, uma menina perdida num mundo ao qual não pertencia. Ela não era um Sir, e por mais que tentasse, tinha os mesmos medos das meninas que eram enviadas a reinos distantes em casamento.




Arn

O guerreiro dos deuses, fazia uma expressão de quem concordava, mas ainda assim os achava malucos.  Ele então olha para Kerrigan e responde:

—"Não Kerrigan. Leneth é minha irmãzinha sim. Somos ambos filhos de Khalmyr, embora ela seja filha "biológica" e eu adotado. Mas tudo bem, vou seguir seus conselhos."

Quando ele percebe que a nobre interrompe a frase ele arregala os olhos e fala baixo no ouvido dela:

—"Termine a frase."




Mayra:

— "Nossa existência não se resume a isso! É muito mais que isso, creia. Afinal, você não fez tanto mais em nome de sua família, seu país e, bem, seu pai? A vida de uma mulher não é inferior. Mas tem uma parte que é própria.

- E isso também é só um pedaço. Um dia, com um homem que você escolher, pode vir o milagre da vida. Não é fácil, mas é incrível. Quando você ver os olhos do seu filho... eu vi os do meu e me apaixonei. Naquele momento, tudo valeu a pena.

- Mas esqueça o que as mulheres daquele pervertido te disseram. Você não tem que fazer absolutamente nada. Não está aqui para servi-lo, está? Só precisa abrir uma maldita porta. Deixe que ele faça o serviço, ele não precisa gostar disso um grama mais que você. E se ele tentar mais do que deve, não tenha medo de rechaçá-lo. Se ele tentar revidar, juro que vai sentir a ira de Keen!"



Lenneth ouve tudo o que Mayra tem a dizer e ao fim solta uma longa e alta risada.

—Muitíssimo obrigada, lady Mayra. Suas palavras realmente ajudaram. Sinto-me melhor em saber que poderei capar ele se tentar algo a mais...



DORNELLES*

Off: minha lista de magias preparadas, que tava faltando.

9º Nível

1 Milagre
1 Cura Completa em Massa

Total: 18 PMs
8ºNível

1 Escudo da Ordem
1 Repelir Metal ou Pedra
1 Forma Animal

Total: 24 PMs
7 Nível

1 Controlar o Clima

Total: 7 PMs
6 Nível

1 Dissipar Magia Maior
1 Caminhar no Vento
1 Cura Completa

Total: 18 PMs
5 Nível

1 Ampliar Animal
1 Pele Rochosa

Total: 10 PMs
1 Nível

1 Criar Água

Total: 1 PM


Somatória:

18+24+7+18+10+1 = exatos 78 PMs gastos

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:18

Capítulo XXX


*Depois de algum tempo conversando o Rei do deserto chega acompanhado de Emilly Von Heller, Ela olha estranhada para o irmão e pergunta:*

—Regan o que você esta fazendo aqui ?

*Gilgamesh olha para cada um dos presentes e depois para o Führer e diz:*

—Terminaram as pesquisas sobre mim e sobre o que eu estava falando? Já olharam meus artefatos o suficiente? Já enfeitiçaram e enganaram meus servos o suficiente? Bem se já pararam de investigar minha vida como se eu fosse um criminoso qualquer e não alguém de confiança...  Espero que depois de fuçar na minha vida e no meu palácio vossas senhorias estejam satisfeitos... Eu não tenho o mínimo interesse em traí-los ou brincar com assuntos sérios se acham que esta é minha intenção podem ir sem mim, eu ficarei em meu palácio aproveitando a vista de vocês torrando no sol.

*Emilly fica tensa e diz*

—Majestade sei que issso lhe aborreceu, leve isso por menos. O senhor sabe que aventureiros são desconfiados por natureza..

*Gilgamesh olha para a oficial e diz:*

—Eu tenho que esperar ser tratado como um criminoso quando temos uma assassina de regentes, um Lich que é conhecido vilão e umas das magas Hediondas que o reinado já conheceu em minhas terras? Por favor, senhorita Von Heller, Faça-me rir de uma forma menos Ultrajante...

*Emilly olha para o grupo sem graça e depois olha o irmão como se pedisse ajuda*

*O Rei do deserto irritados continua*

—E quando falara das Habilidades de batalha de alguém senhorita Valeria, ou seja La qual for seu nome, filha de Greed'son, pense no que vai falar pois eu seja na cama ou na batalha aberta sou superior a você e se quiser comprovar escolha o campo, e saiba que nos dois eu estou em vantagem menina...

*Depois ele olha e diz:*

—Tem uma caravana lá fora a nossa espera, estarei esperando vocês lá...

*Depois disso ele se retira e quando Emilly vai acompanha-lo ele a impede dizendo:*

—Não preciso de escolta senhorita Von Heller, não preciso ser protegido e nem quero ser irritado por tentativas pífias de desculpas de sua parte...

*Depois disso ele se vai deixando todos no salão, Após algum tempo se preparando e possível ver cavalos e algumas carruagens próprias para o deserto a espera de todos.*

*O Rei do deserto esta a frente da caravana montando em um cavalo Negro e equipado para Partir, Após algumas horas de viagem O grupo em chega no Templo ele é enorme e tem muitos degraus, mas nada que possa deixar um aventureiro cansado ou indisposto.*


*Gilgamesh vai a frente calado e mais isolado do grupo e Mesmo Emilly Von Heller Sua guarda costas vai próximo a Vocês olhando com receio a frente até dizer:*

—Eu espero que ele não leve isso muito a serio e nem culpe o reinado por nossa indiscrição no palácio dele...
Mais uma guerra não seria uma boa ideia e além do mais sabe como o povo do deserto é fanático por Gilgamesh, pelo menos as tropas acham que ele é Azgher logo acham que iram para o paraiso se Lutarem por ele até a morte....  Coisa que nossas tropas não fariam assim de tão bom grado...

*Após algumas escadas a mais vc chegam ao local e um grande lençol impede que voces vejam parte de onde era para ser a entrada*

*Gilgamesh se vira e diz:*

—Bem aqui Chegamos e apenas eu e Sir Lenneth vamos prosseguir daqui.

*Após algum tempo por Trás dos Lençóis os Portões começam a abrir e o grupo esta longe demais para ouvir ou ver algo, mas a abertura dos portões confirma que esta feito.*


*Depois de algum tempo Gilgamesh e Lenneh retornam sérios e vestidos para adentrar no templo e ao entrarem no templo as portas se fecham e tudo fica escuro por algum tempo depois globos de luz se acendem que estavam na paredes do templo e no centro do vão da sala inicial tem um Homem*


*Ele sorri e em seu peito o simbolo do corruptor esta presente e ele fala:*

—Sejam bem vindos Profanadores, Eu sou Faustus Lider das pressas , o exercito divino do corruptor... Eu sou o Lider deste exercito desde que o Mundo é mundo... Fui um dos Generais divinos que entraram para destruir lefeu e hoje sou seu anfitrião... Apesar de saber que não vão acreditar em mim quero que saibam, eu estou a favor de vocês, quero que consigam seu objetivo e a minha prova para isso é que vou ajudar vocês um pouco... Me façam 7 perguntas com exceção do conteúdo deste, ou seja, o que foi guardado aqui eu posso responder tudo o que eu souber, mas não vão acreditar em e isso vai ser divertido.

*Homem apenas olha para eles com um belo sorriso*



Lenneth entrara com o Rei do Deserto com as pernas tremendo de medo. Sabia parcialmente o que aconteceria ali e o que as "camareiras" do Gilgamesh disseram a ela só a fizeram ficar mais assustada.

Ao entrarem, porém, o que viu foi completamente diferente do que havia imaginado. Havia velas e incensos por todo o lado e ela vira que fora colocada uma cama no local onde eles deveriam consumar o ato. Haviam também várias frutas e bebidas, especialmente vinho, que ela bebeu várias taças.

Deitara-se com Gilgamesh e doera muito, mas fora como Mayra disse. Era uma dor ao qual as mulheres foram feitas para senti-la e acostumar-se a ela ao ponto dela sumir.

Passara um bom tempo deitada apenas lembrando das sensações que sentira a pouco. O quão mal e quão bem sentira-se. E soubera, no fundo do seu ser, que nada mais seria como antes.



Seguiram para próximo dos outros e Lenneth sentira-se um pouco triste pelo Rei do Deserto não lhe dizer uma palavra depois de estarem tão íntimos. Fora gentil no ato e agora era o mesmo idiota egocêntrico de antes. E isso a irritava profundamente. Esse machismo fizera lembrar do irmão Jacob. Também fizera lembrar de algo mais, porém ainda muito nublado. Talvez não fosse importante.

Ouvira o que o Assassino dissera e ficara com algo na mente. Sabia que não devia confiar naquele homem, mas devia perguntar algo.

—Que tipo de desafios e punições os Deuses prepararam para nos impedir?


—Que tipo de defesas e proteções há dentro da barreira? Armadilhas, monstros, perigos, tudo que precisemos saber sobre os obstáculos.- pergunta Dornelles. Pensara em sua pergunta, e faria somente essa. Deixaria as outras perguntas pros outros companheiros. Saber informações sobre as armas era imprescindível, mas como isso estava fora de questão...

No mais, daria um olhar a Lenneth que demonstrava orgulho pelo dever cumprido e oferecia ajuda, caso ela precisasse conversar.


----------

PALÁCIO

----Terminaram as pesquisas sobre mim e sobre o que eu estava falando? Já olharam meus artefatos o suficiente? Já enfeitiçaram e enganaram meus servos o suficiente? Bem se já pararam de investigar minha vida como se eu fosse um criminoso qualquer e não alguém de confiança...
Valéria'n: -- Sim, estou satisfeita e sim adoraria @#$%& com Vossa Majestade, logo após tirar o cabaço do senhor Regan, claro. Da forma como o senhor prefere a nossa caríssima colega, ele tem a minha preferência também. _ disse a guerreira desviando o um olhar lascivo sobre o jovem/baixo mago-guerreiro-oficial do Reinado e autoridade em Yuden.

Dallas: -- Olha, Vossa Majestade, eu até que fiquei bem impressionado com a vossa coleção. _ disse após uma tossida constrangida sobre o comentário da aliada.



TEMPLO

--Sejam bem vindos Profanadores, Eu sou Faustus Lider das pressas , o exercito divino do corruptor... Eu sou o Lider deste exercito desde que o Mundo é mundo... Fui um dos Generais divinos que entraram para destruir lefeu e hoje sou seu anfitrião... Apesar de saber que não vão acreditar em mim quero que saibam, eu estou a favor de vocês, quero que consigam seu objetivo e a minha prova para isso é que vou ajudar vocês um pouco... Me façam 7 perguntas com excessão do conteúdo deste, ou seja, o que foi guardado aqui eu posso responder tudo o que eu souber, mas não vão acreditar em e isso vai ser divertido.[/color]
Aproximando-se com cautela, a herdeira dos Ricardo faz um sinal para que todos guardem suas perguntas temporariamente. Ela se dirige fazendo um jogo mental contra o seguidor da Serpente. Pergunta, gastando uma das respostas em proveito da artimanha:

Valéria'n: -- Então, é certo que você ira nos contar apenas a verdade sobre esse templo exceto sobre o seu conteúdo, mas então não dirá nada verdadeiro sobre o que se encontra dentro do templo, ou seja, tudo incluindo as armadilhas, inimigos, os artefatos, nós e você?

(Off: Lança Zona da Verdade, me agradeçam depois, leram?)

Dallas: -- E o jogo começou. _ refletiu em baixa voz para o colega mais próximo. O mago aguardou regiamente, observando o jogo da aventureira de longa data, coçando o crânio ossudo de seu corcel. Para o sim, ou para o não, Dallas sentia-se mais seguro com seu fiel amigo, fora a companhia do desaparecido Pórr.





Vendar olhava para Lenneth e o rei sem muito entusiasmo. Ele estava preocupado com os efeitos que tal ato teriam em ambos, mas sabia que não era algo da sua conta a menos que eles desejassem sua opinião, então se manteve calado.

Quando todos vão para o templo no deserto e o homem misterioso surgiu ele ficou em dúvida sobre o que perguntar. Ele também tinha dúvidas sobre o alvo e a sinceridade dele. Ele resolveu fazer uma pergunta.

— Por que os deuses lacraram as armas aqui ao invés de destruí-las ou as tornarem completamente inaccessíveis para qualquer um além deles próprios?




Regan Von Heller:

Quando Valéria lhe dá aquele olhar, Regan o retribui com um sorriso e um olhar curioso, mas por hora guarda suas considerações para si mesmo.



*Emilly olha para o grupo sem graça e depois olha o irmão como se pedisse ajuda*
Regan apenas devolve o olhar para a irmã, como quem diz "deixe estar, conversamos depois." Ele se aproxima um pouco, e quando o rei a dispensa ele fica de vez ao lado dela.

Assim ele permanece por todo o caminho, ao lado da irmã e conversando com ela. É uma conversa estranha para alguns. Uma conversa de meias-palavras e frases cortadas antes de ter sentido. Como se o que quer que dissessem não precisasse de mais para ser dito ao outro.



Kerrigan:

A mulher se mantém calada diante da fúria do rei. Não era o momento, falar agora só iria atiçar a ira dele. Ela segura o braço de Arn, puxando a qualquer sinal de que o Paladino queira se manifestar contra a atitude explosiva e não de todo justa de Gilgamesh.

Durante o caminho para o deserto, ela pede a Arn que vá conhecer melhor um de seus companheiros novos, escolha um para conversar, e aproveita ela própria para andar um pouco mais com a Elfa Nuwa, e as duas conversam animadamente sobre vários assuntos por todo o percurso.

Quando chegam ao templo, Kerrigan fica um tanto sem-graça com a situação de Lenneth. De certa forma ela se culpava por ter iniciado a reunião que desencadeou nesse arranjo de coisas. Dentro do templo ela se impressiona com o assassino, e vai ter com Nuwa:

— O que você acha disso? Como podemos tirar proveito das respostas mesmo que ele minta? Tem alguma ideia?




Mayra:

A Paladina apenas ouve o rei reclamar, e segue no caminho pelo deserto ao lado de Lenneth, se possível conversando. Quando o ritual acontece, ela aguarda do lado de fora, e faz questão de entrar ao lado da Cavaleira. Talvez não seja hora de falar da experiência, mas sabe que ela precisa de apoio neste momento.

Quando o grupo entra e o assassino se apresenta, Mayra fica pensativa. Ela observa as perguntas de todos, antes de pensar com muito cuidado a sua própria.





Arn

O paladino assistia a tudo calado, não estava com paciência hoje para regentes e seus acessos de frivolidade, ao ver a reação de Gilgamesh ele pensou:

—"Marica!"

No trajeto para o templo ele se mantivera calado e atento a todos. Já no local ele olha atentamente o momento em que Gilgamesh e Lenneth começam a caminhar para as cortinas, e ele se adianta e fala baixo no ouvido de Lenneth:

—"Irmãzinha, fica tranquila, você vai tirar de letra. E sinto muito que não possa ser com alguém especial. Mas o que posso te dizer é: tenta relaxar."

Depois do ocorrido o paladino se aproxima de Mayra:

— "Oi. Tudo bom? Obrigado por ficar do lado dela. Fico triste por saber que não vai ser com alguém que ela esteja atraída."





Mayra:

— Poucas nesse mundo tem o luxo da escolha, senhor Arn. Recomendo que a deixe um pouco com os pensamentos dela. Ela precisa de companhia, não de palavras, a não ser que peça. E não se creia com uma intimidade que ela não te deu, por melhor que sejam suas intenções, ou só vai piorar as coisas.




Regan Von Heller:

O general concentra muito sua atenção no Sszzaazita, seus modos, os detalhes do comportamento. Ele usa Detectar Pensamentos (CD 37).




Arn

O paladino deixa escarpar uma risada baixa e tímida. E fala com a colega:

—"Engraçado, você é a segunda mulher que me diz isso. Talvez eu deva ser mais frio. Mas o pai dela me pediu para que cuidasse dela, ensinasse mais sobre o que é ser um paladino, que ela é minha "irmã". Não entendi muito bem o que ele quis dizer com isso, mas o pedido dele é uma ordem."

(off.: essa parte inventei agora, como não vai interferir no histórico de nenhum personagem, acho que não tem problema.)

Ele continua a conversar com a mulher:

— "E você Mayra? Teve o luxo da escolha? Sabemos que sacerdotes e paladinos de Lena devem colocar a vida nesse mundo. É muito bela, com certeza deve ter tido esse luxo."



*Nuwa apenas olha realmente preocupada com a situação no palácio de Gilgamesh e apenas mantém a boca fechada quando é citada afinal não era mentira*

*Quando Kerrigan Pergunta a Nuwa sobre o que fazer ela diz:*

—Conheço a História deste General do Corruptor, eu já ouvi algumas histórias sobre ele, mas pelo que eu saiba ele não mente realmente é um assassino Traiçoeiro, mas não mente...



*Já dentro do templo ouve as atrocidades Do paladino de khalmyr e se pergunta seriamente o que estão ensinando aos paladinos de hoje em dia*

—Senhor Arn não quero ser intrometida, mas A vida pessoal de uma mulher cabe somente a ela e não a um marmanjo barbado, Meta-se apenas com a sua vida... E quanto a Khalmyr falar com vc, quando aventureiros que combatem a Tormenta começam a ouvir "as vozes dos deuses" eles devem geralmente procurar ajuda profissional




Arn

O paladino ouve as palavras da bela Nuwa e solta uma alegre risada:

— "hahahahahahahah! Senhorita Nuwa, é verdade! Que pergunta indiscreta a minha, foi só minha curiosidade, não fiz por mal. A propósito iria fazer a mesma pergunta a senhorita. - uma pausa de alguns segundos - Estou brincando, você já demonstrou que não quer nenhum tipo de intimidade comigo, e com razão."

Ele dirige a palavra a Mayara:

— "Me perdoe pela minha indiscrição irmã."

Então ele retorna o papo para Nuwa:

—"Você não entendeu. Não ouvi a voz de Khalmyr, estive com ele, em Ordine. É bem verdade que em toda minha vida como paladino eu nunca havia recebido permissão de visitá-lo."

Ele procura Kerrigan com o olhar e ao achá-la e a mesma olhar para ele, expressa um sorriso alegre e feliz. Um sorriso de um homem para uma mulher, um sorriso de quem ama. Ele tenta deixar esses sentimentos bem claros na sua ação.



Aeron não dava muita bola para para os ataques de Gilgamesh, mas se mantém alerta o tempo todo. Quando finalmente entram, se deparam com o servo de SSzzass, e quando este diz que poderia responder algumas perguntas, Aeron começa a pensar no que poderia ser útil para eles. Após alguns de seus colegas realizarem algumas perguntas, Aeron fica a espera das respostas, para quem sabe tentar retirar mais informações dependendo das respostas...



(OFF: Kléber, isso afeta sim um histórico, o da Lenneth, deveria no mínimo consultar o Mamorra. )

Mayra:

— Apenas não presuma intimidade, colega, essa foi uma pergunta extremamente pessoal e indelicada. Sei que não faz por mal, mas precisa aprender a conquistar a confiança das pessoas antes de tocar em assuntos privados.


------


*O alvo não se comporta como um ser humano normal, mostrando claramente que não é um ser humano e sim uma marionete, logo o General yudeniano não consegue ver muito que possa ajudar em sua dedução*

*Quando a jovem erudita tenta seu ardil, ela pode ver que em nada afeta o Servo do corruptor a sua frente, ele apenas da um sorriso Maroto e diz:*


—É eu sei também odeio quando meus truques não funcionam... Mas encarem por este lado eu não tenho motivos para mentir para vocês então deixem de frescura e parem de tentar me examinar.



*Depois de ver a discussão Fautus olha o grupo e diz:*

—"Sera que podem deixar de discutir por bobagens ? Uma virgindade perdida pode ser ruim ,mas estão prestes a encarar os desafios que deixariam muitas divindades menores de cabelo em pé...  Mas respondendo a sua pergunta jovem Paladina, os deuses não ficaram muito felizes com vocês é obvio,e vão tirar parte das suas benção que vocês tem vindas deles, mas haverá um surpresa a mais sobre isso no final...  Bem amigo insetoide, as Armas não foram destruídas por que poderiam ser necessárias num futuro não muito distante e foram deixadas em arton para que os mortais escolhidos tivessem acesso a elas na hora certa e que ficassem longe das mãos dos deuses, pois os deuses não podem pisar neste solo por um acordo divino antigo. Quanto aos os Perigos do templo druida da bruxa velha, esses são fabulosos, foi uma coisa linda de se construir, golens gigantescos, criaturas da noites das mais perigosas,armadilhas montadas pelo trapaceiro e o corruptor em pessoa, feras fantásticas e alguns seres que estão além da imaginação de qualquer artoniano, e alguém que lhes é muito querido e também o Guerreiro mais poderoso entre os generais divinos, o Grande General dos Generais, Lider todas as tropas divinas e meu Líder também, ele é o ultimo desafio, existem poucas proteções em geral campos de força que podem ser desarmados com um pouco de astucia...

Bem até agora 3 perguntas vocês ainda tem mais quatro O que querem saber mais? "


*O general ainda encara o grupo entediado e o Rei do deserto diz:*

—Alguém mais tem alguma ideia do que perguntar ?




Vendar ouvia a tudo com atenção.

— Então é hora dos mortais utilizarem tais armas novamente.

Ele então pensa um pouco.

— Eu não tenho mais nenhuma pergunta. Alguns de vocês quer perguntar algo?



Regan Von Heller:

— Como será o primeiro ataque do verdadeiro Faustus quando o encontrarmos como inimigo lá dentro?



Kerrigan:

—Qual a forma mais segura de chegar ao nosso objetivo? E que pessoa querida vai estar lá dentro?


Mayra:

A paladina se posiciona ao lado de Lenneth e encara Faustus. Ela respira fundo uma vez antes de fazer sua pergunta.

— Quais servos de nossos pais estarão lá, além de Arthur Pendragon?



Dornelles:
—Lady Kerrigan, reformule suas frases com uma vírgula, elas contam como apenas uma pergunta dessa maneira, e teremos uma pergunta a mais no fim Uma pergunta composta, mas apenas uma pergunta, tecnicamente.-aconselha Dornelles.

Olhando pra Faustus, Dornelles completa:

—Acredito que seu patrono, "a venenosa", não se incomode de eu usar esse tipo de artifício. Afinal, isso foi algo que eu aprendi com a "bruxa velha". E creio que seu patrono acredite que o mundo seja dos espertos, como costumam dizer.




Lenneth tremera sem saber exatamente o que acontecia. Talvez fosse a intensa dor que sentia.

Não.

Estava com medo. Um medo antigo. Ela sabia o que os esperava e que a esperança era quase nula. Lenneth cai de joelhos e lagrimas correm dos seus olhos, mesmo sem ela saber o motivo.

—Irmão...



Kerrigan:

— Tem toda a razão, Mestre Druida. Qual a forma mais segura de chegar ao nosso objetivo, e que pessoa querida vai estar lá dentro?


Mayra:

— Lenneth!

A Paladina se abaixa para amparar a Cavaleira, preocupada.



*Nuwa olha para Leneth sem entender e diz:*


—Mais respeito com a dama do conhecimento, servo do Corruptor...

Mas minha ultima pergunta, teremos algum auxilio ou aliado aqui neste templo, ou estamos totalmente sozinho ?

*Elladan ao ver ela cair se dirige a paladina e a socorre e diz:*

—Lenneth você esta bem ? o que houve ?



Arn

O paladino olhava a cena de Lenneth caindo aos prantos e começa a perceber que esse lugar é muito mais estranho do que parece.

Ao ouvir as pessoas perguntarem se ela está bem, ele responde:

— "Não amigos, ela não está bem. Por sinal a algo de muito errado nesse lugar. Ela é uma paladina, não deveria ser capaz de sentir medo. Sua reação é visivelmente de medo. Algo que me diz que vamos passar por maus bocados nesse templo."



Dornelles puxa de um bolso um lenço finamente tecido, e o estende a Lady Lenneth.

—Foi tecido por um dos meus aprendizes, um jovem muito talentoso. Gostaria que ficasse com ele.

Sabia que isso não faria com que ela se sentisse melhor, mas ajudava a distrair um pouco. Era um presente sincero, e com sorte, a beleza do lenço a distrairia do que a perturbava por um instante. Talvez o bastante pra que ela recobrasse a racionalidade e explicasse o que a deixou assim.



*Quando O Nome Arthur Pendragon é citado Fautus Ri e Muito*


—"Ai.. ai ... desculpem é que o Arthur achava que o feitiço divino Realmente deu certo e ninguem ia lembrar dele mesmo, Ele vai ter um siricutico de Ódio... To vendo que o fato de vocês serem as princesinhas de dois dos patrões ajudou vocês a saberem um pouco sobre eles e manter isto na memoria... E uma de vocês sabe mais que a outra, logo... Ela tem noção da merda que vem por ai

Mas vamos as respostas

Esta bem anão o primeiro ataque de Fastus sera simples ele lançara uma adaga em desafio a vocês, ele e todas as copias dele e todas as marionetes dele, que serão muitas...

Bem princesinha do Keen Servos de khalmyr e Keen.... Bem, servos de Khalmyr fora o Arthur e a Alter nenhum mais, Quanto a servos de Keen tem uns 5

Ora Dama amargurada, havera um aliado, ele sera que vocês menos esperam, ele foi preso aqui como punição, eu não posso revelar seu nome, masele estara a espera de vocês para ajuda-los...

Sinto muito Docinho, mas não tem um caminho mais seguro que o outro é todos são perigosos, e quanto as pessoas queridas, isso é fácil de responder...

Perguntem a seus corações, quem são os seres quem mais amam? que significam tudo para cada um de vocês ?
Eles estarão aqui e serão seus inimigos quando a hora chegar, e para obter seu objetivo eles terão que perecer neste labirinto para provar o quanto vocês podem abdicar por arton...

Mas já cumpri meu objetivo, agora minha utilidade, meu tempo de vida como marionete acabou...
Adeus... "


*A marionete se Curva e vira em reverencia e depois começa a virar uma estatua de Onix e depois disso apenas o silêncio preenche o lugar e atras da estatua segue um caminho iluminado com uma luz fraca*

*O General do corruptor lhes dera uma noticia das mais terríveis, e agora ele os deixava com seu próprio silêncio, para meditarem até que *

*Todos os servos dos deuses sentem a mão pesada da culpa em seu ombro até mesmo aqueles de devoção forte, assim como as filhas dos deuses sentem suas dádivas divinas indo embora, é pesado sentir isso, mas pode se sentir que a pesada punição não foi total, mas fora terrível o suficiente para entender o que Fautus dissera, os deuses realmente não estão felizes com a atitude até então tomada.*

*Emilly cai de joelhos no chão e diz:*

—Nimb... eu.. Desagradei Nimb... Deus eu nunca...


Off: New's flash Em suma, vocês a partir de agora não podem mais usar poderes concedidos, tipo conhecimentos gerais, aura da paz, destruir o mal adicional.

Poderes como magia, destruir mal , tão normais apenas aqueles talentos e domínios que vocês podem comprar sendo servo de deus ou com o talento devoto





Arn

O paladino percebe que Khalmyr não está muito contente com as atitudes deles, mas ele não iurá fraquejar. É um paladino, e as armas de um paladino são seus votos e o que representam e não benção dos deuses.

Ele olha pra cima e fala:

—"Sinto muito, mas você sabe que não é justo impedir que nos lutemos por esse mundo. Na verdade, é isso que os paladinos representam não é mesmo? Justiça, liberdade e bom ideais. Não é a toa que você é tido como o padroeiro dos paladinos. Mas devo confessar, Valkaria deve estar sentindo orgulho de você agora. Mas tudo bem, você sabe o que faz. Mas essa sua atitude me faz pensar, talvez devamos tomar muito cuidado com esses artefatos, vocês não tirariam nossos poderes a toa. Mas bem depois agente se fala, abraço."

Ele caminha até Kerrigan e diz:

—"Sinto como se os poderes extras que Khalmyr concede aos seus servos estão indisponíveis. Acho que aconteceu o mesmo com você, então não se esqueça, não há Aura de Paz..."



Lenneth sente suas dádivas sendo retiradas uma a uma. Cada retirada era como um punhal rasgando seu corpo. Ela enxuga as lágrimas e levanta olhando para a passagem.

—Não vamos voltar atrás. Nossos objetivos são muito maiores que nós mesmos. Se os Deuses não concordam que salvemos Arton, problema é deles! Iremos assim mesmo. No fim dessa masmorra há um algoz esperando para nos matar, e temos que acabar com ele antes.




*Elladan fica petrificado assim como Nuwa com o resultado das perguntas e diz:*

—Nossos entes mais amados, isso quer dizer que...

*ele faz uma breve e pausa e fecha os olhos nervoso e diz: *

—Vamos enfrentar e temos que matar aqueles que amamos acima de tudo?

*Nuwa tem lagrimas em seus olhos ao sentir as dadivas da senhora do conhecimento a abandonando, não todas, mas mesmo assim dói, e além disso ter que matar seu maior amor ? era cruel demais para ela ela mal tinha forças para falar e com um rastro de voz diz:*

—Mayra, você é filha de um deus assim como Lenneth, vocês terão que enfrentar seus pais... será que nosso grupo esta pronto para enfrentar dois avatares dos deuses ?  Seremos esmagados... Antes de prosseguir temos que analisar o que Faustus falou, prosseguir sem pensar nisso seria nossa ruína.*



Vendar parece petrificado. Ao ouvir quem eles enfrentariam ele não conseguiu acreditar, mas antes que conseguisse perguntar algo mais o homem some. Ele então para e fica suando vermelho, nunca ninguém tinha visto-o tão abalado.

— Não pode ser.... não pode... mag....

Vendar então olha para Mayra. Ele a segura pelos ombros.

— Mayra, você é filha de keen não é? Por favor, faça ele mudar esse desafio. Por favor, tudo menos isso. Ele colocou os desafios, ele pode mudar.

Ele começa a sacudi-la desesperado.

— Por favor... faça alguma coisa. TUDO MENOS ISSO!!!!!!!!!



*Nuwa ainda divagava consigo mesmo ao ver vendar sacudir Mayra ela diz:*

—Vendar, Ela esta na mesma situação que nós ou pior, ela não esta condições em pedir nada aqui ou você não entendeu, estamos todos condenados



Dornelles:

Enfrentar seus entes mais queridos seria um desafio à sanidade de qualquer um. Fazê-lo ao mesmo tempo em que perdia os dons concedidos por sia divindade patrona seria um desafio cruel. Dornelles sentia sua capacidade mental diminuindo significativamente, seu conhecimento sobre todos os tipos de coisas escoando, e sua habilidade de entender todos idiomas, ou quase, indo junto. Enxugando as lágrimas, ele pensava em quem teria que enfrentar. Poderia significar ter que matar seus discípulos da Ordem de Druidas do Conhecimento? Ou pior, enfrentaria seu próprio lobo? Cada possibilidade era uma faca no seu coração, e a perspectiva de ter que fazê-lo era desesperadora.

Abraçando Volg, com o rosto lavado em lágrimas, ele sussurra ao ouvido do companheiro.

—Não quero ter que fazer isso, não quero! É pro bem do mundo inteiro, mas o sacrifício é grande demais! Espero que entenda, velho amigo. Se chegar a esse ponto, vamos ter que fazê-lo. Tanna-Toh, dai-me forças pra fazer isso pelo mundo todo...



Arn

Ele observa os devotos se sentirem mal, chorarem e alguns até mesmo expressar dor. Mas ele não conseguia sentir aquilo. Ele nunca viu Khalmyr como alguém que merece adoração e "sem ele não posso viver". Ele sempre viu Khalmyr mais como um amigo distante, um aliado e alguém que admira muito, mas nunca essa idolatria toda. Nunca deixou que isso o afetasse, nunca se prendeu a poderes sagrados para fazer o que é certo e cumprir uma missão. Ele então em uma postura confiante e inspiradora fala a todos:

— "Ora meus amigos! Sei que para muito de vocês é uma experiência desagradável perder parte de seus poderes ou contrariar seus deuses. Mas nós devemos fazer isso, não se esqueçam, derrotar a Tormenta não é apenas salvar Arton, mas sim todos os seus planos adjacentes, incluindo os Reinos dos Deuses. E eles mesmo parecem se esquecer disso as vezes. Não interessa se tirarem todas nossas vantagens, ainda assim iremos continuar, pois somos artonianos e nossa causa é muito maior. Quando aceitamos esse convite sabíamos que não seria assim fácil e coisas muito ruins aconteceriam a nós. Talvez esses "inimigos que tanto amamos" sejam apenas cópias, ou talvez sejam cópias que tem impacto direto no original. Mas não se esqueçam aqui lutamos por um bem maior, na guerra as vezes alguns tem que perder a vida para o bem maior.

E além disso se tratando de deuses, todos sabemos que eles adoram um enorme desafio, não se lembram do Labirinto de Valkaria? Somos absurdamente poderosos, não podíamos esperar sacrifícios menores que esses. Será difícil para nós, mas venhamos e convenhamos, para pessoas chegarem onde estamos não podem ser detidas pelas dificuldades e aqui nos estamos, pois somos persistentes. Talvez eu acabe matando a pessoa que mais amo, mas que nunca disse isso a ela, por isso aconselho: não deixe que matemos ou morremos sem dizer o que sentimos."

Dito isso ele caminha firme e decidido até Kerrigan e lhe rouba um longo, lascivo e apaixonado beijo de amor, e diz em tom normal, nada de palavras em baixo tom:

—"Kerrigan, eu te amo! Quando sairmos dessa quero muito fazer amor com você."

Ele então olha para todos, e diz:

—"Vamos logo com isso pois temos inimigos a vencer."




DALLAS

—Ei?! Isso quer dizer que Pórr estará aqui? Tanto melhor. Olhem, não sei quanto a vocês, mas não seria primeira vez que tenho de ressuscitá-lo depois de uma briga. Além, do que, minhas dúvidas eram quanto a ele tenha se perdido na Tormenta. A não ser que tenha conseguido sair sozinho as palavras daquela serpente não vão passar de um monete de mentiras cruéis. Acreditem em mim, já lidei com o tipo. A especialidade deles é ferir com a verdade, uma verdade manipulável. O mentor de Greed'son e meu era tipo assim também. Um dragão negro safado se me perguntarem. Uso essa capa até hoje para evitá-lo, mas nunca deixei de sentir essa sensação incomoda de que ele nunca desistiu de suas artimanhas manipulatórias. Não temos que nos sentir amuados até que tenhamos certeza e isso só pode ser comprovado com magia quando o desafio se apresentar.

— E DANE-SE O RESTO!

— Vamos lutar contra a Tormenta, não vamos?! A Tormenta mata deuses! Mata deuses! A menos que possamos matar um deus podemos desistir do nosso mundelo.




VALÉRIA'N

Situação enervante, pra lá da metade do grupo estava aterrorizada ou em perda de força. Agora teria de enfrentar antigos companheiros e amantes? Mas se pudesse encontrar seu pai novamente... se o poder dos deuses fosse usado para resgatá-lo, mesmo que para uma piada cruel, valéria o custo. Ela podia se considerar com sorte?

Quanto aos outros, ela tinha de fazer alguma coisa. Seu pai nunca cedeu em situações como está, sempre encontrando uma saída, ela não faria menos. Sua voz saiu ecoante do elmo de seu pai, enquanto ela agira com a experiência de uma vida em erguer grupos de aventureiros que já haviam desistido diante do desafio.

(Off: Lança Comandar Maior - "PARE" - em até cinco entre os desesperados nos personagens aterrorizados.)

—Atenção todos vocês! PRIMEIRO: SOMOS HERÓIS, que fazem sacrifícios! SEGUNDO: SOMOS AVENTUREIROS, nós matamos o monstro no fim da merda da masmorra! TERCEIRO: NUNCA! NUNCA SE CONFIA NA MERDA DE UM SERVO DA SERPENTE CAOLHA! ESTOU BEM CLARA! Mesmo que aquele troço tenha dito a verdade não quer dizer que tenha dito toda a verdade. Ele disse que falaria, mas não disse que falaria tudo.

(Off: Lançando Acalmar Emoções nos personagens aterrorizados.)

Ela esperou que eles se acalmassem e pensassem um pouco. Falou:

— Aqueles que não estiverem dispostos a seguir em frente deveriam ir embora. Não obrigarei ninguém a ir adiante. Quanto a mim, tenho pelo menos um único bom motivo para prosseguir.

(Off: Lança Dominar pessoa em Massa caso os que ficarem forem insuficientes.)

Penetrando em cada alma presente com seu olhar arco-íris, Valéria'n mede se as forças que ficarem seriam o suficiente e se entre estes teriam animo suficiente para enfrentar os desafios. Ela toma uma ação drástica.

A guerreira deixa cair seu elmo revelando sua beleza escondida e avança com a experiência de um general em seu campo de batalha costumeiro. Agarrando Elladan, que julgava ser o mais desesperado, ela o beija profundamente, derramando sua língua numa deliciosa massagem e misturando suas salivas. Momentos lascivos depois, ela diz?

—Venha comigo. Vamos matar deuses juntos.

(Off: Emprega Amor incontestável de Raviollus.)





Ouvindo todas as respostas e vendo o que se seguia, Aeron fala:

—Esses deuses são um bando de sádicos malditos, só pode...

Ele não era afetado como os abençoados por divindades do grupo, mas acreditava que a sensação não devia ser nem um pouco agradável. Enquanto alguns tentavam controlar o resto do grupo, ele fechava os olhos, tentando imaginar qual seria a sua situação, já que os prováveis escolhidos já estavam mortos, e alguns deles não poderiam ser ressuscitados nem pelos deuses...

Abrindo os olhos e observando o grupo novamente, ele então diz:

—Já sabíamos que isso não seria fácil, mas se não formos capazes de chegar ao fim dessa missão, então provavelmente todos serão mortos pela tormenta de qualquer jeito. Precisamos superar isso e virar essa disputa...

Então ele parte em direção ao objetivos deles...



Com os comentários e efeitos místicos de todos Vendar parece se acalmar um pouco, ele larga Mayra.

— Desculpe, eu... Eu me desesperei. Não sei se vou conseguir voltar a me importar apenas com o combate a tormenta. Não depois de finalmente encontrar alguém importante.

Ele respira fundo. A carapaça rubra surge cobrindo todo o corpo e rosto dele e fazendo-o crescer até 3,6 metros de altura. Mas a carapaça era muito mais humanoide do que no passado.

—Eu... Nós... eu... não sei se arton vale tanto assim. Eu também não sei se serão apenas cópias como você disse arn. Eu... só sei que vou entrar. Mas...

Ele se cala, mas era óbvio que um pensamento sombrio passava por sua mente.



Arn

O paladino fala calmo com Vendar:

—"Gigante, como assim Arton não vale esse preço todo? E o que vale então deixar que sua mulher e filhos sejam consumidos pela Tormenta? Ou pior? Esse é o nosso trabalho Vendar, essa é nossa missão. Nós temos que fazer pois se nós não fizermos ninguém mais fará. Saiba que sua mulher e filhos estarão bem. Mesmo que aconteça algo a elas temos gente no grupo capaz de ressuscitá-los."



Valeria: —Shhh, não o perturbe. Ele pensava no desafio, mas já em poupar a esposa e as crianças. Vendar está fazendo o possível para manter a calmar. _ falou a aventureira em tom sério e firme.



Dornelles:
Dornelles solta Volg, enxugando as lágrimas. Sabia que Arton era mais importante, e estava disposto a seguir em frente, porque contra a Tormenta, qualquer arma ainda é pouco.

—"O problema não é esse, senhorita Valéria. O problema é que, caso seja verdade, matar seu ente mais querido é cruel e desumano. Nenhum de nós aqui, por mais poderoso que seja, pode encarar a morte com tanta leviandade. Sei que Arton está em risco, e que pra enfrentar a Tormenta, cada sacrifício é necessário, mas ainda assim, é uma brincadeira de mau gosto fazer com que enfrentemos entes queridos.

-Caso seja mesmo verdade, e eu tiver que enfrentar todos os meus discípulos, ou mesmo caso Volg se volte contra mim, eu serei obrigado a matar quem eu amo, por uma causa maior. Nem por isso deixarei de ficar triste. Alguns de nós têm entes queridos, afinal de contas. Não são todos que podem viver a vida que Greed'son levava, cercado de pessoas, mas ainda assim, sozinho. Pense nisso.

-E o problema é exatamente esse, senhor Arn. Vendar acaba de ter mulher e filhos. A perspectiva de matar sua própria prole não é das mais calmantes. Mesmo que possamos trazer de volta dezenas de pessoas dos mortos, matar quem se ama é algo impensável, pode perguntar de qualquer pai ou mãe. "

Após ter dito isso, Dornelles prepara-se pra entrar. Enfrentaria seu pesadelo pessoal, pelo bem de toda a existência.



Valeria:

—Palavras de um servo da serpente caolha ainda são as palavras de um servo da serpente caolha, druida. Nós estamos aqui para um desafio, é simplesmente ridículo que os deuses enviem bebes para o campo de batalha. Se fizerem isso eu serei a primeira artoniana a eviscerar esses troços que vocês chamam de deus. Meu pai deixou armas para matar até deuses se preciso for e eu vou usar até a última.

O ar tremeu quando Valéria ativou a poderosa armadura de Greed'son, mergulhando suas manoplas entre as dimensões assim como seu pai fazia para arrancar armas e monstros ocultos.

De lá, ela retirou duas armas, duas espadas da forma e ideia da ambição do déspota que não esperava menos de sua filha adotiva e atualmente ciente de sua herança.

Uma era uma magnifica espada de aço-rubi, ela saltara do buraco do plano etéreo e uniu-se a manopla de sua mestra de forma orquestral.

A outra, uma lamina cruel de matéria-vermelha que distorceu o próprio espaço como se quisesse feri-lo de propósito, mas tocou amigavelmente a manopla da armadura de Greed, agora de Valéria.

Às costas, o escudo, um dos últimos trabalhos de Greed'son, agora protegeria Valéria dando-lhe a chance de enfrentar um adversário mais temível. Um ardil sábio apesar de sua origem aberrante. O olho da coisa percorreu os aventureiros restantes e sua bocarra parecia ansiosa por provar o poder divino para depois vomita-lo de forma fatal.


Por fim, a pistola de balas especiais, outra herança do déspota já vinha atada a sua cintura. Três tiros diretos estavam prontos e ainda mais dez balas estavam aguardando se fosse preciso recarregar.

A aventureira tomou a liderança do grupo assim como seu pai sempre a instruiu. A situação era perigosíssima, uma das maiores em toda a sua carreira, mas ela ainda a permitiu a estar feliz de estar ali e aproveitar a oportunidade. Valéria'n piscou para Elladan para que ele se juntasse a ela.

* Com a demonstração de força, confiança e total e descrença nos deuses, Valéria tenta motivar o grupo.*

(Off: Ela lança Hipnotismo em cada um dos flagelados esperando fortalece-los, se der certo cada um recebe +4 em seus testes de resistência.)

—Todos atenção agora, entrem em formação. Dallas, atrás e no meio, prepare magias para deter os inimigos,mas só aja caso ordenado, não devemos gastar seu suco rápido aqui. _ mandou a herdeira dos Ricardo.

—Tudo bem. Não acho uma ideia tão ruim. Ei, é verdade se você derrotar o deus da guerra você se torna o novo deus? _ concordou subindo em seu corcel esquelético enquanto tentava desviar a atenção do momento perturbador.

(Off: A mensagem anterior foi editada, Elladan foi alvo do efeito de Amor Incontestável de Raviollus com autorização do mestre.)




Kerrigan:

A mulher ouve o guardião e fica em choque. As possibilidades são muito variadas. O homem era um servo da serpente, afinal. Poderia ser sincero, mas não quer dizer que tivesse dito tudo. Os outros estavam certos, mas...

Ela olha Arn, o rosto lavado de lágrimas, responde ao beijo quase de forma automática, mas logo com toda sua paixão. Mas depois ainda chora.

— Arn, como eu rezo para que você esteja certo... mas se não estiver... Sszzaaz é um deus cruel, e não é o único do tipo no Panteão. Seus tolos, talvez a morte aqui seja como na Tormenta. Para fazer algo tão grave, talvez não haja volta depois... Por favor, Arn... se não tiver outro jeito, não me obrigue a viver sem você. Eu prefiro morrer![/quote][/quote]

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:22

Capítulo XXXI


Regan:

O general afunda na própria mente por longo tempo. Ele escuta todas as considerações e observações, medindo, calculando... e lembrando. Ele pensa nas pessoas que pode ter de enfrentar. Aqueles que se tornaram queridos para ele. Alguns perigosos, outros sem nenhuma chance.

Regan olha por um instante para Elladan. O Elfo não faria isso. Ele próprio não faria isso. Muito melhor para a iniciativa contra a Tormenta que ela sobreviva aos dois. Ela é muito melhor que eles. Ela foi a primeira coisa que importou.

Quando termina de pensar, ele se endireita e fala, a voz firme e calma, no tom didático que costuma usar quando não está em batalha.

—" Lady Nuwa, não há o quê analisar sobre as palavras de Faustus. Nós não temos dados para isso. Só podemos agora seguir em frente e descobrir o que pudermos em primeira mão. Quando a hora chegar, vamos analisar o que pudermos. Mas observem que, de fato, o homem pode ter respondido às perguntas, mas apenas até onde lhe conveio.

- Sir Lenneth, lady Mayra, se tiverem qualquer informação extra a nos passar, mesmo que incompleta ou secundária, por favor, façam. Tudo pode ser útil quando as peças começarem a se encaixar.

- Sir Arn, lady Valeria, gostaria de lembrá-los que não estão lidando com crianças. Qualquer um aqui já viu sua parcela de horrores e enfrentou desafios inumanos. O caso aqui é apenas de dar a cada um o tempo para pensar no que ouviu. Não acho necessário recorrer a discursos de encorajamento ou subterfúgios morais agora. E se for o caso, recomendo fortemente que pensem primeiro nas pessoas a que se dirigem.

- Sir Arn, o senhor só tem uma namorada. Alguns aqui são responsáveis por muita gente diferente. Alguns aqui têm família. O sacrifício pode ser necessário e até valer a pena, mas não é leviano para ser tratado assim. Quando a hora chegar caberá a cada um decidir sozinho se realiza o sacrifício pedido ou se entrega a própria vida.

- Mas gostaria de lembrar aos desatentos que as portas se fecharam. Não existe volta. Para frente é o único caminho disponível.

- Lady Valéria, eu sei que não vai "obrigar" ninguém, até porquê, neste grupo, não teria condições de fazê-lo. Nenhum de nós tem. Mas recomendo mais cuidado com suas palavras e ações para não ferir alguns dos egos mais exaltados. Regan observa Nuwa, que já se enfurecera na noite anterior quando seu irmão fora usado de forma similar.

- Sigamos, mas antes vamos elaborar uma formação eficiente. Não adianta ter como única estratégia que seu amigo mago fique no meio, e nada se definir sobre os outros. Façamos uma pequena reunião para discutir habilidades e vulnerabilidades de cada um, e vamos elaborar uma estratégia segura de avanço. "


Manobra Esmagadora: Regan faz um uso dessa habilidade. Testar Conhecimento (Estratégia) +65 para elaborar uma formação interessante em conjunto com todos.

Formação Invencível: Favor a TODOS lembrar que recebem +2 de CA a até 9 metros do Regan.

Olhos Observadores: Regan conjura essa magia e dá aos olhos a seguinte instrução: espalhem-se e explorem esse templo até que encontrem um lugar sem saída, uma área onde não possam ver ou testemunhem um de vocês ser atacado.

Conjurações: Enquanto delibera com o grupo, Regan vai conjurar Sexto Sentido Duradouro (CA e Reflexos +8), Físico do Leão em Massa Duradouro 2x (For, Des e Con +4 para Gilgamesh, Elladan, Vendar, Aeron, Mayra, Arn, Valéria, Volg, Regan), Mente do Golfinho em Massa Duradouro (Int, Sab e Car +4 para Nuwa, Emilly, Dornelles, Kerrigan, Dallas), Lâmina Afiada em Massa Duradoro (Gilgamesh, Vendar, Aeron, Mayra, Arn), Lâmina Invisível Maior Duradoura, Arma Vampírica Duradoura (Vendar), Arma de Energia Duradoura (Vendar), Fogo Amigo Duradouro x3 (Todo o grupo), Sombras Duradoura x3 (Determinação em Massa em todo o grupo).

Depois de tanto buff ele está quase sem magia.




Mayra:

A Paladina já está nervosa com a situação. Quando o guardião se refere a ela como "princesinha do Keen", cada músculo dela fica tenso, como antes, quando confrontou Lenneth no dia anterior.

Mas quando ele fala quem serão os entes queridos, o mundo dela cai. Não importa se os Poderes Concedidos estão se esvaindo, só uma bênção de Lena importa a ela agora. Uma única, que dá propósito a toda a sua vida. Apenas pensar no que o construto disse a paralisa de horror.

Quando Vendar a sacode, Mayra apenas chora em pensar no filho, ainda pequeno e indefeso. Ela confiara que ele estaria seguro em Vitália... não pode ter sido traída assim. Traída. Claro. Só um deus poderia ser o responsável por isso.

Os lamentos dos outros enchem os ouvidos de Mayra, assim como os discursos inflamados que se esforçam em esquecer o preço a ser pago. A cada palavra ela arfa enquanto dentro dela a revolta cresce em fúria. As asas negras se eriçam, as penas brilhando como facas ensanguentadas. A Paladina parece crescer ainda mais, e de fato cresce em sua fúria, até mais de 2,10 metros. As veias saltam negras na pele, que fica rubra como sangue. Os olhos se tornam orbes de pura prata, assim como os cabelos.

Todo o corpo se infla, cada tensão gritando por batalha, a aura de Werra tomando o ambiente, e as cores de Keen, o corpo da Paladina de Lena.

— NINGUÉM VAI FERIR MEU FILHO!! E NENHUM DEUS VAI ME IMPEDIR!!! QUE VENHAM TODOS OS AVATARES, EU VOU AÇOITÁ-LOS COM A CARCAÇA DAQUELA COBRA!!!

Mayra, furiosa, agarra a estátua de ônix com uma única mão, demonstrando uma força simplesmente monstruosa, e a arremessa com toda a força contra a porta fechada do templo, fazendo a estátua em migalhas. Depois disso ela arfa um pouco, então se acalma. Diminui um pouco, ficando com 2,05 metro, olhando o chão envergonhada.

— Desculpem ter me exaltado. Eu... isso não é atitude para uma serva da Vida, me desculpem. Sim, general Von Heller, vamos discutir estratégia.

Mayra está calma, mas continua com o corpo alterado. A Guerra pulsa em suas veias. A semi-deusa está mais perto que nunca do seu pleno poder.

( OFF: A partir de agora a Mayra usa a ficha que está atrelada à do Regan.)




VALÉRIA'N

—Parece bom para mim. _ a aventureira concorda com Regan, enquanto avalia sua pequena gostosura (Ele era tão nanico, quantos anos mesmo? Ela podia se considerar uma papa-anjo?).

—Agora, é disso que estamos falando. _ exalta animadamente ao ver a reação de Mayra.





Lenneth ouvia todos falarem com medo sobre enfrentar o que tinham de mais querido dentro de seu coração. A garota não sabia se aquilo a assustava. Desde sempre amava os Donovan que a acolheram, mas não parecia ser suficiente. Amara Elladan, mas o fogo que ardera como as próprias chamas de Thyatis agora não passavam mais de cinzas. Idolatrava os irmãos Artur e Jacob, mas ambos se desvirtuaram e não olhavam mais para ela...

Lenneth devaneava sobre o que tinha de mais querido no coração, quando é surpreendida pela pergunta de Regan.

—Lorde Regan Von Heller, o nome Arthur Pendragon me é familiar. Na verdade, ele é meu irmão. Não sei ao certo, mas ele é um Algoz extremamente poderoso. Vi imagens na minha mente de alguém, creio que tenha sido uma vida passada minha, o enfrentando e sendo derrotado. Ele tinha um olhar de fúria completa nos olhos, daquelas que só se vê nas mais horrendas bestas. Não devemos vacilar...

Lenneth continua assustada com o que está para acontecer. E se for mesmo seu irmão? Ela estará disposta a matá-lo? Esses pensamentos esmagavam sua mente o tempo inteiro.




Regan Von Heller:

O general não podia disfarçar certo espanto com a força demonstrada pela semi-deusa da Guerra, mas agora se focava em fazer seu trabalho. Ele aproveitou alguns fragmentos de ônix, manipulando-os com magia básica (Prestidigitação e Mãos Mágicas), para montar um esquema de formação enquanto trabalhassem as estratégias.

A bem da verdade, com o pouco tamanho e evidente juventude, parecia um menino brincando com bonequinhos, o brilho do sabre cheio de runas apenas contribuía para o aspecto infantil. Ainda assim, era um esquema visual didático.

Regan abriu espaço a seu lado quando Valéria se aproximou, sorrindo para a guerreira, finalmente sem o elmo do pai. Quando Lenneth fala, ele pondera com cuidado sobre o que a Cavaleira diz.

— Um relato curioso. Seu irmão, Algoz e de olhar ferino. Não posso deixar também de tomar nota da hipótese de vida passada. Isso trás implicações muitas. O templo nos trará mais respostas em tempo.

— Sir Lenneth, não vacilaremos. Tenho plena confiança na capacidade de todos os presentes de manter-se frente ao perigo extremo. Mas se algo mais a preocupa, o melhor a fazer é se abrir. Estamos todos para enfrentar a que pode ser a mais difícil das escolhas. Ao que parece, você ainda tem outras preocupações sobre o lugar. Divida o que tiver para dividir, coloque para fora.

- Estamos todos condenados, como comentou lady Nuwa. Não há necessidade de carregar sua cruz sozinha.



MAGIAS PREPARADAS (CONJURADAS): 208 PMs + 100 PMs especiais
1-
2-Fogo Amigo x3, Dedo Duro x2 (10)
3-Arma de Energia (3)
4-Arma Vampírica (4)
5-Olhos Observadores, Arma Elemental em Massa (10)
6-Lâmina Afiada em Massa Duradoura, Lâmina Invisível Maior Duradoura, Dissipar Magia Maior (30)
7-Coordenar a Batalha em Massa, Invisibilidade em Massa (14)
8-Físico do Leão em Massa Duradouro x2, Mente do Golfinho em Massa Duradouro, Metamorfosear Objetos (50)
9-Sexto Sentido Duradouro, Sombras x3, Sombras x3, Chuva de Meteoros x2, Alterar Forma, Desejo (105)
PMs Especiais Restantes: 34


Lenneth:

—Eu não sei bem dizer... Há algo mais dentro desse templo. Algo que me está apavorando... Algo do Passado... Não sei dizer exatamente o que é, mas sei que é mal. Não posso deixar de imaginar o que tenha acontecido com ele para que ficasse daquele jeito...

Lenneth tentava não olhar nos olhos de ninguém ali presente e isso só deixava claro que ela estava com medo. Medo e desorientação. Não medo do irmão, mas de outra coisa. Algo que nem ela mesmo sabia. E isso era completamente visível aos olhos de Regan.




Regan Von Heller:

Ele fala a Lenneth com voz firme, mas num tom baixo e calmo.

— Nós estamos aqui. Vamos descobrir juntos, e enfrentar juntos o que vier. Você não está mais sozinha.




Respirando fundo, Dornelles põe uma pedra sobre seus medos. Fosse o que fosse, teria que enfrentar, pelo bem de Arton. Não seria o único a sacrificar algo naquele dia. Recebendo a magia que aumentava suas capacidades mentais, ele preparava-se pra ouvir o plano. Se possível, ajudaria em seu desenvolvimento.

Off: se puder, prestar auxílio no teste de Conhecimento(Estratégia). Qualquer +2 ajuda.




Arn

O paladino ouve o General e responde:

—"Bem, Von Heller. Eu antes poderia usar minha habilidade para destruir o mal 13 vezes nesse dia, mas com a limitação dos deuses a todos nós, agora só posso usar 6. A Kerrigan tinha uma impressionante Aura de Paz, acho que a mais poderosa que já vi. Mas agora está sem, porém ela é uma excelente influenciadora, como toda nobre, ela é ótimo em inspirar os aliados e desencorajar os inimigos, além disso faz uma dança que nos deixa bem, além de que também é muito boa no comando. Mas o problema é que ela não é muito resistente fisicamente."




*Nuwa olha para a Maldita valeria e mete o tapa na cara dela*


—Olha aqui sua vagabunda você pode se esfregar com quem você quiser, mas se fizer uso de tentativas de encantar e ludibriar meu irmão de novo, vai saber por que não sou bem vinda no império e o que acontece com aqueles que cruzam meu caminho...

*Elladan também olha para o yudeniano com um claro olha de dizer que se ele ousa-se tocar nela, ele mesmo mataria Regan*

—NUWA CHEGA DE CRIANCICE PRECISO DE SEUS CONHECIMENTOS, PEGUE SUA BOLA DE CRISTAL....

*Elladan da um breve sorriso e diz:*


—Vamos fazer um teste, Nuwa use sua bola de cristal e ache o tal Arthur Pendragon e Faustus a Tal Alter que ele falou, e se der verifique a história dele ser um algoz, Lenneth pode estar sendo afetada pelo templo...

*Nuwa abre um sorriso e tira a bola de cristal da mochila :*

—Certo irmão

*Ela faz aparecer uma pequena mesa e uma cadeira para que possa usar a boal de cristal de forma confortavel e diz:*

—vamos ver

*Usando videncia Maior da bola de cristal Berserker veja o que eu posso fazer*



Vendar ouviu a todos com atenção, mas não via necessidade de atrapalhar os demais. Ele estava muito preocupado com a possibilidade de enfrentar magda. Ao receber os efeitos de regan e vê-lo montando uma estratégia ele fala:

— Obrigado Regan, essas magias serão uteis. Quanto a estratégia, bem, eu sou um linha de frente, principalmente após receber essas magias que você me deu posso segurar os inimigos que surgirem e proteger os conjuradores. Quanto aos demais, cada um de nós tem uma vantagen, podemos aproveitar algumas delas com umas táticas que aprendi no combate a tormenta, mas que ainda são uteis contra artonianos...

Ele então começa a discorrer sobre estratégias complementares. Ele também estava profundamente interessado no que a nuwa conseguiria com a bola de cristal.

Off: Prestar ajuda com o conhecimento (estratégia) +11.



Se aproximando, Aeron fala:

—Eu e Vendar podemos cuidar do combate corpo a corpo, os conjuradores devem estar preparados para resolver o que nossas espadas não forem capazes. O que precisamos saber é o que vocês que se juntaram a nós recentemente ainda são capazes de fazer, só assim poderemos escolher as melhores opções...


OFF: Também ajudo com Conhecimento (Estratégia) +13.




VALÉRIA'N


*Nuwa olha para a Maldita valeria e mete o tapa na cara dela*

---Olha aqui sua vagabunda você pode se esfregar com quem você quiser, mas se fizer uso de tentativas de encantar e ludibriar meu irmão de novo, vai saber por que não sou bem vinda no império e o que acontece com aqueles que cruzam meu caminho...

Valéria recebeu o tapa inesperadamente, mas não se inervou, já tinha levado piores. Não valia a pena causar uma divisão no grupo, ela estava ali para unir o grupo. Tanto que aquilo era até mesmo exitante.

A guerreira olhou com surpresa, mas lambeu a região do tapa com o canto da língua carregando uma expressão de puro prazer na face. Em seguida olhando com profunda excitação e desejo para a maga, dizendo:

—Ok, não imaginava que vocês tinham esse tipo de relação possessiva, mas sou bem razoável. VOCÊ. EU.BANHEIRA. ÓLEO, ELLADAN ASSISTINDO. Se ele quiser, ele entra na brincadeira depois. Que tal?

* Valéria'n passa a tentar seduzir ou induzir a maga ao desejo, sempre arrancando uma casquinha ou uma olhada aqui e ali, sem tentar esconder nada de ninguém, mas sem atrapalhar seu serviço... muito*

(Off: Lança Cativar apenas para causar rubor e desejo na maga. Caso Elladan intervenha, faz o mesmo com iguais intenções apenas.)



DALLAS

—Não sei como ela ainda não está prenha. Provavelmente aprendeu muito com as putas de Marah. _ disse em voz comedida o lich a qualquer um por perto.





*Elladan limpa a garganta e diz:*

—Esse tipo de atitude abominável é tipica da humanidade, nós Elfos não somos adeptos desta pratica, anti natural e pecaminosa, sabe pederastia, a não ser quando somos torturados até quase a destruição da psique e depois induzidos a isso de forma desumana, mas isso é um caso a parte...

*Nuwa apenas olha com muita dedicação para seu trabalho e diz:*

—Irmão, relaxe, é apenas uma garotinha com sérios problemas mentais, deixe ela falar suas baboseiras, vejo que ela não estava tentando usa-lo e sim apenas demostrando sua fraqueza mental...
Deixe-a agir como a criança que ela é, esta bem ?

*Elladan se cala e deixa a irmã continuar seu trabalho*



VALÉRIA'N

—Ok, mas se mudarem de ideia já sabem onde me encontrar. _ disse a guerreira em tom convidativo, ficando de lado, mas arrancando uma passada de mão na bunda do elfo enquanto se afastava.



Regan Von Heller:

Observando a cena entre Valeia e os irmão élficos, o pequeno general responde, entre curioso e preocupado, ao comentário de Dallas.

— É uma sorte se ela sair daqui viva. Avise a sua amiga para ter cuidado, aquela Elfa é uma assassina fria quando interessa a ela, e ela realmente é protetora com o irmão.


Quando Elladan fala, Regan apenas olha de canto de olho. Já as palavras de Nuwa lhe dão algum alívio quanto ao destino iminente de Valéria. Até agora a Elfa levou na esportiva, ótimo. Mas não é bom abusar da sorte.

Ao ver Valéria passar a mão na bunda do Elfo, Regan puxa a mulher pela cintura e a faz se sentar no colo dele enquanto conjura uma cadeira.

— Vamos, chega de incomodar os Elfos. Me ajude a bolar logo essa estratégia e talvez ainda tenhamos tempo hoje mesmo para aquela reuniãozinha.




Arn

O paladino fala, num tom normal, todos podem ouvi-lo:

—"É Kerrigan, Marah hoje tá cheia de fogo hein?!"



Kerrigan:

— Como assim!? Arn, toma mais cuidado com o que fala dos deuses, por favor, está bem? Eu te amo, mas gostaria que tivesse mais respeito pela Deusa da Paz.


Arn

O paladino dá risada:

—"O que foi querida?! Por acaso se esqueceu que ela também é a deusa do amor? Todo tipo de amor."

— "Mas bem, você disse que me ama certo? Eu também já deixei bem claro que te amo. E então, como vai ser daqui pra frente?"



Kerrigan:

— Eu... disse. É eu disse! Não sei como vai ser, e não me interessa agora. Quero aproveitar o tempo que ainda temos juntos. Mas, por favor, escolha melhor as palavras quando falar de Marah. Mesmo que ela seja deusa do amor, falar dela assim me magoa, meu amado.

— Vamos, vamos aproveitar um pouco. Não temos em quê ajudar o general mais que já ajudamos. Fique um pouco comigo.

Kerrigan apoia o corpo contra o de Arn e aproxima o rosto do dele para um beijo singelo. Ela não quer lascívia, quer apenas se aconchegar e aproveitar um pouco o que podem ser seus últimos momentos com o homem que ama.



Ao presenciar a cena, Volg inclina um pouco a cabeça, e fala ao lado de Dornelles:

—Essas fêmeas aparentam estar no cio, mas não cheiram como se estivessem, mestre.

Dornelles ri discretamente da percepção de seu lobo das estepes, e concorda com ele.



Arn

O paladino dá um sorriso feliz e fala com a mulher:

—"Ok, Estefane. Aproveitemos um ao outro."

Ele fica abraçado com ela, acariciando seus longos cabelos castanhos.




Vendar simplesmente assistia a tudo com tristeza. Ver os demais se comportando assim só fez com que ele sentisse ainda mais saudades de Magda, e que tivesse ainda mais medo do que poderia acontecer se fosse necessário enfrentá-la no templo. Ele tenta afastar os pensamentos ele tenta evitar que a situação piore ainda mais, ele vê o quanto esse pensamento foi fútil antes mesmo de começar a tentar. Ele segura a mão de Valéria e fala:

— Valéria, por favor. Nem todos gostam desse tipo de investida, e você já deve ter notado que Nuwa não é muito afeita a brincadeiras. Por favor não vamos tornar isso ainda pior. E Arn, tenha cuidado com as palavras, Marah é a deusa do amor, de TODAS as formas de amor. Ao falar nesse tom você a deprecia como se ela fosse uma deusa de lascívia e ausência de moral.



Valeria:

Foi mal, grandalhão. A única forma de nos enfrentarmos seria por causa de alguma armadilha mágica. Ninguém aqui quer se enfrentar literalmente. Sossega, tá?

(Off: Valéria'n usa Detectar Pensamentos para compreender a angústia de Vendar.)

Tendo sucesso, ou não, em confortar o colega, a guerreira voltasse para auxiliar Regan no que for preciso, mas ela claramente desaprovava dividir o grupo.

-- Grupo dividido? Mesmo se for 3 a 3 para equilibrar é uma péssima ideia devido ao lugar em que estamos. Devemos tentar encontrar aquele sujeito que o servo da serpente mencionou.



Ao entrar na mente de Vendar Valéria só vê coisas que nem mesmo se encaixam na definição de pensamento, era um amontoado tão grande de caberrações tão monstruosas que o simples contato ameaçava ruir a mente de Valéria. Era impossível algo assim existir na mente de um artoniano, e a mente de Valéria sangrava.

Off: Valeria entrou em contato com a mente caótica de Vendar. Ela deve rolar Vontade CD-30 para não ficar atordoada por 10 rodadas.

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:24

Capítulo XXXII


(OFF: Sessão feita com antecedencia pois precisava pasar os resultados para Lienn )


*Nuwa viu uma luz azul e avisa*

Nuwa: Descobri algumas coisas...

Regan: "Descobriu alguma coisa, lady Nuwa?"

Nuwa: descobri que arthur é um paladino e não um algoz

Regan:"Então ele é um servo leal de Khalmyr. Alguma habilidade relevante foi revelada? Algo que nos ajude na batalha?"

Nuwa:ele tem habilidades espetaculares, ele é um garnde espadachim e sua espada Pendragon é um artefato muito especial,além de ser um grande paladino

Regan: "Compreendo. Algum aliado ou característica relevante? Em que condições o encontraremos?"

Nuwa: encontraremos ele no final deste templo na anti sala das armas e fora seu garanhão não vi nenhum aliado

Regan:"A sala não tem nenhuma característica importante que possa nos dar alguma vantagem ou desvantagem tática? Qualquer detalhe pode ser relevante, fale o que puder."


Nuwa:o salão tem um aparentemente açlguma caracterisca planar que nestas circunstancias eu não consigo identificar, e é um lugar dedicado a Khalmyr, mas aquele salão o deixa imune a alguns efeitos magicos ele não pode ser petrificado, nem amaldiçoado e nem ser paralizado de nenhuma forma.

Regan: "Ótimo saber. Certamente será uma batalha difícil, mas já sabemos que tipo de recurso não usar."

Regan: "Mais alguma descoberta interessante?"

Nuwa: somente que ele e faustus são realmente muito amigos...

*Depois disso Um grande silencio se precede e nuwa apenas olha sua Bola de cristal e Regan se cala, depois de uns 5 minutos de silencio nuwa se levanta e faz a bola de cristal e cadeira sumirem e um silencio estranho paira sobre o grupo*


*Arn*

*Khalmyr gritava em sua cabeça que todos aqueles que estavam contra a vontade dele e de Lenneth estavam errados e que deviam ser mortos sem piedade, você sente a aprovação de seu deus voltando os poderes de Khalmyr voltando e você tem seu alvo bem em seus braços....*


*Dornelles*

*Dornelles esta junto seu lobo Volg sente as ordens de Tanna toh em seu ser, mate-os, destrua-os, eles são inimigos do conhecimento, da civilização, eles são lefeu...
Eu sua Senhora Lhe darei poder para isso e a seu amigo....
Volg cresce ao tamanho de um elefante e dornelles sente seus poderes voltando a si, era hora de matar os inimigos do conhecimento*

*Leneth o mamorra descreve ele pediu

New's flash: Nuwa,Dornelles,Arn eLenneth a partir de agora atacam o grupo e são inimigos do grupo, os citados estão com os poderes conbcedidos de volta façam as ações e eu rolo o ataque e dou os resultados...

Edit: todos o do grupo não encantados fora o Regan estão surpreendidos

Enjoy


-----


Lenneth passara um bom tempo apenas olhando para Regan e Nuwa e fazendo diversas caras, como se estivessem conversando. Nunca estivera num debate telepático antes, então ela gesticulava como se estivesse numa conversa normal.

Poucos instantes depois, Lenneth começa a olhara para ambos com fúria e medo no olhar. Parecia que ela estava ouvindo algo que não acreditava. Ela ajoelha-se sentindo muita dor enquanto repete “Não!!”.

Pouco depois uma voz surge detrás de um pilar. Parecia que o grupo estava sendo observado. Era uma criança com os olhos completamente vermelhos. Sorria malignamente para todos enquanto vai em direção da Lenneth.


—Não há mais motivos para pânico, generais. A minha mãe está de volta para coloca-los no sono profundo da morte novamente. Vamos juntas acabar com eles!!!

Instantes depois, Lenneth levanta-se diferente. Sua armadura estava completamente negra. Os olhos brilhavam amarelos, seus cabelos estavam mais claros que antes. Ela avança na direção da Emilly Von Heller com sua lâmina em punho. A garota começa a mudar, tornando-se um gigantesco dragão vermelho. Ela avança em direção de Regan tentando abocanhá-lo.


[OFF: Lenneth ataca Emilly e o Dragão ataca Regan. As fichas eu colocarei logo.]





*Nuwa segura um pouco sua respiração e olha com um olhar perdido par o irmão e diz:*

—Elladan... como você ousou trair Tanna toh

*Nuwa se prepara e lança uma bola de fogo maximizada, potencializada e acelerada em Elladan e depois conjura velocidade na Lenneth *





Regan Von Heller:

O general passara algum tempo concentrado em absoluto silêncio. Ele e a Elfa estavam em conversa telepática, e a certa altura Lenneth se juntara aos dois, somando seu silêncio ao deles, ainda que fosse expressiva em seus gestos.

Quando os servos dos deuses dominados começam a reagir, ele também já está se mexendo, se posicionando para o combate. Inesperadamente o contato mental lhe dera a oportunidade exata para interceptar o momento da dominação, e infundindo a dose exata de urgência na voz o general faz o grupo ciente da situação em tempo de reagir.

— EM GUARDA!! OS SERVOS DIVINOS ESTÃO ENLOUQUECENDO!!

OFF: Com um sucesso no teste de Estratégia, já verificado pelo mestre, Regan tira o grupo da surpresa. O primeiro turno de combate já será normal.

Aproveitando a vantagem que teve para agir, ele pensa rapidamente no que fazer a seguir. Regan salta sobre Nuwa, esperando pegá-la desprevenida com a empunhadura do sabre mágico. Para garantir a vantagem, ele a cerca com Elladan e desfere o ataque não-letal.

Ataque com Sabre de Mitral +36 (-2 de Ataque Poderoso, +2 de investida, -4 de NÃO-LETAL, +4 de Flanquear. Furtivo. Golpe com Duas Mãos), dano 1d6+55+14d8, decisivo 17-20/x2 (2d6+110+14d8).

OBSERVAÇÃO: Se em algum momento Regan estiver a 9m ou menos da Kerrigan, usa a Ação Padrão extra para usar a habilidade Pelo Reino!, que vai dar aos dominados a até 9 metros um novo teste de Vontade para se desvencilhar da condição. Nesse caso, o ataque será contra quem ainda estiver dominado, na seguinte ordem de prioridade: Nuwa, Dornelles, Arn, Volg, Lenneth.

Certificando-se de quem resistiu ao controle divino, o general prossegue a um comando desesperado, uma ação que seu coração preferia ter tomado mas seu treinamento militar sabe que não seria producente.

—MAYRA! PROTEJA MINHA IRMÃ!!!





Kerrigan:

Percebendo a situação com o aviso do general Von Heller, Kerrigan nota o olhar estranho em Arn. Desesperada, ela procura inspirar os que estão no seu estado normal para que tenham mais chance contra os que foram dominados.

— OS DEUSES COMEÇARAM A NOS TESTAR! MOSTREM A ELES DO QUE SÃO FEITOS!!

Comandar: Todos os que não estão dominados recebem +3 em jogadas e testes por 16 turnos.

Inspirar confiança: Quem estiver a 9 metros ou menos da Kerrigan e não estiver dominado recebe +1 em jogadas e testes, acumulando com o Comandar.

Aura de majestade: Qualquer um com Int 1 ou mais (todos, nessa batalha) que tentar ferir a Kerrigan precisa obter sucesso em Vontade CD 35. Se falhar, não pode fazer nada que cause dano a ela pelo resto do dia (incluindo essa ação, que deve mudar). Se o resultado do teste de Vontade for 30 ou menos, a criatura passará a proteger e obedecer Kerrigan pelo resto do combate.

Inspirar glória: Os aliados a até 9 metros da Kerrigan ganham uma Ação Padrão adicional. REPITO: AÇÃO PADRÃO GRÁTIS!!!




Mayra:

A semi-deusa ouviu o chamado de Lena às armas, mas achou isso muito estranho. Quando o grito do Von Heller a acorda para a situação do grupo, ela já se prontifica com seu tridente e, atendendo ao pedido, parte para proteger A Von Heller. Mas aproveita para cuidar de Lenneth no caminho.

Dano Não-Letal, Investida Aérea, Fúria Divina, Domínio da Força, Sangue de Ferro (ainda ativo de uso anterior), Ataque Poderoso:
Ataque contra Lenneth +55, dano 4d6+106+3d6, decisivo 19-20/x2, dano 6d6+159+3d6.

No fim do ataque, Mayra pára ao lado de Emilly, protegendo-a (Escudo Fraterno +7 na CA). Se estiver a menos de 9 metros da Kerrigan, ela usa a Ação Padrão extra para preparar um novo ataque contra a Lenneth (ou atacá-la imediatamente, se já estiver aí):

Dano Não-Letal, Fúria Divina, Domínio da Força, Sangue de Ferro (ainda ativo de uso anterior), Ataque Poderoso:
Ataque contra Lenneth +53, dano 2d6+53+3d6, decisivo 19-20/x2, dano 4d6+106+3d6.

Com Fúria e Investida, a CA de Mayra está em 45 até o próximo turno dela.





Dornelles perdeu a paciência com a barbárie e caos perpetradas por aquele grupo. Bando de selvagens, os animais eram mais bem comportados do que eles! A Mãe da Palavra lhe dissera que livrasse o mundo deles, e que ajudaria no processo. Volg, agora com quatro vezes seu tamanho normal, possui presas grandes o bastante pra esmagar os bárbaros.

Usando uma oração, Volg cresce ainda mais. Se antes ele tinha o tamanho de um cavalo, a deusa lhe dera o tamanho de um elefante. Com a magia, passava do dobro. Com oito metros de altura da pata aos ombros, ele poderia derrubar gigantes.

-Volg, mate os Selvagens. Sem restrições.

Dornelles acompanha o seu lobo gigante(gigante MESMO! ), protegendo-o com seu escudo parcialmente, pra estender sua proteção ao parceiro.

Volg usaria sua manobra preferida, atacaria um alvo e o imobilizaria(Lobos das Estepes podem proceder imediatamente a um Agarrar contra alvos que tenham acertado), pra que Dornelles ou um dos outros finalizasse.

Off: Acão padrão pra conjurar Ampliar Animal no Volg. Volg usa Forma Selvagem Aprimorada Brutalidade, Força +8.

Com isso, ele tem agora Força 44 Destreza 20 e Constituição 24, Redução de Dano10/Mágica e +4 em todos os testes de Resistência. Uso Escudo Fraterno no Volg, ele também ganha a proteção do meu escudo, ganhando CA +7, totalizando CA 35(sem contar as alterações por aumento absurdo de tamanho), Fortitude 28, Reflexos 25 e Vontade 17.



Magias restantes:

9º Nível

1 Milagre
1 Cura Completa em Massa

Total: 18 PMs
8ºNível

1 Escudo da Ordem
1 Repelir Metal ou Pedra
1 Forma Animal

Total: 24 PMs
7 Nível

1 Controlar o Clima

Total: 7 PMs
6 Nível

1 Dissipar Magia Maior
1 Caminhar no Vento
1 Cura Completa

Total: 18 PMs
5 Nível

1 Ampliar Animal(usada)
1 Pele Rochosa



Arn

O paladino olha para Kerrigan e diz com fervor:

—"Você traiu os preceitos de justiça, quer usar sua paz, mesmo se isso for compactuar com atos errados. Os deuses proibiram de pegarmos essas armas. Agora sinta a retribuição divina!

(off.: ataque retribuição + 34 - dano 3d8+30 x2/19-20 - As habilidades da espada não se aplicam a Kerrigan já que ela não é uma lefeu nem uma criatura da Tormenta, nem caótica, nem maligna, nem é tipo monstro).

(off.: Arn deve ter sucesso em um teste de CD 33 (vontade), se falhar não pode machucar a Kerrigan por um dia, e se falhar por 5 pontos ou mais além disso deve passar a protegê-la e seguir suas ordens até o final do combate.)





Vendar via o que ocorreu com o grupo e então viu Leneth e os demias agindo estranho. Quando eles se voltaram contra o grupo Vendar foi rápido como um raio rubro e postou-se entre Leneth e Emily. Ele fala em um tom tranquilo, mas cheio de determinação

— Lenneth. chega.

Ele saca a espada gigante e bloqueia a espada de Leneth para em seguida golpear a paladina com a lâmina, o movimento tinha tanta força que parecia um maremoto de aço partindo para cima dela. Mas Vendar golpeou com a parte larga da espada, apesar de tudo o objetivo dele ainda era só incapacitar a aliada.


( Off: Golpeei a Leneth usando ataque poderoso. Espada táurica +5 anti-monstros +41/+41 (4d8+62+ 1 de const /19-20) (já contando o -4 de penalidade para causar dano de contusão, -5 para ataque duplo e -2 para usar poderoso))



Os deuses só podem tá de sacanagem... Vamos acabar logo com isso...

Com sua Kokutou na mão direita, e sua Kitetsu na mão esquerda, Aeron olha em direção ao lobo gigantesco e ao clérigo que estava junto dele, e decide derrubar os dois antes que a situação se agrave mais. Segurando firme suas espadas, Aeron ataca com força, cada movimento sendo mais rápido que os olhos destreinados seriam capaz de notar, mas ainda demonstrando habilidade ao atacar de forma que os oponentes ainda saíssem vivos depois do combate...


OFF: Vamos lá...

Primeiro, uso sem mente (teste de vontade, minha VON=22) para aumentar cada um dos meus ataques.

tabela:
20 a 24 (+2d6)
25 a 29 (+3d6)
30 a 34 (+4d6)
35 ou mais (+5d6)

Então, uso a manobra chi 'dano pelo chi', e usando Ataque Poderoso, ataco o Dornelles (e se sobrar ataque, acerto o Volg depois). por fim, causo dano não letal, recebendo -4 no ataque, e ele recebe +3 pelo comandar da Kerrigan.

ataques: +49 (dano: 74+Xd6, crit.12-20, x4 ; Alcance 9m) +45/+45/+45 (dano: 64+Xd6, crit.13-20 x3; Alcance 9m) +41 (dano: 60+Xd6, crit.15-20, alcance 9m)

Se o Dornelles apagar antes de eu terminar todos os golpes eu uso trespassar para atacar o Volg e uso o restante dos ataque nele. Se eu acertar algum crítico, os danos seriam [96+6d8+Xd6] no primeiro ataque, [76+6d8+Xd6] nos 3 seguintes e [68+6d8+Xd6] no último.



EDIT: Se o Aeron estiver a menos de 9 metros da kerrigan ele não usa o "dano pelo chi", e usa a ação extra para rolar mais ataques, ficando:

+49 (50+3d8+Xd6, crit. 12-20, x4 ; Alcance 9m) +45/+45/+45/+45/+45/+45 (dano: 40+3d8+Xd6, crit.13-20 x3; Alcance 9m) +41/+41 (dano: 36+3d8+Xd6, crit.15-20, alcance 9m)

(Se ele não estiver tão próximo mas tiver como ficar a até 9 metros da Kerrigan e do dornelles/volg eu me movo até o local, e não uso o ataque +49 (o 1º))

Se o Dornelles e o Volg chegarem a menos de 0 PV antes de terminar meus ataques eu uso os ataques restantes no inimigo mais próximo.




DALLAS

Um instante ela estava falando com Vendar, tentando conforta-lo, nas últimas horas ela esteve fazendo isso para ele, mas sem nenhuma segunda intenção. O fato levou Dallas a crer que a guerreira não era realmente aquilo que pensava. Ela parecia mais distante do seu pai. Porém, de solasguio, pode ver quando está caiu atordoada. O mago não teve muito tempo para ver o que houve, pois cerca de metade dos colegas de grupo se voltaram contra os demais. "Os servos dos deuses? É claro!" _ concluiu tragicamente tarde. Nenhum havia pensado diretamente nessa possibilidade. Não, ninguém havia sequer imaginado isso. Era hora de provar-se útil.

*Do alto de sua ossuda montaria, o jovem decrepito conjurou pesadas magias para controlar os eventos e reverter a maré da batalha, embora está houvesse apenas começado.*

[i](Off: Parar o Tempo, Recuo Acelerado, Velocidade do Relâmpago e se der tempo Manopla de Trevas antes de se posicionar com as mãos sobre as costas da maga.)


PMs (15+60): 75-18



[/i]
Magias Preparadas escreveu:
1º - Ataque Certeiro, Toque Macabro, 2x Encontrar Ponto Fraco, 2x Recuo Acelerado, 3x Sono,
2º - nenhum,
3º (Melhoria Mnemônica) - Manopla de Trevas, Toque Vampírico,
5º- Dizimar Defesas, Teletransporte (contingência – não escapar de um ataque que o reduziria a 0 pvs ou menos),
6º- Procrastinar Ferimentos, Círculo da Morte,
7º- nenhuma,
8º- 2x Velocidade do Relâmpago (Energia da Tormenta),
9º- 3x Parar o Tempo.





Dornelles via uma magia poderosa sendo conjurada, e não poderia deixar que isso acontecesse. Proferindo uma prece, ele iria anulá-la. O plano de Dallas iria falhar.

[i]Off: Contramágica Aprimorada pra usar meu Milagre preparado e rebater a conjuração desse Parar o Tempo. Mas, como não lembro se pode ser feito fora do meu turno, edito a postagem caso o Mestre diga que não pode ser feito. Se puder funfar, anulo essa magia do Dallas.





*Elladan tenta se esquivar da bola de fogo da irmã e depois ao ver os apuros de Kerrigan acerta a mão de Arn para desarma-lo e impedi-lo de usar a arma novamente*

*Elladan vai acertar as mãos de Arn Tiro rapido*





[/i]
Iniciativas escreveu: +62 vendar
+57 Elladan
+57 Aeron
+52 regan
+48 gilgamesh
+49 Kerrigan
+36 mayra
+35 Arn
+34 dorneles
+34 Dallas
+33 Volg
+31 leneth
+29 emilly
+13 nuwa







*Os instintos de vendar são categoricos e ele vai em defesa da cleriga de Nimb sem demora e consegue evitar que o golpe da paladina acerte a cleriga acertando Lenneth em cheio com sua grande espada e logo após isso a Filha da guerra ataca Lenneth de forma Potente e precisa, para não feri-la gravemente, mas mesmo depois de tantos ataques Lenneth se mantem firme em seu objetivo atacar Emilly e graças a intervenção de Mayra ela falha miseravelmente *

*Emilly ao ver que ia ser atacada faz com que uma revoada de passaros do caos apareça e diz: *

—Traga caos aos nossos inimigos meus queridos....  Gilgamesh ataque o dragão...

*Gilgamesh faz uma ligeira cara de irritação e diz: *

—Eu sei, Eu sei

*Depois disso gilgamesh abre a mão e aponta para o dragão e isso acontece *





*Uma grande parede de laminas aparece e todas as laminas começam a irm em direção do dragão sem ferir nenhuma outra pessoa além da criatura, que sofre vários ataques que penetram na couração do dragão fazendo-o sangrar muito *


*Com o aviso do general yudeniano os atacantes se posicionaram, Elland que havia sido atacado por sua irmã nada sofrera escapando como um raio do ataque da jovem elfa provando o por que ele era o caçadore depois de evitar o atque da irmã o jovem elfo fica confuso se devia atacalá ou não e acaba ficando indecisso, mas o general yudeniano não tem duvidas sobre o que fazer e ataca a maga elfica, e a acerta em cheio fazendo que ele observe um efeito estranho na maga, uma estranha barreira de energia negra que a envolvia e esta barreira tremula e começa a a rachar e Ilya, a dragoa, que se aproximava de forma veloz tenta abocanhar o pequeno General yudeniano, mas erra seu alvo, Dallas percebe que a energia negra que saia da maga era algum tipo de energia vinda do reindo dos pesadelos*


*Depois deste golpe a maga parece voltar a si, mas ainda atordoada com o que passou, e olha ao redor sem nada entender*


*O Druida fizera seu lobo das estepes super desenvolvido crescer ainda mais , porém isso não foi o suficiente para acertar seu alvo mais próximo Aeron o Samurai, ele esquivou muito prontamente, mas Dornelles não conseguiu ter a mesma sorte sobre os golpes de Aeron o samurai acerta os quatro golpes nele derrubando no processo, porém seu lobo se mantem agressivo e pronto para o próximo ataque defendendo o druida caido, e de dornelles uma energia negra sai como se ela antes fizesse parte do Druida, o druida se levanta como se estivesse meio atordoado e ja pensando com mais clareza no que houve e na loucura que cometeu *


*Elladan Mira suas flechas na mão de Arn para desarma-lo e consegue ferir a mão do guerreiro com sua flecha impedindo que ele use a espada para machucar kerrigan que com suas palavras inspira a todos Kerrigan com ela novamente*

*Lenneth tambem parecia confusa e depois de um tempo a energia abandona seu corpo fazendo a paladina voltar ao normal e o dragão deixa de ser um ser enorme para se tornar apenas uma menininha*




Arn

O paladino deixa sua espada cair com o golpe de Elladan, ele sente um pouco de dor mas mantém o ataque, ele usa as manoplas para acertar Kerrigan, mesmo com as mãos feridas, ele ainda pode usar o peso do metal.

—"Agrrrrrrrrr! Maldito! Você não escapará da retribuição Kerrigan!"

[i](Off.: ataque manopla + 24 (1d6+21, dec. 20/x2, esmagamento)





—Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga. Droga... Justo quando estava ficando divertido, a mamãe volta para a forma chata de paladina boboca...

Lenneth passou um bom tempo em silencio caída no chão. Coisas passavam em sua mente... Imagens... Imagens que tivera desde que fora criança, mas agora estavam nítidas.

—Agora eu lembro de tudo... Eu matei vocês... Todos vocês... Vocês eram os grandes Generais dos Exércitos dos Deuses durante a Revolta dos Três e eu matei a todos... Tudo o que eu fiz foi errado... Eu matei até mesmo a esposa do meu irmão, que estava grávida do seu segundo filho. Perdão... Perdão... Fui punida com a permanência eterna como humana, sem meus poderes divinos... E meu irmão, foi condenado a guardar esse templo. Condenado por me matar por vingança... -- Lenneth abaixa a cabeça em tristeza. Não conseguia nem ao menos chorar, tamanha vergonha que sentia.




DALLAS

—NÃO É LOUCURA, NEM A PORRA DE SEUS DEUSES! SÃO ESPÍRITOS DO PLANO DOS PESADELOS! TEMOS DE TIRA-LOS DO TRANSE DE FORMA BRUTA, MAS AINDA NÃO LETAL! _ vocifera o lich antes de sair em disparada num clarão que arrepia os pelos e cabelos de todos ao redor.

*Dallas teleporta-se com a velocidade relâmpago e recuo acelerado até Volg, deixando-o atacar à si para que possa usar seu toque negativo e tentar desperta-lo.*

(Off: move-se 30m, e deixa receber um ataque aplicando apenas energia negativa; +5 energia negativa +10nível +5 manopla das trevas por energia negativa + paralisia, CD25.)





Vendar vê que Leneth saiu do controle e volta sua atenção para o próximo oponente. Ele fita Arn e avança sobre ele, no caminho dando um gigantesco salto e descando com a força de uma avalanche sobre o colega. Ele fala em sua voz insetoide cheia de emoções alienígenas.

— Arn, durma, ou acorde. Os dois servem.

Ele golpeia com a parte larga da lâmina.


Off: Espada táurica +5 anti-monstros +48 (8d8+124+ 1 de const /19-20) (já contando o -4 de penalidade para causar dano de contusão, -2 para usar poderoso e +2 da investida. Dano dobrado por causa do morte que vem do céu)




LEMBRETE: QUEM TERMINAR A AÇÃO PERTO DA KERRIGAN VAI PODER FAZER UMA AÇÃO EXTRA! PELA POSIÇÃO DELA E O MOVIMENTO QUE VAI FAZER, ISSO INCLUI QUALQUER UM EM CORPO A CORPO COM ARN OU VOLG.

ESSAS PESSOAS TAMBÉM GANHAM +1 NO ATAQUE, ALÉM DO +3 DO COMANDAR.

Regan

O general decide que agora a maior ameaça é o animal gigantesco, e parte para cima dele, procurando flanqueá-lo com o druida que está acordando enquanto bate com o punho do sabre usando as duas mãos.

— Dornelles, me ajude a desacordar Volg!

Ataque: Sabre +41 (+36, -2 de Ataque Poderoso, +2 de Investida, +4 de Flanco, +1 de estar perto de Kerrigan), dano: 1d6+55+14d8, 17-20/x2.

Com a ação extra, se o lobo ainda estiver desperto e atacando, Regan ataca de novo, da mesma maneira. Se não, ele parte para cima de Arn, procurando flanqueá-lo com Vendar ou Kerrigan para o mesmo afeito.



Kerrigan

A mulher se afasta alguns metros de Arn (3 quadrados para trás, 1 para a direita, facilitando aos outros de ficar na área de seus efeitos) e começa a dançar! Ela desdenha do Paladino com sua dança, atraindo ainda sua fúria, mas também inspira os outros que a assistem.

Dança Excitante: Vendar, Elladan, Aeron, Regan, Dornelles, Dallas e Nuwa ganham +2 de Força cada um. Além disso, se usarem uma Ação Completa para atacar, ganham +1 ataque. Gilgamesh vai ganhar o mesmo efeito se entrar na área na ação dele. Esse bônus só conta a partir da ação dela.



Mayra

Vendo a situação, a Paladina alça voo mais uma vez e parte com tudo para cima de Arn. Ele ainda paira em seu voo a alguma distância e, com a ação extra que a Kerrigan fornece, dá outra investida e termina o voo ao lado de Kerrigan, concedendo à mulher o benefício de sua proteção.

Ataque: Investida +60 (+59, +1 de estar perto de Kerrigan), dano: 4d6+94+1d6, dec 19-20/x2 crítico 6d6+141+1d6.

Escudo Fraterno: +7 de CA para Kerrigan.



DALLAS
*Ação extra*

Ainda sobre as mandíbulas do animal, Dallas invoca uma magia de toque para usar a vantagem do oponente contra ele mesmo.

(Off: Toque Vampírico; +6d6+5natural+5manopla das trevas +10nível em energia negativa.)




Caso o Arn não cai com o morte que vem do céus, Vendar dá um golpe largo e não letal nele novamente.

Off: Espada táurica +5 anti-monstros +46 (4d8+62+ 1 de const /19-20) (já contando o -4 de penalidade para causar dano de contusão e -2 para usar poderoso).






Aeron:

Sem parar seu ataque, Aeron se vira para o animal gigante e usa suas espadas da mesma forma que havia feito para derrubar o clerigo.


OFF: Só lembrando, se eu derrubei mesmo o Dornelles então eu tinha o direito de usar um ataque no Volg usando Trespassar, o que significa que o lobo já tomou dano na rodada anterior...

Voltando ao ataque dessa rodada...

Primeiro, uso sem mente novamente (teste de vontade, minha VON=22) para aumentar cada um dos meus ataques.

tabela:
20 a 24 (+2d6)
25 a 29 (+3d6)
30 a 34 (+4d6)
35 ou mais (+5d6)

Então, uso Ataque Poderoso e ataco o Volg. por fim, causo dano não letal, recebendo -4 no ataque, e ele recebe +3 pelo comandar da Kerrigan.

ataques: +49 (dano: 50+3d8+Xd6, crit.12-20, x4 ; Alcance 9m) +45/+45/+45 (dano: 40+3d8+Xd6, crit.13-20 x3; Alcance 9m) +41 (dano: 36+3d8+Xd6, crit.15-20, alcance 9m)

Se o volg continuar de pé eu uso a ação extra para atacar novamente com +45/+45/+45 (dano: 40+3d8+Xd6, crit.13-20 x3; Alcance 9m) +41 (dano: 36+3d8+Xd6, crit.15-20, alcance 9m)


Lembrando que o Volg está a menos de 3 metros do Aeron ,então por causa da minha aura de morte ele recebe um redutor de -3 nos ataques.





Dornelles viu o que aconteceu depois da ordem divina. Soube que a possessão havia sido dissipada, e viu que Volg ainda precisava se livrar do domínio. Mas também sabia que se mandasse a ele que parasse, seria atacado, porque o domínio fazia perder a razão. Dos males, o menor. Entre ser atacado pelo seu amigo e deixá-lo ser alvo de tantos aventureiros de uma vez, preferia ser devorado vivo.

Dando um assobio extremamente alto, ele ordena ao lobo gigante que pare o ataque. Distrairia sua atenção pra que Aeron conseguisse extrair o mal que o afetava com os últimos ataques. E que os deuses tivessem piedade se um deles matasse seu lobo, porque Dornelles não teria.




*Elladan usa sua pericia no arco para acertar as duas omoplata de Arn *

*Tiro rapido, *

*Nuwa apesar de ver a chance de atacar arn e se vingar dele por suas piadinhas decide poupa-lo de um dano maior por hora, A maga ataca usando a mão poderosa de talude*




*O combate continua Voraz , mas aparentemente não duraria muito mais, Aeron vai tacar Volg e depois do quarto golpe o lobo das estepes parece recuperar controle sobre ele mesmo e volta seu tamanho anterior e dele tambem sai uma substancia ectoplamica vinda do reino dos pesadelos e lobo abaixa o focinho e olha para Dornelles claramente confuso.

Arn é o Ultimo ponto de resistência, Vendar em direção a ele com sua espada em punho pronto para ataca-lo vai em direção ao paladino enlouquecido, mas as flechas de Elladan chegam antes fazendo com que o mesmo ficasse sem mover seus braços sem sentir uma dor terrível, e logo após isso o Senhor do gigante rubro termina o serviço atacando Arn e fazendo o recobrar a consciência e ter noção do que havia tentado fazer e havia sido impedido por seus companheiros de grupo.*

*A energia vinda do planos dos pesadelos se junta em uma especie de nevoa sobria e vai em direção a parte mais interior do tempo deixando os aventureiros sozinhos e espantados.*

*Depois de todos recobrarem a razão o Rei do deserto vai até Lenneth e lança a ela um olhar frio e duro e pergunta:*

—Creio que você tem explicações a Dar Sir Lenneth Donovan .
[/i]

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:37

Capítulo XXXIII


Vendar suspira aliviado ao ver a energia dos reinos dos pesadelos se afastando e dissipando. Ele então olha para os demais colegas.

— Uma armadilha preparada para voltar servos dos deuses contra seus aliados. Realmente uma estratágia muito eficiente. Cruel, mas muito eficiente.

Ele então se aproxima de todos.

— Estão se sentindo melhor?

Após o rei do deserto fala Vendar põe a mão sobre o ombro dele.

— Calma rei. Não precisa olhar desse jeito para ela. Ela vai explicar tudo.

Ele então olha para Lenneth esperando a resposta dela.





*Emilly corre até o irmão o abraça e pergunta:*

—Regan você esta bem meu amado irmão ? o que diabos aconteceu ? explique por favor...



Regan Von Heller

O pequeno general responde ao abraço de sua grande irmã (Emilly tem quase 40 centímetros a mais) e por um instante dá atenção apenas a ela.

— Não se preocupe, irmã, eu estou bem. Vai ficar tudo bem...

Ele olha a irmã nos olhos, uma expressão cheia de carinho e de tristeza. Então se dirige ao grupo, e principalmente a Gilgamesh, o Rei do Deserto.

— Sir Lenneth Donnovan não tem explicações a dar. Ela tem uma vida passada, um fenômeno raro, mas não inexistente, e isso é tudo. Nada que diz respeito a essa vida passada é relevante agora. O guardião dessa masmorra é um conhecido dela dessa vida passada, outros habitantes também devem ser, mas só o que isso significa é que alguns podem ter mais ou menos vontade de fazer o trabalho deles. Fim de papo.

— Lady Nuwa, se tiver alguma coisa a acrescentar de suas visões, faça agora, nós PRECISAMOS de toda informação que puder ser útil. Mas se não tiver nada útil, que seja. Não precisamos de mais sofrimento que o necessário para nenhum de nós.




*Nuwa apenas olha e suspira *

—"Bem como eu devo começar...

Não é apenas com energia do reino dos pesadelos que devemos nos preocupar...
Esse tempo é energia e material ectoplásmico e energético condensado puro, os deuses fizeram uma grande armadilha, existem energias neste templo que nem deveriam coexistir.
reinos quiméricos, reinos dos pesadelos, plano das sombras, Plano da energia positiva...
Não imagino a quantidade de trabalho que isso deve ter dado para fazer....
Tem energias de reinos que eu sinceramente nem quero comentar, regiões infernais que estão distantes de arton, planos infernais, abissais, celestiais, reinos dos sonhos...
E esta coisa esta VIVA, este templo é um grande construto de energia e de alguma forma esta VIVO!!!
Não falo da "vida" que um constructo geralmente tem, mas sim de uma criatura com alma e consciência que REAGE a EMOÇÕES, e esta pronto para nos controlar e aniquilar, fora todas as criaturas que estão aqui...
São muitos inimigos A MAIS que o maldito General do corruptor falou, ele escondeu o jogo mais do que eu pensava...

E sobre algumas informações eu prefiro Guardar segredo por hora para nossa PRÓPRIA SEGURANÇA, a criatura na qual estamos é inteligente e manipuladora e sinceramente, duvido MUITO que os deuses tenham tirado nossos poderes...
O que nos esta impedindo de ter acesso de certa forma é esta mistureba de energias planares...
que estão deixando nossa ligação com os deuses, difícil demais... "

*Elladan da um sorrisinho e diz:*

—Em suma os desgraçados fizeram uma coisa que por natureza retira os poderes de seus servos...

*Nuwa simplesmente assente e diz:*

—Exatamente.

*Posteriormente Nuwa apenas fica quieta e concentrada*



Lenneth:

—Isso não é de todo verdade, lorde Von Heller. Eu devo SIM explicações a todos. Eu não vivi outra vida. Eu tenho apenas essa vida. Não foi sem motivo que meu irmão e os Libertadores os nos escolheram para vir... Vocês que já tiveram outras vidas. O Panteão os haviam escolhido para serem seus representantes máximos em Arton, até mesmo acima dos Sumo-Sacerdotes. Cada um dos aqui presentes serviam diretamente aos Deuses. Basicamente falando eram os Avatares dos Deuses... – Lenneth faz uma longa pausa – Eu era uma sacerdotisa filha de Khalmyr e Valkaria. Meu irmão, Arthur Pendragon Donovan, e eu servíamos aos nossos pais... Eu realmente amava meu irmão. Porém, começou a Revolta dos Três e escolhemos lados diferentes. Durante a Revolta, ele casou-se com Eleanor Galantil, e teve um filho com ela... Isso me deixou furiosa. Enciumada, para falar a verdade. Minha centelha divina não estava completamente desenvolvida, e Kallyadranoch aproveitou-se disso... Ele desenvolveu minha centelha divina e fez com que eu matasse todos vocês... Na época, Eleanor estava grávida do segundo filho do meu irmão, e mesmo assim eu não a perdoei... Tomado pelo ódio, meu irmão executou-me sumariamente... Julgada em Ordine, fui condenada a vagar eternamente como humana, sem ter o direito a adentrar nos Reinos Divinos. Meus poderes foram selados na Avalon, para que eu não fosse capaz de mutar tanto. E quanto a Arthur, foi condenado a ficar preso aqui guardando os equipamentos pertencentes a vocês... Querem saber o quanto ele é poderoso? Acreditem, ele é mais poderoso que imaginam. Seria basicamente como enfrentar um Avatar do meu pai.



Vendar ouvia a tudo com atenção e fala em um tom despassionado.

— Não sei quanto aos outros, mas eu não me importo com vidas passadas. E tenho certeza que a tormenta não me permitirá ter uma próxima vida.

Ele olha em direção ao caminho que eles precisavem seguir.

— Poderoso como um avatar de khalmyr. Agora estou mais ansioso para enfrentá-lo. Se não pudermos vencer um reles avatar de khalmyr, como podemos esperar ter chance contra um lorde da tormenta?

Ele olha para grupo esperando as reações deles.



Regan Von Heller

O pequeno general escuta Nuwa falar, ainda abraçado com sua gêmea. Quando Nuwa pára e se concentra, entretanto, ele faz o mesmo, e permanece assim por algum tempo.

Quando Lenneth fala, ele se distrai pouco, aparentemente entreouvindo ela enquanto prossegue em sua concentração, até finalmente voltar plenamente a si e falar. Ele fala a todos, mesmo se dirigindo inicialmente a Lenneth. O tom é calmo e acadêmico, didático, como de praxe.

- Explicações serão devidas a seu tempo, Sir Lenneth, mas agora estamos em um templo vivo que pode e vai usar nossas emoções contra nós. Espero que isso fique bem claro. A qualquer momento podemos ser sujeitos a efeitos como o que voltou quatro dos servos divinos presentes contra o resto do grupo. A qualquer momento podemos ter nossos desejos e receios usados contra nós.

- Posto isso, não, você não deve ainda mais explicações agora. Peço a todos que se concentrem na tarefa à frente e deixem os questionamentos que não forem respondidos para outra ocasião. Saber é uma coisa perigosa nesse lugar. Quando terminarmos aqui teremos muito o que conversar.

- Se alguém tem ainda alguma questão IMPRESCINDÍVEL me pergunte agora. Se alguém tiver ainda algum problema de confiança pendente, vamos tratar disso logo. Se já estiverem prontos a deixar a própria vida nas mãos do resto do grupo, sem hesitar, então vamos à frente que temos muito o que fazer nesse lugar.




Dornelles:

—"De minha parte, escutarão a verdade, como minha deusa preceitua. Considero metade de vocês bárbaros ou loucos, incapazes de controlar seus IDs de maneira minimamente adequada. Se eu pudesse fazer algo quanto a isso, já teria feito, isto é um fato. Mas não posso, porque apesar de todas essas diferenças, é isso que nos torna melhores do que a Tormenta, que tem uma única forma e identidade. O que fiz enquanto dominado era meu desejo íntimo mais profundo, mas era errado fazê-lo, e por isso eu peço desculpas.

-Eu e Volg estamos prontos pra fazer nossa parte, pelo bem de Arton. Esse templo vai ser um desafio e tanto, mas temos como derrotar quaisquer desafios que haja nele, trabalhando juntos. Faço minhas as palavras de Vendar. Nosso desafio final é maior do que qualquer avatar divino."




—Mas vocês precisam saber que ele virá para cima de mim com tudo. - Diz Lenneth. - Ele acha injusta a punição do meu pai, e certamente os acham indignos de serem o que foram. Eu o enfrentarei, mesmo que só. O objetivo de vocês é pegar os itens mágicos existentes aqui. Eu o segurarei o máximo que puder enquanto vocês pegam tudo... -- Seus olhos estampavam medo.



Regan Von Heller

— Sir Lenneth, preocupe-se com isso depois, temos muito o que fazer antes de chegar lá. Na hora nós discutimos uma estratégia. E garanto que, não vai se arriscar sozinha contra ele.




*Nuwa Parece sair de seu estado de concentração com as palavras de seus companheiros de grupo e diz:*

—Tenho que concordar com lorde Dornelles, alguns de você se comportam de forma extremamente impropria para ocasião...
Nunca vi tanta pouca vergonha na minha vida em um grupo de aventureiros,fora as demonstrações de idiotice gratuita...

*Elladan olha para irmã e ela apenas limpa a garganta*

—Mas o que temos para falar é mais serio que isso, não haverá mais brechas para este tipo de comportamento, sera fundamental que este tipo de coisa seja no mínimo esquecido...
O conhecimento deste templo é uma arma perigosa porém necessária que só deve ser usada no momento certo...

*Elladan olha para todos e diz:*

—Prefiro que tenhamos uma estratégia para poder desbravar este templo, o poder do meu arco me permite ficar indetectável e invisível pretendo ir mais a frente e descobrir rotas mais seguras para nós...
Não confio no que aquele servo do corruptor disse sobre não haver caminho seguro, ele mentiu uma vez pode ter mentido novamente.


DALLAS

—Nuwa está certa, Elladan. Se o templo for apenas o apego de uma forma espectral maior dos planos ele inteiro é uma zona de perigo. Mas com certeza não devemos confiar naquela cobra. Cautela nunca é demais. _ diz Dallas enquanto checa o estado catatônico da guerreira, Valéria'n, que caíra no exato instante em que o grupo fora atacado.

(Off: Caso Elladan siga sem o grupo, Dallas usa o resto do tempo de sua velocidade para desbravar a frente antes de retornar pelo mesmo caminho quando a magia se dissipar, ou antes, caso ache algo.)

(Off: Editei só a parte de gramática, leu?)




Arn

O paladino volta a si e percebe a si no momento em que todos debatem sobre o templo e diz:

— "Caramba, vocês estão falando coisas óbvias. É lógico que esse templo é todo perigoso, que não teremos um minuto de descanso. Se somos mesmo grandes generais do passado o desafio não é leve, vamos enfrentar de tudo e várias coisas absurdamente poderosas. Sinto de informar Vendar um avatar de Khalmyr nos fulminaria com extrema facilidade. Mas não importa, o templo não vai querer saber se estamos ou não com nossos poderes. O trabalho tem que ser feito, estamos aqui e não temos como sair. Então pelo menos encaremos isso com honra e dever. Se Khalmyr não quer me conceder os poderes tudo bem, nunca me prendi a eles para fazer o que é certo."

Ele pega sua espada e a guarda na bainha, se aproxima de Kerrigan e a beija apaixonada e diz com um sorriso no rosto:

— "É meu amor, e quem disse que você precisa de Aura de Paz para se defender. Havia me esquecido de como você se move rápido. Me perdoe por não ter passado no teste e ter te atacado."

Ele se vira e diz:

— "Agora chega de conversa e vamos seguir em frente."




Kerrigan

- Está tudo bem, Arn. Está tudo bem. Já passou. Vamos logo resolver a situação.

A mulher ainda parece preocupada e melancólica. Milhares de pensamentos percorrem sua cabeça, enquanto pondera as possibilidades. Esse templo não vai matá-los. Vai ser muito mais cruel que isso. Já deu para perceber, e ela teme não poder evitar.


Mayra

A Paladina observa e ouve tudo. Ela olha para as próprias mãos, para sua forma atual mais bélica que nunca, sente o poder divino fluindo em seu corpo, poder pessoal, não uma dádiva, e pondera sobre toda essa situação.

- Apenas vamos prosseguir, está bem? Se precisamos terminar a missão para obter as respostas de quem as tem, então vamos terminar isso logo. Eu já cansei de ser joguete, ficando no escuro sobre as coisas. Eu quero saber do meu passado. Depois eu mesma vou forjar meu futuro.




Quando conseguiu derrotar Dornelles e Volg e os fez voltarem ao normal, Aeron ficou momentaneamente satisfeito, mas a situação continuava ruim, e o que Nuwa disse sobre o templo só mostrava que isso podia ficar ainda pior. Após Lenneth contar sua estranha história, Aeron olha para ela e fala:

—Essa história está muito mal contada, e se for verdade, então porque nossa "carrasca" está no nosso time? Seria arrependimento ou algo do tipo? - Ele então olha para o caminho que seguiriam, e continua. - Ficar pensando nisso não vai nos ajudar, isso é um assunto que teremos que discutir lá fora, e querer se sacrificar para que cheguemos nas armas não vai resolver a situação, afinal se o tal Arthur for tão poderoso assim, provavelmente você não vai poder segurá-lo por tanto tempo... E não importa se ele é tão poderoso quanto um Avatar, enfrentarmos algo desse nível já era algo esperado desde quando discutimos a possibilidade desse templo ser um desafio maior do que foi a libertação de Valkaria...


*Após alguns momentos depois da discursão em grupo o grupo decide seguri em frente e unido depois de andar mais algum tempo podem ver que o templo é um garnde labirinto e por algumas horas é possivel perceber que todos andavam em circulos, os aventureiros andaram por muito tempo até ter que descançar um pouco e recuperar as forças, o grupo conseguiu por intermedio de magia um lugar seguro para dormir e descançar descentemente todos precisavam de repouso depois daquele dia exaustivo.

As energias do templo faziam com que cada vez mais tudo ficasse mais estranho, mas após uma noite de sono e um bom café da manhã provido pelos conjuradores ou por seus proprios supriementos o grupo segue viagem pelo templo, Armadilhas mortiferas são evitadas por muito pouco, e o templo se mostra cada vez mais perigoso a cada passo, e as paredes por horas parecem mostrar planos de existencias distantes e desconhecidos para alguns dos aventureiros ali.

Muitas vezes mostram imagens de seus lares corrompidos e deformados pela tormenta, aasim como é mostrado cidades caindo em combate contra a ameça vermelha, ao mesmo tempo que mostra uma arton feliz e livre da tormenta, que simplesmente se esqueceu dos herois que agora desafiavam o templo.

O templo brincava com cada aspecto de suas emoções e pensamentos e vozes fantasmagoricas se lamentavam pelo templo, muitas perguntavam o por que daquilo tudo, outras clamavam vingança e algumas outras pediam o fim do tormente e socorro.

As vozes eram das mais variadas Mulheres, homens e uma doce voz infantil que diz*

---Venham brincar comigo, eu sou a Alter, venham brincar...
Estou sozinha quero companhia, meus brinquedos anteriores Quebraram, quero brinquedos novos....

*A inocência da voz da criança se misturava a malicia de uma criatura ancestral era extremamente alarmante...
Todos entenderam o que ela queria dizer com brinquedos, e não era agradavel pensar como ela os quebrou.*


*Após andarem algum tempo neste clima morbido e assutador, os Grupo chega a um lugar onde haviam pedaços do que parecia ser um colosso jogado no chão, Era um Lugar estranho que realmente parecia ser campo aberto e tudo parecia tranquilo. O mais esquisito era o quanto que mais que se afastassem do lugar onde o Golem estava e pegassem rotas alternativas, sempre voltavam para o lugar dos entulhos, Tudo estava confuso até que depois algumquando se aproximam novamente do monstro Elladan, Kerrigam esbarra em uma pedra onde estava escrito uma estranha Runa e depois um Tempo as pedras começam a se mover e formar um colosso enorme*


OFF: video explicativo vejam apenas o golem se formando, cansei de tentar fazer isso em separado sempre dava errado  




*O Golem se ergue de forma assutadoramente rapida e em seu peito o simbolo de Wynna brilha de forma intensa, e depois de ver tal magnitude Emilly fala:*

—Os deuses só podem estar de sacanagem.



Vendar observava o golem com atenção.

— Realmente faz tempo que eu não via um golem. E nunca tinha visto um deste tamanho. Tal artefato era capaz de destruir países inteiros, será mortal se abaixarmos a guarda.

Ele então saca sua espada.

— Vou na frente testar o poder de combate dele. Pensem em uma estratégia enquanto isso.

Ele então avança contra o golem, saltando com todo o seu poder.


Espada táurica +5 +52 (4d8+58+ 1 de const /19-20), dano dobrado por causa do monrte que vem do céu.




DALLAS

—Pórr, eu te adoro, cara, mas... depois de tudo isso, se você estiver morto quando eu te encontrar, vou te ressuscitar dentro de uma fossa! __ diz o mago necromante diante da monstruosidade absurda diante deles.

Ele trotou em seu corcel esqueleto ao redor do inimigo, desviando sua atenção, para então, começar a cumprir a sua função de campo.

* Galopando, enquanto gesticulava, rochas e os movimentos de todos diminuindo até somente sua pessoa restar. Várias outras magias vieram em seguida.*

(Off: Lança Dizimar Defesas acelerado contra o golem, seguido de Parar o Tempo, e Encontrar Ponto Fraco, Recuo Acelerado e Velocidade do Relâmpago sobre si mesmo, ao fim, deixa a montaria e gasta um movimento para se teleportar até uma das pernas do golem deixando os raios fazerem o serviço.)

PMs (15+60): 75-19


Magias Preparadas escreveu:
1º - Ataque Certeiro acelerado, Toque Macabro, 2x Encontrar Ponto Fraco, 2x Recuo Acelerado,
2º - nenhum
3º (Melhoria Mnemônica) - Manopla de Trevas, Toque Vampírico,
5º- Dizimar Defesas acelerado, Teletransporte (contingência – não escapar de um ataque que o reduziria a 0 pvs ou menos),
6º- Procrastinar Ferimentos, Círculo da Morte acelerado,
7º- nenhuma,
8º- 2x Velocidade do Relâmpago (Energia da Tormenta),
9º- 3x Parar o Tempo.


Lenneth ainda lembrava das palavras de Aeron zumbiam em sua cabeça como uma tortura. A frase ficava repetindo em sua cabeça e isso a estava tirando do sério. E, ao ver o monstro, a frase se repetiu mais uma vez.

—Lorde Aeron, não sei responder a sua pergunta e isso não importa. O que importa é que temos que vencer essa coisa...

Com isso, Lenneth dá um salto e começa a voar em direção ao Colosso.

[OFF: Lenneth investe com Excalibur +41 (3d8+46/x2)]




Dornelles surpreendeu-se ao ver que enfrentariam quase que uma montanha. Por sorte, ele tinha uma carta na manga. Fazendo uma prece enquanto executava os gestos, ele concentrava-se pra repelir o golem, e mantê-lo preso contra uma parede.

Volg seria seu protetor enquanto Dornelles mantinha o foco na magia, mesmo porque suas garras não fariam muito estrago na montanha, tampouco o sopro gélido.

Off: Repelir Metal OU PEDRA nessa bagaça, pra manter ele sem se mover enquanto os outros metem a porrada nele.



Arn

O paladino investe contra o colosso com sua espada pronta para o ataque.

off: Uso a manobra investida e uso ataque poderoso: retribuição ataque +32 ((3d8+42 x2, dec. 20/x2, corte)




Aeron:

Aeron segura suas espadas firmemente enquanto ve o Colosso surgindo na frente deles. Esperando que possam sair daquele caminho labiríntico quando derrotarem o golem, Aeron rapidamente o ataca com força, enquanto fala:

—Tá na hora de acabarmos com essa perda de tempo!


OFF: Vamos lá...

Primeiro, uso sem mente (teste de vontade, minha VON=22) para aumentar cada um dos meus ataques.

tabela:
20 a 24 (+2d6)
25 a 29 (+3d6)
30 a 34 (+4d6)
35 ou mais (+5d6)

Então, uso a manobra chi 'dano pelo chi', e usando também Ataque Poderoso e grito de kiai, ataco o Golem.

ataques: +50 (dano: 74+Xd6, crit.16-20, x4 ; Alcance 9m) +46/+46/+46 (dano: 64+Xd6, crit.17-20 x3; Alcance 9m) +42 (dano: 60+Xd6, crit.15-20, alcance 9m)

(Lembrando que a espada que eu uso nos 4 primeiros ataques ignora qualquer redução de dano)


EDIT: com a magia da Nuwa eu ganho +2 na CA e em reflexos, +9m de deslocamento, um ataque adicional e meus ataques sobem para +52/+48/+48/+48/+48/+44. Com a ação do Regan eu ganho +2 de ataque e +1d8 de dano. Com o comandar da Kerrigan eu ganho +3 por ataque, e se eu estiver próximo dela para ganhar a ação extra e o +1 eu ataco mais, ficando:

+58 (dano: 74+1d8+Xd6, crit.16-20, x4 ; Alcance 9m) +54/+54/+54/+54/+54/+54/+54 (dano: 64+1d8+Xd6, crit.17-20 x3; Alcance 9m) +50/+50 (dano: 60+1d8+Xd6, crit.15-20, alcance 9m)






*Nuwa olha para o Golem admirada e diz:*


---Isso é inacreditável....


*Elladan olha para ela e diz:*


----vamos temos um monstro a derrotar...

*Nuwa conjura Pedra em lama duas vezes uma na perna e outra na marca de wynna do golem e usando um ponto de ação, e conjura velocidade acelerada em Aeron*


*Elladan ativa a habilidade de invisibilidade de seu Arco*


VALÉRIA'N

(Off: Iniciativa +45, +41+4 da espada impaciente)

Valéria'n correu contra a outra perna do construto, erguendo suas mãos em cheque enquanto aterrizava de um salto entre o espaço diante do pé vulnerável da máquina divina. As mãos acompanhando o tinning quando um som deu o sinal de dois gatilhos unisonos, que dispararam as duas espadas como foguetes de artificio goblin. As manoplas as agarraram unindo-se como uma coisa só com Ganância, a misteriosa armadura de família. O movimento terminou numa cruz contra o apoio do gigante de pedra e ainda encabeçou outros dois no mesmo embalo.

*Valéria ataca o pé do colosso ainda livre de investidas.*

(Off: DoomBringer +45/+45, dano 1d8+20+matéria vermelha, e HeavenFell +45/+45, dano: 1d8+20+aço rubi, corte, 19-20)




Kerrigan se mantém afastada do Golem e começa a coordenar o que pode das ações (Comandar: +3 nos ataques de todo mundo a partir da iniciativa dela).



Regan é mais elaborado. Ainda perto de Kerrigan, ele usa a Ação Padrão adicional que ela fornece para acelerar Fogo Amigo sobre Aeron, Vendar, Lenneth, Mayra e Arn e fecha com uma Parar o Tempo Maximizada (garantindo 5 turnos de Parar o Tempo).

Durante Parar o Tempo Regan conjura sobre si mesmo Sexto Sentido Duradouro, Físico do Leão Duradouro, Mente do Golfinho Duradouro, Voo Prolongado e Alterar Forma Duradouro (Kraken agora).

Findo Parar o Tempo, o General gasta 1 Ponto de Ação para usar o SEU Comando da Vitória (Comandar + Arma Elemental em Massa (ácido) em Lenneth, Mayra, as duas espadas de Aeron e Vendar) antes de partir na sua manobra de Carga Apocalíptica (Investida + Chuva de Meteoros Intensificada).

Primeiro ele arremessa as 4 Bolas de Fogo da Chuva, 2 na marca de Wynna, 2 na cabeça do construto. Em seguida a Investida aplica todos os 8 tentáculos e a mordida do Kraken, tentando envolver a parte superior do golem sem cobrir a marca. Nisso, ele usa a habilidade de Trapaceiro Arcano e deixa o Golem Desprevenido.

Chuva de Meteoros: 4 ataques de toque à distância +29. Cada um causa 80 de dano de fogo, Reflexos CD 44 para reduzir à metade SE ERRAR, mas se acertar, causa +24 de dano de esmagamento e NÃO PERMITE Reflexos.

Ataques: 8 Tentáculos +45 (2d6+52+15d8, 19-20/x2), os ataques terminam com Agarrar +57 se acertarem. Mordida +45 (4d6+52+15d8, 19-20/x2)




Mayra aproveita a proximidade de Kerrigan no início e usa a Ação extra para invocar o seu Poder Sagrado, em seguida parte para cima da Marca de Wynna do Golem com uma investida furiosa.

Ataque (Investida, Fúria Dupla, Força Máxima, Ataque Poderoso, Poder Sagrado): Investida +66, dano 4d6+114+2d6+1d8, dec x2 (6d6+171+2d6+1d8)



Eis a ficha do Regan buffado, incluindo os buffs gerais:

NOME: Regan Von Heller

JOGADOR: Monteparnas

RAÇA: Humano

IDIOMAS: Valkar, Abissal, Anão, Aquan, Auran, Celestial, Dracônico, Élfico, Goblin, Ignan, Infernal, Silvestre, Táurico, Terran.

DESCRIÇÃO: Um homem muito baixo, apenas 1,50 de altura, falso magro, loiro e de olhos azuis. Usa o cabelo curto e costuma vestir seu uniforme de general de Yuden. Apesar de baixo é bem apessoado e cativante, aparentando apenas 23 anos apesar de ter 52.

CLASSE/NÍVEL: Gestalt Ladino/OficialdeYuden/Mago/TrapaceiroArcano/MagodeCombate/Erudito
Lad/Mag3>Oficial/Trapac2>Lad13/Combate10>Oficial/Trapac5>Lad15/Trapac7>Lad17/Trapac9>Eru1/Trapa10

TENDÊNCIA: Neutro e Bom

INICIATIVA: +45

SENTIDOS: Percepção +48

CLASSE DE ARMADURA: 93

PONTOS DE VIDA: 273
PONTOS DE MAGIA: 79+79+50+100

RESISTÊNCIAS: Fort +33; Refl +33; Vont +31

DESLOCAMENTO: 9m

BÔNUS BASE DE ATAQUE: +20

ATAQUE CORPO A CORPO:
Tentáculo +45 (2d6+52+1d8), se acertar Agarra automaticamente com +57,
Mordida +45 (4d6+52+1d8),
Total 9x +43 (8 ataques de 2d6+52+1d8 e 1 de 4d6+52+1d8, todos com margem de 19-20 de crítico), 8 ataques terminam com Agarrar +55 se acertarem

Observação: No início do turno de Regan, qualquer tentáculo preso em Agarrar causa seu dano automaticamente.

ATAQUE A DISTÂNCIA: Toque a Distância +29

HABILIDADES: For 41 (51); Des 16 (26); Con 37 (47); Int 37 (57); Sab 18 (38); Car 19 (38)

PERÍCIAS: Acrobacia +42, Atletismo +54, Atuação (Dramaturgia) +48, Cavalgar +42, Conhecimento (Arcano, Estratégia, Geografia, História, Religião, Tormenta) +57, Cura +48, Diplomacia +48, Enganação +48, Furtividade +42, Identificar Magia +57, Iniciativa +42, Intimidação +48, Intuição +48, Jogatina +48, Ladinagem +42, Obter Informações +48, Ofício (Torturador, Alquimia) +57, Percepção +48, Sobrevivência +48.

ESPECIAL:
Metamagia (Acelerar+4, Ampliar+3, Aumentar+1, Estender+1, Sem Gesto+1, Silenciosa+1, Maximizar+3, Potencializar+2, Elevar+1, Duradoura+6, Intensificar +7)
Comandar (Ação Padrão dá +2 em jogadas e testes e +1d8 de dano a aliados por 15 rodadas)
Ataque Furtivo +14d8
Magia Camuflada (é preciso sucesso em Identificar Magia para perceber o conjurador)
Invocação Aprimorada (criaturas invocadas ganham +2 de ataque e dano)
Seguidores (224 níveis de seguidores)
Destino (1 PA adicional por sessão, recupera o dobro de PVs por PA gasto assim)
Riqueza Verdadeira (teste com +45 1/semana para obter um item)
Heroísmo Rotineiro (1 PA adicional por sessão, gasta PA para ganhar uso de habilidade diária)
Duro de Matar (1/dia ignora dano letal)
Ataque Poderoso (Ataque -2, dano +4)
Golpe com Duas Mãos (Dobra Força no dano, dano +20)
Item de Poder (1/dia conjura qualquer magia sem gastar PM)
Evasão Aprimorada
Sentir Armadilhas+5
Esquiva Sobrenatural Aprimorada
Estrategista (Flanquear recebe e concede +4 ao invés de +2)
Formação Invencível (+2 na CA para si e aliados a até 9m)
Marcha Forçada (+25% na distância percorrida por dia de viagem para seguidores +5 criaturas)
Ordem Inquestionável (1/dia Comandar Maior, CD 34, como habilidade não-mágica)
Pelo Reino! (Ação Padrão permite os aliados a 9m refazerem testes de Vontade)
Manobra Esmagadora (21 ao dia, recebe +10 em Estratégia)
Golpes Arcanos:
->Carga Apocalíptica (Investida + Chuva de Meteoros)
->Comando da Vitória (Comandar + Arma Elemental em Massa)
->Magia Oportuna (Ataque Furtivo + Sombras)
Concentração de Combate (Movimento e 3 PM para ter BBA = Nível de Personagem)
Magia Crítica (Joga 1d20 para ter a chance de criticar magia)
Sempre Armado (Pode gastar 2 a 20 PM para criar arma mágica que dura 1 minuto)
Ladinagem à Distância (2/dia pode aumentar CD em 5 para fazer Ladinagem a 9m)
Ataque Furtivo Improvisado (2/dia declara que o alvo a até 9m está desprevenido)
Técnica Científica (Psicologia +46)

MAGIAS CONHECIDAS CD: 35+nível.
0- 10 Consertar; Detectar Magia; Ler Magias; Luz; Mãos Mágicas; Marca Arcana; Mensagem; Prestidigitação; Som Fantasma; Raio de Ácido.
1- 36 Arma Elemental; Combustão; Arma Mágica; Causar Medo; Compreender Idiomas; Chuva Quente; Detectar Portas Secretas; Enfeitiçar Pessoa; Hipnotismo.
2- 8 Atacar a Sorte; Dedo Duro; Exímio Esportista; Fogo Amigo; Gato Negro; Mão Espectral; Tranca Arcana; Vento Sussurrante.
3- 8 Arma de Energia; Desmetamorfosear; Traição Mágica; Bola de Fogo; Clarividência/Clariaudiência; Dificultar Detecção; Montaria Fantasmagórica; Raio da Exaustão.
4- 8 Alarme Maior; Arma Vampírica; Ardil do Conjurador; Ardil do Guerreiro; Ataque Certeiro Maior; Empurrão Arcano; Âncora Dimensional; Porta Dimensinal.
5- 8 Arma Mágica Suprema; Arma Elemental em Massa; Visão no Escuro em Massa; Ligação Telepática; Olhos Observadores; Permanência; Remover Encantamento; Voo Prolongado.
6- 8 Lâmina Afiada em Massa; Lâmina Invisível Maior; Analisar Encantamento; Campo Anti-Magia; Contingência; Dissipar Magia Maior; Missão; Proteger Fortalezas.
7- 8 Coordenar a Batalha em Massa; Desejo Restrito; Inverter a Gravidade; Invisibilidade em Massa; Onda de Exaustão; Passagem Invisível; Reverter Magia; Teletransporte Maior.
8- 8 Físico do Leão em Massa; Mente do Golfinho em Massa; Animação Ilusória; Discernir Localização; Limpar a Mente; Metamorfosear Objetos; Muralha Prismática; Tranca Dimensional.
9- 16 Domínio da Mente; Remover da Realidade; Super-Arcano; Alterar Forma; Aprisionamento; Chuva de Meteoros; Círculo de Teletransporte; Desejo; Disjunção; Dominar Monstro; Invocar Monstro IX; Libertação; Parar o Tempo; Prender a Alma; Sombras; Sexto Sentido.
MAGIAS PREPARADAS:

TALENTOS:
Ladino: Usar Armaduras Leves, Usar Armas (simples e marciais), Usar Escudos, Reflexos Rápidos.
Mago: Vontade de Ferro, Acelerar Magia.
Humano: Comandar, Ampliar Magia.
Nível: 1- Magias em Combate; 3- Liderança (Seguidores); 5- Lei do Mais Forte; 7- Mago de Batalha; 9- Estender Magia; 11- Magia Sem Gestos; 13- Magia Silenciosa; 15- Magia Camuflada; 17-Foco em Arma Aprimorado; 19- Liderança (Parceiro); 21- Técnica Heroica (Ataque Furtivo); 23- Técnica Heroica (Técnica Científica).
Mistério Arcano: Aumentar Magia
Técnica Ladina: 2- Acuidade com Arma; 5- Ataque Furtivo Aprimorado; 8- Ataque Sagaz; 11- Foco em Arma; 14- Casca Grossa.
Aumento: 1- Destino; 1- Riqueza Verdadeira; 1- Tolerância; 2- Dono de Arton; 4- Heroísmo Rotineiro; 6- Duro de Matar; 8- Ataque Poderoso; 10- Golpe com Duas Mãos; 12- Maximizar Magia; 14- Potencializar Magia; 16- Potencializar Invocação; 18- Elevar Magia; 20- Magia Duradoura; 22- Intensificar Magia.

HABILIDADES RACIAIS: +2 em Int, +2 em Des; +2 Talentos; +2 Perícias Treinadas.

HABILIDADES DE CLASSE: Item de Poder (sabre), Mistério Arcano, Ataque Furtivo +14d8, Encontrar Armadilhas, Evasão Aprimorada, Sentir Armadilhas +5, Técnica Ladina, Esquiva Sobrenatural Aprimorada, Comandar Aprimorado, Liderança Aprimorada, Estrategista, Formação Invencível, Marcha Forçada, Ordem Inquestionável, Pelo Reino!, Manobra Esmagadora, Sem Trégua, Treinamento Híbrido, Golpe Arcano 2,5,8, Concentração de Combate, Sempre Armado, Magia Crítica, Ladinagem à Distância 2/dia, Ataque Furtivo Improvisado 2/dia, Técnica Científica (Psicologia).

EQUIPAMENTO 580.000: Robe do Poder Bruto (+6 em Força Constituição, Inteligência e Carisma) (198.000); Gema de Magia (200.000); Cinto do Grande Mestre (Cinto do Monge, concede +6 em Sabedoria e Destreza) (109.500); Braçadeira do Intocável (Braçadeira da Armadura +7 e Resistência +4) (65.000); Sabre de Mitral +1 (3.000); Mochila de Carga (2.500); Gemas no valor total de 2.000 TOs; Brincos de Mana Épicos.

HISTÓRICO:
ARTEFATO: SUCESSO FAUSTIANO
Muitos anos atrás, Regan Von Heller fez um pacto com um demônio poderoso vindo de outra cosmologia. O mago e a criatura discutiram os detalhes por um longo tempo, até obter o resultado a seguir. O pagamento, na forma de serviços, terminou a muito tempo.
Esse acordo o vincula diretamente a Luthien Von Heller, sua esposa, de forma que diversos elementos são dependentes dela. Se Luthien morrer, Regan começa a perder parte de seus efeitos.
--- Treinamento Gestalt: Regan evolui a cada nível em duas classes simultâneas. Ele só recebe o maior valor entre PVs e PMs, e o BBA daquele nível, no primeiro nível recebe Perícias pelas duas classes + modificador de Inteligência. Todos os talentos iniciais e habilidades de classe ele recebe por ambas as classes.
--- Retreino eficiente: O acordo dá a Regan as energias para maximizar suas habilidades. Ele pode aplicar o efeito Gestalt retroativamente e aproveitar para cumprir requisitos muito cedo. Requisitos de nível para talentos caem pela metade, exceto os de nível épico.
--- Superioridade: +6 em todas as Habilidades
--- Poder Arcano: PMs extras equivalentes aos PMs naturais da Luthien (100 no momento), que podem ser utilizados para preparação ou para aplicar espontaneamente efeitos metamágicos
--- Talentoso: +8 em todas as perícias treinadas
--- Insuperável: +2 nas CDs de todas as magias e habilidades
--- Autoconfiante: Recebe o bônus de Carisma na CA
--- Trenado: Ganha um talento extra a cada nível par
--- Segredos Sombrios: Aprende o dobro de magias todo nível, incluindo o primeiro
--- Dádivas: Recebe os talentos extras Tolerância, Destino e Riqueza Verdadeira
--- Parceira Perfeita: Caso Luthien Von Heller use Carícias Revigorantes em Regan, o efeito do talento é alterado para o seguinte: não há limite de uso, mas o tempo do talento é de 30 minutos. Regan recebe os efeitos de qualquer magia divina que escolher que possa ter apenas ele como alvo, bônus totais de +20 em perícias, distribuídos como quiser, por 1 hora e, por 2 horas, pode conjurar Restauração Menor sobre si mesmo com uma ação completa de descanso, ou Restauração com 1 minuto de descanso. Uma nova aplicação do talento antes de um efeito em particular acabar SOMA duração ao efeito, não apenas sobrepõe. Opcionalmente, Luthien pode gastar um uso normal do talento Carícias Revigorantes para “apenas” obter o efeito normal dobrado.
--- Alma Dependente: Se Luthien morrer, Regan perde 1 de bônus em habilidade por hora, 1 PM extra a cada 10 minutos, todos os bônus em perícia imediatamente, 1 do bônus nas CDs de magia a cada dia. Quando não houver mais nenhum desses bônus, ele fica sob efeito da maldição da magia Missão, impossível de remover por quaisquer meios abaixo de uma intervenção divina direta. Caso Luthien volte à vida, Regan recupera seus bônus após uma noite com a esposa.


BUFFS ATIVOS:

Kerrigan confere +3 a TODOS os ataques do grupo.
Quem estiver a 9 metros da Kerrigan (nas linhas de trás, perto dos conjuradores e do ponto inicial de todo o grupo) ganha +1 (+4 total) e 1 AÇÃO extra.

Mayra confere +7 de CA ao Regan (não computado na ficha dele. Os outros bônus estão).

Regan conferiu Fogo Amigo a Aeron, Vendar, Lenneth, Mayra e Arn.
Arma Elemental em Lenneth, Mayra, as duas espadas de Aeron e Vendar.
COMANDAR: TODOS recebem +2 em ataques e +1d8 em dano. QUALQUER dano.

TOTAL de +5 em Ataques.

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:40

Capítulo XXXIV


Yuden, Noite


*Em yuden em um dos laboratórios da primeira companhia, Roy Mustang, Alexander Silloheron, Alice Silloheron, Reynard e Nobunaga Douglas Trabalhavam em um projeto que era Supervisionado apenas pelos dois maiores arquimagos do mundo Talude e Vectorius *

*era uma espécie Golem gigantesco e Alice Silloheron dava os últimos retoques na criação e diz: *

—Agora Temos que testar, os circuitos mágicos já estão alinhados com só sistemas mecânicos, agora vamos ver se tudo da certo no teste....

*Mustang se aproxima da prima e diz: *

—Então temos que testar, Liguem o mecanismo.


*Usando uma estranha runa magica o Mecanismo é ativado por Reynard e começa a responder como esperado e logo atrás deles os Arquimagos vem entrando no laboratório e ao ver o sucesso do experimento Talude diz: *

—Não poderia esperar menos de vocês... O futuro da magia em arton começa a andar para um rumo maior é mais poderoso, e a nossa defesa contra uma possível traição contra Jack Donnovan esta indo a passos Firmes...

*Vectorius olha para o Mecanismo com um sorriso estranho que beira a crueldade e a satisfação e diz: *

—Parabéns a todos envolvidos neste projeto que começa a mostrar frutos. A partir de agora este Projeto esta sendo transferido para um laboratório seguro em localização ainda a ser definida.

*Talude olha mais serio para os Magos e A Mestra armeira e diz: *

—O projeto escudo de Khalmyr esta ativo e a partir de agora deve ser segredo absoluto, principalmente para Jack Donnovan









Próximo à área de tormenta de Equidna (noite)


*Yoko sagara, Yuki e Lienn Galandriel ,estavam seguindo para próximo a área de tormenta em busca de um grupo de algozes da tormenta que tinha algo que elas queriam na Verdade que Dallas queria, o amigo do Necromante o paladino Pórr, eles estavam próximos a beirada da área e nesse momento as libertadoras atacaram os algozes, a luta e feroz e com algum custo de combate elas conseguem resgatar o paladino que estava desacordado e leva-lo até o dragão imperial que as esperava um pouco mais a frente, pronto para resgata-las ao menor sinal de perigo maior*

—Conseguimos Lienn...

*Diz O demônio Do vento Sagara *

—Só conseguiremos quando sairmos daqui, vamos nos tirem daqui..

*O navio ia rumo ao Horizonte enquanto de forma veloz o Lorde vinha para próximo da beirada mas a estas horas o dragão imperial já estava longe *








Templo dos Deuses


* O Golem se formava quando Aeron, Regan e Elladan partem para o Ataque, Elladan some da vista de todos sem deixar qualquer vestígio pequeno mago vira um Kraken e começa sua leva de ataques ao Golem, que ia desde uma chuva de bolas de fogo a ataques físicos feitos ao Golem.*

* O mago Lutava com bravura e dava o máximo de si, ele usava todo o potencial místico e físico que tinha contra criatura gigante, mas apesar disso isso não conseguia freirar seu avanço, Aeron também vai de encontro ao Golem para ataca-lo, e assim como fizera antes com dorneles e Volg, Ataca repetidas vez a criatura se descanso e causa um rachadura no golem e ele pode ver através desta rachadura, uma estranha luz azul.
Porém o golem continua seu trajeto em direção ao grupo sem se afetar pelo seu dois atacantes atuais Vendar e Lenneth são os próximos a atacar o Golem e também começam a causar seu estrago no golem, Vendar e sua morte que vem do Céu, abre mais uma fenda no golem e dela também começa a sair essa estranha Luz azul...

A espada de Lenneth parece ressoar com o golem por um momento antes de atingi-lo e a Lamina da espada fica da mesma cor da luz vinda do golem,e ao atingi-lo um estranho som de como se fosse um martelo batendo uma bigorna e não de metal batendo em pedra, mas ela também abre uma rachadura no golem em questão, mas mesmo assim o golem continua avançando em direção ao resto do grupo.*

*Enquanto isso Kerrigan Coordena o ataque de seus companheiros da melhor forma possível, assim como regan havia feito antes de partir para cima do golem, ela fazia seu trabalho com maestria, nem mesmo parecia a mulher que não desejava combates, sua pericia em comanda-los era incrivel.


Valeria parte em direção ao golem e ataca sua perna, direita em uma fenda da mesma, fazendo mais da luz azul começar a aparecer vinda do golem e cada vez mais esta ficava mais forte

Porem Nuwa se aproveitando do fato que valeria esta em uma das pernas do golem, ataca a outra ela faz com que a rocha do golem vire lama, na sua perna o efeito é satisfatorio e o golem começa a perder o equilibrio, mas na marca de Wynna, não tem o efeito desejado a marca parece proteger-se do ataque de Nuwa muito bem e sua magia falha.*

* Depois desta frustração Nuwa se vira para Aeron e lhe da mais velocidade em seus ataques, seu alvo primário de magias como essas seria elladan, mas o fato do elfo estar invisivel dificultava um pouco as coisas.*
* Gilgamesh como os outros saca sua espada e vai em direção a perna do golem assim como valeria e ataca-la também aumentando a rachadura que já havian naquele ponto, vendo que o ataque magico de Nuwa não havia dado certo Mayra a paladina de lena investe contra marca de wynna do golem e recebe todo seu golpe de volta, ela sente o impacto de sua própria força, alguma energia refletora fez Mayra sentir a força de sue próprio punho, mandando-a para longe do golem. *


*Arn assim como os demais vai em direção ao golem, ele ajuda valeria e Gilgamesh a abrirem um fenda grande na perna do golem por causa disso vai perdendo mais um pouco de seu equilíbrio quase tombando para frente , mesmo assim ele não tem que interromper sua estranha marcha para se livrar dos aventureiros que atacam ele.

Neste momento dalas dispara com sua montaria estranha e nefasta assim como próprio fazendo com que o tempo pare ao seu redor, ele ainda pode ver os ultimo movimentos de Gilgamesh e Arn enquanto entoa seus encantamentos sinistros, e quando para de disseminar as moléstias no golem, ele antes de se teleporta para próximo do golem, e seus relâmpagos não afetam o golem sendo absorvidos pela estranha luz azul que emana de suas rachaduras.*

*o Druida de Tanna Toh é o mais sagaz de todo pois ele realmente consegue o que nenhum dos outros combatente em questão conseguiu freiar o avanço do golem com as benções de Tanna toh que ainda lhes restavam, fazendo com que o golem não consiga se aproximar mais do conjuradores do grupo, Volg se mantinha próximo a Dornelles apenas para conferir se o golem se aproximaria mais, seu semblante era feroz e acuado, sabia eu se golem avançasse mais*

*Emily saca sua adagas e vai em direção ao golem e depois de ativar suas botas aladas ela voa até a marca de Wyna para tentartantando analisar do que se trata a marca, mas acaba por desistir e crava as duas adagas na marca e recebe a especie de uma onda elétrica de retorno que faz a cleriga cair inconsciente instantaneamente. *

*Após isso o Golém pega emilly em sua mão e arremessa em direção a Nuwa o corpo já sem movimento da clériga atingindo a Elfa em cheio e depois disso uma radaja fria e gélida sai do golem em direção a vendar e Lenneth atingindo-os em cheio e fazendo-os cair do céu *


Dano contabilzado:Emilly morta, vendar 245 pontos de dano, Lenteh 200 pontos de dano e nuwa 90 pontos de dano, mayra 172 pontos de dano*






DALLAS

—MALDIÇÃO! É UMA INVENÇÃO DE WYNNA! _ praguejava o necromante ante a ineficácia dos inúmeros ataques.

O necromante morto-vivo pisca surgindo não-perto demais das moças derrotadas e, apenas com sua velocidade, recua retirando o corpo de Emily e Nuwa da zona de ameaça.

PMs (15+60): 75-19

Magias Preparadas escreveu:
1º - Ataque Certeiro acelerado, Toque Macabro, 1x Encontrar Ponto Fraco, 1x Recuo Acelerado,
2º - nenhum
3º (Melhoria Mnemônica) - Manopla de Trevas, Toque Vampírico,
5º- ..., Teletransporte (contingência – não escapar de um ataque que o reduziria a 0 pvs ou menos),
6º- Procrastinar Ferimentos, Círculo da Morte acelerado,
7º- nenhuma,
8º- 1x Velocidade do Relâmpago (Energia da Tormenta),
9º- 2x Parar o Tempo.


Dornelles:

"Merda, a Senhora da Magia tinha um às na manga que pegou muita gente desprevenida.", pensava Dornelles. Fazendo o que fazia de melhor, ele recitava uma prece pra fechar os extensos ferimentos dos parceiros, concentrando o máximo de energias em Emily, que deveria estar chegando às portas do Tribunal de Khalmyr.

Ajoelhando-se ao lado de Emily e canalizando sua energia divina, ele a trazia de volta ao combate.

—Ninguém morre no meu turno de vigia.-disse, enquanto curava a mulher caída.

Off: Cura Completa em Massa. Como tenho Médico de Campo, posso curar e trazer de volta uma pessoa até uma rodada depois da morte dela. Boa tentativa, mas não foi o bastante, berserker.  


Edit: todos os testes de conhecimento que eu tiver direito, pra descobrir que porra de luz azul é essa e o que ela quer dizer.

Quem aqui pensa que esse golem vai explodir e causar um dano filhadaputamente alto? o/





VALÉRIA'N

—VENDAR! MENINAS! _ gritou Valéria ao notar seus colegas serem esmagados.

* Atira uma das granadas do pai contra a outra perna do golem.*

(Off: granada de Nimb de matéria vermelha obra prima implementada +31, dano: 12d8 +10nível +4asd +matéria vermelha, perfuração, Explosão, 3m.)

(Off2: o valor da jogada de ataque das granadas estava errado, +24. Agora eu arrumei, é +31.)




Vendar não se abalava, as partes congeladas e feridas de seu corpo já começavam a fechar, mas era pouco comparado ao dano recebido. Ele via os companheiros caindo e tentava manter o foco.

— Conjuradores, que diabo de luz é essa? Tem alguma coisa que possam dizer quanto a isso? E tomem cuidado, não ataquem o símbolo de wynna.

Vendar então salta e golpeia o golem em suas pernas e em seguida nos joelhos. Cada golpe com a força de uma montanha.


Off: Ataque duplo: Espada táurica anti monstros +47/+47 (4d8+58+ 1 de const /19-20). Vendar cura 14 PVs



Lenneth

A rajada do Golem fora devastadora e Lenneth teve que sentir o próprio sangue correndo por sua lâmina que adentrara um pouco em seu corpo durante o ataque horrendo do monstro. O ataque quase destruíra Avalon, porém, se não fosse isso, ela estaria quase morta agora.

Lenneth levanta, avança até onde Nuwa e Emilly estão caídas e se coloca em posição enquanto deixa Avalon segura se recuperando.

—Vão. Eu estou quase fora de combate, mas protegerei elas com minha vida. Acabem com essa coisa.

[OFF: Lenneth retira a armadura (O que faz com que seus status caiam para os valores normais) e se coloca em defesa total guardando os feridos. Se necessário, gastará 1 Ponto de Ação para se colocar na frente do ataque e proteger os feridos.]




Aeron

Aeron não sabia o que era aquela estranha luz azul, tampouco sabia sobre todas as capacidades que a deusa da magia tinha dado a esse monstro, mas ele sabia que a criatura não havia saído ilesa dos ataques anteriores. Ouvindo a fala de Lenneth, Aeron responde:

—Pode ter certeza que vamos fazer o impossível para derrubar essa coisa, custe o que custar!

Dito isso, ele continua a fazer o que sabia fazer de melhor, atacando o monstro com suas espadas numa velocidade tão grande que os olhos não eram capazes de acompanhar seus movimentos, fazendo o possível para que pudesse parar a criatura antes que mais alguém caísse.



OFF:
Novamente, uso sem mente (teste de vontade, minha VON=22) para aumentar cada um dos meus ataques.

tabela:
20 a 24 (+2d6)
25 a 29 (+3d6)
30 a 34 (+4d6)
35 ou mais (+5d6)

Então, mais uma vez uso a manobra chi 'dano pelo chi', e usando também Ataque Poderoso, ataco o Golem. (Bônus pelas magias e comandos já adicionados)

ataques: +57 (dano: 72+Xd6+1d6+1d8, crit.16-20, x4 ; Alcance 9m) +53/+53/+53/+53/+53 (dano: 62+Xd6+1d6+1d8, crit.17-20 x3; Alcance 9m) +49 (dano: 58+Xd6+1d6+1d8, crit.15-20, alcance 9m)

(Lembrando que a espada que eu uso nos 6 primeiros ataques ignora qualquer redução de dano)





Regan Von Heller:

— EMILLY!!! NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOO!!!

A voz era de um kraken, gutural e potente como as profundezas do oceano, mas era muito humana a emoção que carregava. Dor. Desespero. Regan sentiu o momento em que o coração da irmã parou. Por um momento sua mente, normalmente afiada, parou junto.

Quando voltou, funcionava movida a fúria e desespero. As fraturas, a energia, ele analisava o fenômeno em busca de uma chance de exercer sua vontade de destruição, por si e pelos outros.

Em um puxão de seus tentáculos ele tenta arrancar a cabeça do golem, e em seguida desce para perto da Marca de Wynna, para tentar arrancá-la, cravando seguidamente suas armas naturais em busca de arrancar o símbolo e entrar no Golem.

— EU SEI QUE ESTÁ AÍ, GÊNIO!!! SUAS PROTEÇÕES VÃO SE ESGOTAR E VOCÊ VAI PAGAR!!!


AÇÃO: Declara o Golem Desprevenido mais uma vez para seus ataques nesse turno. Começa o turno causando automaticamente o dano dos tentáculos agarrados: 2d6+52+15d8. Em seguida se move para perto da Marca de Wynna, soltando os tentáculos, e ao redor dela faz seu ataque Magia Oportuna: Começa conjurando Sombras para usar Pedra em Lama AO REDOR da Marca de Wynna, e em seguida usa seus ataques furtivos na área para arrancar a marca do lugar:

8 Tentáculos +43 (2d6+52+15d8, 19-20/x2), os ataques terminam com Agarrar +55 se acertarem. Mordida +43 (4d6+52+15d8, 19-20/x2).

Em seguida Regan usa 1 Ponto de Ação para atacar de novo. Se tiver caminho livre, vai investir contra a criatura DENTRO do Golem, com Carga Apocalíptica:

Chuva de Meteoros: 4 ataques de toque à distância +29. Cada um causa 80 de dano de fogo, Reflexos CD 44 para reduzir à metade SE ERRAR, mas se acertar, causa +24 +14d8 de dano de esmagamento e NÃO PERMITE Reflexos.

Ataques: 8 Tentáculos +45 (2d6+52+15d8, 19-20/x2), os ataques terminam com Agarrar +57 se acertarem. Mordida +45 (4d6+52+15d8, 19-20/x2).

Se não conseguir entrar apenas realiza mais um ataque total e conjura Sombras no final para tentar colocar um Invocar Criaturas VIII DENTRO do Golem, uma serpente de pedra.






Mayra:

A semideusa está caída, mas não desiste. Seu sangue ferve com a batalha, mas sua alma chora com a consciência das vidas perdidas. Ela não entende bem as palavras do Mago. Tem um gênio lá dentro, é isso? A proteção da Marca acaba? É um palpite arriscado, mas ela vai tentar, não vai deixar outro se sacrificar como a jovem clériga de Nimb. Mayra tenta voar.

Se conseguir, e a marca estiver lá, vai investir contra a Marca de Wynna mais uma vez, ela aguenta o tranco tantas vezes quantas foram necessárias. Se a marca não estiver lá, ou Mayra não puder alcançá-la, a Paladina tenta entrar por quaisquer aberturas que alcance para atacar o que quer que encontre. Se não puder fazer nenhum dos dois, vai ajudar a destruir a perna do Golem colossal.

De toda forma, o ataque é o mesmo (Investida, Fúria Dupla, Força Máxima, Ataque Poderoso, Poder Sagrado): Investida +66, dano 4d6+114+2d6+1d8, dec x2 (6d6+171+2d6+1d8). Se for contra algo vivo, reduza 4 do ataque e o dano é não-letal.





Kerrigan:

A nobre decide entrar no campo de batalha e inspirar pelo exemplo. Ela corre até os guerreiros que atacam a perna da criatura e se junta a eles. Seus ataques, com as mãos nuas, são pouco eficientes, mas a determinação em prosseguir não é.

Ação: Dança Excitante, Força +2 para a galera atacando o Golem por baixo.




Arn

Ao ver Emilly ser arremessada como um saco de batatas, ele novamente corre contra o golem e golpei sua pernas, usando Ataque Poderoso:

-Retribuição (Espada Táurica de Adamante +10, Sagrada, Axiomática, Anti-Monstro) +33 (3d8+43, dec. 20/x2, corte)





*Nuwa recebe o impacto da Clériga de Nimb sendo usada como uma arma para Golpeá-la e vai ao chão com o poderoso impacto que recebeu e ao se recuperar leva ve Dallas por perto que a ajuda a se levantar ela se prepara para sua nova investida contra o Golem*

( Nuwa volta a usar pedra em lama no golem só que desta vez na parte da marca de wynna)

*Elladan que havia ficado invisível Se prepara sua mira e atira sua flecha mortal na marca de Wynna tomando cuidado para não atingir o Kraken que antes era o mago yudeniano, mas não se importando se atingir...*

( Elladan usa ataque furtivo na marca de wynna e atira duas flechas usando tiro rápido)

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:42

Capítulo XXXV


*ORDINE (NOITE)*

Francesca estava se aprontando para ir a Arton e algo lhe inquietava, mesmo questionando seu deus, mesmo desafiando sua vontade provocando uma pequena rebelião em seu reino Khalmyr não havia tirado dela seu titulo de sumo sacerdotisa e ela antes de ir pergunta para seu deus:*

----Milorde,por que o senhor não retirou meus poderes de sumo sacerdotisa e de Clériga por desafiado sua decisão?

*Khalmyr da um afável sorriso e diz:*

---Eu não poderia exigir perfeição de você Francesca Por que apenas os deuses são perfeitos, e você é mortal e imperfeita, sei que não entende minha decisão hoje, mas sei que isso se deve a suas imperfeições que fazem parte de sua natureza.
E como eu sou a justiça, seria incoerente para comigo mesmo puni-la por esse ato contra mim, pois eu aceito você com suas imperfeições, entendo suas imperfeições e perdoo as mazelas que elas causaram a mim.

Não ha com que se preocupar, apenas continue a proteger quem precisa e levar a ordem e a justiça aonde é necessário e eu estarei feliz, agora Vá francesa e cumpra sua missão


*Ainda Assustada e sem ação a sumo sacerdotisa de Khalmyr volta A arton*







WERRA (NOITE)


*Elizabeth Ironheart agora atravessava o campo de batalha que precedia o palácio de Keen mesmo a noite a guerra não parava e ela as vezes tinha que se engajar em batalha para conseguir passar em direção ao palacio do seu deus e ao chegar lá keen estava sentado em seu trono feito de ferro e machado de sangue*

*O salão que ela entrara era decorado com uma grande tapeçaria que mostrava grandes confrontos de arton, e cada guerra era ele aumentava mais e a cada conflito mais um pouco a tapeçaria crescia de tamanho , as paredes eram manchadas de sangue e nela pendurada a cabeça de cada um que desafiou e perdeu Para o deus da guerra, mas o que mais amedrontava era que eles não estavam mortos, estavam vivos e calmavam por ajuda e pelo fim da dor que estavam passando*

*E ao chegar uma certa distancia Keen fala para Elizabeth com a voz que lembrava os brados de guerra*

---Pare Guerreira, e diga a que veio.

*Esta na presença de Keen era algo assustador e ao mesmo tempo eletrizante, a presença dela inflamava o coração da sumo sacerdotisa de ira e fúria e esta diz:*

----Meu Senhor, vim chama-lo para junta a maior investida de arton vim chama-lo para fazer parte do confronto contra Tormenta...
Por favor meu lorde venho aqui pois nós temos que enfrenta-los, lefeu esta atacando nosso mundo e esta vencendo e...


*Quando Elizabeth prepara-se para falar mais Keen se levanta e vai até ela e Lhe da um grande soco no estomago que faz a sacerdotisa cair de joelhos ao chão e kenn fala com sua voz que parece o brado de um exercito furioso:*

---Como ousa demorar tanto para me chamar e permitir que Khalmyr, Lena E marah sejam chamados antes de mim Ironhearth, você ousou deixar que isso acontecesse!!!

*Elizabeth esta no chão ainda tentando recuperar o ar, aquele murro já era o suficiente para estar morta, mas aparentemente Keen não queria ela morra ainda*

---Volte para Arton guerreira displicente e diga que Keen e sua ordem estão a favor desta empreitada, assim que puder se levantar.

*Keen apenas joga Elizabeth no meio da turba de guerreiros e a muito custo ela consegue se curar e sair dali e voltar a Arton para dar a noticia a Jack Donovan.*








TEMPLO DOS DEUSES

*A criatura após o ataque contra clériga é atacada sem parar pelo mago yudeniano, a furria estava na voz do Krarekn que agora era o mago e ele atacava a Criatura sem perdão assim como Aeron e Elladan também desferiam seus ataques ao mostro, Elladan tacava diretamente a marca fazendo com que a Luz azul se intensificasse lá e Aeron Continuava a tacar impetuosamente a perna do monstro.
A busca insana de arrancar a cabeça e abrir a marca de wynna da criatura termina o efeito devastador em sua dita pele e ela acaba por abrir rachaduras cada vez maiores nela e começa a cair cada pedaço de pedra que compõe a dita pele do dito "Golem", fazendo com que a montanha de pedras caiu em cima do grupo de pessoas que esta embaixo dos pés do golem.*

*Aeron, Valeria,Arn, Kerrigan,Vendar e Gilgamesh são atingidos pelo desmoronamento da dita montanha que era antes um golem e que no final se revela um genio de olhar severo que diz:*

—Daqui não passarão profanadores

*Ele pega o kraken que é O mago yudeniano e joga no chão proximo a a Dallas e continua*

—Se não conseguem me deter em uma foram patética como estava antes como vão conseguir me deter agora ?

*O desmoronamento foi terrível e machucou muito os aventureiros que em quase sua totalidade exceto kerrigan que fora salva da Morte pelo Rei do Deserto que a jogar longe o suficiente para que não se feri-se*

*Os demais aventureiros levaram a maior parte dos danos causados pelas pedras, ficando bem feridos, Vendar e Aeron foram os que melhor se saíram deste ataque inesperado tendo ferimentos mais leves, já Arn, Valeria e Gilgamesh não tiveram a mesma sorte e foram soterrados pelas pedras*

*Lenneth permanece na defesa do grupo e pode ver quando Vendar mais uma vez parte para o ataque ao Gênio que se apresentara agora a eles, os cortes no ser a sua frente feriram bastante a criatura que soltou um Urro e esbravejou maldições em uma língua que a muito tempo ela não ouvira*

*Kerrigan é lançada por Gilgamesh para longe e apenas pode ver seu amado Valeria e Gilgamesh serem soterrados pelas pedras*

*Mayra consegue atingir o Gênio em cheio,ele sente a pancada e recua um pouco, mas agora esta livre da magia que antes o prendia a aquele lugar limitado e começa a avançar*

*Neste momento Dallas que estava próximo tira Nuwa e Emilly da zona de perigo deixando-as próximas a Dornelles ao ver a parada Cardíaca da Jovem clériga Cuida de tentar traze-la de volta, mas não antes de curar com as bençãos de Tanna toh o grupo inteiro*

*Emilly se levanta meio confusa com o que estava acontecendo e tem apenas tempo de ver o irmão ser lançado pelo gênio e pergunta:*

—Não estávamos enfrentando um golem ? a tá esquece

*Emilly apenas usa suas orações e invoca uma especie de Dragão azul e diz:*

—Ok grandalhão, Pau naquele safado

*O dragão voa em direção ao monstro e ataca o Gênio com sua baforada*

*Após se recompor e Analisar a situação Nuwa lança a sua magia que se mostra útil a seus amigos que estão soterrados transformando em lama as pedras que os prendiam fazendo mais fácil a saída deles do local onde estavam soterrados que conseguem sair sem maiores problemas*

*Valeria é primeira a levantar e correr em direção ao Gênio e jogar nele duas granadas criadas pelo seu pai e a matéria vermelha que continha na granada causa grandes danos ao Gênio*

*Após se livrar das pedras com a ajuda da maga Arn vê o enorme Gênio avançando em direção ao resto do grupo e então, ao se assegurar que seu querida Kerrigan não esta ferida, ele avança para atacar o gênio fazendo um grande talhão em parte de suas costas do golem*


*Todos full ja que tecnicamente a ação do Dornelles é a ultima


e Dallas, nuwa,Emilly e Dornelles e Regan tem direito a uma ação extra por estarem a 9 metros da Kerrigan*







Regan

Quando ouve a voz da irmã, Regan sente vida nova. Um alívio indescritível, uma felicidade como poucas vezes ele sentiu. Quase esquece do gênio que agora ameaça a todos de novo. Mas não esquece, e se prepara para voltar à batalha. Com um olhar para Kerrigan e Mayra, ele ainda decide seguir o caminho da fé das duas, e começa a se preparar para atingir o Gênio sem matá-lo.

Com isso, Regan aproveita o momento de inspiração que Kerrigan confere para conjurar Dominar Monstro sobre o gênio (Vontade contra CD 42). Isso foi a Ação Extra.

Depois, SE o gênio resistir à magia, ele avança em outro ataque com os tentáculos, tentando cercá-lo com a ajuda dos colegas. Se conseguir cercar, ainda vai aproveitar para conjurar Sombras (Raio Polar Intensificado e Elevado, ataque +25 para causar dano não-letal, 180 de dano). Se não conseguir cercar, vai conjurar Sombras (Invocar Criaturas VIII, um dragão verde bem do outro lado do gênio). De toda forma, os ataques serão furtivos.

Ataques: 8 Tentáculos +41 (2d6+52+15d8, 19-20/x2), os ataques terminam com Agarrar +57 se acertarem. Mordida +41 (4d6+52+15d8, 19-20/x2). Todos os ataques são não-letais.




Mayra

Apenas ataque em investida renovada.

(Investida, Fúria Dupla, Força Máxima, Ataque Poderoso, Poder Sagrado): Investida +66, dano 4d6+114+2d6+1d8, dec x2 (6d6+171+2d6+1d8). O dano é não-letal.




Kerrigan

A mulher apenas continua tentando o máximo para coordenar as coisas o melhor possível e inspirar seus companheiros. Ele se posiciona para melhor explorar sua habilidade (onde ficar próxima do maior número possível de aliados).






Dornelles sabia que com a luta encarniçada acontecendo, não teria chance de dialogar racionalmente e convencer o gênio de que eles tinham um bom motivo pra estar ali. Ansiava por um momento de paz, e gostaria de poder argumentar com o guardião, explanando o motivo da invasão do templo. Poderia não dar em nada, uma vez que o gênio estava sendo acossado por uma turba enfurecida, mas se pudesse, iria fazê-lo.

—Temos um motivo pra estar aqui, guardião. Nossas razões são puras, e não estaríamos aqui se não fosse por uma causa importante. Se quiser escutar, tem a minha palavra de que a agressão cessará. Se não quiser, só tenho a lamentar por isso. A escolha é sua, mas de uma forma ou de outra, temos que entrar e pegar o que está guardado há tantas eras.

Off: com a ação extra, faço um teste de Diplomacia +28 pra tentar fazer o gênio parar essa briga, oposto contra a Intuição dele. Como devoto de Tanna-Toh, e o fato de eu usar uma armadura Célebre, ele pode me conhecer e saber que eu não posso mentir pra ele sendo servo da Mãe da Palavra, senão perco meus poderes. Na pior das hipóteses ele foca a atenção dele toda em mim, se eu falhar feio nas rolagens, e todo mundo vai poder descer o cacete nele, que vai estar distraído na missão de me aniquilar primeiro.  

Com a ação normal, preparar uma Contramágica caso ele conjure algo. Por ter Contramágica Aprimorada, posso rebater com qualquer magia de mesmo nível. Dornelles fica na defensiva, +2 de bônus na CA, totalizando 46 e Volg entra em ação de defesa total, +4 de bônus na CA, sem poder atacar. Se a merda atingir um ventilador maior ainda, a CA é de 30.

Escudo Fraterno dando cobertura de +7 na CA de algum dos companheiros próximos, quem for mais fraco em combate(que eu mesmo não sei quem está mais perto de mim. Se não tiver ninguém próximo, +7 na CA do Volg, pra um total de 37).



Magias Restantes escreveu:
9º Nível

1 Milagre
1 Cura Completa em Massa(usada)

Total: 18 PMs
8ºNível

1 Escudo da Ordem
1 Repelir Metal ou Pedra(usada)
1 Forma Animal

Total: 24 PMs
7 Nível

1 Controlar o Clima

Total: 7 PMs
6 Nível

1 Dissipar Magia Maior
1 Caminhar no Vento
1 Cura Completa

Total: 18 PMs
5 Nível

1 Ampliar Animal(usada)
1 Pele Rochosa




Vendar via o que Regan e o druida de tannah-toh fazia. Ele fica levemente confuso. Agora deveriam pegar o gênio com vida? Não haviam lhe falado o motivo, mas ele era parte da equipe, enquanto alguém não tomar uma decisão que prejudique o grupo ele não iria ser contra.

— Gênio, se você falou nesse tom, mas é você que está sangrando e urrando de dor. Você sozinho não pode contra todos nós, não importa que tipo de magia use. Renda-se e saia do nosso caminho, temos peixes maiores que você para matar.

Vendar novamente começa a golpear o gênio em uma chuva de aço, mas desta vez ele batia com a parte cega da lâmina.


Off: Ataque duplo: Espada táurica anti monstros +43/+43 (4d8+58+ 1 de const /19-20). Ven





VALÉRIA'N

Longe das pedras, ainda doía, mas Ganância a guardava, o espírito da casa dos Ricardo a fortalecia, não estava indo a ir por terra ali ainda. Sabia, que o artefato guardava segredos, seu pai não a teria por menos. Então, prendeu-se ao presente.

Voltou-se a luta quando viu Arn perigosamente perto do gênio, mas a experiência anterior tinha mostrado que a criatura preferia atacar os conjuradores. Assim, mesmo que lamentando, deixou o paladino a lutar corpo a corpo enquanto volta-se para interpor qualquer ataque projetil contra os magos, prostrando-se no caminho do djim.

*Valéria interpôs a si mesma com o horrendo escudo aberrante como defesa aos conjuradores, enquanto que, com um saque como um raio, Savate, a pistola de seu pai disparava três balas de matéria vermelha contra a criatura-mágica.*


(Off1: Savate +29/ +29/ +29, dano: 2d6 +10nível +5acessibilidade +4asd +m.v/ +2dra, total de 6d6+57+3d4matéria vermelha, perfuração, 19-20x3, 3m)

(Off2: CA: 51 (+7Des +8armadura completa +5 de família +5implemento +3ao sabor do destino +1*foco em armadura pesada* +10nível +2escudo magistral do portal.)





Lenneth não podia ficar parada enquanto outros lutavam suas batalhas. Ela então recoloca Avalon e voa para bem alto e desce em mergulho contra o Gênio.

[Lenneth usa Morte dos Céus com Excalibur +41 (3d8+46(dobrado)/x2)]




Aeron se levanta, saindo da lama que ficou ao seu redor devido as magias anteriores, e sem perder tempo, corre em direção ao gênio, tentando derrubá-lo o quanto antes.


OFF: Eu me aproximo do gênio, e se conseguir, vou entrar na área de ação do inspirar glória para ganhar a ação extra.

Novamente, uso sem mente (teste de vontade, minha VON=22) para aumentar cada um dos meus ataques.

tabela:
20 a 24 (+2d6)
25 a 29 (+3d6)
30 a 34 (+4d6)
35 ou mais (+5d6)

Então, uso Ataque Poderoso e ataco o Golem. (Bônus pelas magias e comandos já adicionados)

+53/+53/+53/+53/+53 (dano: 3d8+38+Xd6+1d6+1d8, crit.17-20 x3; Alcance 9m) +49 (dano: 3d8+34+Xd6+1d6+1d8, crit.15-20, alcance 9m)

(Lembrando que a espada que eu uso nos 6 primeiros ataques ignora qualquer redução de dano)

Se conseguir me aproximar de Kerrigan e ganhar a ação extra (ficando a até 9m da kerrigan e 9m do genio), então eu também uso "dano pelo chi" e "grito de kiai" mais uma vez antes dos meus ataques, e eu uso a ação extra para atacar novamente , ficando com os ataques: +55/+55/+55/+55/+55/+55/+55/+55/+55/+55 (dano: 64+Xd6+1d6+1d8, crit.17-20 x3; Alcance 9m) +51/+51 (dano: 60+Xd6+1d6+1d8, crit.15-20, alcance 9m)







DALLAS

Um djim, agora a situação era outra, embora, tivesse muito menor poder físico podia usar magias tão ou mais poderosas do que o grupo. Tinha de atacar diretamente.

*Dallas parra o tempo mais uma vez, prepara-se com algumas magias, e então, move-se para agarrar o ser-mágico esperando o fim da magia para tingi-lo com uma grande onda negativa de energia.*

(Passo 1: Usa Parar o tempo,Manopla das Trevas e Procrastinar Ferimentos e alcança o djim piscando uma vez.)

(Passo 2: Agarra por trás o djim e espera a magia terminar.)

(Passo 3: queima 1 Ponto de Ação e usa Toque vampírico.)

(Off: Dano: energia negativa _ +5 +10nível.natural +5 +10nível +14int necropotência.manopla das trevas +6d6 +10nível necropotência +14int.toque vampírico. Total de 6d6+68 e recebe pvs temporários iguais ao resultado nos 6d6.)


PMs (15+60): 75- 34

Magias Preparadas escreveu:1º - Ataque Certeiro acelerado, Toque Macabro, 1x Encontrar Ponto Fraco, 1x Recuo Acelerado,
2º - nenhum
3º (Melhoria Mnemônica) - ..., ...,
5º- ..., Teletransporte (contingência – não escapar de um ataque que o reduziria a 0 pvs ou menos),
6º- ..., Círculo da Morte acelerado,
7º- nenhuma,
8º- 1x Velocidade do Relâmpago (Energia da Tormenta),
9º- 1x Parar o Tempo.




Arn

Muito ferido o paladino faz um grande esforço para se por de pé novamente, ele imediatamente olha em volta a procura de Kerrigan, e percebe que ela escapou do desabamento.

Ele pega sua espada a levanta acima da cabeça e diz:

—"Khalmyr, poderoso deus da Justiça, faça de meu corpo instrumento para sua retribuição."

(off: Arn ativa as habilidades: Poder Sagrado e Campeão do Bem, com isso ele ganha +4 de ataque e dano e redução de dano 20 durante 1 minuto.)

Ele investe contra o ser extraplanar (o gênio) com sua espada preparada para um golpe.

(off.: Arn usa Ataque Poderoso, ataque em investida com retribuição: +36 ( 3d8+46x2[pela investida] dec: 20/x2)




*Nuwa olha para o gênio e diz:*

—Calma Guardião temos um bom motivo para esta aqui, por favor se acalme e nos escute e iremos explicar tudo

*Teste de diplomacia para tentar ajudar a Dornelles a convence-lo a parar o ataque*

*Elladan continua atacando o gênio sem dó ou piedade e ataca com um ataque furtivo usando a habilidade do arco*







*O Gênio facilmente resiste a magia de Von Heller e esquiva e evita de todos os ataques e magias dirigidos a si e se aproxima de Dorneles e Nuwa com calma mas sem demostrar ser ofensivo e diz:*

—Dizem que tem bons motivos para estar aqui servos de tanna toh, então Provem,Mostrem para mim que não é a ganancia que rege seus corações, que não é maldade que vive em seu ser e domina suas ações...

Se me der esta prova servos da mãe da palavra eu darei passagem segura pelo reino de Alter e os levarei para os domínios de Fautus evitando a maior parte dos perigos deste templo que a tanto tempo é meu amigo, meu protetor e meu lar.

Se realmente forem seres dignos de serem ajudados eu serio o primeiro a faze-lo...

Agora prove ou encare as consequências de seu ultimo engano.


*O gênio depois continua:*

—Não apenas estes dois estão em teste mas todos nesta sala, sejam sábios em suas ações pois poderão ser suas ultimas





Dornelles:

—"Enfrentamos algo maior e mais perigoso do que foi a batalha dos deuses, guardião. Enfrentamos aquilo que originou a batalha dos deuses. A Tormenta é um inimigo poderoso, inexorável, e se expande pra destruir Arton. Os maiores herois são tentados a unir-se a ela, os melhores defensores morrem como moscas, frente ao poder incomparável que os Lordes têm. Você presenciou os poderes não insignificantes de todos aqui presentes, e viu do que somos capaz. Ainda assim, já perdemos aliados de igual poder pra Tempestade Rubra.

-Não posso negar que dentre nós há pessoas de índole duvidosa, pra dizer o mínimo. Tanto é, que lá fora caímos vítima da tentação de matarmos uns aos outros, e a verdade reprimida dos nossos corações veio à tona. Mas o inimigo é maior do que isso. Não cai vítima de intriga, não precisa descansar, alimentar-se, e não conhece o conceito de piedade, luta justa ou mesmo guerra sem golpes baixos. A Tormenta corrompe, enlouquece, e cada combatente que perdemos torna-se um deles.

-Pergunte a Vendar,-diz, apontando pro gigante rubro- ele abriu mão de parte da sua humanidade pra conseguir dominar os poderes vastos que a Tormenta traz. E é um heroi que resiste à tentação de tornar-se uma criatura plena da Tormenta. Mesmo com os poderes que ele adquiriu, e unindo todos os nossos consideráveis poderes, sequer chegamos perto de ter a capacidade de derrotar um Lekael.

-Estamos reunindo todas as armas que podemos encontrar, pra com elas construir algo que baste pra derrotar a Tormenta. Mesmo com tudo isso, não temos a garantia de sucesso. Todos aqui estão cientes de que as armas seladas estão banidas da luz do dia há milênios por um motivo, no entanto, provou-se necessária a utilização delas. Não estaríamos aqui(bem, não todos) se não fosse por um motivo de suma importância. A Tormenta faz os maiores inimigos trabalhar juntos, porque a Tormenta não traz apenas a morte. Ela traz a anti-vida. É ter a sua alma, sua consciência, toda a sua existência e tudo o que você representou algum dia eliminados da face de Arton sem deixar vestígios.

-De minha parte, não haverá mais agressão. Minha e do meu lobo.-diz Dornelles, jogando sua maça no chão e dissipando sua armadura. Não tinha nada a esconder, e seus argumentos eram francos.-Deixei pra trás uma vida de paz, ensinando aprendizes que queriam seguir os caminhos da ordem que fundei, e arrisco minha vida e a do meu parceiro pra que os meus aprendizes tenham um futuro. Não tenho um sucessor oficial, e uma ordem inteira de druidas do conhecimento pode sumir, se eu falhar. No entanto, eis-me aqui.

-Já falei o bastante, e não menti. Mantenho meus poderes e minha integridade. A decisão cabe a você."




VALÉRIA'N

—Concordo, mas nossa missão é de vital importância e nem todos podem se por sobre seu julgo. Tenha-me como garantia, mas permita aos meus companheiros passagem. _ disse a guerreira desprendendo-se de todas as armas e armadura enquanto se rendia como moeda ao djim.





Lenneth:

Lenneth parou o ataque e guardou a Excalibur. Olhava para o gênio enquanto ouvia suas palavras. Aguardou o Dornelles e após a Valéria'N falar, Lenneth levanta finalmente a voz.

—Deixe-nos encontrar com meu irmão, Gênio. Sei que no passado fui culpada pelo assassinato de todos aqui, porém nem eles e nem eu mesma somos as mesmas pessoas. Cometi erros e estou pagando por eles. Minha jornada é para desfazer os erros dos Deuses. Mostrarei a ele sou mais do que palavras. Minha honra de Cavaleiro me fará compensar pelos erros feitos pelas minhas vidas passadas, mesmo eu não acreditando que sou culpada disso. Eu pagarei pelos crimes dela. Não por redenção, mas porque é o certo. É dever do Iluminado guiar o caminho daqueles que estão na escuridão. É dever dos poderosos proteger aqueles que não o são. É dever de TODO artoniano capaz proteger seu lar. E precisamos de meu irmão. Precisamos das armas aqui guardadas. Precisamos de vocês... -- Lenneth ajoelha-se -- Eu imploro por ajuda.




Vendar atacava o genio e foi pego de surpresa quando houve essa tentativa de diálogo, de tão acostumado com inimigos que não ofereciam nem aceitavam rendição, negociação ou tréguas ele levou alguns momentos para processar a informação. Manteve-se calado como lhe era esperado enquanto seus colegas falavam e guardou sua espada. Após os outros falaren ele diz:

— Gênio, o que meus colegas falaram é verdade. Estamos atrás dessas armas pois o inimigo que enfrentamos é muito maior do que pode-se imaginar. Eu sei disso melhor do que ninguém. Como Dornelles disse, mesmo com nosso poder imenso, mesmo com todos os sacrifícios, ainda está longe de ser o bastante. Se você tem dúvida de nossa determinação saiba disso: meus amigos estão arriscando tudo por arton. Quando a tormenta mata ele destroi a alma. Aqueles que tombarem contra ela nem mesmo terão direito a uma pós-vida, seja uma de recompensa ou de agonia. Não haverá nada. Além disso cada um de meus amigos já fez imensos sacrifícios para chegar aqui.

Ele olha para as próprias mãos.

— Eu mesmo nem estou mais arriscando esse destino. A mácula da tormenta em mim está tão forte que não há mais futuro. Eu não vou mais reencarnar ou ir para um plano divino. Mesmo se o impossível acontecer e eu vencer a tormenta e salvarmos Arton eu ainda deixarei de existir quando eventualmente morrer. Para sempre. Para alguém em minha posição de que adiantam coisas como ganancia ou orgulho.

Ele fita o gênio.

— Se o meu sacríficio ou o de meus colegas não é o bastante para te convencer então não temos por que conversar. Mas saiba que o que mais me deixa furioso é ver artonianos que não vêem a ameaça real de Lefeu e ficam desperdiçando recursos e vidas em lutas mesquinhas. Cada monstro, ser poderoso ou desafio deste templo, incluindo você Gênio, seriam tão mais uteis para Arton se estivessem ajudando a combater o inimigo. Mesmo o irmão de Lenneth poderia ajudar a fazer a diferença. Pois se a tormenta vencer, NADA NEM NIGUÉM serão poupados. Mesmo este templo, mesmo os deuses, todos deixarão de existir.

Vendar suspira, ele não tinha mais o que falar. Mas por um momemto um pensamento corre por sua mente, a imagem de Magda e seus filhos, o único tesouro verdadeiro que ele tinha. Ele tentou não se abalar.






Arn

Fazia tempo que Arn não enfrentava um adversário que estivesse disposto ao diálogo.
O paladino embainha sua espada, e se põe altivo na frente do gênio, com um olhar sereno e foz sincera e convicta ele fala com a criatura:

—"Infelizmente não posso te dar motivos para nos deixar passar. Estamos descumprindo as ordens do Panteão. Mas é isso que a Tormenta põe a prova, todas as suas crenças e valores. Essas armas são muito poderosas, mas nesse momento temos um problema maior para lidar, a Tormenta. Pois se ela triunfar, não haverá um amanhã ou um depois. Eu nunca tive família, pai ou mãe. Fui encontrado quando bebê na frente de um templo de Khalmyr e criado por seus sacerdotes. Estou aqui aqui me arriscando, arriscando meu grande amor. A quem possivelmente não terei muito tempo de viver ao lado dela, me arriscando a perder meus poderes de paladino, a graça de Khalmyr. Mas mesmo se tudo isso acontecer, seguirei em frente, mesmo apenas com as minhas habilidades ou sem ela eu seguirei em frente, mesmo sem armas, armaduras ou equipamentos. Mesmo nu seguirei em frente. Pois isso é preciso, isso tem que ser feito. Heróis épicos existem muito poucos em Arton, e nós somos um deles, e mesmo assim não estamos a altura de um Lekael. Para os derrotarmos precisamos do puro e simples poder bruto, se for necessário que eu sacrifique a minha vida quando nossos objetivos forem alcançados assim o farei, pois é esse o nosso dever: lutar por quem não pode, proteger quem não consegue. Mas sem perspectivas de viver esses novos dias, pois isso é justo, é justo que você tente nos parar, pois essa é sua função. Mas é nossa é derrotar a Tormenta custe o que custar. Não importa o quando percamos ou iremos ao chão, iremos levantar novamente e seguir na luta contra a Tormenta, queira você sim ou não.
Se parar para analisar, os próprios deuses que fizeram esse lugar não estão totalmente de desacordo com nossas ações, pois ainda temos os nossos poderes, e mesmo que eles decidam tirá-los eu seguirei em frente, pois fé é isso.






Mayra

A paladina guarda sua lança e sobrevoa calmamente o grupo, observando o gênio. Ela aguarda os outros falarem enquanto ela própria se acalma, controla a respiração, o impulso de lutar sem pedir ou conceder clemência. Pois clemência é a sua fé, ainda que contra sua natureza.

Uma vez mais calma, ela se dirige ao gênio.

— Há realmente algo mais a ser dito, Guardião? Nosso inimigo está lá fora, prosperando, se refestelando na carne da própria Criação! Crescendo e se multiplicando de formas que deveriam ser impossíveis! Criaturas tão alienígenas que sua mera presença corrompe e aniquila nosso mundo como nenhuma criação divina jamais fez. Eles estão nos destruindo, e se não forem detidos destruirão tudo! Nivenciuénn caiu. Um Reino Divino inteiro!! Uma Deusa Maior nada pôde fazer contra a infecção de seu próprio mundo pessoal, e agora toda a realidade que abrigava a maioria das almas dos elfos foi destruída! Glórien caiu de seu posto e incontáveis gerações de almas foram consumidas de forma irrevogável como se isso nada fosse.Perdidos por toda a eternidade, lançados ao mais puro oblívio. Nós não temos tempo para perder. Se quiser nos deter, lutaremos até o fim, mas quer saber de uma coisa? É lá fora que os deuses precisam de todos nós agora, incluso você, armados e preparados, lutando essa que pode ser a última das guerras. Que Lena retire meus poderes agora mesmo, se eu ouso mentir em seu nome, e em nome da Vida eu juro que nossas palavras são sinceras. E em nome de meu pai, o senhor de toda a Guerra, eu juro que passarei por aqui lutando se não for possível falando.





Kerrigan

— Uma prova de que nosso inimigo é poderoso demais, senhor, é pura e simplesmente a variedade de nosso grupo, e ainda maior é a variedade de nossos aliados que nos aguardam lá fora. Contra a Tormenta não há distinção, só há artonianos. Servos de divindades inimigas estão trabalhando juntos, mesmo os ateus e apóstatas trabalham ao lado dos mais fervorosos fiéis. Todos atuamos em unidade contra um inimigo tão unido quanto, senão mais.

— Uma ameaça tão terrível que mesmo nós, servos da Paz... mesmo nós tomamos parte na guerra... é com grande pesar, e tentando a cada momento minimizar os danos e as batalhas, e como serva da Paz eu imploro que essa luta cesse agora e de uma vez por todas. Já é demais a guerra contra a Tormenta, não precisamos de mais batalhas entre artonianos agora.





Regan

O pequeno general retorna à forma normal (sem dissipar a magia) e abraça sua grande irmã. Enquanto os outros falam, ele apenas tenta se acalmar do susto de mais cedo. Mas quando os outros terminam, ele não fala. Ao invés, apenas tenta se concentrar um instante para conjurar uma Mensagem. Ele encara o gênio enquanto realiza a comunicação mental.





Aeron:

Aeron continua segurando suas espadas com firmeza, e após respirar profundamente, ele diz para o gênio:

—O que todos aqui estão querendo dizer é que estamos fazendo o possível e o impossível para defender Arton, já que os deuses preferem desperdiçar seus poderes tentando nos matar, ao invés de fazer algo útil e tentar colocar um fim nisso. Milhões já pereceram por causa da Tormenta, até um plano divino já foi conquistado, mas eles preferem esconder o poder que pode ser útil. Pois bem, nós não temos a intenção de morrer sem lutar, precisamos de poder para enfrentar a Tormenta, e vamos fazer o que for preciso para enfrentá-los...






DALLAS

—Com sinceridade? Tenho poucas coisas que realmente acho que valem a pena nesse mundo: um bom vinho-negro necropolitano, minha pesquisa, detonar os outros com minhas magias de cinquenta megatons... e o meu bom e velho amigo Pórr. E se para evitar que ele tenha a alma aniquilada por aqueles invasores significa convencer você, então tá. Deve ser bem fácil para você saber quando alguém está mentindo, não? _ afirma convicto o mago esperando que o djim o alveje com alguma magia de adivinhação, ou assim espera que seja.



Dornelles:

"Pela Biblioteca do Infinito, ele não disse o que eu acho que ele acabou de dizer", pensou Dornelles após ter ouvido Aeron exortar que faria qualquer coisa e passaria por cima de qualquer um pra conseguir derrotar à Tormenta. Porque essa era uma das interpretações possíveis, pra essa frase. Que ele mataria o gênio pra conseguir as armas, se precisasse.

Se o gênio fosse causar problemas com demonstrações de ganância, Aeron poderia ter condenado a todos. Dornelles esperava que não. Esganaria Aeron ele mesmo, quando saíssem dali de dentro.




*O gênio olha para o grupo e diz:

—Sabe o que eu deveria fazer com vocês ? eu deveria arrancar seus ossos, Moer e fazer pão com eles, e com o que sobrar alimentar os chacais....
Mas como eu sou um grande admirador da dama do conhecimento e seus servos estão bem representados aqui, eu não vou fazer isso, nunca vi um druida do conhecimento antes de você mortal.

Na verdade eu vou ajuda-los ,Mas que fata de educação a minha tanto tempo já estou falando com vocês e não me apresentei.

Mamushi mohamed é o meu nome, prazer em parte em conhece-los, mas vamos eu prometi ajuda-los a passar por parte do templo e vou cumprir minha palavra

*O gênio estala os dedos e os teleporta para um lugar mais a frente e quando os aventureiros olham para trás apenas um grande salão escuro esta atras dos heróis e de lá apenas se ouvem gritos desesperados e Mamushi fala:*

—Não voltem por este caminho, por mais que doa escutar estes gritos,estes gritos não é de gente viva estas são as bonecas de Alter.
Ela apenas esta furiosa por eu ter passado vocês pelo reino dela, mas eu fiz o melhor que devo.

*Depois disso ele faz uma bola de cristal aparecer na mão dele e a da a Dornelles e diz:*

—Com isso vão poder se guiar pelo labirinto do templo e não vão se perder, esta parte do templo pertence a Arthur e eu não vou invadir o Recinto dele.

cuidado esta parte do templo tem muitos perigos ocultos e extremos, espero que consigam seu objetivo, mas antes de ir eu responderei uma coisa a você jovem Samurai.

Os deuses estão ajudando vocês até mesmo aqui, como você pode enfrentar Lefeu se não conhece como é estar no mundo deles ? como é estar num mundo onde mesmo a sua vontade pode estar contra vocês ?
Expulsar lefeu de arton não vai ser suficiente vocês terão que matar lefeu em seu mundo também, apenas assim poderão acabar com este martírio.

Mais a frente esta uma sala onde Arthur os aguarda,tem mais alguma coisa que queriam me dizer antes de eu ir ?
Pois na próxima vez que nos encontrarmos seremos inimigos novamente, por que provavelmente lutaremos de novo



Lenneth seguia em silêncio o caminho que o gênio mostrava. Estava apreensiva por encontrar seu irmão após mais de 800 anos. Não tinha muitas lembranças do que aconteceu antes, mas sabia que o que quer que tenha feito, o homem lá dentro deveria, com certa razão, odiá-la. Ela embainhou Excallibur e olhou para o guia. Sabia que ele não estava falando tudo, e aquela era a hora de perguntar

—Você está escondendo algo, gênio. Nãos nos disse tudo. O que esconde?




VALÉRIA'N

A guerreira seguia em silencio, aproveitando a pausa para recarregar Savate. No entanto, não era alheia a conversa e acrescentou:

—Não estamos reclamando nem nada, senhor djim. Mas apreciaríamos um pouco de informação. _ arriscou a guerreira com uma expressão sincera e charmosa.

(Off: Usa Canto da Sereia apenas para tornar a língua do djim mais solta.)




Vendar espera o gênio acabar de falar e vê seus colegas fazendo as indagações. Ele então simplesmente suspira.

— Muito obrigado pelo auxílio e pelos aviso Mamushi mohamed. Sua ajuda foi muito valiosa. É uma pena que seremos inimigos no futuro. Mesmo assim desejo sorte a você, e que os desafios do templo não ceifem mais vidas que o necessário.

Ele então se vira como se fosse continuar então se volta para o gênio.

— Quando nos encontramos no campo de batalha novamente, Mamushi procurarei por uma forma de vencê-lo sem matá-lo. Você demonstrou muito valor para não merecer isso.



—Acredite, vindo desse grupo, isso é MUITA COISA.-diz Dornelles, com um suspiro. Magias a torto e a direito, e mais golpes de espada em um piscar de olhos do que uma pessoa poderia desferir em uma vida. E ele andava com esse grupo. Por Arton, repetia pra si mesmo.





"Vai tentar arranjar desculpas para dizer que os deuses se importam com Arton agora? Se eles tem interesse em nos ajudar deveriam fazer algo realmente útil...", Aeron pensa quando o gênio termina de falar.

Então Aeron observa o caminho que precisarão seguir agora, se mantendo em silêncio enquanto espera que as perguntas de seus colegas sejam respondidas.




Arn

O paladino aguarda atento e silencioso o desenrolar dos próximos acontecimentos, ele sabe que a partir dali as coisas ficarão ainda mais difíceis. O risco de morte será bem presente e forte, ele mantém a espada em guarda.






Dallas

Dallas deixou de se importar com os acontecimentos ao seu redor quando o grupo pode pular a ameça seguinte com a ajuda do djim. Agora, tomara uma poção de mana de alta qualidade para em seguida tentar memorizar magias efetivas adiante. Conquanto, uma ou duas magias ainda eram ativas, como a Manopla das Trevas que não seria preciso recuperar, mas as outras eram coisa diferente.

*Dallas toma uma poção de essência de mana pura (+4d6 pms) e segue logo atrás, concentrando-se em memorizar outras magias de seu repertório.*

PMs (15+60): 75- 34

Magias Preparadas escreveu:
1º - Ataque Certeiro acelerado, Toque Macabro, 1x Encontrar Ponto Fraco, 1x Recuo Acelerado,
2º - nenhum
3º (Melhoria Mnemônica) - ..., ...,
5º- ..., Teletransporte (contingência – não escapar de um ataque que o reduziria a 0 pvs ou menos),
6º- ..., Círculo da Morte acelerado,
7º- nenhuma,
8º- 1x Velocidade do Relâmpago (Energia da Tormenta),
9º- 1x Parar o Tempo.


*Nuwa olha para Mamushi aliviada e diz:*

—Perdoe nossa forma rude de agir, caro Mamushi, mas estamos muito preocupados com o Futuro de nosso mundo, mas eu pergunto ao senhor, como devemos agir com arthur ? ele é poderoso como a cobra do Faustus nos disse ?

*Elladan depois indaga o seguinte:*

—Não importa se ele é perigoso ou não, se esta vivo pode morrer e sangrar... Eu não vou deixar um idiota entre a Salvação de arton e nós...

*Nuwa quase tem um troço e diz: *

—Elladan pelos deuses cale a boca!!!





Mayra

— Ele não precisa sangrar nem morrer! Não arranje desculpas para saciar sua sede de sangue, Elfo. Eu cheguei até aqui sem matar, e isso nunca me impediu de superar todos os inimigos, e não vai me impedir agora.

— Mas certamente, qualquer um dotado do dom precioso de Lena pode ser derrotado, de uma maneira ou outra, e nem mesmo um avatar de um deus ficará entre nós e a salvação de nosso mundo.

— De toda forma, Mamushi Mohamed, gostaria que falasse mais sobre esse Arthur. Quem ele é e como está, o que ele pode querer de nós. O que for possível para passar por ele com um mínimo de problemas. Fora isso, agradeço a sua ajuda, foi de grande valia. É uma infelicidade que um encontro futuro entre nós tenha de resultar em luta uma vez mais, e peço que reconsidere.

— Bem, vou dar uma olhada à frente. Se alguém puder me ajudar, agradeço.

A semi-deusa levanta voo para ter uma linha de visão mais distante e desobstruída, procurando avaliar o lugar onde estão, o caminho que deixaram para trás e o que virá em seguida.





Kerrigan está silenciosa, taciturna, absorta em seus pensamentos. Muita coisa já aconteceu nos últimos anos de aventuras ao lado de Arn, muito se passou pela cabeça dela. Mas algo mudou nessa última batalha. Com um suspiro, ela procura um canto mais afastado para refletir sozinha um pouco.





Regan está ainda junto à irmã, também concentrado em sua própria mente. Tudo que poderia ser perguntado já foi. Mas agora se aproxima o momento de decisões graves. O general observa Emilly com tristeza no olhar, depois seus outros companheiros de exploração. Por um instante ele observa Nuwa, e se concentra por alguns minutos. Depois ele percebe Kerrigan em seu canto e a observa longamente.

Quando finalmente sai de seu transe, Regan caminha até Kerrigan, e pega no caminho algo que guardava em sua Mochila de Carga. Ele entrega uma grande armadura à mulher, com mais alguma coisa junto. Ela agradece e vai se equipar.

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Tahlus em Qua 20 Nov 2013 - 21:44

Capítulo XXXVI


NAMALKAH, NOITE


*Lucian olhava alguns papeis referentes a operação da qual fazia parte, era um trabalho chato e enfadonho de regente e ao mesmo tempo de um dos membros desta empreitada, ele sinceramente preferiria estar se aventurando, mas a doença de seu pai o obrigara a Voltar a Namalkah.

Borandir não estava muito doente. Era apenas uma gripe besta que o deixara acamado com febre. Mas os protocolos do reino faziam que pela idade avançada de seu pai, o Paladino estivesse em casa para caso houvesse uma possibilidade de Coroação.

Ele estava em seu quarto em uma pequena mesa iluminada por um pequeno item místico feito por seu irmão para ele pudesse ler sem ter que forçar sua vista a luz de velas, era uma que estava cheia de outros mapas e pergaminhos. E em um lugar reservado uma estatua de Valkaria feita em Selentine. Era pequena, mas bela.

Ele lia concentrado quando uma jovem garota:*


—Lucian, Meu irmão, posso Conversar com você?

*Lucian levanta desvia o olhar de seus afazeres e sorriu para a garota.*

—Claro Samantha. Pode ficar a vontade. Sente-se...

*A jovem então entrou no quarto e sentou na cadeira à frente da que seu irmão estava usando para estudar *

—Meu irmão... Meu querido irmão... Sei que esta muito ocupado com tudo nessa história, mas você tem que se casar, o povo esta questionando por que o Herdeiro do trono de 33 anos, ainda não se casou e ainda não teve um filho. Lucian pelos deuses você precisa crescer!!! Precisa assumir suas responsabilidades como Herdeiro do trono, meu irmão.

*Lucian suspirou e baixou a cabeça. Esta é uma pergunta que muitos estão fazendo a ele. Shivara, Aurakas, Jack, Seu pai, seu primo Roy, seus irmãos, sua madrasta, a nobreza de Namalkah. Quase todos que tinham um pouco de intimidade ou audácia perguntavam isso ao Príncipe Libertador e ele simplesmente dizia o mesmo a muito tempo, não havia achado a mulher certa ainda.*

—Samantha não é tão simples, eu realmente preciso da encontrar a mulher certa para ser minha rainha...

*Ela olha com compaixão para o irmão e coisas vêm a sua mente*

“Será que ele nunca entenderia? Ela teria que explicar ele? Seria isso o que Lucian precisava? ”

*Ela dá um suspiro*

—Meu caro irmão. Sei que sua devoção por Valkaria é absoluta, meu bem, mas tem uma coisa que alguém precisa lhe dizer, e se os deuses querem que seja eu, que assim seja... Lucian, enquanto continuar Olhando para Valkaria como seu ideal, como a deusa e mulher, Nenhuma mulher vai conseguir ser a mulher certa, meu irmão... Acredite em mim, Valkaria nunca iria querer que seu paladino mais amado e exaltado tivesse uma vida solitária... Lucian você precisa de alguém ao seu lado e não apenas em suas orações. E nem me venha dizer que as mulheres de bordeis servem para isso, sabe o que eu quero dizer... Lucian você precisa de uma esposa, precisa de alguém para compartilhar uma vida, para ter filhos e ser o rei sábio que você precisa ser.

*Lucian olhou para irmã e apenas calou-se e pensou um pouco.
Ela estava certa, ele se sentia sozinho, sentia que deveria ter alguém ao seu lado, mas não alguém por conveniência. Deveria ser por amor. Só que, era correto isso, casar por amor? O tal amor deste tipo realmente existia?
Alexander lhe dissera uma vez, que amor era para os servos, o nobres se casavam por dever e que o carinho vinha com o tempo e depois de se lembrar de como seu pai ficara arrasado com o sumiço de sua mãe, Lucian fica carrancudo, mas depois da um leve sorriso e diz:*

—Talvez, você esteja certa, Samantha... Eu vou começar a pensar nisso com mais cuidado. Procurarei uma noiva conveniente a Namalkah.








NORM-MANHÃ


*Fazia dias que Jack não dormia direito. Seus Demônios o atormentavam. Quando dormia, era um sono inquieto. ESUNA olhava para ele preocupada. Sua produtividade caíra, segundo ela. A pequena criatura decidiu que precisava fazer algo. Não podia deixar seu mestre se acabar desse jeito.

ESUNA então mandou suas partes chamarem Masamune Date, com o intuito de fazer seu mestre tomar algum juízo. O pirata veio assim que recebeu a notícia. Ele já sabia que humanos eram burros, mas não sabia o limite dessa burrice. Ele sabia o que acontecia com seu amigo. E era para isso que tinha vindo.*

—Vamos beber algo, Donovan. Não pode ficar desse jeito. Está parecendo um morto. – Disse o Dragão de Um Olho Só.

*Jack, porém, não queria beber. Uma dúvida cruel o consumia por dentro. Então, olhou para seu amigo que sorria com aquela cara de quem quer fazer besteira. Apenas uma coisa veio em sua mente.*

—Pelo que você luta, Masamune?

—Pela Farra, meu amigo. Por ouro. Por sangue. Por poder. Para sentir os corpos nus das mulheres enquanto comemoro uma pilhagem bem feita. Para sentir o vento soprando enquanto viajamos por todo o lado... Pelo bem de Tamu-ra – A ultima, ele falou meio sem perceber.  – Mas o que houve, Jack? Por que essa pergunta tão de repente?

—Eu já não sei o porquê estou fazendo isso... Tenho a Tecnologia, o conhecimento e o motivo para ir embora e não voltar mais. Não consigo entender porque eu continuo...

—Não sabe mais pelo que luta? –  Masamune se espanta ao ouvir as palavras de Jack – Você começou tudo isso, e não sabe mais o por quê?

*Masamune puxou Jack pela camisa e o levou em um Teletransporte para alguns lugares. Visitaram Tiberus, onde havia escravos que não podiam se proteger. Passaram por fazendas, onde as pessoas só queriam ter uma vida simples. Passaram por Trebuck, onde o Exército do Reinado aguardava silenciosamente o avanço da Área. Homens que ficavam tão perto da morte certa e mesmo assim guardavam suas posições.*

—É por isso que lutamos, Jack... É por eles... E... – Num ultimo Teletransporte, voltou para um quarto onde uma menina dormia.  – Pela aquela pequena... Por sua filha...

*E os Demônios finalmente somem. Havia fogo no seu olhar. A duvida acabara.*











TEMPLO DOS DEUSES


*Mamushi sorri para Dornelles e diz:*

—Eu Imagino, caro Guardião do Conhecimento. Eu imagino...

*Depois ele olha para o grupo em geral e diz:*

—Espero que consigam passar pela prova final, Arthur às vezes pode ser um pirralho teimoso e quando aconselhado por Faustus se torna um Pirralho insuportável, mas isso não vem ao caso. O que vocês devem lembrar a ele é dos dias em que ele protegia Arton e fazer ele faze-lo esquecer do seu egoísmo atual... Não se preocupe Lady Nuwa, sei que os dois amargados são resultados do destino que tiveram que, em minha opinião, foi duro demais para eles...Darei a vocês mais informações... Eu posso ter passado vocês pelo perigo, mas Arthur pode Trazer qualquer um de nós, habitantes do Labirinto, de onde estivermos no labirinto, apenas fiz que se apresassem afinal como disse uma vez O lorde Nimb..." O tempo ruge e a Sapucaí é grande"... Apesar de não fazer ideia do tamanho real da tal Sapucaí... Arthur pode fazer isso e VAI fazer isso, ele acha que este lugar é o melhor lugar do mundo para ele, mas não é ele vai lutar pela segurança do que foi designado para proteger e vai fazer isso com unhas e dentes e usando todo recurso que puder sem quebrar seu código de Honra... Sim Arthur é poderoso aqui afinal a Sala dele é um pedaço de Ordine que Khalmyr em pessoa o deu para o jovem General dos exércitos divinos...
*Quanto a Arthur, Guardiã da vida, ele é um rapaz bem calmo na maioria das vezes, mestre na oratória apesar de tão jovem.

Ele é a mão esquerda de khalmyr um dos recursos mais perigosos do deus da justiça, ele e sua montaria Imperius são fortes em combate juntos, mais isso não quer dizer que arthur é mais fraco sozinho...

Ele atualmente se diverte em seu mundo ilusório, onde copias de pessoas que ele estimava e amava muito ainda estão vivas e bem, um lugar aonde aquela maldita guerra ainda não chegou.

Arthur vai querer, provavelmente, que vocês permitam que ele mate A jovem paladina novamente, mas também não ira desistir de tudo tão fácil, ele lutara de todas as formas para manter o que tem e usara todo o poder e autoridade que tem sobre nós habitantes da masmorra.
Em boa parte eu também sinto muito ter que enfrenta-los no futuro, mas é o meu dever para com este lugar e com Arthur que é meu oficial superior, tenho que respeita-lo.


*Depois ele Vira serio e sem compaixão nenhuma para Lenneth de forma fria*

—Já com você, eu tenho contas a acertar... Sim eu escondo algo, eu amaldiçoei sua alma enquanto fazia com que mais da metade de nós morresse, pequena assassina... Eu a fiz esquecer o que havia feito para lembra-la em um momento mais propício. E este momento é agora...

*Mamushi estala os dedos e destrava as lembranças do passado de Lenneth e sorri de forma maldosa*

—Isso eu aprendi com a Dama dos elfos, vingança é feito vinho, fica melhor bem envelhecida... Aproveite e saboreie seus feitos antigos, Pequena cobra...

*Depois ele se afasta do grupo*

—Arthur esta mais a frente se guiem pelo item que dei a vocês ou não a escolha e de vocês... Salam Aleikum meus Caros e até uma proxima vez


*Mamushi guarda sua maça e bate Palmas e some em pleno deixando o grupo para traz, Depois de Mamushi sumir, imediatamente a espera começa a brilha e na encruzilhada que Mamushi os havia deixado ela apronta o caminho reto e o Rei do Deserto diz:*

—Lenneth do que ele estava falando ? você esta Bem ?

*Ele se aproxima de Lenneth tentando ver se a Paladina estava bem*

*Emilly olha para regan depois de tudo e apenas abraça forte o General e diz:*

—Desculpe irmão, eu fui uma inconsequente. Eu só queria ajudar...

*Depois disso ela só abraça mais forte o pequeno general yudeniano*




Mayra

Quando o gênio está se despedindo, Mayra já desce para junto do grupo. E acode Lenneth assim que a criatura vai embora.

— Sir Lenneth!? Ouça minha voz, não se entregue às memórias funestas que ele tenha liberado! O passado não importa, ouviu? Respire, se acalme e descanse até sua mente se clarear, mas não se entregue. Nós estamos aqui com você.




Regan

O general abraça a irmã de volta.

— Eu já me acostumei com você ser inconsequente, minha irmã, mas pense melhor no que faz, por favor. Você não pode morrer agora, deixaria Arton na mão. Deixaria seus filhos na mão. Me deixaria na mão...

Então ele se dirige a todo o grupo.

— Antes que prossigamos, temos que deixar claro uma coisa. É uma das informações que Nuwa conseguiu. Arthur não apenas guarda as armas que viemos pegar. Ele é o ÚNICO com acesso a elas. Se Arthur morrer, não teremos como pegá-las.

— Em resumo, esse é o verdadeiro desafio. Arthur deve ser CONVENCIDO a nos dar essas armas. A desistir deste templo. Se trata de um homem louco vivendo em sombras do passado, uma realidade criada para mimetizar seus anos felizes, e ele está apegado a ela. Mas precisa desistir. Essa é nossa missão. Lembrem-se dela.



Lenneth gritava.

Tivera um pequeno vislumbre antes, porém agora tudo estava claro para ela. Se aquilo tudo estava acontecendo, era por culpa dela. Se seu irmão estava louco ou se aquelas pessoas estavam ali era por culpa dela.

Lenneth viu as inúmeras vidas que teve desde o começo do castigo. Vira quantas vezes fora feliz e teve uma família e vira todas as vezes que os Deuses mandaram seus agentes para acabar com a felicidade e a vida dela. Durante esse tempo, Lenneth era a 23ª encarnação. Já fora de tudo. De plebeia a maga. De prostituta a princesa. Fora vitima da maldade dos serviçais de Divindades malignas diversas vezes, até mesmo criança fora sacrificada. E tudo a atingiu ao mesmo tempo.

...

Porém aquela não era hora de tremer feito uma criancinha. Ela era Sir Lenneth Donovan, e não passou por tudo o que passou para chorar agora feito uma menininha.

Ela então acalma-se, ouve Von-Heller e segue em direção a porta.

—Com certeza ele virá me atacar. Eu não acredito que ele esteja louco. Apenas confuso ainda. Vou fazê-lo entregar as armas de todo o jeito. Portanto, se houver mais alguém lá, não foquem-se no Arthur. Ele é problema meu... Eu o fiz ficar assim, então eu o farei voltar.

Mesmo com os olhos cheios de lágrimas, o corpo tremendo, Lenneth decidira-se. Era hora de luta e não de choro.




Regan

O general segura Lenneth pelo pulso, para ter certeza de sua atenção, e a olha nos olhos com uma expressão séria.

— Pare de se comportar feito criança! Se sacrificar não vai mudar o passado! Carregar tudo nas suas costas não vai resolver coisa alguma! Nem a sua dor! Você acha mesmo que se jogar na lança dele vai te trazer algum alívio!? Ou a NÓS!? Você não está honrando, nem corrigindo, merda nenhuma sendo mártir agora!

— Arthur é problema de todos. Ele guarda artefatos que podem salvar nosso mundo, e os Reinos dos Deuses. Artefatos que podem ser usados para nos salvar das criações que suscitaram aquela guerra para começar. O destino do mundo inteiro está em jogo, você não vai colocar as picuinhas pessoais de vocês na frente da nossa missão! Nós vamos precisar de todas as vantagens que pudermos. Isso significa ser eficiente, não ser pessoal. E significa, Sir Lenneth, que nós precisamos de VOCÊ, tanto quanto precisamos dessas armas! Talvez mais. Não vou permitir que se sacrifique procurando uma paz que não vai encontrar assim.

— E é óbvio que ele vai te atacar, é de você que ele tem raiva, mas fomos NÓS que morremos naquela guerra! E as armas que ele guarda, SÃO NOSSAS! Sempre foram! Nós somos tão parte disso quanto você, e você não vai nos tirar isso! Seus irmãos e irmãs que você matou com as próprias mãos estão aqui agora! E agora nós precisamos de você, não da sua culpa, não do seu arrependimento, e muito menos da sua morte. Talvez mais tarde alguns de nós queiram tirar satisfação pelo passado. Você deve a muito mais gente que só ao Arthur. Mas não é morrendo aqui que você vai pagar.

— Se terminou de se afundar em autoflagelação e coragem fingida, vamos fazer um plano de verdade. Claro que temos que levar o ódio dele por você em consideração. Isso pode mesmo ser uma ferramenta útil, ou um transtorno. Vamos tentar usar isso em nosso favor, e vamos enfrentar o desafio à frente com astúcia, não com um sacrifício infantil de uma criança para outra.



Lenneth

—Como ousa achar que é simples martírio? Que é criancice? Você NÃO ME CONHECE, VON-HELLER, ENTÃO NÃO OUSE FALAR ASNEIRAS A MEU RESPEITO. Não sabe nada sobre meu passado. Não sabe nada do que fiz... -- Ela se encolhe um pouco -- É um fato. É um problema meu. Se eu morrer não vai mudar muita coisa. Apenas me deixem cuidar dele. Me deixem tentar...

Lenneth forçava-se para não parecer nervosa, mas era impossível naquela situação. Illya, que acompanhava o grupo desde que encontrara no começo do Templo, sorria ao ver a situação.

—Arturia, digo, Lenneth, se quiser, pode tentar falar com Karia para cuidar dele. Tenho certeza que juntas damos cabo dele... Como nos velhos tempos...

—NUNCA. NUNCA MAIS ACONTECERÁ. -- Responde Lenneth já tremendo. Pelo que podia-se ver, Karia devia ser a Algoz que encontraram no começo do Templo.




*Elladan apenas olha a confusão e fala com a voz calma*

—"Leneth Cale esta boca já !! e você projeto de Dragão fique quieta, se vocês de querem morrer aqui por causa de ataques histéricos fiquem a vontade!!!
Eu não vou partilhar deste destino pretendo sair daqui VIVO e com minha irmã e se possível cumprir a missão que fomos designados.

Então chega desta palhaçada!!!

O que vamos fazer é o seguinte e é bem simples, é dizer a ele a o que ele quer ouvir, se nós eramos companheiros dele de combate e voltamos a Tal "esposa dele" também esta viva e de volta e ficar aqui é uma perda de tempo já que ele pode recomeçar de onde tecnicamente parou...

é uma mentira, muito provável, mas ele apenas precisa ser convencido a sair daqui por enquanto depois fazemos ele nos dar as tais armas, UM PASSO DE CADA VEZ.
E outra se ele tentar matar a Lenneth é melhor apenas dizer que, morte é Libertação e não punição e que ela devera ser punida pelo tempo e logico lembrar a ele que ele foi preso aqui por fazer uma coisa que nós elfos vamos fazer em breve...

VINGANÇA, por mais que eu odeie admitir é vazia e com pouco proposito real, mas em alguns casos é necessária, somente teremos que convencer que para ela é bom demais a vingança pelas mãos dele e que ele deve se dedicar a conceitos mais elevados de Khalmyr.

Lenneth nós vamos odiar falar certas coisas de você mas vai ser necessário, então se puderem manter a calma e pensar num plano que seja eficiente e que ninguém tente jogar com egos aqui teremos muito mais a ganhar do que essa queda de braço ridícula. "



*Nuwa olha o irmão e diz:*

—Elladan de certa forma esta certo temos que tentar apelar para o resto do bom senso dele, antes de querer bombardear ele com flashbacks que apenas o deixaram mais confuso e agressivo, agora vamos ver que tipo de lugar estamos lidando antes de fazer esta porcaria toda e Mayra, você não vai a lugar nenhuma antes de definirmos o que vamos fazer





Vendar olhava a reação de Lenneth e fala em sua voz insetóide.

— Você está certa Lenneth, os seus crimes foram graves demais.

Ele então com uma mão joga para longe a espada de Lenneth e com a outra segura a garganta dela. O desafiador levanta a pequena jovem pelo pescoço e a pressiona contra uma parede próxima com força suficiente para rachar a rocha. Mesmo todo o poder dela não era nada contra a força anti-natural do portador de simbionte. Lenneth sente o ar sendo violentamente expulso de seus pulmões e seu pescoço cedendo a gigantesca pressão. Ela sente com certeza que vai morrer.

Subitamente Vendar a solta e o ar volta violenta e dolorosamente para dentro dos pulmões da jovem. Após alguns momentos deixando a paladina pegar ar ele fala em sua voz insetoide e alienígena.

— Está se sentindo melhor agora? Você ia morrer, mas me diga, em que isso ia ajudar a você, a nós ou ao Arthur? Você simplesmente ia reencarnar e levaria anos para recuperar sua força, nós morreríamos sem a sua ajuda, Arthur ia continuar perdido em seu mundo ilusório. Sua morte não traria nada de bom. Mesmo assim você ainda deseja isso?

Ele então dá um passo pesado a frente.

— Uma coisa boa que lefeu me ensinou é que o todo é maior que a soma de suas partes. Lenneth agora você sabe a verdade sobre você, agora toda a sua memória voltou e as ilusões acabaram. Você está completa.

Ele dá outro passo pesado, agora estava de pé diante dela.

— Se você quer realmente se redimir por tudo o que fez, jure que de hoje em diante você nunca fugirá de seu passado ou de quem você é. Jure tirar força de TUDO o que você é, seja boa ou ruim, e use essa força para salvar arton. Jure que você lutará para desfazer o mal que fez, mas que nunca mais tentará a fuga rápida que é a morte.




Lenneth permanecera caída no chão enquanto recuperava o folego. Vendar a pegara de surpresa, desarmando-a mais depressa do que pudesse perceber. O ar foi faltando. Ela tentara se debater. O corpo foi ficando pesado. O conhecido sono da morte começava a querer acolhe-la. Num instante Lenneth fecha os olhos e aguarda o sono chegar.

Porém, ela finalmente percebera o obvio: Ela não queria morrer.

Havia muita coisa que ela queria fazer. Havia muita gente que ela queria ajudar. Muitas criaturas malignas que ela queria destruir. Queria ser um Cavaleiro tão grande quanto foi Philip Donovan e Arthur Donovan II. Queria ser líder da Ordem da Luz. Ser um bastião na luta contra o mal...

Casar-se... Ter uma família para chamar de sua... Imagens formaram-se involuntariamente em sua imaginação. Talvez fosse seu mais íntimo desejo. Talvez fosse uma alucinação de suas vidas passadas. Não saberia dizer.

Lenneth continuava sentada no chão recuperando o folego. Não sabia o que dizer àquele homem. Ele dera tudo e mais um pouco por Arton e ela esperneando feito uma criancinha... Sentia-se envergonhada. Encolhera-se e abraçara os joelhos, como fazia antigamente quando sentia medo. E, involuntariamente, pôs-se a chorar.




VALÉRIA'N

— Shshshshsh... Agora calma, minha querida. Calma. Nada de bom vai sair se der ouvidos a "bandeira" de Arthur. Se vai ouvir alguém ouça o seu parceiro. Ele deve ser um bom marido, acho. Meio truculento, mas tem razão. _ diz calma e pacientemente para Lenneth.

(Off: Usa em Lenneth Acalmar Emoções.)

—Agora deixe disso e vamos ali meter um ferro quente no rabo de um servo dos deuses, sim, querida? _ diz com um sorriso e uma piscadela de menina má para a moça.

A guerreira tinha as experiência de que todos chegam a este momento no campo de batalha. A reflexão, o choque de mundos e horizontes de sentido quando em confronto com a moral e os frutos de suas escolhas e história.

(Off: Lança Comandar Maior: "pare".)

—Os outros podem querer que você seja algo que desejam, mas só você pode decidir quem vai ser. _ disse-lhe inspiradora.

(Off: Aplica Hipnotismo, concedendo-lhe +4 em todos os testes de resistência pelo próximo minuto.)




[OFF: Lenneth testa Vontade 24 contra Acalmar Emoções (CD 13) - Rolou 1D20=15 + 24 = 39 - PASSOU. Em seguida testa Vontade 24 contra Comandar Maior (CD 16) - Rolou 1D20=17 + 24 = 41 – Passou. Por fim, testa Vontade 24 contra Hipnotismo (CD 12) - Rolou 1D20=18 + 24 = 42 – PASSOU]

Lenneth se mantem atônita às palavras de Valeria'N. Parecia que a mesma nem estava ali. A filha do Déspota fora completamente ignorada. Lenneth estava imersa num mundo de confusão. Perdida em confusão e vozes de suas vidas passadas em sua mente.



Vendar esperava Lenneth parar de chorar quando Valéria faz e diz aquilo, ele então pôe a mão entre ela e Lenneth.

— Valéria, você é igual ao seu antecessor. Sempre achando que efeitos e disciplinas especias são a melhor solução. Sempre achando que tomar as decisões dos outros é a melhor solução.

Ele olha contrariado para ela.

— Lenneth precisa enfrentar seu maior desafio, ela tem que saber o que quer. Ela tem que tomar uma decisão séria. E para isso ela precisa pesar TODAS as possibilidades e TODOS os fatores. E tem que tomar essa decisão por si mesma. Precisa vencer o desespero por si mesma. Se você tirar isso dela, ela nunca será ela mesma. Ela será uma criação sua. É isso que você deseja? É isso que ela deseja?




VALÉRIA'N

—Ei, ei! Calma ai grandão. Estou só dando o apoio de que ela precisa. Não vou tomar nenhuma decisão por ela. Sei muito bem como é esse tipo de coisa. Só não sei como são as coisas dentro dessa sua cabeça; e nem quero entrar nela de novo, mas todo mundo precisa de um apoio de vez em quando. Lenneth está muito mal, parece que está um caos tão grande quanto na cabeça de Nimb, primeiro tranquiliza-lá. Ela não pode tomar nenhuma decisão sensata como está. Olha, sei que ela vai tomar a decisão mais acertada, mas também sei que nem você nem eu estamos indo para deixar Arthur por as mãos nela. Precisamos ajuda-lá a sair dessa fossa para depois ela poder escolher seu caminho. Certo? _ Valéria'n defende seu ponto esperando que o usuário simbionte concorde com ela.




Mayra

A paladina ignora os outros e apenas se senta ao lado de Lenneth. Não fala nada, só se senta ao lado da Cavaleira, mostra que está lá, mas sem interferir.




Regan

Vendo essa reação, o general entende e chama com sinais os outros dois.

— Se a cabeça dela está confusa, o que ela precisa agora é de tempo para se acalmar. Tempo, não discursos. Talvez mais tarde, quando ela estiver pronta para falar o que se passa em sua mente, nós possamos ajudar mais.

— Algumas vezes, apoio é apenas estar presente, e é disso que ela precisa agora. Nós estamos aqui e isso é tudo que resta fazer. Então aproveitemos esse tempo para elaborar um plano de fato, concordam? Um jeito de iniciar o contato com Arthur, e parâmetros do que fazer quando as coisas derem errado. É provável que deem errado algumas vezes.




Kerrigan

A mulher saíra de vista um tempo para se preparar, e agora retorna devidamente equipada com sua armadura nova.

Quando vê Lenneth chorando a um canto, ao lado de Mayra, ela fica confusa.

— O que foi que aconteceu?





Vendar ouve o que regan disse e fala.

— É isso que ele disse. Infelizmente existem coisas que não podemos apressar, pelo menos não sem o risco de piorar ainda mais. Ela está com uma tempestade emocional agora e precisa aprender a lidar com isso. Ou a qualquer momento ela poderá não ser capaz de controlar a si mesma em combate.

Quando vê Mayra Vendar fala.

— Lenneth lembrou de muita coisa que não gostaria e está ainda tentando aceitar a ideia. Dê um tempo para ela.





Valéria'n concorda em silêncio com Regan, e quando vê Mayra chegar apenas a cumprimenta com um aceno e permanece ao lado do círculo em coleguismo.




Lenneth tremia. Um de seus olhos começava a mudar de coloração. Illya, já estava alegre.

—Lá vem eeeelaaaa... OBAAAAAAAAAAAA!!!! Tenho umas contas a acertar com esse pederasta.

—Me ajudem... Não consigo... Você não vai sair... Socorro... Relaxe, Sir. Eu cuidarei muito bem do nosso irmão. Tenho contas a acertar com ele. Ele ou me escuta ou não escutará nada. Não há tempo para conversinhas. É hora de atacar com tudo...Ora, Karia, tenha modos. Você já teve sua chance a séculos atrás e falhou. Me dê um tempo com aquele pedaço de mal caminho que eu resolvo todos os problemas mentais dele... Ops, esqueci que a Lenneth é semi-virgem. Rei do Deserto, você deve melhorar sua performance. Foi terrível. Deixou a menina assustada... Por favor, já chega, Selena. Deixem-me implorar pelo perdão do meu irmão. É culpa minha que tudo isso esteja acontecendo. Eu me chamo Arturia Donovan Pendragon. O que tem lá é algo que os pertencia. Partes de suas almas que Karia arrancou quando os mataram. Mauziell então guardou essas coisas e Khalmyr forjou itens com elas. Ele, por ser a Mão Esquerda de Khalmyr, não vai querer conversa. Principalmente por ele ter sido incumbido de ser o Executor das Leis de Khalmyr. Por algum motivo que não lembro mais, eu me apaixonei por ele. Uma paixão infantil, mas fiquei triste e enciumada ao ver ele com aquele que conhecem atualmente como Roy Mustang. E Kallyadranoch aproveitou-se disso. Por minha inocência na época, fui facilmente enganada por ele. Então ele criou Karia Pendragon. O próprio nome era uma afronta ao Deus da Justiça. Então ela convocou todos os Dragões-Reis e, num ataque surpresa, assassinou quase todos vocês. O restante foi morto quando chegaram depois. Foi uma verdadeira carnificina. Meu irmão, consumido pela fúria, matou Karia quando a mesma já estava rendida pelo Faustus. O resto é apenas história. Por isso, eu imploro a vocês. Deixem-me falar com meu irmão. Implorar pelo seu perdão. Essa garota, Lenneth, merece o que nós não tivemos. E eu vou ajudá-la.




Arn

O paladino já estava ficando de saco cheio da criaturinha asquerosa que sempre importunava Lenneth e fazia sair o lado sombrio. Sua vontade era de pegar o maldito ser, jogar dentro de uma área de Tormenta, matá-la para que sua alma encardida desaparecesse. Mas não podia fazer isso, ele não sabia que tipo de ligação ela e Lenneth possuíam, então em vez de salvar a jovem paladina ele poderia a estar condenando.

O guerreiro-santo desembainha Retribuição, e com uma expressão claramente irritada e totalmente sem paciência ele fala em um tom de voz firme, imperativo e decidido, mas não grita. Ele dirige a palavra a criaturinha asquerosa que acompanha Lenneth:

—"Calada! Não diga mais uma palavra. Se você demonstrar mais uma vez satisfação quando Lenneth sair do controle, eu vou te enjaular e depois te jogar dentro de uma área de Tormenta, lá te matar. Aí quero ver se essa sua alma imunda poderá fazer algo além de desaparecer completamente."
(off.:Intimidar contra o ser diminuto +36.)

Ele então se aproxima de Lenneth, e a toca com carinho e ternura, e fala com uma voz calma, porém decidida:

—"Chega paladina. Você já pagou por seus crimes. o própria Khalmyr sabe que não é mais justo que você continue a sofrer por algo que fez a milhares de anos atrás. Por isso te deu essa chance de se redimir: enfrentar suas fraquezas, recuperar as armas, dar descanso aos seres que aqui habitam e salvar Arton e o próprio Khalmyr. Afinal de contas é isso que os paladinos fazem. Eu não te culpo e nem sinto nenhum remorso pelo que você me fez a milhares de anos atrás. O que me interessa é o aqui e o agora, você está sendo uma verdadeira heroína. Todos passamos por problemas, todos fraquejamos. Eu mesmo, quase matei a Kerrigan, por ter falhado no teste. Mas eu tenho certeza absoluta que quando aqui acabar eu terei orgulho de dizer que lutei ao lado da brava e valorosa Sir Lenneth Donovan. Na verdade eu já estou muito orgulhoso. Pois enfrentar o que você está enfrentando não é para qualquer um, e você está resistindo.
Esqueça Arthur, já não há outro caminho para ele. Esse templo é como as Masmorras da Estátua de Valkaria, após o desafio ser cumprido, todos os habitantes do lugar tiveram se merecido descanso. E é isso que você vai dar ao seu irmão o descanso eterno e a liberdade. Não só para ele, mas para todos desse lugar.
Pois você é uma das pessoas mais fortes que j;a conheci. Agora se acalme e mantenha o foco no objetivo: recuperar as armas e dar o merecido descanso aos habitantes desse lugar"

O paladino então dá um beijo no topo na cabeça de Lenneth, um beijo de amigo, um beijo que diz "Segura as pontas pois estou aqui e tenho 100% de confiança em você".

(off.: Teste de diplomacia com Lenneth +36)





Dornelles observava enquanto Lenneth era sufocada por diversas pessoas prestando ajuda ao mesmo tempo. Não iria participar daquela história de bardos do SBT, a Sociedade de Bardos Trovadores. Opunha-se às histórias melosas demais, mas devia aceitar a existência, porque querendo ou não, era cultura, e sua patrona apoiava.

Estendendo um lenço pra Lenneth, pra que ela enxugue suas lágrimas, ele espera todos estarem prontos.


—Se todos vocês já cansaram de infringir a norma culta da gramática com os seus "há anos atrás", vamos em frente.

"Incrível, todos capazes de destruir montanhas com um movimento, mas incapazes de seguir a gramática do Valkar", pensava ele.






Illya fora acuada por Arn de surpresa. Ele parecia bem maior diante de sua forma diminuta.


—Se... Se eu não tivesse presa nessa forma ridícula, certamente te ensinaria algo... -- Dizia Illya desviando o olhar. Certamente sabia do Terror da Tormenta, pela expressão de medo.


Lenneth finalmente recobra a consciência após um bom tempo falando aleatoriedades. Ela levanta-se sem se importar com os outros. Vai em direção de sua espada e a embainha novamente.

—Podemos ir agora. Elas pararam de falar. É a minha vida, e apenas eu decidirei as coisas. Se for preciso, deixarei Karia ou Selena lutar com Arthur, mas apenas SE for preciso. Sinto muitíssimo se os preocupei... Devemos nos preocupar com os Desafios que Mamushi nos fez "escapar". É quase certo que estejam todos lá dentro, o que aumentará e muito o risco que correremos. O caminho mais correto a se tomar é, primeiramente, apelar para a sua bondade. Caso contrário, preparem tudo o que tiverem de melhor para lançar em cima dele e de qualquer um que esteja lá.



Arn

Vendo que suas palavras não despertaram nem um pouco o lado paladina de Lenneth, Arn a ignora, falando apenas para traçar o caminho:

—"Von Heller tem razão, o desafio aqui é tirar as armas dele, sem luta. Apenas o convencendo do contrário. Nesse caso ninguém com a língua mais afiada e habilidosa do que Kerrigan."

Ao perceber a ameaça que fez a criatura, Arn se ajoelha finca Retribuição no chão e apoia as mãos no cabo da espada e ora, sem usar palavras apenas em pensamento:

—"Khalmyr, grande Deus da Justiça e Patrono dos Paladinos. Cometi um ato terrível, como paladino não poderia ter me dirigido daquela maneira. Peço-te perdão, e aceito a punição que o senhor julgar mais justa."




Regan

Quando ouve o nome de Roy Mustang, Regan dá uma leve risada, mas logo a abafa e fica sério de novo. Vai ser muito engraçado encontrar o amigo depois.

- Só gostaria de lembrá-los, caso não tenham entendido, que deixá-lo vivo não é opção, é necessidade. Arthur é o ÚNICO com acesso a essas armas, até onde lady Nuwa pôde descobrir. Estão em um espaço dimensional que apenas ele, com seu comando sobre o templo, pode acessar.

- Então parem de fazer planos pensando em combatê-lo. Nós combateremos o resto, mas contra Arthur nossa única opção é sobreviver, talvez tentar contê-lo. Além de tudo, ele é extremamente poderoso, mesmo para nós, então podem acalmar esses ânimos guerreiros de vocês. Se for preciso lutar, foquem em retirar outros inimigos do combate. De preferência, respeitando as servas de Lena e Marah presentes, que se ressentirão de qualquer carnificina.

- Mestre Druida, este não é o momento de se preocupar com a norma culta de um idioma, qualquer que seja ele (e essa não foi a pior infração).


Mayra

A Paladina ficara surpresa quando a amiga ao seu lado começou a falar com suas outras personalidades. Mas ela deixou que cada uma falasse, e escutou com atenção. Depois, quando ouviu as palavras de Arn, ficou chocada, mas guardou um pouco sua fúria, havia coisas mais importantes a dizer.

— Bom, ainda bem que passou. Espero que aprenda a conviver com essas facetas, que ao que parece são seu passado, Sir Lenneth. E é bom que isso possa se resolver sem matança.

— Aliás, muito obrigada, general Von Heller, por lembrar-se dos dogmas da Vida. E eu agradeço muito a todos que se seguraram na batalha contra Mamushi, que de fato se mostrou nosso aliado no final.

— Não tenho como exigir nada de vocês, mas insisto que tentem ter a mesma compaixão com nossos inimigos, que não tirem vidas, ao menos em respeito a mim e à serva de Marah. Afinal, cada inimigo que enfrentamos, pode vir a ser um aliado futuro contra a Tormenta, e não podemos desperdiçar nenhum deles.

— Quanto a você, colega servo da "justiça", gostaria de ver mais justiça e menos raiva em sua atitude! Isso é coisa que se diga!? Eu realmente espero que as suas palavras tenham sido um blefe, mas mesmo que sejam, ainda são de extremo mal gosto! Condenar uma alma a ser obliterada pela Tormenta? E ainda fazer isso deliberadamente!? Você devia ter vergonha! Não condiz com um Paladino, muito menos com Khalmyr! Essa monstrinha pode ser um saco, mas é artoniana como eu e você, e está nessa também, já pensou nisso!

—Se você tem um mínimo de hombridade e respeito pelo símbolo que ostenta, vai lá e pede desculpas a ela! E nada de falar baixinho, seja justo, se retrate de forma pública pela ameaça que foi pública! E se um dia você tiver a coragem de fazer uma coisas dessas que você falou, eu mesma te caço para te levar à justiça que você conspurcou!




Kerrigan OFF: Para quem não prestou atenção e chamou ela de Mayra na última: KERRIGAN

Quando ouve Arn fazer sua ameaça, ela não fala nada. Mas baixa a cabeça, e suas lágrimas logo estão marcando o chão aos seus pés.





Arn

Ao ouvir o que Mayra fala, Arn fica extremamente envergonhado do que fez e muito desapontado com ele mesmo. Mas sem pensar duas vezes ele se levanta, guarda Retribuição caminha até a "criança", agacha e estende a mão a ele e dala:

—"Perdão senhorita, pelas minhas palavras. Realmente eu fiquei muito irritado, pois de alguma maneira associei a sua presença e palavras as mudanças de estado de Lenneth, como se você as tivesse causando. Mas eu não sei se é isso e não posso acusar ninguém sem provas, nem muito menos fazer a ameaça que fiz. Então me perdoa? Estou arrependido do que fiz.
Mas pelo amor de Khalmyr, para com isso. Não ajuda em nada. Então perdoa?"




*Nuwa olha para o Paladino ofendida*

—A claro grande paladino você é vai ameaçar um ser que não pode se defender ? Cada vez que eu vejo um paladino de Khalmyr digo que já vi todos, e vamos parar com isso ?

Temos que formar um plano para frear o impeto de mais servo de Khalmyr maluco, eu quero terminar logo isso tudo...

Tamos que fazer que ele entregue as armas certo, então vamos fazer o seguinte, Leneth acha que pode ficar mais atrás? que pode ficar longe dele ? enquanto eu, Donelles e Kerrigan negociamos?

E quanto a você Lenneth, espero que esteja pronta para se manter firme, não podemos fraquejar agora..


*Ao ver Serva da paz chorando Nuwa fala*

—Engula esse choro, você não tem direito de Fraquejar agora, nenhum de nós tem, somos a esperança de Arton, deixemos fricotes e problemas pessoais de lado agora!!! depois você se entende com esta besta que se diz um paladino.

Pelos deuses como eu queria que tivesse vindo um paladino de outra divindade que não fosse o banana da justiça, a Mayra esta aqui e é de grande ajuda, mas...


*Elladan se aproxima da menina e a pega no colo e diz em elfico:*

—Não fique assim pequena, ele é um paladino falastrão, esta bem?
esqueça isso, vamos temos um assunto a resolver com o Arthur e desta vez vamos tentar fazer isso sem você Matar ninguém, esta bem ?



—Sim. Entendido. -- Responde Lenneth. Infelizmente era o melhor.

Illya ainda estava acuada quando Elladan a colocou no colo. Ela não podia acreditar que ele novamente fazia isso com ela. Fazia muito tempo desde a última vez que ele, na época o General de Glórienn e ela uma Dragoa Jovem ainda, estiveram juntos. Talvez ela contasse a ele sobre o que aconteceu, mas naquele momento só queria ficar abraçadinha com ele.



Arn

Ao ser ignorado por Illya, Arn se levanta e fala:

— "Bem, acredito que isso seja um não."

Ele caminha até Kerrigan e fala com ela, nem alto para todos ouvirem nem baixo como se estivesse escondendo algo:

— "Me perdoe pelo que fiz. Quando tudo isso acabar terei muito do que me desculpar com você."

Ele dá um beijo na testa dela, mas um beijo de amor, bem diferente do que ele deu em Lenneth. Ele então se coloca ao lado de Kerrigan em posição de quem aguarda a próxima movimentação.




Vendar via a tudo, mais uma turbulência nesse organismo que era o seu grupo.

— Não matar, tentar convencer o cara a nos entregar as armas por livre e espontânea vontade, respeitar as servas de Lena e Marah. Entendido.

Ele então olha para Lenneth.

—Seja forte.

Ele então fica pensativo, por um momento ele teve curiosidade sobre quem ele foi. Ele pensou em como seria uma vida normal, sem a sombra da tormenta tornando o futuro rubro. Será que em outra vida...

O desafiador balança a cabeça, nada disso fazia diferença. Só o futuro implacável esperava ele e o grupo. Nenhum de lá devia ter esperanças, pois eles tiveram que sacrificá-la para que o mundo pudesse tê-la.

O desafiador dá um passo a frente esperando seus companheiros.



DALLAS

— Concordo com Vendar. Nem tudo se resolve com violência; podemos controla-lo com a boa e velha magia, por exemplo. E em último caso, é só usar um desejo. Magia é sempre útil assim. _ disse confiante o necromante.

(Off: Quem tá mestrando? Seja você quem for, esqueceu de apontar quantos pms o Dallas recuperou, a poção deu 4d6.)



Dornelles

—Sempre é hora de respeitar a norma culta, a Mãe da Palavra nos capacita a aprender, e usar sempre a forma correta. Mas deixo a aula de gramática pra depois, agora temos uma sessão de negócios pra conduzir. Vamos eu e os outros conciliadores na frente, deixando o combate pra caso tudo mais dê errado. Sou devoto da Mestra dos Verbos, mas concordo com os dogmas de paz da Dama Branca.

Dornelles permaneceria com sua maça guardada, bem como seu escudo, só iria com sua armadura, seu símbolo no peitoral sempre era útil em negociações.



(Sou eu o mestre, necro, você recuperou 15 pms)


*O rei do deserto puxa Lenneth delicadamente pela a mão e diz:*

—Vamos continuar a andar até o nosso inimigo e tentaremos entrar em acordo com ele esta bem ? vamos parar de chororo aqui...

*Gilgamesh da as costas ao grupo e vai em direção onde o Gênio apontou que Arthur estaria e no processo soltando a mão de Lenneth no processo, a Jovem Emilly o acompanha saltitante como se nada tivesse acontecido e depois de um tempo você vem que Gilgamesh esta certo e se põe a andar atrás dele que vai próximo a dornelles que usa o item que Mamushi disse que os guiaria para mostrar o caminho.*

_________________
"Força Bruta: se não funcionou, é porque você não usou o bastante"
-Um sábio...
avatar
Tahlus
Mentor
Mentor

Mensagens : 102
Data de inscrição : 14/11/2013
Idade : 26

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Última Libertação - 1ª Fase

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum